Reavivados por Sua Palavra


MIQUEIAS 7 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
30 de março de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO MIQUEIAS 7 – Primeiro leia a Bíblia

MIQUEIAS 7 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

MIQUEIAS 7 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO(link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)



MIQUEIAS 7 by Jobson Santos
30 de março de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/mq/7

Ouvir aos noticiários lhe deixa angustiado? Ouvimos histórias do mundo todo acerca de matanças culturais e étnicas, de guerras, fome e tragédias. Miqueias certamente sentia desespero pelo que via, mas ele sentiu-se confortado ao saber que no final tudo será consertado e a justiça voltará a reinar.

O livro de Miqueias se encerra como começou, com o encorajamento de que o juízo está chegando e as coisas serão consertadas. Portanto, o juízo é uma boa notícia!

O apóstolo Paulo diz que o juízo e o evangelho estão ligados: “Isso tudo se verá no dia em que Deus julgar os segredos dos homens, mediante Jesus Cristo, conforme o declara o meu evangelho.” (Rom 2:16, NVI). O julgamento é parte da boa notícia do evangelho. Os justos serão libertos do mal.

No Apocalipse, o anjo traz as boas novas do julgamento vindouro: “Temam a Deus e glorifiquem-no, pois chegou a hora do seu juízo.” (Apoc 14:7 NVI).

O juízo é uma boa notícia porque a decisão foi estabelecida na cruz. Nós nos aproximamos da graça de Deus com confiança porque estamos cobertos pela justiça de Cristo. E, pelos Seus méritos, nossos pecados são perdoados e nossa transgressão é esquecida (v. 18). Jesus é nosso sumo sacerdote, juiz, advogado e testemunha. Portanto, não precisamos ter medo.

Gordon Bietz
Presidente da Southern Adventist University (aposentado)

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1146
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



MIQUEIAS 7 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
30 de março de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1 Frutas do verão. Assim como depois da colheita nenhum fruto se encontra no campo, depois da colheita do mal nenhum justo seria encontrado em Israel. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1136.

3 Suborno. Este é um antigo vício, condenado aqui (ver Is 1:23). CBASD, vol. 4, p. 1136.

5 Não creiais. Os v. 5 e 6 descrevem as condições morais como tão graves que não se podia confiar num amigo, vizinho, nem na esposa de um homem que deitasse em seu “peito”, ou em qualquer membro próximo da família. CBASD, vol. 4, p. 1136.

6 Despreza. Jesus citou as palavras deste versículo para descrever as condições morais na era cristã (Mt 10:21, 35, 36). CBASD, vol. 4, p. 1136.

7 Eu, porém. Ao falar em nome de Israel, o profeta expressa fé em Deus, apesar do castigo, e aguarda confiante a restauração prometida. CBASD, vol. 4, p. 1136.

8 Não te alegres. Israel está tão seguro de sua salvação final que destoa a nota de triunfo sobre o inimigo que Deus usou para discipliná-lo. CBASD, vol. 4, p. 1136.

9 Sofrerei. Esta é a linguagem do verdadeiro penitente. Ele sabe que sua única esperança está em Deus e não pede a redução da pena. Ele acredita que tudo o que Deus faz é para seu bem. CBASD, vol. 4, p. 1136.

12 Do mar até o mar. Não é certo a que mares o texto se refere. A expressão indica ampla extensão. CBASD, vol. 4, p. 1136.

14 Basã e Gileade. Estes lugares são mencionados por causa de suas ricas pastagens, e, possivelmente, também porque esses territórios a leste do rio Jordão, que haviam sido perdidos para a Assíria (ver com. [CBASD] de 1Cr 5:26), seriam recuperados. CBASD, vol. 4, p. 1136, 1137.

16 Verão isso. O inimigo havia se vangloriado anteriormente: “Onde está o SENHOR, teu Deus”” (v. 10). Então, os papéis se inverteriam, e as nações iriam reconhecer o poder do Senhor teriam vergonha do poder de que se vangloriaram. CBASD, vol. 4, p. 1137.

17 Lamberão o pó. Uma figura que descreve a mais extrema humilhação (ver Sl 72:9; ver também Is 49:23). CBASD, vol. 4, p. 1137.

Esconderijos. Os abrigos para os quais os ímpios tinham fugido de terror por causa do Senhor. CBASD, vol. 4, p. 1137.

18 Quem, ó Deus … ? Miqueias fecha sua profecia sua profecia com uma nota de louvor pela misericórdia e fidelidade de Deus (ver expressões semelhantes em Êx 15:11, Sl 71:19). CBASD, vol. 4, p. 1137.

19 Pisarás aos pés as nossas iniquidades. As iniquidades de Israel, que tinham sido tristes demais para Miqueias descrever, seriam gratuitamente perdoadas. Embora aqui não seja enfatizado, o perdão se deu apenas com base em profundo arrependimento e reforma. A disciplina do cativeiro foi designada para efetuar esse reavivamento espiritual entre o povo. Isso não foi conseguido em escala nacional e, assim, as gloriosas promessas com que Miqueias fecha suas profecias nunca foram alcançadas pela nação de Israel como um todo. É claro que indivíduos experimentaram a graça salvadora de Deus e obtiveram o perdão prometido. Essa bênção também pode ser reivindicada pelo cristão. Pelos méritos da graça de Cristo, seus pecados podem ser perfeitamente perdoados. Se persistir até o fim, seus pecados nunca mais serão mencionados contra ele. Se, contudo, apostatar e se perder, todos os seus pecados o encontrarão novamente no dia do julgamento (ver Ez 18:21-24). CBASD, vol. 4, p. 1137 [Destaques acrescentados].



MIQUEIAS 7 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
30 de março de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá” (v.7).

Em Seu ministério terrestre, Jesus falou diversas vezes acerca dos dias que antecederiam a Sua segunda vinda. Através de parábolas, revelação de sinais e pela confirmação dos escritos dos antigos profetas, Ele nos deixou clara advertência: “Vede que vo-lo tenho predito” (Mt.24:25). Um tempo de grande confusão foi profetizado; tempo de angústia, perseguição e morte espiritual. As pessoas, absortas demais em viver conforme sua natureza depravada, se entregariam por completo às suas baixas paixões, de modo que até “os da […] própria casa” se levantariam uns contra os outros: “Estarão divididos: pai contra filho, filho contra pai; mãe contra filha, filha contra mãe; sogra contra nora, e nora contra sogra” (Lc.12:53). Seria um tempo “como foi nos dias de Noé” (Mt.24:37).

O profeta Miqueias foi grandemente usado por Deus deixando escrito praticamente um resumo da obra redentora de Cristo, desde o Seu nascimento, Seu ministério terrestre, até Seu retorno glorioso. Em seu livro podemos vislumbrar o cumprimento do que escreveram os filhos de Corá: “Encontraram-se a graça e a verdade, a justiça e a paz se beijaram” (Sl.85:10). Foi contemplando o estado decadente de Israel que o profeta percebeu a terrível realidade de que não havia alguém com quem pudesse contar ou em quem pudesse confiar. Nem “os da sua própria casa” (v.6) eram dignos de confiança. Seria um cenário de completo desespero para Miqueias não fosse o seu profundo e firme relacionamento com Deus: “Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá” (v.7). Foi olhando para cima que ele encontrou forças para perseverar e pôde contemplar, pela fé, a vitória final.

Semelhante aos profetas do passado, que tiveram de experimentar a rejeição até mesmo de suas famílias, a igreja de Deus nos últimos dias há de passar por igual experiência. Além de Miqueias, havia um pequeno povo que ainda temia ao Senhor. A declaração do profeta de que “não há entre os homens um que seja reto” (v.2) refletia o número insignificante de fiéis comparado aos milhares de Israel e de Judá que eram insubmissos a Deus. Ainda assim, havia um plano de compaixão em andamento. E este plano incluía um tempo de juízo a fim de colher os frutos do arrependimento. Nos dias de Noé, apenas ele e sua família foram salvos do dilúvio e milhares de vidas foram ceifadas pelas águas, “por causa do fruto das suas obras” (v.13). Aos fiéis, contudo, a única coisa que o Senhor deseja lançar “nas profundezas do mar” (v.19) é o pecado e a iniquidade que nos separa dEle (Is.59:2).

Quem, ó Deus, é semelhante a Ti, que perdoas a iniquidade e Te esqueces da transgressão do restante da Tua herança? O Senhor não retém a Sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia” (v.18). Precisamos, hoje, reconhecer os atos de Deus em nossa vida como instrumentos da graça para nos salvar de nós mesmos. Os sofrimentos que, porventura, estejamos enfrentando, não são permitidos para nos debilitar e destruir, mas para nos fortalecer e salvar. Quem deseja nos “roubar, matar e destruir” é o inimigo das almas, mas Jesus vem até nós para que tenhamos vida, e vida “em abundância” (Jo.10:10).

Pouco antes da segunda vinda de Cristo, “a Terra será posta em desolação, por causa dos seus moradores” (v.13). Este planeta será abalado desde o céu atmosférico até às profundezas da terra, atingindo o seu clímax na “vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão” (2Pe.3:12). Nesse tempo, subirá ao Céu o clamor de um restante que, vivos para contemplar a realização de sua bendita esperança, como Miqueias, ainda que rejeitados e maltratados pelos que lhes são mais próximos, permanecerão com os seus olhos fitos em Deus, Aquele que os resgatou de seus maus caminhos, concedendo-lhes o dom do amor e do perdão.

Eu creio estar vivendo nos últimos momentos desta Terra de pecado e não me importo em ser considerada uma fanática, já que Noé foi considerado assim pelo mundo antigo, mas diante de Deus, um “pregador da justiça” (2Pe.2:5). Elias foi chamado de “perturbador de Israel” (1Rs.18:17), mas foi a ele que o Senhor respondeu com fogo (1Rs.18:38) e com chuva (1Rs.18:45). Não podemos, contudo, amados, confundir convicção com presunção. Eu não sei quando o meu Redentor virá, mas com estes homens de Deus e, principalmente, com a vida santa e de constante vigilância de Cristo, tenho aprendido que a minha preparação deve estar fixa num só tempo: “Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração” (Hb.3:15). Que diante da pergunta escarnecedora dos perversos: “Onde está o Senhor, teu Deus?” (v.10), seja somente uma a nossa segura resposta: “Porque eu sei que o meu Redentor vive e por fim Se levantará sobre a Terra. […] Vê-Lo-ei por mim mesmo, os meus olhos O verão, e não outros; de saudades me desfalece o coração dentro de mim” (Jó 19:25 e 27). Vigiemos e oremos!

Bom dia, filhos saudosos do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Miqueias7 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



MIQUEIAS 7 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
30 de março de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

MIQUEIAS 7 – Em seu livro “Em busca de sentido”, Viktor F. Frankl, prisioneiro de um campo de concentração nazista, observou que as pessoas que criavam fantasias e geravam esperanças surrealistas de sair do campo de concentração, e em seguida tinham sua esperança frustrada, entravam em um colapso nervoso, ficavam mais dispostas a doenças e morriam pouco tempo depois.

A esperança é a mola propulsora aos pecadores para enfrentarem com fé as dificuldades que visam minar os princípios divinos.

As promessas de Deus não promovem esperanças surrealistas. No decorrer da trajetória israelita, Deus sempre levantou profetas para avivar sua esperança. No cristianismo não é diferente – leia com atenção ao livro de Apocalipse.

Agora volte ao último capítulo do profeta Miqueias. Veja com atenção cada um destes pontos:
• Diante do desespero da religião decadente, de uma sociedade depravada, de líderes políticos corrompidos e laços familiares em extinção (vs. 1-6), só resta esperar em Deus (v. 7).
• Diante de qualquer situação caótica, deplorável e desesperadora, a intervenção divina pode promover disciplina, correção, instrução, esperança e restauração. Através da esperança Deus anseia moldar o coração de Seu povo carente de direção (vs. 8-14);
• Diante das impossibilidades do povo, Deus é capaz de operar grandes maravilhas que, com as quais, impactará o coração dos incrédulos e pagãos (vs. 15-17);
• Diante das terríveis e tenebrosas façanhas do pecado e do destino assustador do pecador, só a misericórdia, compaixão e perdão divino para levar-nos a confiar e esperar no Deus que é fiel às Suas promessas (vs. 18-20).

Miqueias significa “quem é como Deus?”; ele termina seu livro com a pergunta: “Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas…?” A resposta é obvia: Ninguém é como Deus!

Observe atentamente com oração:
• Quando o trio do mal (pecado, transgressão e iniquidade) se levanta contra nós, Ele envia o trio do bem (misericórdia, compaixão e perdão) a favor de nós.
• Quando os deuses pagãos exigia o sacrifício dos filhos da humanidade, Deus entrega Seu próprio Filho para nascer, viver e morrer pela humanidade.
• Quando Deus oferece o perdão para quem perece a destruição, não há como não cantar e testemunhar alegremente de um Deus sem rival, incomparável em Seus feitos.

Com uma mensagem como esta só nos resta esperar nEle! – Heber Toth Armí.

Escreva como a mensagem de Miqueias te impressionou:




%d blogueiros gostam disto: