Reavivados por Sua Palavra


JOÃO 15 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de julho de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Eu sou a videira verdadeira, e Meu Pai é o agricultor” (v.1).

No livro de Isaías encontramos a parábola da vinha má. Com a finalidade de ser ouvido, o profeta entoou um cântico. Possivelmente, as palavras do Senhor seriam rejeitadas pela força da repreensão. O acúmulo de bens, a avareza, a embriaguez, a apostasia, o orgulho, o abandono da Lei e desprezo pela Palavra de Deus, havia maculado de forma vergonhosa o chamamento pelo qual Deus fizera da casa de Israel “a vinha do Senhor dos Exércitos”, e dos filhos de Judá “a planta dileta do Senhor” (Is.5:7). Como uvas amargas, intragáveis ao paladar, eles colheriam o resultado de seu afastamento de Deus. Apesar de todo o cuidado do Amado Agricultor, o solo infértil do coração tornou-se em deserto e lugar de “trevas e angústia” (Is.5:30).

Jesus então Se apresenta como “a videira verdadeira” (v.1). Onde Israel falhou, Cristo venceu. As advertências de Isaías compunham o corpo escriturístico de profecias dadas à nação eleita a fim de despertar-lhe a mente para o entendimento do plano da redenção. Como a geração de Isaías, assim foi a geração que rejeitou o Messias. Não compreendiam a essência da Lei de Deus e do caráter divino: “Se guardardes os Meus mandamentos, permanecereis no Meu amor; assim como também Eu tenho guardado os mandamentos de Meu Pai e no Seu amor permaneço” (v.10). Permanecer na videira significa dela extrair o que seja essencial para a vida, a fim de “que deis muito fruto” (v.8). Significa ser nutrido pelo Espírito Santo a fim de manifestar na vida o amor de Cristo.

É nosso dever cristão apresentar a verdade ao mundo de forma clara e honesta. Devemos, porém, ser guiados pelo “Espírito da verdade” (v.26) a fim de que nosso testemunho seja eficaz e apresente o devido fruto: “amor, alegria, paz longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio” (Gl.5:22-23). Com que facilidade a maioria se autodenomina cristã hoje. Ser cristão foi resumido a mediocridade do uso de um crucifixo ou de frases de efeito em camisas e redes sociais. Creio que ainda existem muitas pessoas sinceras nesse meio, e que o Espírito Santo as está chamando a fim de que sejam enxertadas em Cristo Jesus. E ao deparar-se com as verdades libertadoras da Palavra de Deus e o testemunho dos fiéis atalaias do Senhor, que não pouparam a própria vida para preservar a autoridade das Escrituras, trocarão os prazeres e vaidades deste mundo pela amizade com Cristo, pois “agora, não têm desculpa do seu pecado” (v.22).

Amados, se temos um chamado a cumprir, este se chama amar. O mandamento de Cristo aponta para o fiel cumprimento dos mandamentos de Seu Pai por meio de Seu Espírito. Jesus colocou os mandamentos e o amor na mesma base. O próprio João, em sua primeira epístola, reforçou esta verdade: “se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o Seu amor é, em nós, aperfeiçoado. Nisto conhecemos que permanecemos nEle, e Ele, em nós: em que nos deu do Seu Espírito […] E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele” (1Jo.4:12, 13 e 16). “Porque este é o amor de Deus: que guardemos os Seus mandamentos; ora, os Seus mandamentos não são penosos” (1Jo.5:3). Não há prejuízo em guardar a Lei de Deus. Pelo contrário, somos atraídos para Deus, convencidos da malignidade do pecado e da nossa necessidade de um Salvador pessoal.

Ódio e perseguição não fazem parte do discurso brando da maioria dos púlpitos cristãos. A consciência das massas tem recebido um sonífero religioso e não um sonido de alerta. O genuíno amor, meus irmãos, suscita a ira do mundo. Cristo mesmo nos advertiu: “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, Me odiou a Mim” (v.18). “Se Me perseguiram a Mim, também perseguirão a vós outros” (v.20). Paulo também escreveu: “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2Tm.3:12). A morte de Cristo e de Seus mártires são provas irrefutáveis de que a inimizade que foi estabelecida no Éden (Gn.3:15) continuará manifestando seus resultados até o retorno de Cristo. E a nossa única esperança está em permanecer em Cristo através do Espírito Santo enviado a nós “da parte do Pai” (v.26), que nos tem guiado “a toda a verdade” (Jo.16:13).

Precisamos pedir pelo Espírito Santo! Necessitamos mais do Espírito do que o corpo do alimento! Só assim faremos o que Cristo nos manda fazer (v.17), não com obras de caridade que suavizam a consciência endurecida, mas tendo “a mente de Cristo” (1Co.2:16), que é o Seu Espírito guiando nossos pensamentos, palavras e ações. Só conseguiremos amar aos outros como Cristo nos amou quando formos selados e confirmados no amor que “tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1Co.13:7). “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém, o maior destes é o amor” (1Co.13:13). Porque só precisaremos da fé e da esperança até que Cristo volte, mas o amor, desse, desfrutaremos eternamente, “pois Deus é amor” (1Jo.4:8). Vigiemos e oremos!

Bom dia, amigos do Amado Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #João15 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: