Reavivados por Sua Palavra


DEUTERONÔMIO 14 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
29 de junho de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

DEUTERONÔMIO 14 – O mínimo na mentalidade judaica é representado pelo valor 10. Abraão parou na possibilidade de 10 justos quando intercedeu por Sodoma e Gomorra. Deus forneceu 10 mandamentos – o mínimo que Ele requer de nós. Seu mínimo já nos é muito. Ele não revelou tudo, pois sabe que não o suportaríamos (Deuteronômio 29:29; João 16:12).

Temos dificuldade com o mínimo! Deus pede o dízimo; porém, muitos que professam segui-lO não o entregam. Ele almeja que ultrapassemos o mínimo. O dízimo é o mínimo, é a décima parte; contudo, isso não é tudo. Analise:

Combinando Números 18 e Levítico 27:30 com Deuteronômio 14, percebe-se claramente outros dízimos:
• O dízimo sistemático consistente destinado aos levitas.
• O dízimo anual.
• O dízimo trienal.

Ellen White explica: “A fim de promover a reunião do povo para o serviço religioso, bem como para se fazerem provisões aos pobres, exigia-se um segundo dízimo de todo o lucro. Com relação ao primeiro dízimo, declarou o Senhor: ‘Aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel’. Números 18:21. Mas em relação ao segundo Ele ordenou: ‘Perante o Senhor teu Deus, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto, e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao Senhor teu Deus todos os dias’. Deuteronômio 14:23 e 29; 16:11-14. Este dízimo, ou o seu equivalente em dinheiro, deviam por dois anos trazer ao lugar em que estava estabelecido o santuário. Depois de apresentarem uma oferta de agradecimento a Deus, e uma especificada porção ao sacerdote, os ofertantes deviam fazer uso do que restava para uma festa religiosa, da qual deviam participar os levitas, os estrangeiros, os órfãos e as viúvas. Em cada terceiro ano, entretanto, este segundo dízimo deveria ser usado em casa, hospedando os levitas e os pobres… este dízimo proveria um fundo para fins de caridade e hospitalidade” (BS, 273-274).

O mínimo em relação à alimentação é não consumir carnes imundas; todavia, o ideal é voltar à alimentação original, o mais natural possível (Deuteronômio 14:1-21; Levítico 11:1-47; Números 11:1-35; Gênesis 1:29). “O comer carne não é natural. Devemos voltar ao desígnio original de Deus ao criar o homem”, afirma Ellen White (CSRA, 380).

Enfim, precisamos reavivarmo-nos, reformarmo-nos, consagrarmo-nos… crescermos espiritualmente! – Heber Toth Armí.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: