Reavivados por Sua Palavra


ATOS 23 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
18 de agosto de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Na noite seguinte, o Senhor, pondo-Se ao lado dele, disse: Coragem! Pois do modo por que deste testemunho a Meu respeito em Jerusalém, assim importa que também o faças em Roma” (v.11).

Perante a cúpula religiosa dos judeus, Paulo iniciou nova defesa. Contudo, mal pôde pronunciar a primeira frase e logo foi ferido com uma bofetada na boca a mando do sumo sacerdote. Proferindo-lhe imediatamente uma resposta ousada, dirigindo-se ao mandante, disse: “Deus há de ferir-te, parede branqueada! Tu estás aí sentado para julgar-me segundo a lei e, contra a lei, mandas agredir-me?” (v.3). A expressão usada por Paulo, “parede branqueada”, tem o mesmo sentido do termo tão usado por Jesus ao referir-se aos líderes judeus como “hipócritas”. Ananias estava na posição de juiz, mas na verdade agia como um acusador.

Ao tomar conhecimento, porém, de que havia falado contra o sumo sacerdote, Paulo se retratou mostrando maior respeito à lei do que aqueles que diziam estar ali para defendê-la. É certo que o apóstolo pôde se valer de suas raízes para amenizar a fúria de seus inimigos e livrar-se de castigos injustos. Perante a guarda romana, declarou-se cidadão romano. Já perante o Sinédrio, declarou-se fariseu. Sua cidadania e seu título religioso, no entanto, não o livrariam do perigo que o aguardava. Nenhum argumento humano poderia livrá-lo da morte certa. Levado de volta à fortaleza, foi na noite seguinte que ele recebeu a visita do Único capaz de livrá-lo.

Imagino a angústia daquele homem de Deus em sua cela escura, quando, de repente, sentiu uma presença ao seu lado que encheu o seu coração de uma paz indescritível. Ao ouvi-Lo falar: “Coragem!”, reconheceu-Lhe a voz. Era o seu amado Mestre! Jesus viera novamente ao seu encontro e estava ao seu lado para confortá-lo. A promessa dada por Cristo a Seus discípulos foi experimentada por Paulo de forma visível e audível: “E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século” (Mt.28:20). Nenhuma cilada maligna poderia frustrar os planos de Cristo na vida de Paulo. Deus sempre possui Seus representantes em lugares estratégicos e os usa no devido tempo. E muito maior do que o exército romano que escoltava o apóstolo, era o exército celestial que o cercava.

Enviado de um lugar a outro, Paulo testemunhava de Cristo e mostrava plena convicção no que de fato acreditava. Com intrepidez apresentava em sua defesa uma fé prática que nada tinha a ver com as acusações a seu respeito. Mas também tinha plena ciência de que nem todos aceitavam as suas palavras. A sua única certeza era de que, ao seu lado, estava Alguém mais poderoso do que qualquer juiz ou governante; e que a decisão final a respeito de sua vida não estava em mãos humanas. Estava disposto a viver por Jesus, e a morrer por Ele também. Grande batalha travou aquele servo de Deus. Batalha que denominou de “bom combate” (2Tm.4:7).

Podemos nos valer das posições ou das coisas deste mundo por algum momento, mas esta segurança é temporária. Nada ou ninguém pode garantir a nossa chegada e a nossa saída. O salmista declarou: “Elevo os olhos para os montes: de onde me virá o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra” (Sl.121:1). Creio que estamos vivendo nos últimos instantes deste mundo. Basta dar uma olhada nas últimas notícias e perceber o número de situações inéditas que estão acontecendo. Catástrofes, crise econômica, crise humanitária, pandemia sem precedentes, terremotos, enchentes, guerras, enfim, coisas que nunca haviam acontecido juntas assim. O mundo se transformou numa bomba relógio prestes a explodir. E parece que estamos nos acostumando com tudo isso. Aproxima-se o “tempo de angústia qual nunca houve” (Dn.12:1) e estamos mais preocupados com quem vai ganhar a próxima Copa do que com o nosso destino eterno.

As profecias se cumprem uma após a outra, o Espírito Santo apela com veemente urgência e a nossa rotina não difere da rotina dos ímpios! Está tudo errado, amados! Aqueles que pensam que sua religiosidade rasa e alicerçada nas areias de suas obras vazias será suficiente para sustentar sua fé no tempo da derradeira prova, perceberá tarde demais que suas lâmpadas estão apagadas. “Mas o povo que conhece ao seu Deus se tornará forte e ativo” (Dn.11:32). Não pela força do braço humano, mas da destra divina. Revestidos de toda a armadura de Deus, estarão prontos para a última grande batalha. Em defesa deles “Se levantará Miguel, o grande Príncipe” (Dn.12:1) e cumprir-se-á a profecia do salmista: “Caiam mil ao teu lado, e dez mil à tua direita; tu não serás atingido” (Sl.91:7). Jesus está ao seu lado e te diz, agora: “Coragem! Eu sou contigo!” Confiemos nesta palavra e marchemos para a vitória final! Vigiemos e oremos!

Bom dia, exército do Senhor!

* Oremos pelo batismo do Espírito Santo como um só exército de oração. Oremos uns pelos outros.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Atos23 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: