Reavivados por Sua Palavra


Deuteronômio 08 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
23 de junho de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conhecias, nem teus pais o conheciam, para te dar a entender que não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do Senhor viverá o homem” (v.3).

Há um cuidado muito especial de Deus para que Seus filhos se mantenham incontaminados do mundo. A vida, a prosperidade e o cumprimento da promessa dada inicialmente a Abraão dependia da fidelidade de Israel para com a aliança do Senhor. A jornada no deserto foi trazida à memória como um período de prova e preparação antes da entrada em Canaã. O povo de Deus estava prestes a cruzar as fronteiras de um território extremamente pagão, e a menos que vivesse “de tudo o que procede da boca do Senhor” (v.3); a menos que aceitasse a disciplina divina como um instrumento do amor de Deus, e Sua lei como uma boa e santa proteção, estaria completamente vulnerável às perigosas influências de nações que não conheciam e nem temiam ao Senhor.

Quando nossa mente é dirigida a pensar e meditar nas bênçãos de Deus, sejam livramentos, milagres ou até mesmo nos benefícios diários de nossas necessidades mais básicas, como alimento, roupa e habitação, isso nos liga a Deus com o elo da gratidão e promove em nosso coração o amor altruísta. Esse exercício diário, se realizado, nos livra da soberba e do egoísmo, e do perigo da exaltação própria: “A minha força e o poder do meu braço me adquiriram estas riquezas” (v.17). A história de Israel nos foi deixada como uma apostila de Deus a fim de nos exortar a não cair nas mesmas coisas. Por isso que “estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram” (1Co.10:6).

Percebam que a promessa do Senhor a Israel estava intimamente ligada à obediência. O deserto foi a prova pela qual Deus avaliaria sobre os que poderiam entrar na terra prometida. As dificuldades da peregrinação tinham um fim bem definido: “para te humilhar, e para te provar, e, afinal, te fazer bem” (v.16). Deus nunca permite uma provação que não seja para redundar em bem. Nem tampouco nos pede nada que não seja para a nossa felicidade. Nossa natureza caída, porém, em muitos momentos, nos faz questionar os desígnios de Deus. No “terrível deserto” deste mundo “de serpentes abrasadoras, de escorpiões e de secura” (v.15), nossos olhos, por vezes, ficam escamados pelo desânimo e pela incredulidade, e esquecemos de todos os “oásis” que já desfrutamos pela bondade e misericórdia do Senhor.

O apelo feito a Israel deve nos alcançar hoje qual trombeta que anuncia a última batalha: “Guarda-te não te esqueças do Senhor, teu Deus, não cumprindo os Seus mandamentos, os Seus juízos e os Seus estatutos, que hoje te ordeno” (v.11). Deus prometeu cuidar de Israel, e assim o fez. Ele prometeu executar juízo sobre os desobedientes, e assim o fez. Ele prometeu que nos enviaria o Salvador, e assim o fez. Jesus prometeu que virá segunda vez, e assim o fará. Não temos um Deus que Se deteve no Céu, mas que foi “homem de dores e que sabe o que é padecer” (Is.53:3). Jesus também passou pelo deserto. E, ao contrário de Israel, que foi sustentado pelo maná, Cristo padeceu fome, mas, em Sua terrível prova, Se apegou com confiança ao alimento da alma, proclamando com autoridade e poder o que está escrito: “Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt.4:4).

Amados, no fim da jornada no deserto, Israel teve de se deparar com a realidade da guerra. Para que pudessem habitar em Canaã sob a bênção divina, os filhos de Israel precisavam se livrar de todos e de tudo o que ameaçasse o seu relacionamento e comunhão com Deus. E quanto mais nos aproximamos do fim do grande conflito, mais necessitamos nos abster de tudo aquilo que nos afasta da vontade do Senhor. Portanto, “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo […]; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo […]; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente” (1Jo.2:15-17).

Precisamos nos revestir de toda a armadura de Deus a fim de enfrentarmos a hora mais escura deste mundo como Jacó lutou com Deus e prevaleceu. A prova e humilhação a que o patriarca se submeteu foi o que o habilitou a sair vitorioso com um nome novo e honroso. “Amados, não estranheis o fogo ardente que surge no meio de vós, destinado a provar-vos, como se alguma coisa extraordinária vos estivesse acontecendo; pelo contrário, alegrai-vos na medida em que sois coparticipantes dos sofrimentos de Cristo, para que também na revelação de Sua glória, vos alegreis exultando” (1Pe.4:12-13). Ao olharmos para trás, para tudo o que Deus tem feito para o nosso bem, lembremo-nos, acima de tudo, do maior bem que Ele já nos fez: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo.3:16). Vigiemos e oremos!

Bom dia, filhos gratos de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Deuteronômio8 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


1 Comentário so far
Deixe um comentário

Minha querida Rosana, mais uma vez agradeço suas palavras, no deserto que algumas vezes nos encontramos, elas, juntamente com o capítulo Bíblico, têm sido meu oásis.
Que o Senhor continue te fortalecendo e iluminando.
Bom dia!S2

Comentário por Edjane Souza




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: