Reavivados por Sua Palavra


MIQUEIAS 7 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
30 de março de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá” (v.7).

Em Seu ministério terrestre, Jesus falou diversas vezes acerca dos dias que antecederiam a Sua segunda vinda. Através de parábolas, revelação de sinais e pela confirmação dos escritos dos antigos profetas, Ele nos deixou clara advertência: “Vede que vo-lo tenho predito” (Mt.24:25). Um tempo de grande confusão foi profetizado; tempo de angústia, perseguição e morte espiritual. As pessoas, absortas demais em viver conforme sua natureza depravada, se entregariam por completo às suas baixas paixões, de modo que até “os da […] própria casa” se levantariam uns contra os outros: “Estarão divididos: pai contra filho, filho contra pai; mãe contra filha, filha contra mãe; sogra contra nora, e nora contra sogra” (Lc.12:53). Seria um tempo “como foi nos dias de Noé” (Mt.24:37).

O profeta Miqueias foi grandemente usado por Deus deixando escrito praticamente um resumo da obra redentora de Cristo, desde o Seu nascimento, Seu ministério terrestre, até Seu retorno glorioso. Em seu livro podemos vislumbrar o cumprimento do que escreveram os filhos de Corá: “Encontraram-se a graça e a verdade, a justiça e a paz se beijaram” (Sl.85:10). Foi contemplando o estado decadente de Israel que o profeta percebeu a terrível realidade de que não havia alguém com quem pudesse contar ou em quem pudesse confiar. Nem “os da sua própria casa” (v.6) eram dignos de confiança. Seria um cenário de completo desespero para Miqueias não fosse o seu profundo e firme relacionamento com Deus: “Eu, porém, olharei para o Senhor e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá” (v.7). Foi olhando para cima que ele encontrou forças para perseverar e pôde contemplar, pela fé, a vitória final.

Semelhante aos profetas do passado, que tiveram de experimentar a rejeição até mesmo de suas famílias, a igreja de Deus nos últimos dias há de passar por igual experiência. Além de Miqueias, havia um pequeno povo que ainda temia ao Senhor. A declaração do profeta de que “não há entre os homens um que seja reto” (v.2) refletia o número insignificante de fiéis comparado aos milhares de Israel e de Judá que eram insubmissos a Deus. Ainda assim, havia um plano de compaixão em andamento. E este plano incluía um tempo de juízo a fim de colher os frutos do arrependimento. Nos dias de Noé, apenas ele e sua família foram salvos do dilúvio e milhares de vidas foram ceifadas pelas águas, “por causa do fruto das suas obras” (v.13). Aos fiéis, contudo, a única coisa que o Senhor deseja lançar “nas profundezas do mar” (v.19) é o pecado e a iniquidade que nos separa dEle (Is.59:2).

Quem, ó Deus, é semelhante a Ti, que perdoas a iniquidade e Te esqueces da transgressão do restante da Tua herança? O Senhor não retém a Sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia” (v.18). Precisamos, hoje, reconhecer os atos de Deus em nossa vida como instrumentos da graça para nos salvar de nós mesmos. Os sofrimentos que, porventura, estejamos enfrentando, não são permitidos para nos debilitar e destruir, mas para nos fortalecer e salvar. Quem deseja nos “roubar, matar e destruir” é o inimigo das almas, mas Jesus vem até nós para que tenhamos vida, e vida “em abundância” (Jo.10:10).

Pouco antes da segunda vinda de Cristo, “a Terra será posta em desolação, por causa dos seus moradores” (v.13). Este planeta será abalado desde o céu atmosférico até às profundezas da terra, atingindo o seu clímax na “vinda do Dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão” (2Pe.3:12). Nesse tempo, subirá ao Céu o clamor de um restante que, vivos para contemplar a realização de sua bendita esperança, como Miqueias, ainda que rejeitados e maltratados pelos que lhes são mais próximos, permanecerão com os seus olhos fitos em Deus, Aquele que os resgatou de seus maus caminhos, concedendo-lhes o dom do amor e do perdão.

Eu creio estar vivendo nos últimos momentos desta Terra de pecado e não me importo em ser considerada uma fanática, já que Noé foi considerado assim pelo mundo antigo, mas diante de Deus, um “pregador da justiça” (2Pe.2:5). Elias foi chamado de “perturbador de Israel” (1Rs.18:17), mas foi a ele que o Senhor respondeu com fogo (1Rs.18:38) e com chuva (1Rs.18:45). Não podemos, contudo, amados, confundir convicção com presunção. Eu não sei quando o meu Redentor virá, mas com estes homens de Deus e, principalmente, com a vida santa e de constante vigilância de Cristo, tenho aprendido que a minha preparação deve estar fixa num só tempo: “Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração” (Hb.3:15). Que diante da pergunta escarnecedora dos perversos: “Onde está o Senhor, teu Deus?” (v.10), seja somente uma a nossa segura resposta: “Porque eu sei que o meu Redentor vive e por fim Se levantará sobre a Terra. […] Vê-Lo-ei por mim mesmo, os meus olhos O verão, e não outros; de saudades me desfalece o coração dentro de mim” (Jó 19:25 e 27). Vigiemos e oremos!

Bom dia, filhos saudosos do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Miqueias7 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: