Reavivados por Sua Palavra


Atos 17 by Jeferson Quimelli
15 de fevereiro de 2015, 1:00
Filed under: Bíblia, Evangelho, evangelismo, trabalho | Tags: , , , ,

Comentário devocional:

Tessalônica, Bereia e Atenas: três cidades gregas, três diferentes abordagens usadas para seu evangelismo.

Em Tessalônica, Paulo falou durante três semanas na sinagoga para os judeus e gregos tementes a Deus. Ele contou sua história de conversão, com foco na lei de Deus, e explicou o verdadeiro significado dos ritos e cerimônias vinculados ao Templo. Ele conectou tudo isso com o ministério e sacrifício do Messias. Alguns judeus acreditaram, mas o número dos gentios que acreditaram foi maior, incluindo algumas mulheres influentes da cidade. Alguns judeus que se recusaram a acreditar na pregação se irritaram com Paulo, um ex-membro do Sinédrio que estava virando seu mundo de cabeça para baixo em três semanas! Eles não só perderam a fidelidade de seus compatriotas que estavam se tornando cristãos, mas mais importante, perderam seus patrocinadores gentios! Eles criaram tantos problemas na cidade que Paulo e Silas tiveram que sair à noite para Bereia.

Em Bereia, quase 60 quilômetros a oeste, Deus lhes deu nova oportunidade. Aqui, Paulo passou pela mesma situação, exceto que os bereanos estudaram “diariamente” (v.11). Quando eu faço evangelismo público, vejo a grande vantagem de ser exposta a Palavra de Deus em todas as noites. O Espírito de Deus se move claramente para mudar os corações. Em contraste com Tessalônica, “muitos” dos bereanos acreditaram, e homens proeminentes também abraçaram o evangelho (v.12).

Mas o verdadeiro teste seria Atenas. Os “Anos Dourados” de Atenas – época de Platão e Sócrates, tinham acabado. Mas os atenienses consideravam-se intelectualmente superiores ao resto do país. Os epicuristas acreditavam no naturalismo (oportunidade) e não tinham um Deus pessoal. Os estoicos eram panteístas, para eles tudo era Deus. Além disso, Atenas tinha mais santuários de variados deuses que qualquer outra cidade, até mesmo um altar ao “DEUS DESCONHECIDO.” Paulo citou um de seus poetas antigos para apresentá-los ao Deus que eles não conheciam. Seiscentos anos antes uma terrível peste surgiu na cidade. Ovelhas foram trazidas, a ovelha que deitasse perto do altar de um deus, era sacrificada para este deus. Se uma ovelha não deitasse perto do altar de nenhum deus, eles construíam um altar ao “DEUS DESCONHECIDO”, e a ovelha era sacrificada para este Deus. Assim, Paulo apresenta-lhes ao Deus que eles não conheciam, Aquele que dá a vida e a respiração a todos, ressuscita os mortos, e julga todas as nações. Poucos ouvintes acreditaram, mas alguns O aceitaram, mesmo entre os mais influentes.

A abordagem de Paulo variava de acordo com o público. A história era a mesma, mas o ponto de partida era diferente. Poderíamos aprender com Paulo: procurar entender os outros, enquanto oramos para encontrar uma entrada para seus corações.

Ron E. M, Clouzet
Diretor de Evangelismo do Instituto NAD 
Professor de Ministério e Teologia no Seminário da Universidade Andrews



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/15/
Traduzido por GASQ/JAQ
Texto bíblico: Atos 17 
Comentário em áudio 



Atos 6 – Comentários de Bíblias de Estudo by Jeferson Quimelli

1 naqueles dias. Marca nova divisão no livro (cf 1.15). Bíblia Shedd.

helenistas. Refere-se aos judeus de fala grega. … O zelo missionário partiu dos crentes helenistas, menos tradicionais e desembaraçados do problema da língua, visto que o grego era língua franca do Império Romano. Bíblia Shedd.

Entre os primeiros cristãos produziu-se uma tensão entre os hebreus (cristãos judeus da Palestina que falavam principalmente aramaico/hebraico) e os helenistas (cristãos judeus de fora da Palestina que falavam principalmente grego). Andrews Study Bible.

viúvas. A igreja tinha assumido a responsabilidade de seu cuidado (4:32-34; 1 Tm 5:3-16). Andrews Study Bible.

Aqui o velho problema da discriminação tinha emergido: as viúvas dos judeus gregos (ou de fala grega) eram consideradas forasteiras pelos judeus nativos e assim não estavam recebendo sua porção na distribuição de alimentos, provavelmente derivada em parte da generosa doação de 4.34-37. Bíblia de Genebra.

2 a palavra de Deus. Nesta organização inicial da igreja do Novo Testamento, dois ministérios estão listados: o ministério da palavra e oração (v. 4) e o ministério de satisfazer as necessidades físicas do povo, tal como servir á mesa. Bíblia de Genebra.

5 escolheram. Pelos nomes gregos se supõe que todos eram helenistas, inclusive um prosélito (gentio convertido ao judaísmo) cristão. Bíblia Shedd.

6 impuseram as mãos. Ação que simboliza uma doação, quer de bênção (Mc 10.16), cura (Mc 6.5), o Espírito Santo (At 8.17; 19.6) ou responsabilidade e autoridade para serviço (At 13.3; 1Tm 4.4). Bíblia Shedd.

9 Libertos. Descendentes dos judeus levados a Roma por Pompeu (63 a.C.) e logo libertos, junto com outros das regiões mencionadas. Bíblia Shedd.

Incapazes de contradizer os argumentos de Estêvão a respeito de Jesus, os membros da Sinagoga [dos Libertos] espalharam falsas acusações sobre ele. No furor resultante, Estêvão foi arrastado ao Conselho [Sinédrio]. Andrews Study Bible.

11 blasfêmias contra Moisés e contra Deus. Estêvão só dizia, como está evidente no cap. 7, que Moisés, como Jesus – e como o próprio Estêvão – foi rejeitado pelo povo (7.35, 39). Isto não poderia ser tomado como blasfêmia contra Moisés e contar Deus. Bíblia de Genebra.

13 lugar santo. O templo, para os judeus, era o lugar mais sagrado do mundo, o centro do universo, por ser a habitação de Deus. Bíblia Shedd.

Estêvão não falou contra o templo, mas somente declarou que Deus não estava confinado a um templo terreno, uma vez que o céu era Seu lar e Seu trono (7.48-50). Estêvão, na verdade, sustentava a lei mosaica e o seu ensino, especialmente naquilo que apontava para o Cristo vindouro (7.37-38). Bíblia de Genebra.

14 o temos ouvido dizer que esse Jesusmudará os costumes que Moisés nos deu. Estêvão percebendo que a fé cristã não se manteria dentro do judaísmo (cf Mc 7.18, 19; Mt 23.25, 26; Lc 11.39-41), antecipa a teologia universal de Paulo. Sua visão é de um cristianismo mundial, sem as restrições do judaísmo e da Lei. Bíblia Shedd.

Para Estêvão, Jesus, aquEle que está à direita do Pai no Céu (7:55-56), é o “Profeta como eu” que Moisés mesmo predisse que viria, a Pessoa definidora da História cujo significado extrapolaria o judaísmo. Similarmente, nem o tabernáculo nem o templo poderiam conter Deus (7:44-50). Estêvão está plenamente convicto de que a culminação de todo o Antigo Testamento é alcançado em Jesus. Andrews Study Bible.



Miqueias 6 by Jeferson Quimelli
2 de outubro de 2014, 0:00
Filed under: amor, , fidelidade, Justiça, trabalho | Tags: , ,

Comentário devocional:

Se Miqueias estivesse escrevendo para nós, hoje, ele poderia perguntar: “Você acha que o Senhor ficaria satisfeito somente com a sua presença em todos os cultos, com o fato de você trabalhar como diácono ou como um ancião ou mesmo por dar uma oferta de alta porcentagem de sua renda?”

“Ele mostrou a você, ó homem, o que é bom e o que o Senhor exige: pratique a justiça, ame a fidelidade e ande humildemente com o seu Deus”(Mq 6:8).

É muito mais fácil fazer coisas que são facilmente mensuráveis (como ofertar boa parte de sua renda ou trabalhar pela igreja) do que agir com justiça. É mais fácil discutir sobre a idade da Terra ou outros pontos controversos da doutrina do que ser misericordioso para com todos. A prática de certas ações exteriores podem nos fazer sentir especiais e espiritualmente satisfeitos.

“Sempre que a mensagem de verdade se apresenta às almas com especial poder, Satanás suscita seus instrumentos para disputarem sobre qualquer ponto de somenos importância. Procura assim desviar a atenção do verdadeiro assunto. Quando quer que se comece uma boa obra, há pessoas prontas a suscitar discussões sobre formas e detalhes de técnica, para desviar as mentes das realidades vivas. Quando parece que Deus está prestes a operar de maneira especial em benefício de Seu povo, não se empenhe este em disputas que só trarão ruína de almas. Os pontos que mais nos interessam, são: Creio eu com salvadora fé no Filho de Deus? Está minha vida em harmonia com a lei divina?” (O Desejado de Todas as Nações, p. 396). 

Não são as grandes obras, mas, sim, aquelas feitas pela fé, com espírito justo, fiel e humilde que mais agradam a Deus. Quando as fazemos pela fé, é Ele Quem as faz por nós. Que, ao trabalharmos por Deus, foquemos menos nos detalhes e mais na salvação e o bem estar de nosso próximo. Que Deus nos conceda esta experiência hoje!

Gordon Bietz
Presidente da Southern Adventist University

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/mic/6/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Miqueias 6 

Comentário em áudio 



Ezequiel 3 by Jeferson Quimelli
30 de junho de 2014, 0:00
Filed under: confiança em Deus, evangelismo, testemunho, trabalho | Tags:

Comentário devocional:

O capítulo três continua o tema do capítulo dois. Deus chama Ezequiel a ser um vigia (3:17) e pregar a Palavra ao seu povo no exílio (3:18-21).

Ao ler este capítulo, onde Deus instrui Ezequiel a espalhar a todos sua mensagem, minha mente é atraída à Parábola do Semeador. Em Mateus 13, Jesus descreve sementes sendo lançadas em vários tipos de solo: na beira da estrada, em solo rochoso, em solo espinhoso e em terra boa. Assim como o semeador da parábola, Ezequiel deve transmitir sua mensagem para todos sem se preocupar se a pessoa irá ou não recebê-la bem.

Para a maioria de nós, o pensamento de evangelismo é assustador. Se nosso sucesso está garantido, o pensamento de compartilhar nossa fé é muito mais fácil. Mas, se as chances de nosso sucesso são pequenas é muito mais difícil seguir adiante. Eu me pego às vezes não querendo compartilhar a minha fé dizendo coisas como: “esta área é muito difícil de alcançar”, ou “os ricos não estão interessados na mensagem.”

Eu acho que este medo do fracasso é a principal razão de resistirmos ao chamado de Deus para compartilhar nossa fé com os outros. Às vezes esse medo leva os cristãos a fazer muita “análise do solo” – pregar apenas para aqueles que parecem estar mais receptivos à nossa mensagem.

Com isto em mente, é importante reconhecer que em Ezequiel 3, Deus não parece tão preocupado com os sucessos de Ezequiel no evangelismo, quanto como com a obediência de Ezequiel ao chamado. Na visão dos versos 22-27, o Senhor diz a Ezequiel que ele será amarrado com cordas em sua própria casa, o que o impedirá, temporariamente de pregar a Palavra de Deus. 

A mensagem de Deus para Ezequiel e para nós é simples: “Quando eu te chamo, eu te capacito. Você é fraco, mas eu sou forte. Você não tem palavras para chegar ao coração humano e convencer os outros de sua necessidade de Mim, mas eu posso fazer isso. Quando Eu te usar, pode ser que as pessoas respondam e pode ser que as pessoas não respondam,  apenas tenha boa disposição. Seja fiel e entregue-se a Mim, e Eu farei o trabalho”.

Peçamos a Deus a disposição para fazer o trabalho que Ele nos confiou e Ele nos dará não só a disposição, mas também o poder para fazê-lo.

Pr. Eric Bates
EUA

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/3/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Ezequiel 3 

Comentário em áudio 



Ester 7 by Jeferson Quimelli
23 de junho de 2013, 0:00
Filed under: sabedoria, trabalho

Comentário devocional:

O segundo banquete de Ester foi um grande sucesso. Mais uma vez, o rei perguntou-lhe qual era o seu pedido e prometeu que ele seria atendido. Desta vez, Ester respondeu.

Ester conhecia os pontos fortes e fracos do rei e sua resposta foi cuidadosamente planejada. Primeiro, ela implorou que o rei poupasse a vida dela, confiante de sua afeição por ela. Os olhos do rei devem ter ficado enormes, numa expressão de surpresa, ao ela descrever o plano de aniquilação contra ela e seu povo. O rei exigiu saber quem faria uma coisa dessas. Ester, então, corajosamente apontou para o estimado conselheiro do rei e expôs o inimigo que era.

Hamã ficou aterrorizado. Ester devia estar tremendo. O rei, enfurecido, saiu da sala do banquete. Como ele poderia mudar um decreto selado com o seu próprio anel? Como ele poderia admitir publicamente que o seu próprio braço direito o havia enganado?

Lá dentro, Hamã ajoelhou-se diante da rainha, debruçando-se sobre o divã em que ela estava, implorando por sua vida. Neste momento o rei retorna para o aposento e ao ver a postura de Hamã, encontra no fato o pretexto que precisava para salvar a própria dignidade. Ele o acusou de tentar molestar a sua esposa, e tão logo as palavras saíram da boca do rei, os servos cobriram o rosto de Hamã. Seu destino estava selado. Um dos eunucos rapidamente sugeriu que a forca construída para Mordecai podia ser usada. O rei concordou e Hamã foi enforcado na forca que seu orgulho havia construído para Mordecai.

O caráter do rei Assuero era duvidoso. Sua única qualidade redentora era a sua afeição por Ester. Ele autorizou o extermínio de mulheres e crianças inocentes, sem questionar o menor detalhe. Ele também não teve dúvidas se devia ou não lucrar financeiramente com isso. Ele era um líder egocêntrico, arrogante, e desinteressado. Os eunucos no banquete sabiam a respeito da forca de Hamã e estavam mais conscientes dos movimentos políticos no reino do que o próprio rei.

A incapacidade do rei liderar, de prestar atenção aos detalhes e de pensar por si mesmo permitiram que Hamã emitisse seu decreto. Entretanto, estas mesmas falhas de caráter trabalharam em favor de Ester. O rei prontamente acreditou que a versão dela dos acontecimentos era a verdade. Não foi por acaso que Deus permitiu que a bela e sábia Ester, estivesse onde estava naquele momento da história.

Ore para que Deus use você como parte do Seu plano para salvar pessoas. Você, como Ester, estará também trabalhando pela sua própria salvação.

Jean Boonstra
Voz da Profecia
Trad JAQ/JDS

Texto bíblico: Ester 7



Neemias 12 by Jeferson Quimelli
15 de junho de 2013, 0:00
Filed under: adoração, música, trabalho

Comentário devocional:

É importante notar que, ao final dos trabalhos sobre os muros de Jerusalém, foi dado a Deus o crédito pelo trabalho realizado. Quando eles começaram a construção dos muros, Neemias disse ao povo: “O Deus dos céus é quem nos dará bom êxito” (Neemias 2:20).

No dia da celebração, a Escritura diz: “Ainda no mesmo dia, ofereceram grandes sacrifícios e se alegraram; pois Deus os alegrara com grande alegria” (v. 43). Assim como eles começaram dependendo da ajuda de Deus, eles comemoraram reconhecendo a Deus como Aquele que lhes havia dado grande alegria.

Na obra de Deus, não repartimos tarefas com Ele. Tudo o que fazemos desde o início até o final é feito em Seu poder e pelo Seu poder e Sua glória. Somos Seus servos, e mesmo após termos cumprido Suas ordens, toda a glória deve ir para ele.

Por ocasião da celebração dos muros concluídos, dois corais foram organizados. O papel da boa música espiritual é ser sempre uma bênção quando o povo de Deus se reúne para adorar e celebrar os atos de Deus. O povo de Deus cantou com “os instrumentos músicos de Davi, homem de Deus” (versículo 36). Miriam liderou o povo de Deus quando o Senhor os livrou do Egito (Êxodo 15:20,21). A boa música faz bem ao coração.

Naquela ocasião é dito que o povo estava satisfeito com o trabalho dos Levitas e Sacerdotes (verso 44). Quando os líderes espirituais realizam bem o seu trabalho o povo se alegra e Deus é honrado! 

“Pai, a Ti damos toda a glória.”

  

Pardon Mwanza

Vice-Presidente Geral

Conferência Geral

Trad JAQ/JDS

 

Texto bíblico: Neemias 12



Neemias 4 by Jeferson Quimelli
7 de junho de 2013, 0:02
Filed under: trabalho

Comentário devocional:

“O nosso Deus pelejará por nós”, era a convicção de Neemias em meio aos ataques dos inimigos. E essa mesma crença é que vai sustentar o povo de Deus em tempos de dificuldade.

Quanto mais o povo de Deus se esforçar para fazer a vontade de Deus, mais o inimigo multiplicará seus esforços para frustrar o seu trabalho. Satanás não ataca aqueles que não fazem nada que perturbe o reino das trevas, mas ataca aqueles que fazem a vontade de Deus.

Alguém poderia pensar que por Neemias ter orado a Deus e confiado nEle, nem ele nem o povo teriam que fazer nada diante da situação. Mas não foi assim que aconteceu. Neemias colocou pessoas em todos os lugares segurando lanças em uma mão e construindo com a outra. É importante saber que Deus espera que seu povo faça a sua parte enquanto olha para Ele e nEle confia para sua proteção. Foi fazendo assim que Deus lutou por eles e venceu seus inimigos.

Palavras de encorajamento de líderes são poderosas em tempos de angústia. Neemias encorajou as pessoas com estas palavras: “Não tenham medo deles, lembrem-se do Senhor ….” (v. 14).

“Pai, dá-nos força para fazer a nossa parte, mesmo quando olhamos para Ti”.

Pardon Mwanza

Vice-Presidente Geral

Conferência Geral

Trad JAQ/GASQ




%d blogueiros gostam disto: