Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 10 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
5 de novembro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Ninguém há semelhante a Ti, ó Senhor; Tu és grande, e grande é o poder do Teu nome” (v.6).

O contraste apresentado pelo profeta entre Deus e as imagens de escultura poderia ser facilmente aplicado aos povos pagãos, mas foi uma dura repreensão à “casa de Israel” (v.1). Israel se envolveu com a cultura e os costumes religiosos das nações vizinhas de modo que “todos se tornaram estúpidos e loucos” (v.8). Trocaram “o Deus vivo e o Rei eterno” (v.10) pelos ídolos que “são como um espantalho no pepinal e não podem falar” (v.5). Trocaram “o Criador de todas as coisas” (v.16) pela “obra ridícula” que, “no tempo do seu castigo”, virá “a perecer” (v.15).

Somada à idolatria nacional havia o descaso daqueles que deveriam promover o reavivamento e a reforma tão necessários. “Porque os pastores se tornaram estúpidos e não buscaram ao Senhor; por isso, não prosperaram, e todos os seus rebanhos se acham dispersos” (v.21). A liderança religiosa frouxa e insensata conduzia a nação para uma condição cada vez mais baixa, fortalecendo assim a sua perda de identidade. “Todo homem se tornou estúpido” (v.14), aprendendo “o caminho dos gentios” (v.2) e praticando “os costumes dos povos” (v.3). Jeremias parecia ser o único a reconhecer a limitação humana (v.23), sua necessidade de correção e completa dependência de Deus.

Esquecendo-se do Senhor e de Sua Palavra, os filhos de Israel viviam uma religião apenas nominal. Dirigindo-Se “aos judeus que haviam crido nEle”, Jesus disse: “Se vós permanecerdes na Minha Palavra, sois verdadeiramente Meus discípulos” (Jo.8:31). Enquanto Jeremias teve de lidar com uma geração idólatra, Jesus experimentou lidar com uma geração hipócrita. Uma, de moral rebaixada, outra, advogada da moral. Ambas, porém, incorreram em dois extremos: intemperança e legalismo. Mas o princípio que teria transformado essas duas gerações de Israel em filhos da luz era o mesmo: “Ouvi a Palavra que o Senhor vos fala a vós outros, ó casa de Israel” (v.1).

Uma sociedade sem leis é passível de desordem e toda sorte de hediondos resultados. É do intuito de Satanás promover tamanha ruína sobre o mundo, lançando sobre a Terra as sementes do engano e do desprezo pela verdade com o mesmo afinco com que maculou terça parte dos anjos no princípio do grande conflito. Ao seus agentes humanos apontarem para a Palavra de Deus como uma obra retrógrada e passível de mudanças, a autoridade e a Lei de Deus são negadas e rebaixadas à condição de um mero livro de aleatória consulta. Deus não nos chamou a viver uma religião de conveniência ou de aparência. Ele nos oferece uma fé viva que é alimentada pelas Escrituras e fortalecida no crisol de nossas lutas diárias, a fim de que possamos conhecê-Lo.

Se “não cabe ao homem determinar o seu caminho, nem ao que caminha o dirigir os seus passos” (v.23), muito menos tem o homem autoridade sobre a Palavra do “Senhor dos Exércitos” (v.16). Se a lei de um rei não poupou Ester e seus conterrâneos de um dia de lutas e aflição (Ester 8:11); se o decreto de Dario não pôde ser revogado em favor do fiel Daniel (Dn.6:14-15); se a palavra de Herodes não pôde ser mudada diante do escabroso pedido da execução de João Batista (Mt.14:9); o que nos faz pensar que a imutável Palavra do Senhor pode ser moldada conforme os padrões deste mundo, e que o mandamento que é santo, justo e bom é passível de mudanças jamais autorizadas (Rm.7:12; Ap.22:18-19)?

Neste tempo em que “Satanás está exercendo o seu poder”, com suas malignas visitações “mais e mais frequentes e desastrosas” (O Grande Conflito, p.594), o maior perigo para a nossa vida e para a nossa família está em afastar-nos das verdades que por sua eficácia, e fidelidade de Seu Autor, são a nossa única salvaguarda. Aproxima-se o momento em que pela lealdade e obediência dos filhos de Deus, estes receberão sobre si a acusação de serem a causa das calamidades finais. Quando for assinado o decreto que nos obriga a honrar um sábado ilegítimo, que nossa vida assinale o testemunho da “perseverança dos santos” (Ap.14:12). Vigiemos e oremos!

Bom dia, os que guardam os mandamentos de Deus e têm a fé em Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Jeremias10 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


1 Comentário so far
Deixe um comentário

Amém!

Comentário por Enio Sergio




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: