Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 50 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
15 de dezembro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

2105 palavras

Os capítulos 50 e 51 de Jeremias são uma profecia contra o Império Caldeu Babilônico. Os caldeus eram os descendentes de Quésede, filho de Naor (irmão de Abraão) e Milca (Gênesis 22:22). Eles viviam inicialmente em Ur dos Caldeus e mais tarde de mudaram para o sul, conquistaram a cidade de Babilônia e fizeram dela sua capital.Curiosamente, tanto os babilônios como os israelitas eram descendentes de Eber (Gênesis 10:25) e eram também chamados de “Ibri”, “hebreus” (Eber, terminando com i). O Deus da Bíblia é “o Deus dos hebreus” (Gn 14:13; Êxodo 3:18).
A palavra “caldeus” veio do grego chaldaioi. Eles falavam o aramaico que Daniel teve que aprender durante o cativeiro e que Esdras e Neemias falaram quando voltaram para casa na Palestina.

Na época de Abraão, havia poucos crentes no Deus dos hebreus. Algumas gerações mais tarde, no tempo de Jó, os caldeus saquearam os bens de Jó (Jó 1:17). Eles conquistaram a terra da Mesopotâmia, e fizeram da antiga cidade de Babilônia a sua capital. Eles adotaram a religião da Babilônia e adoraram ao deus “Marduque” (Jeremias 50:2, NVI).

Há uma história interessante sobre o nome da cidade de Babilônia. Quando os sumérios construíram torres e cidades, eles deram a uma cidade que tinha uma torre feita de tijolos o nome de Ka-dingirra que significa “porta de Deus”. Mais tarde, os acádios que conquistaram esta cidade a chamaram de Bab-ili, que também significa “porta de deus”. Após a confusão da linguagem, esta cidade foi chamada de Babel “porque ali o Senhor confundiu a língua de todo o mundo. Dali o Senhor os espalhou por toda a terra” (Gênesis 11:9, NVI).

O retorno de Israel do exílio babilônico (v. 4) foi profetizado para acontecer após o Império Babilônico cair, conquistado pelos medos e persas.

Na Bíblia Jeremias usa o nome “Babilônia” mais do que qualquer outra pessoa. Ele fala em nome do Senhor: “Preparei uma armadilha para você, ó Babilônia, e você foi apanhada antes de percebê-lo; você foi achada e capturada porque se opôs ao Senhor” (Jer. 50:24, NVI). “Babilônia foi conquistada” (v. 2 NVI). Isaías também profetizou a respeito: “Caiu! A Babilônia caiu!” (Isaías 21:9 NVI). As razões para a queda da antiga Babilônia foi a sua adoração de ídolos (v. 2) e o orgulho acerca do seu poder. A cidade cairia “porque ela desafiou o Senhor, o Santo de Israel” (v. 29 NVI). A profecia de sua queda é repetida no Novo Testamento: “Caiu! Caiu a grande Babilônia!” (Apocalipse 18:2, NVI). A grande Babilônia também caiu pelos mesmos motivos: falsa adoração e orgulho.

Querido Deus, afasta de mim qualquer resquício de orgulho e apego a falsos deuses. Que a minha confiança e a minha alegria estejam somente em Ti. Amém. Yoshitaka Kobayashi, Japão. Publicado em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/06/20/

 

Muitas das expressões dos cap. 50 e 51, que descrevem a desolação da Babilônia literal, aparecem novamente em Apocalipse 16 a 19, na delineação que João faz da queda da Babilônia mística (ver com. [CBASD] de Is 47:1). Um estudo cuidadoso destas expressões em seu contexto histórico pode se provar um auxílio para clarificar o sentido das mesmas expressões no contexto do livro de Apocalipse. CBASD – Comentário Bíblico Adventista, vol. 4, p. 571.

1 Palavra que falou o SENHOR. … declaração da autoridade de Yahweh com respeito a Seu proceder em relação às nações. CBASD, vol. 4, p. 550.

contra a Babilônia. Profecias de juízo. Bíblia de Estudo Andrews.

Babilônia. A profecia de Jeremias contra Babilônia é o mais longo de seus discursos contra as nações estrangeiras relacionadas a Israel (Jr 50:1-51:58). Na época, a Babilônia era o poder dominante no Oriente Médio e o principal adversário do povo de Judá.  … esta profecia pode ser datada no 4º ano de Zedequias (ver Jr 51:59, 60), em 594/593 a.C., de outono a outono. Alguns se maravilham de que Jeremias, cuja política foi estimular a cooperação com a Babilônia (Jr 27:12-18), numa época crucial como essa, fizesse uma declaração tão forte contra aquele país. A resposta parece estar no fato de que esta profecia não foi dada para benefício dos judeus em Jerusalém, a quem Jeremias dirigiu suas mensagens urgentes de cooperação com babilônia. Ela foi dirigida aos exilados (ver Jr 50:4-8, 17-20; 51:60-64). Se a mensagem alcançasse os babilônios, seria um aviso a eles que Yahweh ainda lhes traria juízo e destruição, por falharem em cooperar completamente com o plano celestial. Para os judeus exilados, isto era uma segurança de que Deus não havia esquecido de sua triste situação e que haveria uma restauração para eles no futuro. CBASD, vol. 4, p. 572.

2 Bel. Do babilônico bêlu, “senhor”(relacionado ao heb. ba’al), um título aplicado ao principal Deus da Babilônia Marduque (O “Merodaque” deste versículo). Jeremias repetidamente representou os castigos infligidos sobre as nações vizinhas como juízos sobre seus falsos deuses. CBASD, vol. 4, p. 572, 573.

Tomada é a Babilônia. Profecia cumprida em 539 a.C. pelo medo-persas. Bíblia de Estudo Andrews.

3 Do Norte. Em 539 a.C., os persas e medos conquistaram o reino babilônico. A Média ficava ao norte de Babilônia. CBASD, vol. 4, p. 573.

4 Naqueles dias. Tempo de restauração. Bíblia de Estudo Andrews.

andando e chorando. O propósito do cativeiro era conduzir Judá ao arrependimento. Bíblia de Estudo Andrews.

5 Aliança eterna. Era propósito de Deus que a disciplina dos exilados os levasse ao arrependimento genuíno e que o remanescente de Israel, depois de seu retorno, cumprisse o destino que Deus tinha planejado para os descendentes de Abraão. CBASD, vol. 4, p. 573.

6 O meu povo. Termo da aliança (ver 30:3). Bíblia de Estudo Andrews.

ovelhas perdidas. O povo desencaminhado.Bíblia de Estudo Andrews.

Pastores. Referência tanto aos líderes religiosos como aos políticos, que levavam o povo de Israel a se desviar. Quando os líderes religiosos da nação perderam seu poder espiritual, logo os governantes se degradaram moralmente. CBASD, vol. 4, p. 573.

Do monte passaram ao outeiro. O profeta podia ter em mente o fato de que a adoração idólatra era praticada com frequência no alto dos montes. CBASD, vol. 4, p. 573.

7 Morada de Justiça. Deus é declarado ser não apenas o verdadeiro repouso do perdido Israel, mas também a fonte da justiça. CBASD, vol. 4, p. 573.

8 Fugi. Para a ilustração do povo de Deus escapando da Babilônia espiritual, ver com. [CBASD] de Ap 18:4. CBASD, vol. 4, p. 573.

9 Um conjunto de grandes nações. Uma aliança para atacar Babilônia. Bíblia de Estudo Andrews.

Estas nações são enumeradas em Jeremias 51:27 e 28. CBASD, vol. 4, p. 573.

11 alegrais e exultais. Babilônia havia se aproveitado de Judá com alegria. Bíblia de Estudo Andrews.

minha herança. Judá continuava a ser o povo de Deus, mesmo depois de sofrer o juízo. Bíblia de Estudo Andrews.

12 Última. Numa época quando a nação estava ascendendo ao auge do seu poder … , Jeremias, em ironia mordaz, chama-a profeticamente de “a última das nações”(ver a profecia de Balaão para Amaleque, em Nm 24:20). CBASD, vol. 4, p. 573.

Um deserto. Por meio de visão profética, Jeremias olha através dos séculos e contempla o resultado de uma sucessão de catástrofes que levaria Babilônia a se transformar em “um deserto, uma terra seca e uma solidão”. O solo de Babilônia era altamente fértil, a terra produzia colheitas abundantes, mas quando deixada sem água, rapidamente se tornava num vasto deserto. Desde tempos antigos, a prosperidade do sul e do centro da Mesopotâmia dependiam da existência de um governo forte que mantivesse a rede de canais de irrigação. Períodos de anarquia eram fases de desolação. Como o profeta predisse desastre político, ele também viu o país se tornando num deserto. A desolação predita ocorreu, mesmo não sendo imediatamente após a queda de Babilônia. Sob os persas, a terra de Babilônia continuou a ser altamente produtiva. … A Mesopotâmia continuou a florescer sob o governo muçulmano até 1258, quando os mongóis, sob ordem do neto de Gengis Kahn, varreram a Ásia Ocidental. Como parte da depredação, eles demoliram o sistema de irrigação. Desde aquela época, as planícies central e sul da Mesopotâmia têm estado, em grande parte, desertas. CBASD, vol. 4, p. 574.

13 Não será habitada. Enquanto o v. 12 parece se aplicar ao país como um todo, este versículo menciona a cidade, especificamente. Babilônia não foi destruída por Ciro. Seu declínio ocorreu em etapas lentas (ver com. [CBASD] de Is 13:19). CBASD, vol. 4, p. 574.

17 leões. Exércitos inimigos. A Assíria conquistou Israel, o reino do norte, em 822 a.C. Bíblia de Estudo Andrews.

Assíria. Uma referência à destruição do reino do norte de Israel por meio do rei assírio Salmaneser V, em 723/722 a.C. (2Rs 18:9-12). CBASD, vol. 4, p. 574.

18 Como castiguei. Nínive, a capital da Assíria, foi destruída pelos babilônios e medos em 612 a.C. Menos de dez anos depois que os remanescentes do império desapareceram, os assírios, como nação, se perderam na história. … o reino de Babilônia logo perderia sua independência nas mãos dos persas (539 a.C.). … A cidade de Babilônia foi amplamente destruída, embora continuasse a existir por algum tempo depois disso (ver com. [CBASD] de Is 13:19). CBASD, vol. 4, p. 574.

19 Farei tornar Israel. Judá recebeu permissão para retornar em 537 a.C. A unificação do reino do norte nunca aconteceu (ver 23.6). Bíblia de Estudo Andrews.

Carmelo … Gileade. Áreas férteis de Israel. Bíblia de Estudo Andrews.

As áreas mencionadas neste versículo sugerem que Deus planejava restaurar as fronteiras originais de Israel. … Estas promessas eram condicionais à obediência (ver PR, 704). CBASD, vol. 4, p. 574.

20 E já não haverá. Ao perdão dos pecados prometido neste versículo seguiria o arrependimento sincero e um genuíno reavivamento espiritual. Os pecados que caracterizavam a Israel antes do exílio não deveriam ser repetidos. Israel falhou em cumprir o propósito divino. CBASD, vol. 4, p. 574.

Que eu deixar. Literalmente, “a quem Eu farei permanecer”. Este texto é uma garantia de perdão ao povo remanescente de Deus. Aos judeus que foram deixados no final do cativeiro foi dada a promessa de que, se eles se arrependessem, Deus não teria contra eles as más obras de sua história passada. CBASD, vol. 4, p. 574.

21 Duplamente rebelde. Os babilônios tiveram ampla oportunidade para conhecer e servir ao verdadeiro Deus por meio do testemunho dos judeus cativos em seu meio. CBASD, vol. 4, p. 575.

Terra de castigo. Ou, “Pecode”(ARC). Literalmente, “visitação”, no sentido de castigo. CBASD, vol. 4, p. 575.

23 Martelo. O poder que outrora destruiu outras nações é então quebrado (ver Is 14:4-6). CBASD, vol. 4, p. 575.

24 E não o soubestes. Babilônia foi pega de surpresa pelos persas (ver com. [CBASD] de Dn 5:30, 31). CBASD, vol. 4, p. 575.

25-27 Deus sai para a guerra contra babilônia. Seguem-se destruição e saque. Bíblia de Estudo Andrews.

27 Touros. Provavelmente, uma referência aos guerreiros ou príncipes de Babilônia (ver Sl 22:12; 68:30; Is 37:7). CBASD, vol. 4, p. 575.

28 Voz. Aqueles judeus que foram testemunhas oculares da invasão e queda de Babilônia dariam um impressionante testemunho em Jerusalém da magnitude do castigo da nação que tinha destruído o templo. CBASD, vol. 4, p. 575.

28 anunciarem em Sião. Jerusalém recebe [no futuro, mais de 70 anos depois] a notícia de Babilônia. Bíblia de Estudo Andrews.

29-32 Os preparativos para a guerra continuam. Bíblia de Estudo Andrews.

34 Redentor. Do heb. go’el. Esta palavra ocorre mais de 40 vezes no AT. Embora Jeremias a utilize somente aqui. Ela é traduzida de forma variada como “redentor”, “resgatador”, “vingador”. Este termo é aplicado a parentes próximos cujo dever era vingar um assassinato (ver Nm 35:19) e comprar de volta a terra vendida por uma pessoa pobre (ver Lv 25:23-25; cf. Rt 3:9; ver com. [CBASD] de Rt 2:20). CBASD, vol. 4, p. 575.

o seu Redentor é forte. O próprio Deus libertaria Seu povo. Bíblia de Estudo Andrews.

35-37 A espada virá. Ver 46:10. A batalha é anunciada. Bíblia de Estudo Andrews.

35 Sábios. Babilônia era famosa por seus sábios, de quem os reis dependiam para orientação (ver Dn 2:2, 12; Dn 5:15). CBASD, vol. 4, p. 575.

36 Gabarolas. Do heb. badim, “faladores vazios”. Provavelmente a referência seja aos assim chamados sábios de Babilônia (ver Is 44:25). CBASD, vol. 4, p. 575.

37 Misto de gente. Possivelmente uma referência às tropas estrangeiras no exército babilônico.CBASD, vol. 4, p. 575.

Tesouros. Os babilônios tinham roubado os tesouros de Judá (ver Jr 52:17-23; Dn 1:2). CBASD, vol. 4, p. 575.

38 Águas. A prosperidade de Babilônia dependia de seus dois grandes rios, Tigre e Eufrates.

41 Confins da terra. Ver Jr 51:27, 28. Quando os medos e os persas derrubaram Babilônia, em 539 a.C., seu império ao norte e leste se estendia para além dos limites de qualquer poder anterior na região do Oriente Médio. O império persa, como finalmente constituído, abrangeu da fronteira da Índia no leste, até a Trácia e o Egito no oeste, o sul da Arábia e o norte do moderno Turquistão e o Cáucaso. Este foi o maior império que a região tinha conhecido até então. CBASD, vol. 4, p. 576.

42, 43 O relato da invasão causa temor em Babilônia; até o rei fica desalentado. Bíblia de Estudo Andrews.

43 Desfaleceram as suas mãos. Ver Daniel 5:6, em que é descrita a conduta de Belsazar na época de Babilônia. Nabonido, com quem Belsazar compartilhava o governo, pareceu também não ter apresentado forte resistência aos invasores. O historiador babilônio Beroso afirma que Nabonido avançou contra os persas, mas foi derrotado em batalha, da qual fugiu e, mais tarde, se entregou sem tentar se defender (ver Josefo, Contra Ápion, i.20). CBASD, vol. 4, p. 576.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: