Reavivados por Sua Palavra


II CORÍNTIOS 6 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
30 de setembro de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO II CORÍNTIOS 6 – Primeiro leia a Bíblia

II CORÍNTIOS 6 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

II CORÍNTIOS 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



II CORÍNTIOS 6 by Jobson Santos
30 de setembro de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/2co/6

Em apenas dezoito versículos, II Coríntios 6 oferece percepções centradas em Cristo suficientes para manter alguém refletindo por muito tempo! Nos versículos um e dois, Paulo diz para não receber a graça de Deus em vão e para fazer de “hoje” um dia de salvação (veja também Hebreus 3:7 e 8).

Os versículos quatro e cinco apresentam uma série de circunstâncias negativas e horríveis, mas nos versículos seis e sete Paulo oferece soluções incrivelmente eficazes! A solução está “no Espírito Santo e no amor sincero”.

A seguir, nos versículos oito a dez, Paulo contrasta experiências positivas com outras muito desagradáveis, culminando com um apelo bastante penetrante nos versículos de onze a treze, quando pede aos membros da igreja de Corinto que abram seus corações e seu amor para com ele e seus colegas de ministério.

De repente, em uma mudança inesperada de pensamento, Paulo termina o capítulo (versículos quatorze a dezoito) fazendo um apelo eloqüente para que os Coríntios mantenham a integridade cristã a fim de que Deus cumpra a Sua promessa: “Habitarei com eles e entre eles andarei; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo” (2 Coríntios 6:16 NVI). Que ambição elevada para todos os cristãos!

David Grams
Capelão, Hartland College, Rapidan, Virginia, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1330
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



II CORÍNTIOS 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
30 de setembro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1400 palavras

Cooperadores com Ele. O princípio da cooperação é vital ao desempenho espiritual pessoal e ao sucesso no serviço cristão. Deus não dispensa o auxílio humano (DTN , 535). A capacidade humana para o bem depende da medida de sua cooperação com o divino (cf. Jo 5:19, 30; DTN, 297). Os ministros cristãos e os colaboradores não devem tentar trabalhar por sua própria força ou sabedoria, e Deus não os deixa entregues a si mesmos, à sua própria sorte, ou a seus próprios recursos. Essa cooperação entre Cristo e Seu s embaixadores deve ser íntima e contínua para que sejam “habilitados a realizar os feitos da Onipotência”(DTN , 827). Cristo é mais que um observador; é um companheiro ativo em tudo o que eles fizerem (Fp 2:12, 13; cf. Hb 1:14). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 960.

Recebais. Do gr. dechomai, neste versículo, “receber favoravelmente”, “aprovar”, “aceitar”. É possível concordar mentalmente com a graça de Deus e não ser beneficiado por ela. Cristo ilustrou essa verdade com as sementes que caíram em solo rochoso e entre espinhos (ver com. de Mt 13:5-7). Embora os coríntios tenham respondido às primeiras exortações de Paulo e tenham se reconciliado com Deus, isso não bastava. A obra da salvação deles, individualmente, ainda não estava completa. A vida cristã apenas se inicia quando os seres humanos são reconciliados com Deus e entram num novo relacionamento com Ele. É verdade que, no momento da reconciliação, eles estão numa situação segura. Permanecem justificados pela graça de Deus. No entanto, o evangelho de Cristo inclui muito mais que o perdão dos pecados passados; prevê também a transformação do caráter, cuja meta é uma vida em que o pecado não mais tome parte (ver com. de Rm 6:5-16; 2Co 1:22; 3:18). O recebimento inicial da graça de Deus, que justifica, deve ser seguido de um contínuo recebimento de graça, que produz santificação. CBASD, vol. 6, p. 960.

Em vão. Isto é, sem ter servido a qualquer propósito útil (cf. Is 55:10, 11). O importante é a maneira como o ser humano recebe a graça, e como continua a recebê-la (ver com. de Mt 13:23; At 2:41). A graça de Deus é recebida em vão: 1. Quando é negligenciada. … 2. Quando é pervertida ao usá-la como uma capa para o pecado (Rm 6:1, 15). … 3. Quando é adulterada com ideias e métodos humanos. … ; 4. Quando é recebida apenas pelo intelecto e não é levada para a vida. … CBASD, vol. 6, p. 960, 961.

Dia da salvação. Isto é, o tempo durante o qual se prolonga a luz da graça (ver Jo 12:35). CBASD, vol. 6, p. 961.

Escândalo. Literalmente, “uma ocasião para tropeço”. Paulo aspira a conduzir seu ministério (cf. v. 1) de modo que ninguém tenha desculpas para rejeitar a graça de Deus. CBASD, vol. 6, p. 961.

Ministério. Paulo … sofre, trabalha, estuda e ministra a palavra para não dar qualquer motivo para.escândalo (lCo 8:13; 10:32, 33; Fp 2:15; lTs 2:10; 5:22; cf. Mt 10:16). Ainda assim, houve vários em Corinto que se escandalizaram. Seria, talvez, impossível pregar e agir de modo que ninguém se escandalizasse. Para alguns, até mesmo a verdade e a santidade escandalizavam. As pessoas que ouviam Jesus se escandalizavam dEle (Jo 6:60 , 61, 66). Para outros, qualquer advertência contra o pecado ou o erro escandalizava. No entanto, para os verdadeiros cristãos, o embaixador do evangelho não escandalizará ao repreendê-los por manifestações de orgulho, irreverência, indiferença, hábitos ou práticas questionáveis, grosseria ou vulgaridade. … Tanto quanto possível, o ministro do evangelho deve ter “paz com todos os homens” (Rm 12:18), contudo, Jesus e Paulo despertaram inimizade por onde passaram. … Nenhum cristão teve mais inimigos que Cristo, e Seus discípulos foram acusados de ter “transtornado o mundo” (At 17:6). CBASD, vol. 6, p. 962

No Espírito Santo. O Espírito é o agente no cultivo de todas essas virtudes (Gl 5:22, 23). É possível exibir esses traços em certo grau, superficialmente, independente do Espírito Santo, mas nunca em sua plenitude. CBASD, vol. 6, p. 963.

Amor. Do gr. agape (ver com. de Mt 5:43 , 44). A característica culminante do ministro do evangelho é este principal fruto do Espírito (ver com. de lCo 13; sobre a expressão “amor não fingido”, ver com. de Rm 12:9). Sem essa qualidade, o embaixador de Cristo se torna rígido, autocomplacente e censurador. Pureza e poder são inalcançáveis sem amor. CBASD, vol. 6, p. 963.

11 Ó coríntios. Apenas neste versículo, nas duas cartas, Paulo se dirige aos coríntios especificamente. Paulo apela que retribuam seu amor e o tratem como ele os trata. CBASD, vol. 6, p. 965.

13 Como justa retribuição. Paulo considera os crentes coríntios como filhos espirituais (1Co 4:14, 15) e, como pai espiritual, ele derramou sobre eles a plenitude do amor paternal. Em contrapartida, o apóstolo anseia o amor dos coríntios. CBASD, vol. 6, p. 966.

14 Jugo desigual.A diferença em ideais e conduta entre cristãos e não cristãos é tão: grande que, ao entrar em qualquer relacionamento (casamento, negócios, etc), os cristãos são confrontados com situações em que têm de abandonar princípios ou enfrentar dificuldades. Entrar em tal união é desobedecer a Deus e negociar com o diabo. A separação do pecado e dos pecadores é apresentada em todas as Escrituras (Lv 20:24; Nm 6:3; Hb 7:26; etc). Nenhum outro princípio tem sido mais rigorosamente ordenado por Deus. Por toda a história do povo de Deus, a violação desse princípio tem, inevitavelmente, resultado em desastre espiritual. CBASD, vol. 6, p. 966.

Com os incrédulos. Para os que não aceitam Cristo como salvador, nem Seus ensinos, como padrão de crença e conduta, os ideais, princípios e a prática do cristianismo são loucura (1Co 1:18). Em razão de sua perspectiva da vida, os descrentes normalmente acham difícil tolerar um padrão de conduta que tende a restringir seu modo de viver, ou que indique que seus conceitos e práticas são maus ou inferiores. Paulo não proíbe toda a associação com descrentes, mas apenas a associação que teria a tendência de diminuir o amor do cristão por Deus, adulterar a pureza de sua perspectiva de vida ou levá-lo a se desviar de seu padrão de conduta. Os cristãos não devem se esquivar de seus parentes e amigos, mas se associar com eles como exemplos vivos do cristianismo posto em prática e, assim, ganhá-los para Cristo (1Co 5:9, 10; 7:12; 10:27). … Quando se trata de um relacionamento de vinculação como o casamento, o cristão que verdadeiramente ama o Senhor de modo algum se unirá a um descrente, mesmo na piedosa ou louvável esperança de conquistá-lo para Cristo. Quase sem exceção, o desapontamento é o resultado de uma ação contrária ao sábio conselho apresentado pelo apóstolo neste versículo. Aqueles que escolherem prestar atenção a esse conselho poderão esperar, de modo especial, desfrutar o favor divino e descobrirão que Deus tem algo reservado para eles, que ultrapassa, em muito, quaisquer planos humanos. CBASD, vol. 6, p. 966, 967.

Que sociedade. Toda união em que o caráter, as crenças e os interesses do cristão perdem algo de sua distinção e integridade, é proibida. O cristão não pode se dar ao luxo de entrar em uma ligação que exija concessões. CBASD, vol. 6, p. 967.

15 Maligno. Neste versículo, a palavra é uma personificação para Satanás, representando a inutilidade e o vazio das coisas por meio das quais ele tenta atrair e seduzir as pessoas ao pecado. … Por trás de tudo o que é mau e desprezível estão as forças sobrenaturais das trevas, conduzidas por Satanás. Todo o mundo está alinhado atrás de um ou outro líder (1Pe 5:8-9; Ap 12:11). CBASD, vol. 6, p. 967.

16 Ligação. Ou “concordar”, “consentir” (Lc 23:51). Não pode haver aliança entre Cristo e Satanás, entre o verdadeiro Deus e os falsos deuses, entre o cristianismo e o paganismo. Paulo declara que uma aliança entre crentes e descrentes é igualmente inconcebível. CBASD, vol. 6, p. 967.

17 Por isso, retirai-vos. A referência histórica é a retirada dos israelitas cativos da antiga Babilônia, que Paulo menciona neste versículo como uma ilustração da separação do povo de Deus do mundo e da Babilônia espiritual (ver com. de Ap 18:4). Após retornarem do cativeiro, os judeus foram encarregados de não levar qualquer coisa que tivesse relação com a idolatria pagã. De modo semelhante, o Israel espiritual é ordenado a “não tocar na s coisas impuras” (ver com. de Is 52:11, 12). CBASD, vol. 6, p. 968.

18 Filhos e filhas.Em consequência da fé dos crentes em Cristo, a operação sobrenatural do Espírito de Deus gera nova vida espiritual, que torna o ser humano um filho de Deus. Esse relacionamento Pai-filho é tão real e vital como o relacionamento humano utilizado para ilustrá-lo. Na vida de Jesus como o Filho de Deus, temos um perfeito exemplo do relacionamento que é nosso privilégio ter como filhos do Pai celestial (ver com. de Lc 2:49; Jo 1:14; 4:34; 8:29). A chave para esse relacionamento é o amor, e seu resultado é confiança e obediência. CBASD, vol. 6, p. 968.



2Coríntios 06 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
30 de setembro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“entristecidos, mas sempre alegres; pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo” (v.10).

A parte inicial deste versículo sempre foi um desafio para mim pelo fato de não conseguir compreender como estar entristecida e ainda assim permanecer alegre. Até o dia em que entendi que a exata compreensão acerca desta afirmação de Paulo não pode ser compreendida a não ser que seja vivenciada. Após o encontro de Paulo com Cristo na estrada de Damasco, a vida dele nunca mais seria a mesma. Mergulhado em um universo de estrito zelo religioso, foi somente quando caiu que finalmente olhou para o alto. Cego e confuso, percebeu que maior cegueira era a que tinha vivido até então.

O respeitado doutor da lei e instruído na escola dos fariseus, transformou-se em perseguido por causa de Cristo. Aqueles que antes o consideravam com demasiado apreço, agora revelavam-lhe um trato rude e até homicida. Paulo trocou os privilégios e o conforto de sua posição para sofrer escárnios, perseguições e privações. À vista dos cristãos sinceros, era considerado um homem de Deus. À vista dos incrédulos, um fanático. À vista dos líderes judeus, uma ameaça. Certamente, a vida deste apóstolo não foi nada fácil. Mas tenho absoluta convicção de que ele não trocaria um dia sequer ao lado de Cristo por qualquer alívio que lhe fosse oferecido.

Extremamente coerente e divinamente inspirado, suas palavras tinham comunhão com suas obras, e seu zelo passou a ser movido pelo amor que devotava a Deus e aos irmãos, a fim de não dar “motivo de escândalo em coisa alguma” (v.3). A vida de Paulo representa a vida de todo aquele que experimenta o verdadeiro encontro com Jesus; todo aquele que vive o ponto da virada de 180°. Quando lemos a lista de Paulo quanto à vida dos “ministros de Deus” como ele, percebemos que não se tratava de um ministério cercado de regalias ou pompas, mas de tribulações e de muitas renúncias. Porém, apesar das dificuldades, ele não se esquivaria de sofrer tudo de novo porque certo estava de que, no final, poderia contemplar novamente a face de Cristo.

Quando paro e penso de onde Jesus me resgatou e o modo que Ele usou para me encontrar, mais grata me sinto pela Sua paciência para comigo. Na verdade, o ponto da virada na vida de cada um de nós é um testemunho à parte, pois que o Senhor tem um modo todo especial de falar com cada um de Seus filhos, conferindo-lhes particular atenção. E é quando passamos por esta experiência pessoal que então entendemos de fato as palavras de Paulo: “entristecidos, mas sempre alegres” (v.10). Porquê da forma que Deus desperta Seus filhos para um reavivamento e reforma necessários, da mesma sorte Satanás se utiliza de instrumentos humanos não convertidos para tornar a vida daqueles o mais difícil possível. O grande conflito fica cada vez mais difícil, e, de forma astuta, o inimigo procura promover alianças e amizades que “corrompem os bons costumes” (1Co.15:33).

A nossa comunhão com Cristo não pode estar fundamentada em rituais ou práticas religiosas. E sim no “assim diz o Senhor” e no que fazemos com o “tempo da oportunidade” (v.2) que nos é ofertado. Este tempo se chama “agora” (v.2) e requer de nós a humildade e a submissão para reconhecermos o agir de Deus moldando o nosso caráter. Após a conversão, inicia-se o processo da santificação que, como o próprio nome já diz, é um processo, isto é, acontece por etapas, onde Jesus sempre respeita o ritmo de cada um. Mas precisamos aprender a reconhecer, “no Espírito Santo” (v.6), “o tempo sobremodo oportuno” que nos é dado para abandonarmos velhas práticas e até mesmo amizades que não têm edificado em nada a nossa vida espiritual. E isso, meus irmãos, é questão de salvação. Pois “que harmonia há entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo?” (v.15).

A verdadeira conversão não é instantânea e nem tampouco a santificação acontece da noite para o dia. Creio que o que mais marcou a vida de Paulo não foi seu encontro com Jesus na estrada de Damasco, mas que ali foi o ponto de partida para os seus encontros diários com Ele. Jesus deseja nos encontrar e falar conosco todos os dias. Quando descobrimos e aceitamos este encontro diário, qualquer tristeza é vencida pela alegria de saber que, não importa o que aconteça, Jesus está ali conosco, porque Ele nos prometeu (Mt.28:20) e Ele nunca mente.

Que a nossa ligação com o Céu esteja acima de qualquer ligação com as coisas deste mundo. Mas que, acima de tudo, “no Espírito Santo”, possamos viver “no amor não fingido” (v.6), “na palavra da verdade, no poder de Deus” (v.7), respeitando-nos mutuamente e sendo cooperadores com Cristo (v.1). Sejamos, pois, pacientes uns com os outros, lembrando da paciência que Jesus tem tido conosco. Vigiemos e oremos!

Bom dia, entristecidos, mas sempre alegres!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Coríntios6 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



II CORÍNTIOS 6 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
30 de setembro de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

II CORÍNTIOS 6 – Paulo está escrevendo a cristãos, não a pagãos. Mesmo os cristãos precisam renovar seu compromisso com Deus. Devem ter disposição para a reconciliação. Por isso, é possível perguntar: Hoje, você já renovou teu compromisso com Deus?

Paulo fala sobre relacionamento aos cristãos de Corinto nos 13 primeiros versículos deste capítulo:
• Relacionamento com Deus.
• Relacionamento com ele, Paulo;
• Relacionamento com seus companheiros, de Paulo.

Há um apelo inicial para atender à graça de Deus, e um apelo final onde Paulo convida os crentes a abrir o coração e ele.

“Entre esses dois apelos, Paulo defende seu ministério. Ele novamente afirma que as agruras por que passou são uma insígnia de honra. Nessas aflições, Paulo e sua equipe exemplificaram, pelo poder de Deus, as grandes virtudes cristãs [vs. 6-7]. Eles serviram coerentemente através das mutáveis marés da opinião pública e do tratamento injusto [vs. 8-10]. Entre as contradições de seu ministério, mencionadas por Paulo, está a de que ele e seus auxiliares são desconhecidos, e, ao mesmo tempo, conhecidos [v. 9]. Eles não conquistaram grande reputação entre os homens. Mas à vista de Deus, são bem conhecidos” (John McVay).

Escrevendo a cristãos, esta carta visa o discipulado, que acompanha a conversão. E, o capítulo em questão tem muito a ser considerado (vs. 14-18):

1. O chamado ao discipulado é um chamado a ser separado:
• Separar-se significa renunciar a velha vida, filosofias anti-bíblicas, familiares e posses.
• É preciso separar-se porque associação requer compromisso com quem não quer compromisso com Deus.
• É necessário separar-se porque cristãos tornam-se santuários do Deus vivente.
Este tema abrange desde sociedade comercial até relacionamento conjugal. “O casamento entre cristãos e descrentes é proibido porque: (1) O matrimônio não ocorre entre dois indivíduos, mas também entre duas comunidades (v. 15-16); (2) A igreja é o templo santo de Deus (v. 16); e (3) por ser morada de Deus, a igreja deve manter uma clara separação do mundo em termos de constituição do caráter” (Bíblia Andrews).

2. O discipulado precisa de promessas divinas para manter os crentes motivados:
a) “Habitarei e andarei entre eles; serei o Seu Deus, e eles serão o meu povo” (v. 16).
b) “Serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas” (v. 18).

Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



II CORÍNTIOS 5 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
29 de setembro de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO II CORÍNTIOS 5 – Primeiro leia a Bíblia

II CORÍNTIOS 5 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

II CORÍNTIOS 5 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



II CORÍNTIOS 5 by Jobson Santos
29 de setembro de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/2co/5

Você é uma casa?

Parece uma pergunta boba, não é mesmo? Mas, curiosamente, quando as perspectivas bíblicas sobre esta palavra são exploradas, um mundo totalmente novo se abre ao nosso entendimento à medida que ponderamos nas ricas aplicações da palavra “casa” nas Escrituras.

Claro, existe o significado usual – isto é, o espaço físico onde se vive. E então há o uso repetido da palavra “casa” nas Escrituras para descrever pessoas. Por exemplo, em Atos 10, a palavra “casa” é usada para descrever as pessoas (versículo 2), bem como o prédio onde moram (versículo 6).

Com isto em mente, II Coríntios 5 faz mais sentido! Nos primeiros quatro versículos, Paulo está simplesmente contrastando seu corpo terreno com o corpo celestial que Cristo lhe dará na Segunda Vinda. Na verdade, a “casa” – isto é, seu corpo terreno, ficará “nu” pela morte, e assim, até que Jesus volte, Paulo estará “despido” – isto é, dormindo inconscientemente na sepultura.

Sabemos que o cenário acima estava na mente de Paulo, porque no versículo 4 ele diz que a “mortalidade” será “tragada pela vida”; uma experiência dramática que também é descrita em I Coríntios 15:51-53 no contexto da Segunda Vinda de Cristo. Na verdade, na teologia de Paulo não há espaço para espíritos desencarnados!

Peçamos a Deus que nos dê a correta motivação de agradá-lo em todas as coisas (v. 9) em gratidão por tudo que Ele fez e fará por nós.

David Grams
Capelão, Hartland College, Rapidan, Virginia, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1329
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



II CORINTIOS 5 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
29 de setembro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

480 palavras

1 A nossa casa terrestre. Literalmente, “nossa tenda terrestre”. Com relação à sua “casa terrestre” Paulo também fala de estar “ausente do Senhor” enquanto ele está “no corpo”, e gemendo até que sua “casa terrestre” seja “desfeita” e ele se apodere de sua “habitação celestial”. A comparação do corpo humano a uma tenda era natural ao fabricante de tendas. A tenda e o corpo são parecidos em vários aspectos: os materiais dos quais os dois são feitos provém da terra, os dois são temporários em natureza, e ambos são facilmente destruídos. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 948.

Da parte de Deus um edifício. Paulo também fala do seu “edifício de Deus” como uma “habitação celestial”, “não feita com mãos”, mas “eterna”. Ele fala de sua “casa terrena” como uma “tenda”, e de sua “casa” celestial como um “edifício”. Um é o local de habitação temporária, o outro, de habitação permanente. O corpo dos santos ressuscitados se assemelhará ao do Senhor ressuscitado. CBASD, vol. 6, p. 949.

Angustiados. Paulo está consciente da fragilidade da tenda mortal, que cedo ou tarde deve ser desfeita. Ele anseia ser libertado de todas as fraquezas e sofrimentos desta vida. CBASD, vol. 6, p. 949.

Para Lhe sermos agradáveis. A grande preocupação não era se Paulo viveria, ou se os seus labores terrestres terminariam. Sua preocupação era apenas que sua vida fosse de tal modo que recebesse a aprovação de Deus. CBASD, vol. 6, p. 951.

10 Compareçamos. Do gr. phaneroõ, “tornar manifesto”, “tornar visível”, “tornar conhecido”, “mostrar abertamente”, “tornar público”. Esta palavra ocorre nove vezes em 2 Coríntios. Naquele grande dia, as pessoas não apenas comparecerão ao tribunal da justiça, mas também será revelado o tipo de pessoas que elas são. Seus segredos serão desnudados. Todos terão um julgamento justo. CBASD, vol. 6, p. 952.

14 Constrange. Do gr. synechõ, “unir”, “apegar”, “exortar”, “impelir”, “controlar”. Quem escolhe ser guiado pelo amor de Cristo não se desvia do caminho do dever, quer para a direita ou para a esquerda; mas, como Paulo, avança na obra do Senhor, destemidamente e com sinceridade. O amor de Cristo mantém o crente a salvo no caminho estreito. CBASD, vol. 6, p. 954.

17 Criatura. Do gr. ktisis, “criação”, “coisa criada”, “criatura”. Para uma pessoa ser constrangida pelo amor de Cristo a viver não mais para si e sim para Deus, a julgar as pessoas não mais, pela aparência e sim pelo espírito, a conhecer Cristo segundo o espírito e não segundo a carne, essa pessoa deve passar pelo novo nascimento. CBASD, vol. 6, p. 956.

21 Ele O fez pecado. Isto é, Deus O tratou como se fosse um pecador, o que Ele não era. As verdades declaradas no v. 21 estão entre as mais profundas e significativas em toda a Bíblia. Este versículo resume o plano da salvação, declarando a absoluta impecabilidade de Cristo, a natureza vicária de Seu sacrifício e a libertação do pecado ao ser humano por meio dEle. CBASD, vol. 6, p. 959.

by tatianawernenburg



2Coríntios 05 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
29 de setembro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo” (v.10).

Havia um profundo anseio no coração de Paulo. Sua vida nesta terra não tinha sentido algum não fosse pela esperança na vida porvir. Em meio a lutas e aflições, gemia e aspirava pela eternidade. Referindo-se ao nosso corpo como casa provisória e despida, apontou para a nossa futura “habitação celestial” (v.2) como objeto de nosso maior desejo. O sábio Salomão escreveu que Deus “pôs a eternidade no coração do homem” (Ec.3:11), o que coopera com a afirmação de Paulo quando diz que “foi o próprio Deus quem nos preparou para isto” (v.5).

Apesar de Deus ter nos outorgado “o penhor do Espírito” (v.5), tornando-nos “santuário do Espírito Santo” (1Co.6:19), ainda nos encontramos em situação de completa desvantagem com relação ao pecado. Somos todos pecadores e nosso corpo mortal é prova disso. Precisamos adquirir, todos os dias, as preciosas vestes da justiça de Cristo Jesus (Ap.3:18) a fim de que, naquele Grande Dia, a nossa nudez esteja coberta e nEle sejamos “feitos justiça de Deus” (v.21). Como “andamos por fé e não pelo que vemos” (v.7), nossa esperança não está aqui neste mundo, e sim nas “coisas lá do alto, onde Cristo vive” (Cl.3:1).

Dentro em breve estaremos todos perante o Justo Juiz, e Cristo retribuirá a cada um “segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo” (v.10). Ele mesmo declarou a João: “Eis que venho sem demora, e Comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras” (Ap.22:12). Mas a salvação não é pela graça? Sim. Não somos justificados pela fé? Exatamente. Contudo, todo aquele que aceita a graça divina e decide viver para Deus, consequentemente manifestará “o fruto do Espírito” (Gl.5:22), que redunda em obras que nada tem a ver com as concupiscências deste mundo. Pois “se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito” (Gl.5:25).

Muitos, rejeitando aos apelos do Espírito Santo, têm convivido naturalmente com o pecado enquanto professam uma vida cristã. Apegando-se a uma doutrina barata da graça que nada tem a ver com a graça de Cristo, vivem para si mesmos. Há um abismo de diferença entre ser pecador e ser conivente com o pecado. As palavras do apóstolo são muito claras, amados: “se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (v.17). Se antes professávamos andar com Cristo “segundo a carne”, já agora não é tempo de conhecê-Lo “deste modo” (v.16). Sabendo que “tudo provém de Deus”, Ele mesmo providenciou a nossa reconciliação “por meio de Cristo” (v.18).

Nós “somos embaixadores em nome de Cristo” (v.20) e tudo o que Ele nos pede é que O representemos com fidelidade. E isso não significa dizer que podemos viver sem pecado, pois que a justiça própria também é pecado. Mas que uma vida guiada pelo Espírito Santo não procura a satisfação da carne, mas a alegria no Espírito. É a ovelha desgarrada que é carregada por Jesus de volta ao aprisco. É a dracma que é encontrada. É o filho pródigo que retorna à casa do pai, mas é o pai que o recebe com alegria (Lc.15). Eu não sei se você já foi ovelha errante, ou dracma perdida ou filho rebelde, mas eu sei que em todas estas parábolas, no final, houve festa e voz de júbilo. Em todas elas houve mudança de rota. E como alguém que já foi dracma, posso afirmar que não há amor que possa ser comparado ao amor de Jesus. “Pois o amor de Cristo nos constrange” (v.14) e nos faz perceber que nenhum pasto distante, nenhuma casa desordenada, nenhuma herança terrena pode nos separar “do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm.8:39), Aquele que por nós “morreu e ressuscitou” (v.15), nos reconciliando com Deus.

Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus” (v.20). Este é o desejo e a oração de todos os seus amigos e irmãos que fazem parte do ministério Reavivados Por Sua Palavra e que, pela graça e misericórdia de Deus, têm buscado fazer o mesmo. Vigiemos e oremos!

Bom dia, reconciliados com Deus em Cristo!

* Oremos por nosso irmão Adriano e todos os demais enfermos. Oremos pelo batismo do Espírito Santo. Oremos uns pelos outros.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Coríntios5 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



II CORÍNTIOS 5 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
29 de setembro de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

II CORÍNTIOS 5 – Sobre o capítulo em questão, o comentário na Bíblia Andrews observa que nus, sem corpo, “parece ser a imagem de Paulo sobre a morte: nem vestido com o corpo mortal, nem com o imortal, mas nu. Uma vez que para ter ‘vida’ (v. 4) e ‘habitar com o Senhor’ (v. 8) é necessário possuir o corpo imortal (v. 1, 2). A passagem nega a ideia de uma alma desprovida de corpo desfrutando a vida eterna […]. Paulo gostaria de passar de uma forma de existência para a outra sem experimentar a morte. ‘Habitar com o Senhor’ significa desfrutar plena comunhão pessoal com Ele em Sua presença imediata. Isso ocorrerá na ressurreição dos mortos (1Ts 4:16, 17)”.

Paulo não era adepto da abolição dos Dez Mandamentos (3:7-11) nem cria na crença na imortalidade da alma (5:1-10); pois, estaria contrariando a Bíblia e suas próprias convicções (Êxodo 3:18; Mateus 5:17-19; I Coríntios 15:1-58; I Tessalonicenses 4:13-18; João 5:28-29; Eclesiastes 9:5-6, 10).

Destaco aqui os pontos do capítulo:
• A morte não tem a última palavra. A ressurreição é a certeza da vitória sobre a morte, promovendo esperança além-túmulo (vs. 1-8);
• A curta vida que recebemos deve ser vivida para agradar ao povo de Deus, ser influência positiva e orientar e fortalecer a sua fé; pois, um tribunal divino será estabelecido e todos terão de responder pelo que fez ou deixou de fazer (vs. 8-9);
• Por saber desse tribunal cósmico, os ministros de Cristo persuadem homens e mulheres, ricos e pobres, religiosos e ateus, a se reconciliarem com Deus, comprometerem-se e confiarem no sacrifício de Cristo para que sejam novas criaturas, que não vivam mais para si mesmas, a fim de terem a esperança da vida eterna (vs. 11-17);
• Os ministros de Deus são embaixadores do Céu perante todas as pessoas, convidando-as ou rogando como representantes do Senhor a que assumam um compromisso com o Salvador (vs. 18-21).

O plano da salvação é mais que oferecimento do perdão de Deus, é reconciliação em que, ambas as partes tomam atitude de acertar o relacionamento arruinado. Claro que, Deus toma iniciativa, sacrifica-Se e, então espera nossa resposta!

Seria muito bom ir para o Céu urgentemente, mas é importante preparar mais pessoas para estarem lá conosco! Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí




%d blogueiros gostam disto: