Reavivados por Sua Palavra


Êxodo 12 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
16 de março de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Porque, naquela noite, passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até aos animais; executarei juízo sobre todos os deuses do Egito. Eu sou o Senhor” (v.12).

O Senhor instituiu a Páscoa e a Festa dos Pães Asmos antes da saída dos filhos de Israel do Egito. As duas celebrações passariam a compor o calendário judeu das festas cerimoniais anuais. A primeira, que inaugurava as demais, representava a libertação. O sacrifício de “um cordeiro para cada família” (v.3) simbolizava o sacrifício de Cristo e Sua obra de salvação em cada lar de Seus filhos, como está escrito: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (At.16:31). “O cordeiro […] sem defeito” (v.5), o sangue nos umbrais das portas (v.7), anunciavam o plano da redenção em Cristo Jesus. Assim como o plano original do Criador girava em torno da família, o plano de resgate da raça humana possui o mesmo objetivo. É desejo do Senhor que cada lar seja redimido pelo sangue do Cordeiro e que todos estejam preparados, com “lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão” (v.11), como Seu exército militante rumo ao triunfo.

Há um claro recado em toda a Escritura acerca do resultado do pecado, “porque o salário do pecado é a morte” (Rm.6:23). O fermento tornou-se um símbolo de impureza e pecado, e os pães asmos, ou pães sem fermento, materializavam a pureza e ausência de corrupção, como o foi Jesus, o Pão da Vida (Jo.6:35). Deus desejava purificar o Seu povo e elevá-lo à estatura de Cristo. E para isso, Israel precisava compreender que o Senhor deve ser entronizado no coração como o primeiro e o último. A inauguração da celebração com uma “santa assembleia” (v.16) e o encerramento sendo realizado de igual forma, promovia a atmosfera de comunhão plena e educava o povo a antes de celebrar, adorar. A verdadeira adoração consiste no reconhecimento não apenas dos benefícios do Senhor, mas também na renúncia de tudo aquilo que possa roubar-Lhe a adoração que só a Ele é devida.

Deus deixou “para [nós] outros e para [nossos] filhos” (v.24) a Sua Palavra em linguagem humana. Um tesouro que deve ser transmitido de geração em geração. “Quando [nossos] filhos [nos] perguntarem” (v.26) a respeito das Sagradas Letras, é nosso dever ensinar-lhes e que eles percebam que tudo o que têm aprendido pode ser notoriamente visto através de nosso fiel procedimento. Israel estava prestes a viver a maior experiência de sua existência. A décima e última praga abriu caminho para que iniciassem uma árdua e longa jornada até o lugar prometido. Uma multidão carregada dos despojos do Egito saiu às pressas da terra da opressão, de forma que “não haviam preparado para si provisões” (v.39). Naquele mesmo dia, “todas as hostes do Senhor saíram da terra do Egito” (v.41). Um momento que deveriam “todos os filhos de Israel comemorar nas suas gerações” (v.42).

Infelizmente, a marcha que começou com celebração e adoração, foi perdendo o compasso da fé, de modo que a transmissão de valores e os ensinos mosaicos foram sendo esquecidos e paulatinamente abandonados. O registro da história de Israel é uma das maiores provas do amor incondicional de Deus e de Suas ricas misericórdias. Em nosso contexto, como povo de Deus dos últimos dias, será que estamos distantes de incorrer no mesmo erro do antigo Israel? Eis o nosso discurso: “Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma”. Mas eis a realidade: “e nem sabes que és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu” (Ap.3:17).

A nossa terrível condição só pode ser mudada caso aceitemos a completa e perfeita intervenção divina. Satanás está lançando sobre o mundo as suas mais fatais armadilhas. Chegada é a hora de despertarmos e tomarmos uma firme decisão ao lado do Senhor. Ao abrirmos a porta do nosso coração para Cristo, a primeira coisa que Ele nos promete não é a realização de uma festa em nossa casa, e sim que Ele será o primeiro a nela entrar: “entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, Comigo” (Ap.3:20). Busquemos viver, a cada dia, uma experiência pessoal com Cristo, entregando nossa família no altar do Senhor, e Ele “não permitirá ao Destruidor que entre em [nossas] casas, para [nos] ferir” (v.23). Vigiemos e oremos!

Bom dia, famílias lavadas pelo sangue de Cristo!

* Oremos pelo batismo do Espírito Santo. Oremos uns pelos outros.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo12 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


2 Comentários so far
Deixe um comentário

Amém!
Obrigado!

Comentário por Silvio Fernandes

amém

Comentário por Eleneuda Gomes




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: