Reavivados por Sua Palavra


JOÃO 15 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
20 de julho de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO JOÃO 15 – Primeiro leia a Bíblia

JOÃO 15 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

JOÃO 15 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube

(pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



JOÃO 15 by Jobson Santos
20 de julho de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/jo/15

Jesus sabia que Seu tempo na terra estava chegando ao fim. Enquanto abria o coração aos discípulos, ele decidiu usar a parábola da videira e dos ramos para descrever seu relacionamento com seus seguidores. Jesus já tinha introduzido esse tema a respeito da interconexão. Em João 14:20 Ele disse: “Naquele dia compreenderão que estou em meu Pai, vocês em mim, e eu em vocês.” João 14:20, NVI.

João 15 expande esse tema. Jesus lembra a seus discípulos que Ele é a fonte de toda a vida e se eles desejam dar frutos na vida cristã, precisam permanecer nEle. Deus, o Pai, é descrito como o jardineiro. Ele estabelece nossa conexão consigo mesmo e com Jesus por meio do Espírito Santo (ver contexto dos capítulos 14-16). Então Jesus nos ordena permanecermos nele. Ou, como diz a NVI, “Permaneça em mim e eu permanecerei em vocês”. Jesus sabia que a vida sem ele estar presente pessoalmente seria um desafio para seus discípulos. Ele queria implantar em suas mentes e corações a importância de ter essa conexão viva e contínua com ele.

Tim Peters, Capelão
Stockton, Califórnia, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1258
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



JOÃO 15 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
20 de julho de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1159 palavras

1 Agricultor. Anteriormente, Deus tomara “uma videira do Egito” (SI 80:8), plantando-a na terra de Canaã. Então, Ele tomou outra vinha, Seu próprio Filho, e a plantou na terra de Israel (ver DTN, 675). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 1159.

2 todo ramo. …o cristão é dependente da união com Cristo para uma vida espiritual frutífera. CBASD, vol. 5, p. 1159.

Não der fruto. Daquele que professa estar em Cristo espera-se a produção de frutos adequados. Esses frutos também são chamados de “frutos do Espírito” (Gl 5:22; E f 5:9) ou “frutos de justiça” (Fp 1:11; cf. Hb 12:11), que são evidentes no caráter e na vida. Quando esses “bons frutos” (Tg 3:17) estão ausentes, torna-se necessário cortar o ramo infrutífero. CBASD, vol. 5, p. 1159.

Corta . Do gr. airo, “remover”, “tirar”. Limpa . Do gr. kathairo, “para limpar”, neste caso, por meio da remoção de crescimento inútil. Há um jogo de palavras no grego entre airõ (“cortar”) e kathairo (“limpar”) que não pode ser reproduzido em português. O caráter é “purificado” através de testes e provações da vida. O Pai, o lavrador celeste, supervisiona o processo. E, embora pareça dolorosa, a disciplina “produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados” (Hb 12:11). CBASD, vol. 5, p. 1159.

Mais fruto. Não pode haver vida sem crescimento. Enquanto há vida, existe a necessidade de desenvolvimento contínuo. O aperfeiçoamento do caráter é obra da vida inteira (ver PJ, 65, 66; ver com. de Mt 5:48).CBASD, vol. 5, p. 1159.

3 palavra. Resume a mensagem de Jesus. Bíblia de Estudo NVI Vida.

4 permaneçam em Mim. O ramo sem contato com a videira não tem vida.Bíblia de Estudo NVI Vida.

6 Se alguém não permanecer. Esta condição desfaz a ilusão “uma vez salvo pela graça, salvo para sempre”. É possível àqueles que estão em Cristo romperem a conexão com Ele e se perderem (ver com. de Hb 6:4-6). A condição para ser salvo é permanecer em Cristo até o fim. CBASD, vol. 5, p. 1159.

7 Se permanecerdes em Mim. A permanência é recíproca, como se expressa no v. 4. Enquanto permanece em Cristo, Ele habita no ser humano e este se torna participante da natureza divina (2Pe 1:4). Seus pensamentos se identificam tanto com a vontade divina que apenas pedidos que estejam em harmonia com essa vontade são feitos (ver lJo 5:14; DTN, 668). Além disso, nenhum pecado interfere para impedir a resposta favorável. CBASD, vol. 5, p. 1160.

as Minhas palavras permanecerem. Isto mostra que a habitação de (ou permanência em) Cristo não é uma experiência mística ou inexplicável. As pessoas recebem a Cristo pela aceitação de Sua palavra. Enquanto se alimentam da Palavra, essas pessoas têm a mente iluminada por ela (ou pelo Espírito Santo). E, quando elas escolhem inteligentemente seguir e obedecer a Palavra, pelo poder capacitador do Céu, Cristo, a esperança da glória, transforma-as interiormente (Cl 1:27). Além disso, para essa experiência ser constante, elas precisam se alimentar diariamente da Palavra (ver com. de Jo 6:53). CBASD, vol. 5, p. 1160.

8. Muito fruto. O agricultor é honrado quando suas plantas produzem bem. Da mesma forma, a glória é dada a Deus quando Sua imagem é refletida na vida de Seus seguidores. Satanás alega que as exigências de Deus são severas e que a humanidade não pode atingir o ideal da perfeição cristã. Portanto, o caráter de Deus é vindicado quando o ser humano, pela graça de Deus, se torna participante da natureza divina.CBASD, vol. 5, p. 1160.

9 permanecei no Meu amor. Permanecer em Cristo significa estar abrigado em Seu amor. E animador saber que o amor de Cristo por nós é tão permanente quanto o amor do Pai para com o Filho. Mais do que isso, “o próprio Pai vos ama” (Jo 6:27) da mesma forma que ama o Filho (Ellen White, RH, 04/11/1890). CBASD, vol. 5, p. 1160.

10 mandamentos de Meu Pai. Sua vida sem pecado provou que é possível ao ser humano, com a ajuda divina, guardar os mandamentos (ver DTN, 24). CBASD, vol. 5, p. 1160.

11 Meu gozo. A alegria de Cristo repousava na consciência de uma missão cumprida com fidelidade. O Salvador se alegrava em cumprir o propósito divino na redenção do ser humano, a fim de que a humanidade pudesse ser salva. O objetivo de Sua vida era glorificar o Pai. CBASD, vol. 5, p. 1160.

O caminho do cristão nunca é enfadonho. Bíblia de Estudo NVI Vida.

vosso gozo. A alegria é o segundo fruto do Espírito alistado por Paulo (Gl 5:22).A verdadeira alegria não está no riso frenético ou no entusiasmo passageiro causados pelos prazeres superficiais do mundo. O cristão encontra alegria em desfrutar o amor de Cristo, nas vitórias conquistadas e no auxílio desinteressado ao próximo. A completa alegria só será alcançada no mundo por vir, mas grande alegria pode ser experimentada aqui e agora por aqueles que permanecem em Cristo. CBASD, vol. 5, p. 1160.

13. maior amor. O “novo mandamento” (Jo 13:34; cf. 15:12) ordenado aos discípulos é amar uns aos outros como Jesus os amou Jesus veio revelar a extensão desse amor, que O levou a dar a vida por eles. No entanto, Seu amor excedeu aquilo que Ele recomenda: “Enquanto nós ainda éramos pecadores” Ele morreu por nós (cf. Rm 5:6-8). CBASD, vol. 5, p. 1159, 1161.

18 se o mundo vos odeia. Eles sofreriam o ódio do mundo, mas entre os crentes deveria haver amor (v. 17). Eles seriam capazes de enfrentar o amargo conflito com o mundo, sem temor (Lc 22:24). O mundo odeia aqueles cujos interesses e simpatias estão em desacordo com ele (ver com. de Jo 7:7). CBASD, vol. 5, p. 1161.

19 se vós fôsseis. A condição não é confortável, de acordo com o sentido do texto grego. Eles tinham sido do mundo, mas atenderam ao apelo de Jesus para sair do mundo. CBASD, vol. 5, p. 1161.

odeia. Os motivos que despertam o ódio do mundo são: “permanecer” em Cristo (v. 4),
produzir frutos da justiça (v. 5) e manifestá-los (v. 16). As obras do mundo são reprovadas pela vida justa e pelo testemunho do cristão (Jo 7:7; IJo 3:13). Robertson faz a seguinte indagação: “Será que o mundo nos odeia? Se não, por que não? Será que o mundo tem se tornado mais mais cristão ou os cristãos, mais mundanos?” CBASD, vol. 5, p. 1161.

perseguirão a vós. Jesus já tinha avisado isto anteriormente (ver Mt 10:17-23). Ele não queria que os discípulos se desanimassem quando enfrentassem forte perseguição. Quão efetivamente essa lição fora aprendida seria visto mais tarde na coragem com o qual eles enfrentariam espancamento, prisão, tortura e morte (At 5:41; 16:22-25; etc.). Ao enfrentar perseguição (1Co 11:23-28; 2Co 4:8-12), Paulo pôde dizer: “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória” (2Co 4:17). CBASD, vol. 5, p. 1161.

22 pecado não teriam. “Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância” (At 17:30). Uma vez que Jesus veio e revelou o caminho da salvação, os judeus não tinham desculpa. Que maior revelação de Si mesmo Deus poderia ter-lhes dado? Pecaram em não aceitar Jesus, “o caminho, e a verdade e a vida” (Jo 14:6). “Aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz, nisso está pecando” (Tg 4:17). No julgamento, as pessoas serão condenadas, não por terem errado, mas por terem “negligenciado as oportunidades enviadas pelo Céu, para conhecer a verdade” (DTN, 4 9 0 ) .CBASD, vol. 5, p. 1162



JOÃO 15 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de julho de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Eu sou a videira verdadeira, e Meu Pai é o agricultor” (v.1).

No livro de Isaías encontramos a parábola da vinha má. Com a finalidade de ser ouvido, o profeta entoou um cântico. Possivelmente, as palavras do Senhor seriam rejeitadas pela força da repreensão. O acúmulo de bens, a avareza, a embriaguez, a apostasia, o orgulho, o abandono da Lei e desprezo pela Palavra de Deus, havia maculado de forma vergonhosa o chamamento pelo qual Deus fizera da casa de Israel “a vinha do Senhor dos Exércitos”, e dos filhos de Judá “a planta dileta do Senhor” (Is.5:7). Como uvas amargas, intragáveis ao paladar, eles colheriam o resultado de seu afastamento de Deus. Apesar de todo o cuidado do Amado Agricultor, o solo infértil do coração tornou-se em deserto e lugar de “trevas e angústia” (Is.5:30).

Jesus então Se apresenta como “a videira verdadeira” (v.1). Onde Israel falhou, Cristo venceu. As advertências de Isaías compunham o corpo escriturístico de profecias dadas à nação eleita a fim de despertar-lhe a mente para o entendimento do plano da redenção. Como a geração de Isaías, assim foi a geração que rejeitou o Messias. Não compreendiam a essência da Lei de Deus e do caráter divino: “Se guardardes os Meus mandamentos, permanecereis no Meu amor; assim como também Eu tenho guardado os mandamentos de Meu Pai e no Seu amor permaneço” (v.10). Permanecer na videira significa dela extrair o que seja essencial para a vida, a fim de “que deis muito fruto” (v.8). Significa ser nutrido pelo Espírito Santo a fim de manifestar na vida o amor de Cristo.

É nosso dever cristão apresentar a verdade ao mundo de forma clara e honesta. Devemos, porém, ser guiados pelo “Espírito da verdade” (v.26) a fim de que nosso testemunho seja eficaz e apresente o devido fruto: “amor, alegria, paz longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio” (Gl.5:22-23). Com que facilidade a maioria se autodenomina cristã hoje. Ser cristão foi resumido a mediocridade do uso de um crucifixo ou de frases de efeito em camisas e redes sociais. Creio que ainda existem muitas pessoas sinceras nesse meio, e que o Espírito Santo as está chamando a fim de que sejam enxertadas em Cristo Jesus. E ao deparar-se com as verdades libertadoras da Palavra de Deus e o testemunho dos fiéis atalaias do Senhor, que não pouparam a própria vida para preservar a autoridade das Escrituras, trocarão os prazeres e vaidades deste mundo pela amizade com Cristo, pois “agora, não têm desculpa do seu pecado” (v.22).

Amados, se temos um chamado a cumprir, este se chama amar. O mandamento de Cristo aponta para o fiel cumprimento dos mandamentos de Seu Pai por meio de Seu Espírito. Jesus colocou os mandamentos e o amor na mesma base. O próprio João, em sua primeira epístola, reforçou esta verdade: “se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o Seu amor é, em nós, aperfeiçoado. Nisto conhecemos que permanecemos nEle, e Ele, em nós: em que nos deu do Seu Espírito […] E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele” (1Jo.4:12, 13 e 16). “Porque este é o amor de Deus: que guardemos os Seus mandamentos; ora, os Seus mandamentos não são penosos” (1Jo.5:3). Não há prejuízo em guardar a Lei de Deus. Pelo contrário, somos atraídos para Deus, convencidos da malignidade do pecado e da nossa necessidade de um Salvador pessoal.

Ódio e perseguição não fazem parte do discurso brando da maioria dos púlpitos cristãos. A consciência das massas tem recebido um sonífero religioso e não um sonido de alerta. O genuíno amor, meus irmãos, suscita a ira do mundo. Cristo mesmo nos advertiu: “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, Me odiou a Mim” (v.18). “Se Me perseguiram a Mim, também perseguirão a vós outros” (v.20). Paulo também escreveu: “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2Tm.3:12). A morte de Cristo e de Seus mártires são provas irrefutáveis de que a inimizade que foi estabelecida no Éden (Gn.3:15) continuará manifestando seus resultados até o retorno de Cristo. E a nossa única esperança está em permanecer em Cristo através do Espírito Santo enviado a nós “da parte do Pai” (v.26), que nos tem guiado “a toda a verdade” (Jo.16:13).

Precisamos pedir pelo Espírito Santo! Necessitamos mais do Espírito do que o corpo do alimento! Só assim faremos o que Cristo nos manda fazer (v.17), não com obras de caridade que suavizam a consciência endurecida, mas tendo “a mente de Cristo” (1Co.2:16), que é o Seu Espírito guiando nossos pensamentos, palavras e ações. Só conseguiremos amar aos outros como Cristo nos amou quando formos selados e confirmados no amor que “tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1Co.13:7). “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém, o maior destes é o amor” (1Co.13:13). Porque só precisaremos da fé e da esperança até que Cristo volte, mas o amor, desse, desfrutaremos eternamente, “pois Deus é amor” (1Jo.4:8). Vigiemos e oremos!

Bom dia, amigos do Amado Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #João15 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



JOÃO 15 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
20 de julho de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

JOÃO 15 – Estar ligado a Jesus significa desligar-se do mundo; isso resulta em ser estranho e perseguido no mundo.

O capítulo em pauta pode ser assim dividido, como sugere o Comentário Bíblico Adventista:
1. A consolação e o amor mútuos entre Cristo e Seus seguidores, representados na parábola da videira (vs. 1-17);
2. Conforto em meio ao ódio e à perseguição do mundo (vs. 18-25);
3. O trabalho do Espírito Santo e dos apóstolos (vs. 26-27).

Cristianismo é relacionamento íntimo com Cristo. É ligação constante a Ele em toda situação. “O propósito fundamental da analogia da vara da videira era descrever um relacionamento permanente entre Cristo e o crente, semelhante ao firmado entre Israel e Yahveh, para que desse muito fruto (cf. Is. 5:2; Os 10:1)” (William E. Hull).
• Sem relacionamento íntimo entre o pecador perdoado e o Cristo encarnado não existe cristianismo verdadeiro.
• Os cristãos falsos serão descartados como imprestáveis, inúteis, indignos do Céu.
• Os frutos evidenciam os verdadeiros cristãos em relação aos falsos, sem frutos.
• Deus opera, através da poda, o amadurecimento do cristão genuíno.

“Por todo o discurso de despedida o objetivo básico era definir o modo como os discípulos, após a partida de Jesus, deviam reproduzir, em sua vida comunitária, e então ampliar, através da história, estas realidades centrais da vida terrena de seu Senhor. Depois de reunir Seus seguidores no círculo de amor que compartilhava com o Pai (15:1-7), Jesus agora os convida a entrar na arena da luta que travariam com o mundo. Ironicamente, receberiam o privilégio de se identificarem com Jesus não somente por darem muito fruto, mas também por terem que enfrentar muita perseguição” (Hull).

• Permanência na Palavra e a perseverança na oração produzem o sucesso na existência cristã.
• Frequência na obediência do discípulo de Cristo resulta da consciência de sua dependência.
• Amor é a essência do discípulo persistentemente ligado a Cristo.
• Dificuldades provocadas pelo mundo devem gerar paciência e confiança no crente, ciente de que o Espírito Santo atuará para seu bem em toda circunstância.

Os verdadeiros e fervorosos crentes na década de 1870 reconheceram: “Tínhamos inimigos implacáveis na cidade que vigiavam cada passo que dávamos e estavam prontos a usar qualquer ação imprudente para nos prejudicar” (J. N. Loughborough).

Apesar dos desafios, reavivemo-nos biblicamente! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: