Reavivados por Sua Palavra


Tiago 3 by Jeferson Quimelli
9 de junho de 2015, 1:00
Filed under: religião viva, Vida Cristã, virtude | Tags: , ,

Comentário devocional:

Tiago salienta o fato de que professores e líderes tidos em alta estima em sua comunidade devem apresentar um padrão mais elevado do que a média das pessoas. Na verdade, suas palavras serão julgadas mais severamente do que as palavras dos demais.

A língua é tão pequena e aparentemente tão inofensiva, mas pode fazer muito dano se não for controlada por Jesus. A língua pode construir a autoestima de uma pessoa ou derrubá-la. Algumas poucas palavras podem arruinar um relacionamento para o resto da vida. Se permitirmos que o diabo manipule nossas palavras podemos trazer dano a pessoas, igrejas e comunidades. Guerras foram iniciadas por causa de algumas palavras mal colocadas.

Por outro lado, homens e mulheres podem fazer grandes coisas se mantiverem suas línguas sob controle. Palavras gentis podem ser usadas para domar e treinar animais. Palavras também podem promover a cura e trazer bem-estar emocional e mental.

A língua pode ser repugnantemente má, espalhando seu veneno por toda parte. Ou pode ser uma ferramenta de poder para o bem, inspirando e habilitando pessoas a se assemelharem mais a Jesus. Se aceitamos como impossível que água boa e ruim possam fluir da mesma fonte, como podemos aceitar que palavras de encorajamento e intimidação possam fluir da mesma boca? A fonte de nossas palavras precisa ser santificada com a presença de Deus.

Se entendermos o que Tiago está tentando nos dizer, então desenvolveremos uma conversação e comportamento positivos, com humildade. Essas ações se tornarão habituais em nossa vida, pois é Jesus Cristo quem vive em nós.

Despejar palavras raivosas sobre outros não é do agrado de Deus. Pelo contrário, essa é uma ferramenta muito usada pelo diabo para envenenar tanto aqueles que falam quanto os que escutam. Tal comportamento não é consistente com um cristão o qual deve espalhar a “boa notícia” do Senhor Jesus Cristo. A confusão é o resultado final de se espalhar o ódio, a raiva e a inveja.

As características das pessoas ligadas ao céu incluem sabedoria, pureza, bondade, compaixão e paciência. Se possuirmos boas atitudes e comportamentos, livres de parcialidade e hipocrisia, um dia seremos bem vindos ao reino de Jesus. Naquele grande dia da colheita final, os que ouvirão as palavras “bem está servo bom e fiel”, dos lábios de Jesus, são os que agora espalham sementes de bondade, compaixão e paz

Robin Pratt
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jam/3/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Tiago 3 
Comentário em áudio 



Tiago 3 – Comentários Selecionados by tatianawernenburg

1 Havemos. O apóstolo se inclui, como mestre e alguém propenso a correr os perigos e a cometer os erros próprios desse ofício honroso. Desse modo revela o espírito de humildade genuína, que também busca estimular em seus irmãos. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 573.

Maior juízo. Isto é, um juízo mais severo. Existem níveis de responsabilidade na obra do Senhor, e aqueles que se jactam em ensinar serão cobrados por sua conduta pessoal e influência sobre os demais (Mt 23:14). Espera-se que o mestre conheça mais da vontade de Deus do que outros, e sua conduta deve ser exemplar. CBASD, vol. 7, p. 573.

2 Refrear. Ver Tg 1:26. As palavras de uma pessoa revelam o teor geral de seus pensamentos. Se ela controla seus pensamentos ao ponto de suas palavras serem sempre semelhantes às de Cristo, “todo o corpo” estará sob controle (Mt 12:34-37). CBASD, vol. 7, p. 573.

5 Assim, também. Tiago compara a relativa pequenez do leme à pequenez da língua e destaca as potencialidades da língua para o bem e para o mal. CBASD, vol. 7, p. 574.

6 Fogo. Tudo o que se pode dizer sobre o poder destrutivo de uma pequena chama pode também ser aplicado ao poder em potencial da língua. Irmãos de fé não devem só evitar o falar destrutivo, mas também as fagulhas destrutivas que se dispersam das palavras alheias. CBASD, vol. 7, p. 574.

Veneno mortífero. Isto é, atua sobre a felicidade individual e a paz da sociedade, como o veneno sobre o corpo humano. A perda da confiança, paz e amizade é o resultado inevitável de uma língua precipitada e imprudente (SI 140:3; Rm 3:13). CBASD, vol. 7, p. 575.

Amaldiçoamos. Damos evidência de que somos cristãos genuínos quando bendizemos nossos inimigos (Mt 5:44 e 45). O próprio Cristo não proferiu “juízo infamatório” contra Satanás (Jd 9). A maldição nasce da ira e exibe o espírito de Satanás, “o acusador de nossos irmãos” (Ap 12:10). Tiago mostra que a pessoa pode ter “língua dobre”, bem como “ânimo dobre” (Tg 1:8). CBASD, vol. 7, p. 575.

13 Mostre. A sabedoria genuína será demonstrada nas obras. O caráter de uma pessoa é demonstrado pelo fruto que produz, como enfatizado no v. 12. CBASD, vol. 7, p. 576.

14 Coração. A inveja e o sentimento faccioso podem ser ocultados, mas são como água amarga de uma fonte (v. 11), um dia jorrarão em palavras ou atos. Tiago indica que sempre devemos fazer um atento exame de coração. CBASD, vol. 7, p. 576.

Nem vos glorieis. Os cristãos não devem se gloriar de realizações nem de habilidades pessoais. Quem possui espírito faccioso normalmente busca atrair apoio por meio de autoafirmação. Essa jactância revela falta de sabedoria. O espírito de serviço é a única base legítima para a popularidade. CBASD, vol. 7, p. 577.

18 É em paz. Um caráter justo se desenvolve apenas pelo pacificador. Tiago obviamente compara os resultados da inveja e da contenda, que produzem apenas frutos inúteis (v. 16), com a recompensa de objetivos e métodos pacíficos. CBASD, vol. 7, p. 578.

Promovem a paz. Cristãos genuínos são os conciliadores de diferenças no lar e na igreja (Mt 5:9). Quem semeia paz desfruta paz, em parte nesta vida e, plenamente, na vida porvir no reino do “Deus da paz” (lTs 5:23). CBASD, vol. 7, p. 578.



Tito 3 by Jeferson Quimelli
23 de maio de 2015, 1:00
Filed under: Cartas de Paulo, harmonia, religião viva, Vida Cristã | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Paulo deve ter ouvido falar a respeito de alguns dos desafios que Tito estava enfrentando em seu ministério na ilha de Creta. Assim, como nos dois primeiros capítulos, Paulo novamente incentiva cada crente a viver uma vida de entrega aos princípios do Céu. Esse estilo de vida exige submissão às leis e governantes da terra e inclui manter uma rédea curta sobre a língua (v. 2), o instrumento mais frequentemente utilizado para gerar discórdia e conflito (Tg 3:5-6).

Paulo também aconselha Tito a silenciar disputas sem sentido sobre questões teológicas inúteis e menores. Elas costumam criar mais calor do que luz (v. 9)! Na verdade, Paulo ainda incentiva Tito, assim como cada um de nós, a manter distância de pessoas problemáticas que parecem viver para criar controvérsias e divisões.

No entanto, como nos capítulos anteriores, Paulo se volta para a principal fonte de motivação para refrearmos nossa língua: o amor e a gratidão sinceros pela vida eterna que temos recebido de Cristo por permanecermos nEle (vs. 4-7). Desse modo, ficaremos longe de controvérsias e obedeceremos as leis governamentais. 

Como herdeiros da promessa da vida eterna, nossa vida deve ser preenchida com boas obras que são o resultado natural de uma vida em Cristo (v. 8). 

Viva hoje corajosamente por Ele. Resplandeça a sua luz diante dos homens para que venham a conhecer e glorificar a fonte dessa luz maravilhosa – o Pai celeste. 

“Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus” (Mt 5:16 NVI).

Bob Folkenberg Jr.
Missão chinesa

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/tit/3/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Tito 3
Comentário em áudio 



Provérbios 15 by Jeferson Quimelli
19 de janeiro de 2014, 0:00
Filed under: sabedoria | Tags: ,

Comentário devocional:

Como você reage quando é criticado ou comandado duramente por pessoas excessivamente controladoras? A minha tendência natural é ficar na defensiva e talvez até mesmo ficar com um pouco de raiva e responder com argumentos ásperos. Respostas irritadas são emitidas facilmente. Muitas vezes nós aceitamos estas nossas reações como parte normal da vida. Entretanto, não posso esquecer que minhas palavras e atitudes registram diretamente a extensão da minha relação (ou a falta dela) com Jesus.

Pelas minhas contas, Provérbios 15 têm bem mais de uma dúzia de sugestões sobre a melhor forma de responder às provocações. Depois, há pelo menos uma dúzia de provérbios que contrastam o comportamento e as ações do ímpio / tolo / orgulhoso /ganancioso em relação ao justo / bom / sábio. Salomão deixa claro que a felicidade ou mágoa dependem da nossa atitude e como escolhemos falar e agir.

“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (verso 1 ARA).
“A língua serena é árvore de vida, mas a perversa quebranta o espírito” (verso 4 ARA).

Minha passagem favorita é: “A língua dos sábios torna atraente o conhecimento, mas a boca dos tolos derrama insensatez” (verso 2 NVI). Este verso me faz imaginar no campo uma alta, bela e bem podada árvore da sabedoria. E os sábios são os que têm a capacidade de proteger esta árvore. Na verdade, não é a sabedoria definida pela capacidade de tornar atraente o conhecimento, tornando-o compreensível e desejável? 

A língua pode enfeiar, ferir e destruir. Ou pode adornar, acalmar e curar. Lemos que “A censura contínua estraga e escurece a vida de ninguém” (4T, p. 65). “Quando pais e mães são convertidos […] seus pensamentos serão convertidos; suas línguas serão convertidas” (AH, p. 436).

Senhor, minha Rocha e meu Redentor, meu maior desejo é uma conversão indescritível, total, de todo coração. Que assim as palavras da minha boca e as meditações do meu coração sejam agradáveis a Ti hoje. Amém. 

David A. Steen
Professor Emérito
Universidade Andrews

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/pro/15/

Traduzido por JAQ/GASQ

Texto bíblico: Provérbios 15 



Provérbios 13 by Jeferson Quimelli
17 de janeiro de 2014, 0:00
Filed under: sabedoria | Tags: , ,

Comentário devocional:

O capítulo de hoje continua a grande coleção de provérbios de Salomão, iniciada em Provérbios 1:8. 

Nem todos os provérbios foram de autoria de Salomão, mas todos foram coletados e organizados – por ele e por outros – sob inspiração do Espírito Santo, para nosso benefício. Esses escritos cobriam uma ampla gama de tópicos, incluindo: trabalho, sabedoria, paternidade, obediência, gestão financeira, integridade, justiça, comunicação e muito mais. 

Em Provérbios 13 destaca-se, entre outros temas, a importância daquilo que falamos. Palavras dão significado às coisas e são surpreendentemente poderosas. Palavras ferem ou curam. Palavras constroem ou destroem. E, sim, línguas soltas ainda afundam “navios” de todos os tipos: parcerias, namoros, amizades, aprendizagem e posses, para citar apenas alguns. Línguas soltas e sem controle afundam casamentos, famílias, governos, reputações e carreiras.

O conceito de que as palavras devem ser controladas por Deus, expresso por Salomão em Provérbios 13:2-5, 15 e, possivelmente, no versículo 17 (e mais adiante, em 18:21 e 21:23), não era novo para ele. Provavelmente ele o recebeu de seu pai Davi porque repete o conceito em Salmos 141:3: “Põe guarda, Senhor, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios” (ARA). Salmo 39:1 fala de um focinho ou um freio para controlar a língua. Antes disso, em Jó temos referências ao poder da língua e à necessidade de controlá-la (Jó 5:21, 15:3 e 5, 20:12, 27:4). Cuidar do que dizemos é tão importante que também é mencionado várias vezes no Novo Testamento. Tiago 3 fala sobre o poder da língua e a necessidade de controlá-la e usá-la para o bem.

Senhor, minha oração hoje é que coloques um guarda na minha boca. Quando a raiva surgir em mim hoje, controle minha língua. Quando tentado a falar mal dos outros, segure minha língua. Mas, mais importante, hoje, eu dedico a minha língua a Ti, Senhor. Que ela esteja sob o controle do Espírito Santo. Use-a como desejas para construir o Seu reino de bondade, amor, graça e misericórdia para com todos os que me rodeiam. Amém.

David A. Steen
Professor Emérito
Universidade Andrews

Texto original em: http://revivedbyhisword.org/en/bible/pro/13/

Traduzido por JAQ/GASQ


Texto bíblico: Provérbios 13



Provérbios 13 by Jeferson Quimelli
7 de janeiro de 2014, 0:00
Filed under: sabedoria | Tags: , ,

Comentário devocional:

O capítulo de hoje continua a grande coleção de provérbios de Salomão, iniciada em Provérbios 1:8. 

Nem todos os provérbios foram de autoria de Salomão, mas todos foram coletados e organizados – por ele e por outros – sob inspiração do Espírito Santo, para nosso benefício. Esses escritos cobriam uma ampla gama de tópicos, incluindo: trabalho, sabedoria, paternidade, obediência, gestão financeira, integridade, justiça, comunicação e muito mais. 

Em Provérbios 13 destaca-se, entre outros temas, a importância daquilo que falamos. Palavras dão significado às coisas e são surpreendentemente poderosas. Palavras ferem ou curam. Palavras constroem ou destroem. E, sim, línguas soltas ainda afundam “navios” de todos os tipos: parcerias, namoros, amizades, aprendizagem e posses, para citar apenas alguns. Línguas soltas e sem controle afundam casamentos, famílias, governos, reputações e carreiras.

O conceito de que as palavras devem ser controladas por Deus, expresso por Salomão em Provérbios 13:2-5, 15 e, possivelmente, no versículo 17 (e mais adiante, em 18:21 e 21:23), não era novo para ele. Provavelmente ele o recebeu de seu pai Davi porque repete o conceito em Salmos 141:3: “Põe guarda, Senhor, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios” (ARA). Salmo 39:1 fala de um focinho ou um freio para controlar a língua. Antes disso, em Jó temos referências ao poder da língua e à necessidade de controlá-la (Jó 5:21, 15:3 e 5, 20:12, 27:4). Cuidar do que dizemos é tão importante que também é mencionado várias vezes no Novo Testamento. Tiago 3 fala sobre o poder da língua e a necessidade de controlá-la e usá-la para o bem.

Senhor, minha oração hoje é que coloques um guarda na minha boca. Quando a raiva surgir em mim hoje, controle minha língua. Quando tentado a falar mal dos outros, segure minha língua. Mas, mais importante, hoje, eu dedico a minha língua a Ti, Senhor. Que ela esteja sob o controle do Espírito Santo. Use-a como desejas para construir o Seu reino de bondade, amor, graça e misericórdia para com todos os que me rodeiam. Amém.

David A. Steen
Professor Emérito
Universidade Andrews

 

Texto original em: http://revivedbyhisword.org/en/bible/pro/13/

Traduzido por JAQ/GASQ


Texto bíblico: Provérbios 13




%d blogueiros gostam disto: