Reavivados por Sua Palavra


I CRÔNICAS 24 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
10 de janeiro de 2023, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: I CRÔNICAS 24 – Primeiro leia a Bíblia

I CRÔNICAS 24 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL

I CRÔNICAS 24 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



I CRÔNICAS 24 by Luís Uehara
10 de janeiro de 2023, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/1cr/24

Lançar sortes para decidir quem ocupará uma posição de liderança nos parece muito estranho. Considere nossos métodos hoje. Temos a comissão da igreja que dialoga, do ponto de vista humano, a respeito da melhor maneira de preencher um cargo. Mas neste capítulo, eles lançaram sortes sem maiores conversas! A escolha não ocorria porque alguns eram polidos e educados, ou tinham o título certo ou as melhores conexões interpessoais. No método de sorteio ficam de fora as competições, as fofocas e as brigas pelo poder antes das eleições.

O trabalho na igreja não deveria ter nada a ver com o poder, mas, sim, com o serviço. Ninguém tem uma procuração vinda do céu, ou o direito, de ficar num cargo para sempre. Todo cristão deve estar disposto a servir em uma posição hoje e em outra totalmente diferente no futuro. Se tivéssemos a mentalidade de “lançar sortes”, ou seja, seguir a vontade de Deus, manifestada pela Palavra e pelo Espírito, não precisaríamos ficar com medo de não sermos reeleitos! Nossas decisões seriam então baseadas, não no que os outros pensam, mas apenas nas verdades da Palavra de Deus. Quanto dano poderia ser evitado hoje, quanto mais espaço dado ao Espírito Santo, se fôssemos totalmente dependentes da liderança de Deus ao selecionarmos pessoas para os cargos da igreja.

Tente implantar este importante princípio em sua vida. Esteja satisfeito com qualquer função ou cargo em que você esteja servindo hoje e alegre-se por estar sendo dirigido pelo Espírito Santo.

Kris Lenart
Conselheiro, Amos Ministry, Áustria

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/1ch/24
Tradução: Pr. Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



I CRÔNICAS 24 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
10 de janeiro de 2023, 0:50
Filed under: Sem categoria

372 palavras

1-2 O relato segue a divisão tradicional dos filhos de Arão (cf. 6.3; Ex 6.23; Nm 3.2-4). Os descendentes de Eleazar e de Itamar eram os únicos que serviam como sacerdotes (6.1; Lv 10.1-3) (Bíblia de Genebra).

1-31 O capítulo continua o relato das listas levíticas, com foco especial na linhagem de Aarão. Vinte e quatro divisões de sacerdotes no santuário foram introduzidas por Davi (Andrews Study Bible).

1 Foram divididos em 24 turnos cabendo 15 dias anuais para cada um. Tinham também de estar prontos para as grandes festas, durante as quais, aliás, os sacerdotes se congregavam em Jerusalém. Visto que no calendário judaico o ano tem 13 meses, o período de prestação de serviços não caía na mesma data (época) de cada ano  (Bíblia Shedd).

morreram perante seu pai. Os dois filhos mais velhos de Aarão morreram porque cometeram sacrilégio no tabernáculo (Lev. 10:1-2).

Eleazar. Os filhos de Levi e Aarão foram listados consistentemente ordenados pela idade. Itamar, o irmão de Eleazar também servia no tabernáculo neste tempo (Andrews Study Bible).

dezesseis […] oito. 24 divisões, ao total, foram selecionadas por sortes. […] Os nomes da primeira, segunda, quarta, nona e 24ª divisões foram achados num rolo do mar Morto da quarta caverna em Qumran (Bíblia de Estudo NVI Vida).

Repartiram-nos por sortes. O lançamento de sortes em conformidade com os padrões revelados tinha por desígnio assegurar que as decisões fossem feitas de acordo com a orientação divina e não segundo os preconceitos humanos (Pv 16.33; Lc 1.8-9; At 1.26) (Bíblia de Genebra).

Jeoiaribe. O pai dos Macabeus (Matatias) pertencia ao turno de Jeoiaribe (cf 1Macabeus 2.1) (Bíblia de Genebra). [NC: Não obstante os livros de Macabeus não pertencerem ao cânon hebraico do VT, eles reúnem importantes informações históricas a respeito dos judeus no período intestamentário.]

10 Abias. O pai de João Batista (Zacarias) pertencia ao turno de Abias (Lc 1.5) (Bíblia de Genebra).

15 Hezir. A divisão pertencente à família de Hezir destacou-se no período intertestamentário; o nome aparece num dos túmulos grandes no vale do Cedrom, a leste de Jerusalém (Bíblia de Estudo NVI Vida).

31 como a seus irmãos menores. O tratamento igual para com todas as famílias foi um modelo a ser seguido durante o período que se seguiu ao exílio na Babilônia (24.5, nota). Talvez estivesse havendo uma controvérsia que requeresse a ênfase sobre o tratamento justo (Bíblia de Genebra).



1Crônicas 24 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
10 de janeiro de 2023, 0:45
Filed under: Sem categoria

“O ofício destes no seu ministério era entrar na Casa do Senhor, segundo a maneira estabelecida por Arão, seu pai, como o Senhor, Deus de Israel, lhe ordenara” (v.19).

Sem dúvida, o ofício sacerdotal era o de maior responsabilidade dentro da nação eleita. Como principais líderes religiosos de Israel, cabia aos sacerdotes a missão de fortalecer a espiritualidade do povo, ensinando-o a guardar todas as palavras da Lei. Dando continuidade aos últimos atos de Davi, este cuidou de dividir os sacerdotes “segundo os seus deveres no seu ministério” (v.3), de forma justa e ordenada.

Não se sabe que tipo de método foi utilizado, mas, “sendo escolhidas as famílias por sorte” (v.6), Davi promoveu uma espécie de comissão de nomeação harmônica e prática. Como as famílias que descendiam de Itamar estavam em menor número — metade do número das famílias de Eleazar — o procedimento utilizado por Davi também promoveu igualdade entre todos, vinte e quatro “dos cabeças das famílias dos sacerdotes” (v.31).

“O ofício destes no seu ministério era entrar na Casa do Senhor, segundo a maneira estabelecida por Arão, seu pai, como o Senhor, Deus de Israel, lhe ordenara” (v.19). Tanto os príncipes do santuário como os príncipes de Deus, sacerdotes e sumo sacerdotes, representavam as “funções religiosas da mais elevada hierarquia” (CBASD, v.3, p.194). Tudo deveria seguir um padrão criterioso, e estes sacerdotes principais tinham por dever garantir isso.

O próprio santuário era uma figura de Cristo e de Seu ministério. Tudo ali apontava para o plano da redenção e seu objetivo salvífico. O fato de haver formas preestabelecidas de como tudo deveria funcionar não elimina em nada o caráter de um Deus que faz de tudo para salvar. Se a cada geração de sacerdotes houvesse a mesma disposição em servir ao Senhor através da “fé que atua pelo amor” (Gl.5:6), certamente haveria sempre comunhão entre forma e resultado, e a primeira visitação de Jesus teria sido celebrada não só por todo o Israel, mas por todo o mundo daquele tempo.

Como povo de Deus dos últimos dias, necessitamos do abundante dom do Espírito a fim de cumprirmos com fidelidade os deveres de nosso chamado. Não queremos estar inertes como o Israel do passado, mas alertas nas colinas de Belém e na jornada dos sábios do Oriente. A religião de Cristo possui sim limites bem estabelecidos em Sua Palavra, mas se obedecidos apenas como uma formalidade, não passam de regras pesadas, quando na verdade são centelhas do ardente amor de Deus pela humanidade. Pastores e líderes, hoje, devem fazer brilhar ainda mais a luz do protoevangelho e não serão menos cobrados no juízo do que os que oficiavam no santuário; pois estes deveriam anunciar a primeira vinda de Cristo, e aqueles, devem alertar às últimas gerações de que Ele voltará.

Como no santuário, os nossos locais de culto devem ser regidos com ordem e harmonia, respeitando que, apesar de haver uma hierarquia, esta não pode e não deve ser usada ou considerada de forma arbitrária, mas sob o zeloso olhar de quem ama o bom Pastor e as ovelhinhas de Seu rebanho. Negociar princípios em troca de pequenas concessões pode não parecer perigoso, mas tem o potencial de causar grave ruptura e divisão no meio do povo de Deus. Como membros do corpo de Cristo, precisamos estar bem atentos quanto a isto, “orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos” (Ef.6:18).

Sempre que houver risco de cometermos alguma injustiça ou que surjam diferenças que ameacem a harmonia do corpo de Cristo, busquemos ao Senhor de todo o nosso coração, oremos e clamemos por Seu auxílio e, certamente, o Espírito Santo nos unirá num só pensamento (At.4:32). Como “sacerdócio real” de Deus, fomos eleitos para proclamar “as virtudes dAquele que [nos] chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz” (1Pe.2:9). Vivamos, pois, ministros e membros da Igreja de Deus, segundo os deveres do ministério que o Senhor nos confiou. Pois isto é justo, e nos guiará para Casa. Vigiemos e oremos!

Bom dia, sacerdócio real de Deus!

Rosana Garcia Barros

#1Crônicas24 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



I CRÔNICAS 24 – Comentário Pr Heber by Jeferson Quimelli
10 de janeiro de 2023, 0:40
Filed under: Sem categoria

I CRÔNICAS 24 – Servir a Deus é grande privilégio. Ser escolhido para atuar em Sua obra deve dar sensação de grande satisfação.

Embora o texto em pauta trate do sacerdócio levítico do Antigo Testamento, devemos ter em mente que esse ministério foi ampliado a todos os membros do corpo de Cristo (I Pedro 2:9-10; Apocalipse 1:6); certamente, quando Jesus assumiu a função de Sumo Sacerdote no Santuário Celestial (Hebreus 8:1-2), Seus súditos tornaram-se sacerdotes na Terra.

Com tal visão ampliada, podemos focar no texto de I Crônicas 24 com olhar cristão, e encontrar instrução adequada para cada pessoa que se comprometeu com Cristo e Sua Igreja desde que começou o período do Novo Testamento.
• Em primeiro lugar, é de extrema relevância formar equipes para ministrar a missão divina na Terra. No passado foram montadas 24 equipes, cada qual seria supervisionada por um líder. Ou seja, a igreja precisa formar equipes para o trabalho pastoral e missional; e, as equipes precisam de pelo menos um líder para ministrá-la. O trabalho espiritual requer organização; portanto, equipe com líderes são itens essenciais.
• Em segundo lugar, as equipes devem ser formadas de pessoas com afinidades. No passado, as funções deveriam ser de acordo com os familiares de cada um; hoje, as equipes na igreja precisam ser montadas levando em conta a familiaridade entres os componentes da mesma. Pessoas que têm harmonia e bom relacionamento trabalham melhor juntas, e a obra progride mais rapidamente!
• Em terceiro lugar, é preciso delinear a função e o tempo para cada equipe. Em outras palavras, a obra não deve parar nunca, embora líderes e equipes precisam ter seus momentos de folgas. Nesse caso, as escalas são essenciais para o bom desenvolvimento das atividades eclesiásticas e evangelísticas.
• Em quarto lugar, deve-se escolher um método de distribuição dos atuantes no calendário eclesiástico. Em I Crônicas 24, houve lançamento de sortes. Neste caso, todos foram honrados e ninguém deveria sentir-se inferiorizado se não atuasse nas datas de festividades nacionais. Não deve haver favoritismo nem estrelismo na obra de Deus, muito menos desprezo!

Se esses princípios fossem devidamente aplicados atualmente nas igrejas locais, desfrutar momentos ali seriam tão agradáveis que as pessoas almejariam com alegria pelos dias de culto e adoração (Salmo 122:1). Então, reflitamos e reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: