Reavivados por Sua Palavra


AMÓS 2 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
11 de março de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Dentre os vossos filhos, suscitei profetas e, dentre os vossos jovens, nazireus. Não é isto assim, filhos de Israel? — diz o Senhor” (v.11).

Após as ameaças contra as nações inimigas, Judá e Israel não escaparam da indignação do Senhor. Seus pecados eram ainda maiores do que os das demais nações, visto serem conhecedores da verdade enquanto andavam em “suas próprias mentiras” (v.4). O Reino do Norte foi além, manifestando uma conduta depravada e idólatra, a ponto de perverter “o caminho dos mansos” (v.7) e profanar o nome do Senhor com práticas sexuais ilícitas. Numa tentativa de não contaminar suas vestes, participavam dos cultos abomináveis e sensuais com roupas emprestadas (v.8) e tinham prazer em extorquir os pobres e necessitados do povo.

Deus despertou a memória de Israel ao tempo de sua saída do Egito, aos quarenta anos de peregrinação no deserto e a conquista de Canaã, de como Ele conduziu o Seu povo e lhe suscitou homens e mulheres como profetas e nazireus. Pessoas que receberam do Senhor a capacitação para um ministério de educação, a fim de orientar o povo “no caminho em que deve andar” (Pv.22:6). Mas como filhos rebeldes, buscavam corromper os escolhidos de Deus e rejeitavam qualquer profecia que contrariasse suas práticas promíscuas e sua religião de rituais vazios e inúteis. Israel chegou ao terrível ponto de vender “o justo por dinheiro” e condenar “o necessitado por causa de um par de sandálias” (v.6).

Existe uma confusão muito grande no mundo cristão a respeito da justificação pela fé e salvação pelas obras. É certo que se Deus condena a desobediência à Sua Lei e expôs em Sua Palavra vários relatos dos Seus juízos aos impenitentes, a obediência é um requisito exigido pelas leis divinas que regem o universo. No entanto, desde o primeiro delito ficou muito claro de que nada do que o ser humano faça pode salvá-lo da condenação do pecado. Cada sacrifício e holocausto representava o ato substitutivo que somente Alguém que fosse a própria vida poderia realizar. A salvação pela graça, mediante a fé (Ef.2:8), contudo, não nos autoriza a desprezar a Lei, pelo contrário, ela nos impulsiona a viver “a fé que atua pelo amor” (Gl.5:6); a mesma fé manifestada na vida de Jesus, que “a Si mesmo Se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz” (Fp.2:8).

Por outro lado, também existe outra classe de pessoas, professos cristãos, que embora pareçam piedosos, ignoram muitas orientações proféticas ainda que professem admirá-las. O problema pode estar exatamente aí: apenas admiram. E para aplacar a consciência, se envolvem em atividades religiosas como para apresentar suas agendas diante de Deus. Toda a vida de Cristo está relatada nos evangelhos em cumprimento direto a tudo o que a respeito dEle está escrito. Jesus viveu conforme todas as orientações proféticas e nos deixou o perfeito exemplo do que significa: “a fé sem obras é morta” (Tg.2:26). A Sua dependência do Pai e completa entrega a Ele era o que naturalmente guiava os Seus passos na direção de quem dEle necessitava, e firmava o Seu caráter manso e humilde.

Amados, a descrição de Laodiceia é tão lamentável e medíocre quanto a do antigo Israel (Ap.3:15-17). O Senhor sabia que diante das dificuldades dos últimos dias, o Seu povo cairia num torpor que seria fatal para muitos. Como Adão e Eva tentaram cobrir a sua nudez com folhas de figueira, muitos hoje têm depositado a sua confiança em suas próprias obras, enquanto Jesus permanece do lado de fora solicitando entrada (Ap.3:20). Para eles está tudo bem ser ativo em uma igreja enquanto contemplam, ou até mesmo praticam, pornografia e violência; está tudo bem gastar horas na televisão ou na Internet comparado aos minutos em sua devoção automática; está tudo bem assistir novelas, séries e filmes que incitam as práticas sexuais abomináveis e as condutas condenadas por Deus enquanto frequentam os cultos, que, aliás, geralmente são considerados monótonos e desisteressantes (Por que será, não é mesmo?); está tudo bem beber um refrigerante com um suculento e gorduroso pedaço de bife destruindo o corpo, que é o “santuário do Espírito Santo” (1Co.6:19), pois afinal de contas no prato também têm uma folha de alface e umas rodelas de tomate; está tudo bem vestir uma roupa sensual, pois o importante é estar na igreja e não o que visto.

Em nome de Jesus, não considerem essas palavras agressivas! Nem tampouco como setas apontadas em alguma direção. Considerem como palavras de quem um dia foi liberta desses pecados e que, pela graça maravilhosa de Jesus, foi salva deles. Quantas vezes eu fui confrontada pelo Espírito Santo e até por pessoas usadas por Ele a fim de perceber o mal que eu estava causando a mim mesma e à minha família e como estava cada vez mais longe de Deus e de Sua vontade. Nenhuma das vezes foi fácil ouvir e entender que eu estava errada, simplesmente porque a nossa natureza é atraída pelo que é ruim. Mas podem ter certeza, meus amados irmãos, que toda fraqueza vencida pelo poder da Palavra e da oração, foi uma força adicional para que eu pudesse vencer as demais. Não que ainda não enfrente lutas, pois quanto mais perto chegamos de Jesus, mais nossos olhos se abrem para perceber o quão dessemelhantes dEle nós somos. Hoje entendo que não é porque tenho rejeitado o que o mundo oferece que serei salva, mas, porque fui salva, nada do que o mundo oferece me interessa mais. Percebem a diferença?

Quando tiramos os olhos de nós mesmos, nossos gostos e preferências, sonhos e projetos em que Deus não foi consultado a respeito, matamos o nosso egoísmo de inanição e alimentamos o altruísmo que imprime o caráter de Cristo em nós. Logo o nosso Redentor voltará e “De nada valerá a fuga ao ágil, o forte não usará a sua força, nem o valente salvará a sua vida” (v.14). Diante da face do Santo Deus, “o mais corajoso entre os valentes fugirá nu naquele dia” (v.16), pois rejeitou as vestes da justiça de Cristo no tempo da oportunidade. “Eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação” (2Co.6:2). É tempo de clamarmos pelo Espírito Santo e, com o coração contrito e sincero, permitir que Ele nos transforme, “de glória em glória”, na imagem do nosso Senhor Jesus Cristo (2Co.3:18). E se você pensa que não consegue, é a você mesmo que Jesus diz: “Bem-aventurados os humildes de espírito [os que reconhecem que não conseguem e que precisam do auxílio divino], porque deles é o reino dos céus” (Mt.5:3). Agarre-se a Jesus como seu Advogado e Sumo Sacerdote, e não precisará temê-Lo quando Ele vier como Justo Juiz! Vigiemos e oremos!

Bom dia, salvos pela graça de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Amós2 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: