Reavivados por Sua Palavra


I Samuel 8 by Jeferson Quimelli
11 de março de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Muitas coisas boas feitas por Samuel não foram registradas. Isto é verdade para a maioria das pessoas que servem a Cristo. A luz que brilha de cada um de nós, por sermos fieis a Jesus, recebe pouca, ou nenhuma atenção pública. Mas o nosso trabalho não é em vão. Nossas obras estão anotadas no céu e muitos se surpreenderão ao verem o bom fruto que sua vida produziu. Amar e confiar em Deus, isto é o que fará toda a diferença.

As pessoas que amavam o mundo não gostavam do bom exemplo e da liderança de Samuel. Eles queriam um rei como as outras nações. Esta solicitação por um rei foi uma traição e uma rejeição da liderança de Deus. Mas o Senhor não os destruiu. Ele pediu a Samuel para alertar as pessoas do que significaria ter um rei e o que esse rei faria, e depois deveria deixá-los ter o que queriam. Deus não tem prazer no serviço forçado.

Precisamos ser cuidadosos para não querer ser grandes aos olhos do mundo. Nossos centros médicos, nossas universidades são necessárias e divulgam o nosso nome perante o mundo. No entanto, o que realmente toca e influencia o mundo para Cristo é a vida dos indivíduos que vivem e trabalham entre as pessoas.

David Manzano
Pastor aposentado

Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/1sa/8 e https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra
Texto original: http://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/1sa/8 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/1sa/8/
Texto traduzido anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2012/12/16/
Tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: I Samuel 8
Comentário em áudio
Leituras da semana programa Crede em Seus Profetas: Patriarcas e Profetas, cap. 13



I Samuel 8 – Comentário Pr Heber Toth Armí by Jeferson Quimelli
11 de março de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

I SAMUEL 8 – Pais piedosos não estão livres de terem filhos perversos. Filhos de pais cristãos tem livre-arbítrio para escolher o que quiser para sua vida, assim como os pais escolheram servir a Deus de todo coração.

• Filhos de profetas podem descambar para direções incorretas, trazendo opróbrio à família.

Tal experiência negativa marcou o ministério de Samuel. Joel e Abias foram postos como juízes em Berseba; suas atitudes, porém, eram regidas pela avareza, aceitavam subornos e pervertiam o direito (vs. 1-3).

• Deus também teve Seu coração paternal entristecido quando Seus dois filhos terrestres (Adão e Eva) despencaram no desfiladeiro da desobediência.

As consequências da apostasia sempre são gritantes. Pela indisciplina e perversão dos filhos de Samuel o povo de Israel idealizou ter um rei para governar sobre a nação (vs. 4-5). Talvez, tal solicitação não teria existido sem a corrupção administrativa dos filhos do profeta.

Entristecido pela situação dos filhos e pelo pedido do povo de Deus, a única reação de Samuel foi recorrer à oração. Deus atendeu à súplica do velho profeta. E, cedeu à pressão do povo diante do pedido por um rei, mesmo contra Sua vontade (vs. 6-22).

• Às vezes, Deus cede aos nossos caprichos, a fim de que vejamos quão péssimos somos para tomar decisões e elaborar planos.

Isso não é novidade! Deus havia feito isso no passado; quando Israel queria comer carne mesmo recebendo comida do Céu – o resultado foi catastrófico (Números 11). Agora, Ele cedera novamente. Embora Deus apresente as tragédias de se ter um rei, o povo insiste; e, Deus cede! Infelizmente, temos “cabeça dura” para aprender as lições das tragédias do passado.

• Às vezes, Deus responde nossos anseios inflexíveis a fim de que percebamos Seu amor paterno e aprendamos lições com nossas escolhas, mesmo que tenha de agir contra Sua perfeita vontade.

O rei Ezequias viveria essa experiência quando deveria morrer, mas clamou a Deus por mais tempo de vida. Ao receber mais 15 anos, gerou Manassés, o pior rei de Israel; além de cometeu grave erro ao mostrar as riquezas aos visitantes babilônicos que, cobiçando, futuramente tomariam Jerusalém. Tragédia!!!

Reveja teus conceitos:

• Nem todo pai de filhos apostados falhou na educação.
• Deus responde algumas orações contrárias a Sua vontade.

Como Pai, Deus quer ensinar-nos! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



I Samuel 8 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
11 de março de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

Vemos neste capítulo uma decisão crítica – uma mudança (uma inflexão) no rumo  político em Israel: a rejeição ao método de Deus. O problema foi buscar a própria solução, sem consultar primeiramente, de coração aberto, a vontade do Senhor.

Neste momento de conturbação política e social do Brasil, não posso deixar de me maravilhar como estes comentários, escritos há muito tempo atrás, baseados em fatos ocorridos há milhares de anos, retratam tão bem nossa situação atual. Como João Alexandre, clamamos: “Brasil, olha pra cima!”

Samuel envelhecido. [O comentário da Bíblia Shedd estima a idade de Samuel nesta época em 57 anos; O comentário da Bíblia de Estudo NVI Vida a estima em 65 anos. Ambas as estimativas são coerentes.]

constituiu seus filhos por juízes… Samuel procedeu arbitrariamente quando constituiu a seus filhos como juízes sobre Israel, ato da exclusiva alçada divina, visto que o reino era teocrático. Bíblia Shedd.

As posições de poder se baseavam nos direitos hereditários. Este costume garantia estabilidade social, mas, ao mesmo tempo, abria espaço para o nepotismo e corrupção. Bíblia de Estudo Andrews.

Joel. Nome comum na Bíblia, que significa “o Senhor é Deus”. Abias. Este nome significa “o Senhor é meu Pai”. Bíblia de Estudo Andrews.

aceitavam suborno (NVI). A perversão da justiça por meio do suborno era explicitamente proibida na lei do Pentateuco (v. Êx 23.8; Dt 16.19). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Foi um erro delegar autoridade a homens cujo caráter era corrupto. Isso intensificou o anseio de Israel de ter um rei. Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento. F. B. Meyer.

teus filhos não andam pelos teus caminhos. Seria melhor, pensaram, levar a questão para Samuel resolver do que esperar pela confusão que certamente se seguiria à sua morte, quando os filhos tentariam consolidar a própria autoridade. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2, p. 516.

escolhe agora um rei para que nos lidere. Usando a diplomacia costumeira no Oriente, os anciãos, em oposição à vontade de Deus e sem buscar Seu conselho, tornaram conhecida sua limitada decisão. CBASD, vol. 2, p. 516.

…a razão fundamental do pedido era o desejo de serem semelhantes às nações ao redor – de terem um rei humano como símbolo do poderio e união nacionais que os comandaria na batalha e que seria a garantia da sua segurança (cf. v. 20; 10.19; 12.12). Bíblia de Estudo NVI Vida.

O povo clamou por um rei, pensando que um novo sistema de governo traria mudança na nação. Mas porque seu problema básico era desobediência a Deus, seus outros problemas somente continuariam sobre nova administração. O que eles precisavam era uma fé unificada, não um governo unificado. Life Application Study Bible Kingsway.

esta palavra não agradou a Samuel Samuel orou ao Senhor. Samuel sentiu profundamente a rejeição, mas, por fim, tomou a única e acertada decisão de colocar toda a questão perante o Senhor. Isso é um bom exemplo! Quando nosso coração está arrasado, quando estamos cercados de dificuldades, quando os homens se levantam sobre nós e nos tratam com crueldade, lancemos nossa tribulação sobre o Senhor e Salvador que Se identificou conosco. Digamos-Lhe tudo, ainda que nosso coração esteja por demais abatido para isso. “Certamente se compadecerá de ti, à vos do teu clamor.” (Is 30.19). … Samuel é apropriadamente citado no livro de Salmos como um que invocava o nome de Deus (Sl 99.6). Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento. F. B. Meyer.

Israel mais uma vez resolveu fazer exatamente o que fizera por séculos: tomar decisões sem esperar a orientação divina. … Samuel lhes mostrou o melhor caminho: buscar a Deus em oração. eles haviam subestimado seu elevado privilégio religioso e não perceberam que a necessidade real da nação não era de um novo poder … para confrontar a confusão que resultava de suas próprias inquietações e perversidades. Não estavam dispostos a submeter o caso a Deus e a conhecer a Sua vontade. CBASD, vol. 2, p. 517.

Atende à voz do povo. Este versículo é a melhor evidência possível de que as nações, assim como os indivíduos, são agentes morais livres. Se os anciãos tivessem buscado conselho, Deus teria dado; mas como chegaram com um ultimato, o Senhor aceitou a escolha delesCBASD, vol. 2, p. 517.

foi a Mim que rejeitaram. Desejavam uma forma de monarquia que negasse seu relacionamento pactual com o Senhor, que por sua vez se comprometia a ser o Seu Salvador e Libertador. Ao pedirem um rei “como todas as outras nações” (v. 20), violaram a aliança, rejeitaram o Senhor que era o seu Rei (12.12; Nm 23.21; Dt 33.5) e se esqueceram das constantes provisões divinas para a proteção do povo no passado (10.18; 12.8-11). Bíblia de Estudo NVI Vida.

O povo queria ser como as nações vizinhas. Isto era exatamente o que Deus não queria. O fato de terem um rei tornaria mais fácil esquecer que Deus era o seu verdadeiro líder. … Na realidade, o povo estava rejeitando Deus como seu líder. Os israelitas queriam leis, um exército e um monarca humano no lugar de Deus. Eles queriam conduzir a nação pela força humana – mas somente o poder de Deus os poderia fazer florescer na hostil terra de Canaã. Life Application Study Bible Kingsway.

Os anciãos … rejeitaram a independência de uma confederação tribal e escolheram, em vez disso, uma forma autoritária e governo que, em poucas décadas, trouxe consigo uma carga tributária exorbitante. …preferindo ser servos de um rei que exerceria poder de vida e morte sobre seus súditos e que poderia executar aqueles que discordassem dele. … preferiram uma monarquia hereditária. … Vez após vez, quando Israel buscou o conselho do Senhor, Ele protegeu miraculosamente o povo dos ataques inimigos (ver I Sm 7:10; Js 10:11, etc.). Ao rejeitar a crença de que Deus era o supremo Senhor da teocracia, os anciãos estavam, na verdade, abrindo o caminho para a nação se tornar uma mera marionete dos conflitos internacionais. Os israelitas exigiam tributos dos inimigos derrotados e se gloriavam de seus feitos militares. Em contrapartida, caíram sob o domínio de nações mais poderosas. Atribuíram erroneamente seus reveses militares e períodos de opressão à forma de governo, em vez de reconhecer seus caminhos ímpios. … Por causa do egoísmo … Israel falhou em sustentar os levitas e permaneceu em analfabetismo e ignorância. A maior parte do povo não queria ser ensinada a pensar por si só. Sentia-se perfeitamente feliz em deixar que os líderes pensassem em seu lugar, contanto que estes não exigissem suas posses, nem perturbassem sua tranquilidade egoísta. CBASD, vol. 2, p. 518.

atende à sua voz. Eles iam ter um rei, e Deus atendeu ao desejo do coração deles, mas é bom ver Salmo 106.15 [“Concedeu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma.”]. Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento. F. B. Meyer.

adverte-o solenemente. Por ser um agente moral livre, o ser humano deve decidir, com base nas evidências à sua disposição,o que deseja fazer com a própria vida. Existem duas maneiras de obter essas evidências. [1] por meio de estudo cuidadoso dos conselhos, estatutos e julgamentos de Deus aplicáveis ao caso, ou [2] experimentando outras sugestões na tentativa de se verificar o valor delas. … após a advertência contra a mudança proposta, Deus declarou claramente o seguinte: “Se vocês sentem que essa é a coisa certa a se fazer, tentem. embora eu saiba que o plano não terá sucesso, vocês precisam aprender por experiência própria que não funcionará. Só então ficarão satisfeitos em seguir Meu conselho.” …  Ao questionar a palavra do Senhor, Adão trouxe à luz um novo regime, que deve seguir seu rumo para demonstrar a pessoas e anjos, sem sombra de dúvida, que somente o plano ordenado por Deus á capaz de trazer vida e felicidade. CBASD, vol. 2, p. 518, 519.

11-18 O direito do rei valeria por uma verdadeira escravidão, enquanto o juizado estava isento de qualquer ônus financeiro para o povo. Bíblia Shedd.

11 o rei … reivindicará. Samuel, descrevendo as políticas dos reis cananeus da época (v. 11-17), adverte o povo a respeito dos fardos em questão no tipo de monarquia solicitada. Bíblia de Estudo NVI Vida.

corram adiante dele. Absalão, filho de Davi, queria ser rei e tinha “carros e cavalos e cinquenta homens que corressem adiante dele” (2Sm 15.1). Bíblia de Estudo Andrews.

14 tomará o melhor de vossas lavouras. Acabe usou a força para se apropriar da vinha de Nabote. Bíblia de Estudo Andrews.

15-17 As exigências do rei ou tirarão daquilo que pertence ao Senhor (Lv 27.30-32; Dt 14.22, 28), ou criarão um novo fardo de impostos para os seus súditos. Bíblia de Genebra.

16 os empregará no seu trabalho. Salomão mobilizou o povo de Israel para trabalhar em seus imensos projetos de construção. Bíblia de Estudo Andrews.

20 como todas as nações. Deus chamou Israel para ser um povo especial e santo. Este pedido foi a negação de tal escolha. Bíblia de Estudo Andrews.

Durante o tempo em que habitaram na Palestina, os israelitas testemunharam os esforços unidos dos povos dos mar [filisteus, em especial] e de outras nações na conquista de todas as terras do antigo Oriente Próximo, superando qualquer resistência e levando medo a todo coração. No entanto, o povo não sabia nada sobre o medo que tomou conta dos cananeus quando Josué liderou os filhos de Israel na conquistada Palestina (ver Js 2:9-11). Seus antepassados foram tolos e acreditaram que o tributo cobrado das nações enriqueceria a nação. Esqueceram-se de que as verdadeiras riquezas vêm por meio de um estilo de  vida diferenciado. Indignados com a ganância e a corrupção de líderes sacerdotais como os filhos de Eli e de Samuel, pensaram que a solução se encontrava em se submeter ao juízo de um rei, como o faziam outras nações. Ignoraram o fato de que um rei encontraria ainda mais oportunidades para demonstrar favoritismo e gratificar desejos egoístas do que faziam os dissolutos sacerdotes. No início de seu período como juiz, Samuel mostrara ao povo que a verdadeira solução para os problemas não era uma mudança de administração, mas, sim, de coração, numa entrega contrita ao Senhor. CBASD, vol. 2, p. 520.

22 Atende à sua voz. Por três vezes no texto, Deus instruiu Samuel a fazer o que o povo estava pedindo. Há circunstâncias em que o Senhor permite que as pessoas façam escolhas contrárias às advertências divinas e sofram as consequências. Bíblia de Estudo Andrews.

Volte cada um para sua cidade. Samuel, ao mandar para casa os homens de Israel, subentende que estabelecer um rei requererá certa preparação. O decurso dessa preparação será narrado nos capítulos que se seguem. Bíblia de Genebra.




%d blogueiros gostam disto: