Reavivados por Sua Palavra


LAMENTAÇÕES 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
18 de dezembro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

1763 palavras

INTRODUÇÃO AO LIVRO:

“O livro de Lamentações tem um tema principal: o sofrimento que sobreveio a Jerusalém quando Nabucodonosor capturou a cidade, em 586 a.C. Tanto o rei Zedequias como seus filhos, seus homens de confiança, o sumo sacerdote, e os líderes da cidade foram levados para o cativeiro. Depois os filhos do rei foram mortos, a cidade foi queimada juntamente com o templo; todos os objetos de valor foram levados embora, a muralha da cidade foi destruída, milhares de cativos foram levados, de maneira que a única coisa que restava na cidade e na terra ao redor era uma diminuta população dos mais pobres ignorantes.

“Numa série de elegias, o autor expressa sua inconsolável tristeza por causa da agonia e tristeza da cidade. O primeiro lamento descreve e explica as aflições, em termos gerais. O segundo descreve o desastre com maiores detalhes. Salienta que a destruição da cidade foi um julgamento de Deus contra o pecado. Alguns fatores profundos desse julgamento são elucidados na terceira lamentação. A quarta lamentação sublinha algumas lições que Jerusalém aprendera do julgamento. O quinto e último lamento (mais exatamente, é uma oração) descreve como os sofrimentos de Jerusalém levaram-na a lançar-se nos braços da misericórdia divina, e a esperar que o Senhor seja novamente gracioso para com Israel, agora purificada no cadinho da aflição. Visto que o livro de Lamentações trata do sofrimento como julgamento contra o pecado, o crente afligido pode encontrar na linguagem do livro a sua própria confissão, auto humilhação e invocação.

“O livro de Lamentações consiste em cinco poesias que seguem o padrão dos hinos fúnebres hebraicos. Cada versículo começa com uma letra do alfabeto hebraico, cada uma na sua ordem certa.

“Desde os tempos mais antigos, os judeus, e posteriormente, os cristãos, tem atribuído o livro de Lamentações à pena de Jeremias. Bíblia Shedd.

 

“O autor de Lamentações compreende com clareza que os babilônios eram meros agentes do castigo divino, e o próprio Deus destruíra Sua cidade e Seu templo (1.12-15; 2.1-8, 17, 22; 4:11). Não foi, no entanto, arbitrária a atuação de Deus; o pecado desavergonhado que desafiava a Deus e a rebeldia que violava a aliança foram as causas principais do infortúnio do povo (1.5, 8, 9; 4.13; 5.7, 16). Embora fosse de esperar o choro (1.16; 2.11, 18; 3.48-51) e fosse natural o clamor por punição contra o inimigo (1.22; 3.59-66), o modo certo de reagir ao juízo é o arrependimento sincero, de todo o coração (3.40-42). O livro que começa com uma lamentação (1.1,2) termina acertadamente com arrependimento (5.21,22).

“No meio do livro, a teologia de Lamentações chega ao ápice ao focalizar a bondade de Deus. Ele é o Senhor da Esperança (3.21,24,25), do amor (3.22), da fidelidade (3.23), da salvação (3.26). A despeito de toda prova em contrário, “as suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada manhã; grande é a Tua fidelidade” (3.22,23). Bíblia de Estudo NVI Vida.

 

1 Como. Do heb. ‘ekah. A primeira palavra do livro é uma exclamação que dá o tom do desastre. É usada no contexto de funerais…. Trata-se de uma maneira abreviada de dizer: “Como poderia ser?”. Expressa descrença e choque diante de uma tragédia inexplicável. Bíblia de Estudo Andrews.

‘Ekah foi considerada como o título do livro na Bíblia Hebraica … Este capítulo, assim como os três seguintes, é um poema acróstico (ver vol. 3, p 705). Cada versículo se inicia com uma letra hebraica diferente, organizado em ordem alfabética.CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 596.

Expressa um misto de choque e desespero. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Tornou-se viúva. Jerusalém é despojada de seu povo (ver com. [CBASD] de Jr 4:25). Ela também é uma viúva porque o Senhor não é mais seu esposo. Comentaristas judeus destacam a palavra “como”: ela está viúva temporariamente, visto que o Senhor a tem esquecido, mas “por breve momento” (Is 54:7). CBASD, vol. 4, p. 596, 597.

Trabalhos forçados. A palavra parece envolver servidão, assim como tributação. CBASD, vol. 4, p. 597.

2 Não tem quem a console. Embora o contexto indique que a expressão se aplica principalmente à rejeição de Judá por seus vizinhos, ela também reflete a rejeição temporária da nação por parte de Deus. CBASD, vol. 4, p. 597.

Procederam perfidamente. Quando os babilônios atacaram Judá, seus vizinhos, que antes encorajaram os judeus a se unir a eles contra Babilônia (ver com. [CBASD] de Jr 27:3) a abandonaram, e alguns mesmo se uniram para saqueá-la (2Rs 24:2; Sl 137:7; Ob 10-13). O assunto deste versículo é que Judá cometeu adultério espiritual ao buscar com seus vizinhos pagãos, em vez de obedecer a Deus e depender dEle para estar em segurança. Quando se deflagrou a crise, seus amantes se voltaram contra ela, que, por fim, foi rejeitada por todos e encaminhada para o cativeiro. CBASD, vol. 4, p. 597.

3 Judá … exílio. A promessa do descanso de todos os inimigos, apresentada em Dt 12:10 foi invertida. A aliança dá o contexto para a tragédia que sobreveio ao povo de Deus. Bíblia de Estudo Andrews.

Não acha descanso. Judá foi atrás de amantes ímpios, que a abandonaram. Por fim, não há segurança [descanso] conjugal para ela. CBASD, vol. 4, p. 597.

Assim como advertiu Moisés em Dt 28.65. Bíblia de Estudo NVI Vida.

4 Os caminhos de Sião. Ou, “as estradas de Sião”. Jerusalém ficava na convergência de quatro estradas principais. CBASD, vol. 4, p. 597.

Cessou a reunião solene. A peregrinação não era mais relevante. As festas, que ocupavam as estradas, acabaram. Bíblia de Estudo Andrews.

Suas portas. Possivelmente, uma referência às portas que davam acesso ao espaço aberto, e que serviam como local público de reunião para o comércio e para transações governamentais… Todo o comércio diário da grande cidade cessou. CBASD, vol. 4, p. 597.

5 Prevaricações. Do hrb. pesha’im, “rebeliões”, “revoltas” ou “transgressões”, isto é, pecados cometidos intencionalmente (ver Jr 2:8; Lm 3:42). CBASD, vol. 4, p. 597.

7 queda. Lit., “cessação”.  A raiz hebraica é a mesma de “sábado” – e talvez tenha o objetivo um jogo irônico de palavras [o povo, cativo, teria cessado o seu privilégio de guardar os sábados]  (v. Lv 26.34, 35). Bíblia de Estudo NVI Vida.

8 Nudez. Era comum aos conquistadores humilhar os cativos, fazendo-os caminhar nus para o exílio … Em 1878, em Balawât, na Assíria, descobriram-se vários painéis de bronze retratando as conquistas de Salmanezeer III (859-824 a.C.). São mostradas filas de cativos; os homens ficavam sem roupa, enquanto as mulheres eram forçadas a manter aberta a frente de suas saias enquanto marchavam. Sem dúvida, Jeremias via o povo de Judá humilhado dessa forma, e assim ele ilustrou como a iniquidade da nação se tornara visível a todos. CBASD, vol. 4, p. 598.

E se retira. Literalmente, “é uma excreção”ou “se tornou impura”. Neste versículo, a frase indica tanto a impureza cerimonial quanto a moral (2Cr 29:5; Ed 9:11). A purificação desta impureza é prometida àqueles que a desejam (Zc 13:1). CBASD, vol. 4, p. 598.

9 A contaminação por causa da infidelidade é um tema comum nos escritos dos profetas do oitavo século. Bíblia de Estudo Andrews.

Minha aflição. A própria cidade é retratada como irrompendo em pranto e se unindo ao lamento do profeta. CBASD, vol. 4, p. 598.

10 Estendeu o adversário a mão. Evidentemente, para apreender e controlar. CBASD, vol. 4, p. 598.

Entrar as nações. Os amonitas e moabitas não deviam entrar na congregação (Dt 23:3, 4). Durante a calamidade de Judá, eles e outros gentios profanaram os lugares santos (ver 2Rs 24:2; Sl 74; 79), de onde estava excluído mesmo o judeu comum. CBASD, vol. 4, p. 598.

V. Ez 44.7,9. [Neemias fez valer essa restrição quando demitiu Tobias (Ne 13.8), um amonita (Ne 2.10; v. Dt 23.3). Mesmo assim, os estrangeiros podiam vir a fazer parte de Israel]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

11 Pão. Do heb. Lechem. Estava palavra, enquanto usada especificamente para pão, geralmente tem o sentido de “alimento” (1Rs 5:11; Sl 136:25). CBASD, vol. 4, p. 598.

Restaurar as forças. Literalmente, “levar a alma a retornar”, isto é, “refrescar a vida”. A palavra “alma”, do heb. nefesh, é usada neste versículo em seu sentido mais básico, de “vida”(ver com. [CBASD] de 1Rs 17:21; Sl 16:10). CBASD, vol. 4, p. 598.

Vê, SENHOR. Até aqui, é o autor quem mais fala. Agora, no meio do cap. 1, a locutora principal passa a ser a Jerusalém personificada. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Novamente, Jerusalém é retratada como falando (ver com. do v. 9) e continua como a oradora (exceto pelo v. 17) até o final do capítulo. CBASD, vol. 4, p. 598, 599.

13 Meus ossos. Esta expressão é normalmente usada no sentido de profundo. CBASD, vol. 4, p. 599.

14 Jugo. A intenção do profeta é mostrar que Jerusalém percebia que as transgressões … eram a causa direta do castigo; os pecados eram um jugo sobre seu pescoço. CBASD, vol. 4, p. 599.

15 Lagar [Lugar onde eram pisoteadas as uvas e se recolhia o suco, de cor alusiva ao sangue]. Símbolo da ira de Deus (Is 63:3; Jl 3:13; Ap 14:19; 19:15). CBASD, vol. 4, p. 599.

Virgem. Jerusalém tinha sido considerada inexpugnável e inviolável (Lm 4:12; ver Jr 18:13). CBASD, vol. 4, p. 599.

16 Restaurar as minhas forças. Considerando que o povo de Jerusalém em vão buscava alimento físico durante o cerco final, por fim ele percebeu sua necessidade do alimento espiritual. CBASD, vol. 4, p. 599.

17 Seus inimigos. Uma referência às nações vizinhas que se voltaram contra Judá, que delas esperava o auxílio contra os babilônios. CBASD, vol. 4, p. 599.

Coisa imunda. A implicação mais ampla da ilustração é de alguém marginalizado, de algo rejeitado como imundo e abominável, como aconteceu com Jerusalém por causa de seus pecados. CBASD, vol. 4, p. 599.

18 Justo é o SENHOR. Enfático contraste com a abominável condição de Jerusalém. Neste versículo, o poema se eleva acima do lamento sobre Jerusalém e reconhece a justiça de Deus em todas as Suas relações com a cidade. Desta forma, o lamento é proferido, não em atitude de autopiedade, mas para mostrar o profundo remorso que sobrevém a alguém que percebe a imensidão de seu fracasso diante de um Deus justo. Não há dúvidas a respeito da justiça de Deus. Tudo o que Ele faz está correto, porque Ele é o padrão de justiça (ver Jó 38-41; Rm 9:20). CBASD, vol. 4, p. 599.

20 Turbada está minha alma. Uma característica expressão hebraica que indica forte emoção (ver com. [CBASD] de Jr 4:19). CBASD, vol. 4, p. 600.

21 Tu o fizeste. Os inimigos de Judá estavam especialmente satisfeitos porque o próprios Deus, que em tempos passados a livrara admiravelmente de seus inimigos, permitiu então que a destruição lhes sobreviesse. CBASD, vol. 4, p. 600.

Trazendo Tu o dia. Literalmente, “Tu trouxeste”. O profeta estava tão seguro de que os juízos de Deus também cairiam sobre as nações ímpias que então oprimiam a Judá, que ele colocou sua afirmação no tempo perfeito do hebraico, indicando ação completa. O fato de Deus usar os ímpios para punir Judá de forma alguma indicava que aquelas nações eram inocentes de pecados ainda maiores (Lm 5:11). A certeza com a qual o castigo prometido caiu sobre Judá apenas tornou mais inevitável o cumprimento dos juízos profetizados contra seus vizinhos (ver Jr 25:17-26; Hc 1:5-17; 2:1-8; ver com. [CBASD] de Jr 25:12). CBASD, vol. 4, p. 600.

22 À Tua presença. Isto é, em julgamento. CBASD, vol. 4, p. 600.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



<span>%d</span> blogueiros gostam disto: