Reavivados por Sua Palavra


ATOS 16 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
11 de agosto de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Por volta da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam” (v.25).

As viagens missionárias de Paulo são carregadas de preciosas lições sobre o poder e a beleza do evangelho. Sendo um homem dirigido pelo Espírito Santo, Paulo reconhecia um verdadeiro discípulo de Cristo se este era bem recomendado pelos irmãos. Timóteo era um jovem cristão, “filho de uma judia crente, mas de pai grego” (v.1). Sua notável reputação chamou a atenção do apóstolo, que logo o recrutou como mais um companheiro de missão. A circuncisão de Timóteo é uma prova de que é necessário que usemos de sabedoria e prudência no trabalho missionário. Paulo poderia ter usado o argumento da nova epístola aos gentios a fim de justificar a incircuncisão de Timóteo, mas percebeu que isso iria desperdiçar o valioso tempo da pregação com debates e discussões inúteis. “Assim, as igrejas eram fortalecidas na fé e, dia a dia, aumentavam em número” (v.5).

A sede do antigo Saulo por prender e matar cristãos, foi transformada em maior sede em converter muitos a Cristo. O apóstolo dos gentios tinha pressa. Cada minuto do seu tempo era considerado precioso demais para ser desperdiçado com ócio, de forma que sua jornada evangelística era incansável. A aplicação das palavras de Ellen White ao descrever como devem ser regidas nossas orações, descrevem bem o sentimento do apóstolo: “Dá-me pessoas soterradas agora no entulho do erro, se não eu morro!” (Este Dia Com Deus, CPB, p.169). Contudo, mais do que o desejo de Paulo de anunciar o evangelho era o de Deus de salvar pessoas. O Senhor bem sabia onde haviam aqueles cujos corações clamavam por ajuda. E, “tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia” (v.6), bem como na Bitínia (v.7), Paulo teve “uma visão na qual um varão macedônio estava em pé e lhe rogava, dizendo: Passa à Macedônia e ajuda-nos” (v.9).

A reação de Paulo e seus companheiros foi imediata. Logo partiram “para aquele destino, concluindo que Deus” os “havia chamado para lhes anunciar o evangelho” (v.10). Muitas tribulações aguardavam aqueles fiéis servos do Deus Altíssimo. A conversão de pessoas, porém, era-lhes uma recompensa que superava e muito todo o sofrimento. E seu segredo estava em que, antes de serem homens de pregação, eles eram homens de oração. Semelhante a Jesus, para eles o sábado era um dia separado para mais estreita comunhão com Deus e com seus semelhantes. Na ausência de uma sinagoga, saíram “da cidade para junto do rio, onde” lhes “pareceu haver um lugar de oração” (v.13). Foi ali, em um lugar simples no campo, que Deus iniciou a Sua colheita na Macedônia. O Senhor “abriu o coração” de Lídia “para atender às coisas que Paulo dizia”, sendo batizada, “ela e toda a sua casa” (v.14-15).

Aquela obra de salvação estava avançando nos postos mais difíceis e, no entanto, dando os resultados mais favoráveis e eficientes. Nesse sentido, Satanás incitou “uma jovem possessa de espírito adivinhador” (v.16) a fim de causar um entrave àquela missão. Proclamando em alta voz palavras que em si não eram falsas, aquela mulher representa todos os que falam do que não entendem e não vivem. A verdade dita sem o poder do Espírito Santo, torna-se constrangedora e inconveniente. A pessoa que assim a replica, necessita ouvir, antes que seja tarde, as palavras de libertação: “Em nome de Jesus Cristo, eu te mando: retira-te dela” (v.18). A exaltação do instrumento humano prejudica a causa de Deus mais do que a tortura física. O fato de Paulo ter ficado indignado com a exaltação e ter cantado louvores após uma severa sessão de açoites deveria ser o bastante para compreendermos isso.

Foi no momento que poderiam ter julgado mais escuro em suas vidas, que Paulo e Silas “oravam e cantavam louvores a Deus” (v.25). Certamente os vergões dos açoites inflamados pela condição insalubre da prisão e seus pés presos em cadeias latejavam pela dor. Mas os pensamentos do que Cristo suportou, Seus sofrimentos sobremaneira maiores, os constrangia a ignorar a dor física e engrandecer Aquele a quem tanto amavam. Não foi o terremoto e o abrir das cadeias que os motivou a orar e louvar. Mas foi a oração e o louvor, apesar da tribulação, que fez tremer aquele lugar. E não somente aquele lugar, mas também o coração do carcereiro, que, “trêmulo, prostrou-se diante de Paulo e Silas” (v.29) com a pergunta que ecoa hoje de muitos corações: “Senhores, que devo fazer para que seja salvo?” (v.30).

Aquele homem estava prestes a cometer uma loucura tirando a própria vida. Estamos vivendo na época em que a prática do suicídio cresce assustadoramente. Como Paulo, precisamos ser a atalaia de Deus na Terra bradando “em alta voz” aos que estão em desespero: “Não te faças nenhum mal” (v.28)! Em nome de Jesus, não te faças nenhum mal, porque a sua pergunta tem uma resposta favorável e cheia do amor eterno: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (v.31). Após ouvir a Palavra de Deus da boca de Paulo e Silas, aquele carcereiro, antes algoz, agora lavava as feridas dos servos de Cristo e lhes dava alimento, “levando-os para a sua própria casa” (v.34). Que mudança! Oh, Senhor, como é lindo e puro o Teu evangelho! Mostre-me um livro de autoajuda que promova essa transformação e esse amor genuíno! Sabe porque você não pode me mostrar? Porque não existe! Somente a Palavra de Deus tem esse poder! Poder que é claramente notado na vida do que crê.

Crer, amados, é viver com lentes de realidade virtual sempre apontadas para o Céu. Crer é olhar tanto para cima, que ao olhar para os lados identificamos em cada pessoa a face de Jesus Cristo a nos dizer: “Eu morri por ela também”. Crer em Jesus é, como Paulo e seus companheiros, enxergar cada momento como oportunidades de promover a verdadeira alegria. É ter uma vida de oração e sempre um cântico no coração. É como Lídia e sua família, praticar a hospitalidade com singeleza de coração. É como o carcereiro e sua casa, manifestar “grande alegria, por terem crido em Deus” (v.34). É lavar as feridas uns dos outros, é pôr a mesa a quem necessita, é ser um instrumento de conforto para o cansado (v.40). Por isso, crê no Senhor Jesus e o evangelho eterno entrará não somente em sua vida, mas em sua casa, promovendo salvação, cura, esperança e “grande alegria” (v.34). Os sinais na natureza e no mundo social se avolumam para nos despertar para o fato de que logo, à meia-noite, na hora mais escura da Terra, o nosso Salvador voltará. Que, mesmo na mais severa provação que este mundo já viu, que Ele nos encontre orando e cantando “louvores a Deus” (v.25). Vigiemos e oremos!

Bom dia, batizados pelo Espírito Santo!

* Oremos pelo derramamento da chuva serôdia. Oremos uns pelos outros.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Atos16 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: