Reavivados por Sua Palavra


Apocalipse 1 – Comentários Selecionados by tatianawernenburg
28 de junho de 2015, 21:08
Filed under: adoração, sábado | Tags: , , ,

1 Revelação. Do gr. apokaluvsis, “descerramento”. “Revelação de Jesus Cristo” pode ser considerado o título que João deu ao livro. Este título nega categoricamente a ideia de que o Apocalipse é um livro selado, que não pode ser compreendido. Ele apresenta uma mensagem que Deus teve e tem o propósito de ajudar Seus servos na Terra a ouvir e guardar. Eles só podem fazer isso se a compreendem. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 803.

3 Aqueles que ouvem. Isto é, os membros de cada igreja. A NVI traz a expressão anterior no singular, “aquele que lê”, denotando que, em cada igreja, havia apenas um leitor, e muitos que ouviriam a leitura. A bênção que acompanhava a leitura do Apocalipse nas “sete igrejas” da província romana da Asia alcança todos os cristãos que lêem o livro com o desejo de adquirir uma compreensão mais perfeita das verdades por ele comunicadas. CBASD, vol. 7, p. 806.

4 Sete Espíritos. Em outras passagens do livro, os sete Espíritos são retratados como sete lâmpadas de fogo (Ap 4:5) e como os sete olhos do Cordeiro (Ap 5:6). A associação dos “sete Espíritos” com o Pai e com Cristo, como equivalentes doadores da graça e da paz, sugere que eles representam o Espírito Santo. É provável que “sete” seja uma expressão simbólica de Sua perfeição e também pode subentender a variedade de dons por meio dos quais ele trabalha nos seres humanos (ver ICo 12:4-11; cf. Ap 3:1). CBASD, vol. 7, p. 807.

10 Dia do Senhor. O dia do Senhor não pode ter sido um domingo, pois o primeiro dia da semana nunca foi observado como um sábado até vários seculos depois da ascensão de Cristo. Escritores bíblicos referem-se ao domingo como “o primeiro dia da semana”. Para os pagãos, era o dia do sol. Qual era o dia do Senhor? 1. O dia em que o Senhor chama de “Meu Santo dia” (Is 58:13). 2. Jesus é o “Senhor do Sábado” (Mc 2:28). Apocalipse Verso por Verso, Henry Feyerabend, p. 14.

11 Sete igrejas. A ordem em que as igrejas são citadas, tanto aqui quanto em Apocalipse 2 e 3, representa a sequência geográfica pela qual passaria um mensageiro levando uma carta de Patmos a essas cidades da província da Ásia. CBASD, vol. 7, p. 813.

13 Filho de homem. Do gr. hrdos anthrôpou. O texto grego desta passagem não tem artigo definido. Trata-se de uma tradução exata do aramaico kebar enash e parece ter o mesmo significado que tem em Daniel. Logo, aquilo que se comentou sobre kebar enash (Dn 7:13) também se aplica a huios anthrôpou. Está claro que Aquele a quem o título se refere é Cristo (Ap 1:11, 18). A expressão “o Filho do homem”, com artigo definido, é usada para Cristo mais de oitenta vezes no NT, ao passo que “Filho de homem”, sem o artigo definido, só se refere a Ele em dois outros casos no grego do NT (Ap 14:14 e Jo 5:27). CBASD, vol. 7, p. 816.

16 Sete estrelas. Este símbolo representa os “anjos”, ou mensageiros, enviados às sete igrejas (v. 20). CBASD, vol. 7, p. 817.

17 Não temas. Após a perda da força física, o profeta recebia força sobrenatural, normalmente por meio do toque de uma mão (Ez 2:1, 2; Dn 8:18; Is 6:6, 7). Muitas vezes, o visitante celestial deu a ordem “Não temas!”, a fim de dissipar os temores que naturalmente transbordam no coração humano quando confrontado com um ser celestial. CBASD, vol. 7, p. 818.

20 Mistério. Aqui o termo “mistério” é usado para se referir às sete “estrelas”, símbolo que ainda não fora explicado. O símbolo é chamado de “mistério” porque a interpretação estava prestes a se tornar conhecida. Logo, no Apocalipse, “mistério” é um símbolo prestes a ser explicado para aqueles que consentem em guardar as coisas reveladas no livro (Ap 17:7, 9), ou algo que Deus deseja lhes tornar conhecido. Os símbolos do Apocalipse também são chamados de “sinal” (Ap 12:1; 15:1). CBASD, vol. 7, p. 819.



Apocalipse 1 by Jeferson Quimelli

Comentário devocional:

O livro do Apocalipse, como o primeiro versículo indica, é uma revelação recebida de Cristo e sobre Cristo, vinda de Deus Pai (cf. João 8:28; 17:8). Aqui, como em todo o livro, recebemos vislumbres do Pai e do Espírito Santo (Ap. 1:4), mas é o próprio Jesus Cristo quem toma o lugar central. Jesus é tão maravilhoso que João mal pode se conter. As imagens fluem de sua pena, uma após a outra.

Como a fiel testemunha (v. 5), Jesus é a Palavra viva, acuradamente revelando Deus e Sua vontade para nós (Ap. 19:13; cf. Jo. 1:1,18). Como o “primogênito” dentre os mortos, a Sua ressurreição é que torna possível a nossa ressurreição para a vida eterna (1 Cor. 15:17-23). Como o príncipe ou soberano dos reis da terra, Ele está no controle deste mundo. Ele nos ama. Ele nos lavou e nos purificou com Seu sangue através da Sua morte na cruz. Ele fez de nós um reino e comissionou cada um de nós, como sacerdotes, a ampliar Seu reino, proclamando as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (v 6; 1 Ped. 2:9). Acima de tudo, Ele está voltando em breve e “todo olho O verá” (Ap 1:7). Mas isso não é tudo.

A visão de João acerca de Cristo nesse capítulo é uma das mais marcantes em toda a Bíblia. Jesus está vestido como nosso Sumo Sacerdote, caminhando entre sete candeeiros – as sete igrejas da Ásia Menor (v. 20), que por sua vez representam a Sua Igreja em todos os lugares e em toda a história cristã (v. 19).

A mensagem é clara. Jesus não Se esqueceu de nós. Ele nos gravou nas palmas das Suas mãos (Is 49:16). Ele não Se esqueceu de Sua Igreja. Seus líderes – ministros cristãos que são aqui referidos como “anjos” ou mensageiros e representados pelas sete estrelas (ver Obreiros Evangélicos, 13) – estão em Sua mão. Cristo é a Cabeça da Igreja. E, como o livro de Apocalipse deixa bem claro, Ele nos guiará até o fim. Pelo fato dEle ter vencido, pela Sua graça venceremos também e reinaremos com Ele na Terra renovada (Ap 22:5).

Clinton Wahlen, PhD
Diretor Associado do Instituto de Pesquisa Bíblica
Estados Unidos



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/rev/1/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Apocalipse 1 
Comentário em áudio 



Tiago 3 by Jeferson Quimelli
9 de junho de 2015, 1:00
Filed under: religião viva, Vida Cristã, virtude | Tags: , ,

Comentário devocional:

Tiago salienta o fato de que professores e líderes tidos em alta estima em sua comunidade devem apresentar um padrão mais elevado do que a média das pessoas. Na verdade, suas palavras serão julgadas mais severamente do que as palavras dos demais.

A língua é tão pequena e aparentemente tão inofensiva, mas pode fazer muito dano se não for controlada por Jesus. A língua pode construir a autoestima de uma pessoa ou derrubá-la. Algumas poucas palavras podem arruinar um relacionamento para o resto da vida. Se permitirmos que o diabo manipule nossas palavras podemos trazer dano a pessoas, igrejas e comunidades. Guerras foram iniciadas por causa de algumas palavras mal colocadas.

Por outro lado, homens e mulheres podem fazer grandes coisas se mantiverem suas línguas sob controle. Palavras gentis podem ser usadas para domar e treinar animais. Palavras também podem promover a cura e trazer bem-estar emocional e mental.

A língua pode ser repugnantemente má, espalhando seu veneno por toda parte. Ou pode ser uma ferramenta de poder para o bem, inspirando e habilitando pessoas a se assemelharem mais a Jesus. Se aceitamos como impossível que água boa e ruim possam fluir da mesma fonte, como podemos aceitar que palavras de encorajamento e intimidação possam fluir da mesma boca? A fonte de nossas palavras precisa ser santificada com a presença de Deus.

Se entendermos o que Tiago está tentando nos dizer, então desenvolveremos uma conversação e comportamento positivos, com humildade. Essas ações se tornarão habituais em nossa vida, pois é Jesus Cristo quem vive em nós.

Despejar palavras raivosas sobre outros não é do agrado de Deus. Pelo contrário, essa é uma ferramenta muito usada pelo diabo para envenenar tanto aqueles que falam quanto os que escutam. Tal comportamento não é consistente com um cristão o qual deve espalhar a “boa notícia” do Senhor Jesus Cristo. A confusão é o resultado final de se espalhar o ódio, a raiva e a inveja.

As características das pessoas ligadas ao céu incluem sabedoria, pureza, bondade, compaixão e paciência. Se possuirmos boas atitudes e comportamentos, livres de parcialidade e hipocrisia, um dia seremos bem vindos ao reino de Jesus. Naquele grande dia da colheita final, os que ouvirão as palavras “bem está servo bom e fiel”, dos lábios de Jesus, são os que agora espalham sementes de bondade, compaixão e paz

Robin Pratt
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jam/3/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Tiago 3 
Comentário em áudio 



Jeremias 42 by Jeferson Quimelli
12 de junho de 2014, 0:00
Filed under: fidelidade | Tags: , ,

Comentário devocional:

Joanã e outros capitães militares resgataram com sucesso as pessoas que tinham sido capturadas por Ismael. Então, em vez de voltarem para Mispa, Joanã, os capitães e as pessoas, temendo a vingança dos caldeus da Babilônia, decidiram fugir para o Egito e chegaram a uma estalagem em Gerute-Quimã perto de Belém, ao sul de Jerusalém (Jer 41:17).

Os capitães militares e as pessoas resgatadas queriam uma viagem segura para o Egito. Jeremias estava entre essas pessoas em Gerute-Quimã. Eles sabiam que a profecia de Jeremias acerca da destruição de Jerusalém pelos caldeus tinha se cumprido integralmente. Por isso queriam ouvir da boca de Jeremias qual a orientação de Deus a respeito, a fim de garantir a proteção divina em sua fuga para o Egito. Eles ocultaram a firme determinação de fugirem para o Egito fingindo ser humildes, e disseram a Jeremias: “Quer seja favorável ou não, obedeceremos ao Senhor, o nosso Deus” (Jer 42:6, NVI). 

Jeremias lhes garantiu que bênçãos divinas seriam derramadas sobre eles se aceitassem ficar em Judá (42:7-19), mas se fugissem para o Egito, perderiam suas vidas. Deus conhecia os corações deles e que estavam determinados a fugir para o Egito. Então Jeremias acusou-os, dizendo: “Eu lhes disse, hoje mesmo, o que o Senhor, o seu Deus, me mandou dizer a vocês, mas vocês não lhe estão obedecendo. Agora, porém, estejam certos de que vocês morrerão pela guerra, pela fome e pela peste, no lugar em que vocês desejam residir” (Jer 42:21-22, NVI).

Quando procuraram a Jeremias para ouvirem a Palavra do Senhor eles haviam jurado solenemente: “Que o Senhor seja uma testemunha verdadeira e fiel contra nós, se não mantivermos o nosso juramento! Juramos que faremos tudo o que o Senhor teu Deus te mandar dizer-nos “(Jeremias 42:5 New English Bible – NEB). Eles enganosamente juraram em nome do Senhor. Eles quebraram o mandamento encontrado em Levítico 19:12 “Não jurem em meu nome com a intenção de enganar profanando assim o nome do vosso Deus” (NEB).

Toda forma de engano é pecado contra Deus. Precisamos ser cristãos verdadeiros, pessoas sinceras, sem engano, que não profanam o nome de Deus.

Nesse relato percebemos o imenso amor de Deus para com seu povo. Após a destruição de Jerusalém, sob circunstâncias nada favoráveis, Deus amorosamente promete proteção aos restantes que haviam ficado na terra, caso eles confiassem em Sua Palavra e aceitassem permanecer em Judá. Infelizmente os líderes decidiram ir para o Egito e o povo os seguiu. Mais uma vez os planos bondosos de Deus foram impedidos de se cumprirem na vida do seu povo devido à incredulidade e desobediência. 

Oremos para que Deus nos dê um coração disposto a aceitar e obedecer a todas as suas orientações.

Yoshitaka Kobayashi
Japão

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jer/42/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Jeremias 42 



Jeremias 35 by Jeferson Quimelli
5 de junho de 2014, 0:00
Filed under: fidelidade, integridade | Tags: ,

Contexto histórico:

“Nos capítulos 35-36 regressamos ao reinado de Jeoaquim. Cronologicamente, seguem-se ao capítulo 26.” Bíblia Shedd

 

Comentário devocional:

O Senhor elogiou os recabitas e os utilizou como exemplo por manterem as promessas feitas aos seus antepassados. Estas pessoas de palavra me lembram outro personagem da Bíblia cuja vida de integridade sempre me inspirou.

José prometeu servir lealmente a Potifar, porém, acima disso, ele prometeu ser fiel e leal a Deus. Quando foi tentado a quebrar sua promessa, José respondeu: “Como poderia eu … cometer algo tão perverso e pecar contra Deus?” (Gn 39:9 NVI). O Senhor abençoou a José por causa de sua fidelidade. Um estudo cuidadoso da história de José confirma que Potifar também confiava nele. Se Potifar tivesse realmente acreditado nas acusações maliciosas de sua esposa, José certamente teria sido executado naquele mesmo dia.

Eu desafio você hoje a ser uma pessoa de palavra. Não faça promessas descuidadamente – faça-as com cuidado e oração. Mas, quando você fizer uma promessa, especialmente a Deus, seja fiel a ela. Em um mundo onde ninguém honra a suas promessas, que a sua vida seja um testemunho de alguém que honra as suas.

“Senhor, obrigado porque Tu és fiel a todas as Tuas promessas. Ajude-me, hoje, com a presença capacitadora do Teu Espírito Santo a sempre cumprir

minhas promessas. Amém”.

Derek J. Morris
EUA

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jer/35/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Jeremias 35 




%d blogueiros gostam disto: