Reavivados por Sua Palavra


ISAÍAS 51 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
11 de outubro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Ponho as Minhas palavras na tua boca e te protejo com a sombra da Minha mão, para que Eu estenda novos céus, funde nova terra e diga a Sião: Tu és o Meu povo” (v.16).

Dentre as nações existentes e as multidões que se espalhavam pela Terra, Deus viu um coração sincero e fiel: “porque era ele único” (v.2). De Abraão, o Senhor suscitou uma grande nação a fim de ser Sua testemunha em toda o mundo, um povo que proclamaria a Sua justiça e em cujo coração estaria a Sua lei (v.7). Sião ou Jerusalém foi estabelecida para ser a capital da justiça e do governo divino como um símbolo terreno do que é eterno. Um lugar favorecido com a glória de Deus não apenas para benefício próprio, mas “como luz dos povos” (v.4).

Apesar da degradação espiritual e moral do povo, assim como viu em Abraão um piedoso crente, o Senhor ainda possuía um remanescente fiel: “Ouvi-Me vós, os que procurais a justiça, os que buscais o Senhor” (v.1). “Atendei-Me, povo Meu, e escutai-Me, nação Minha” (v.4). A Bíblia contém 1.085 versículos em que aparece a palavra ouvir, sendo que em alguns deles, aparece mais de uma vez. Nas cartas às igrejas de Apocalipse, encontramos a seguinte sentença encerrando cada uma delas: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas” (Ap.2:7, 11, 17 e 29; 3:6, 13 e 22). Algo assim repetido e reforçado certamente deve ser levado em máxima consideração.

Conforme um estudo realizado na Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, o último sentido que o ser humano perde antes da morte é a audição. Nesse estudo foi verificado que o cérebro responde aos sons mesmo que a pessoa esteja em estado de inconsciência, pouco antes da morte. Fazendo uma analogia, podemos dizer que ainda que muitos estejam em estado de inconsciência espiritual, quase a perecer, o Espírito do Senhor fala a seus corações até o último instante. Tão perto como estamos do fim deste mundo de pecado, há uma voz a clamar: “Desperta, desperta, levanta-te” (v.17)! Aproxima-se a meia-noite com o grito final: “Eis o Noivo! Saí ao Seu encontro!” (Mt.25:6). Como as dez virgens, todas se levantarão, mas nem todas participarão da “perpétua alegria” (v.11).

A nossa resposta à voz divina, hoje, é o que definirá se morreremos “como mosquitos” (v.6), ou se iremos “a Sião com júbilo” (v.11). Ouça o Senhor a lhe falar nesse instante: “Eu, Eu sou o aquele que vos consola” (v.12), que “fará o seu deserto como o Éden, e a sua solidão, como o jardim do Senhor” (v.3), logo “os céus desaparecerão como a fumaça, e a terra envelhecerá como um vestido… mas a Minha salvação durará para sempre, e a Minha justiça não será anulada” (v.6). “Assim voltarão os resgatados do Senhor e virão a Sião com júbilo, e perpétua alegria lhes coroará a cabeça; o regozijo e a alegria os alcançarão, e deles fugirão a dor e o gemido” (v.11), pois o Seu povo “lá não morrerá, lá não descerá à sepultura; o seu pão não lhe faltará” (v.14).

Cristo tomou da nossa mão “o cálice de atordoamento”, o cálice da ira de Deus (v.22) e bebeu em nosso lugar (Mt.26:39). “Pelo que agora ouve isto” (v.21), “os que procurais a justiça” (v.1): Jesus é a nossa justiça (Jr.23:6). Ele é a nossa luz e a nossa salvação (Sl.27:1). “Convertei-vos e desviai-vos de todas as vossas transgressões; e a iniquidade não vos servirá de tropeço” (Ez.18:30). Deus nos chama para ser “um povo modesto e humilde, que confia em o nome do Senhor” (Sf.3:12), que espera, segundo a promessa do Senhor, “novos céus e nova terra, nos quais habita justiça” (2Pe.3:13), que, seguindo o exemplo do seu Salvador, ensina, prega, cura e se compadece das multidões “aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor” (Mt.9:35-36).

Nos últimos instantes desta Terra enferma, em que a voz do Espírito se avoluma para erguer o apelo final, “os perversos procederão perversamente, e nenhum deles entenderá, mas os sábios entenderão” (Dn.12:10). Então, será declarada a sentença definitiva: “Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se” (Ap.22:11). “Não abandoneis, portanto, a vossa confiança; ela tem grande galardão. Com efeito, tendes necessidade de perseverança, para que, havendo feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa” (Hb.10:35-36). Pois “aquele que perseverar até o fim, esse será salvo” (Mt.24:13). Perseveremos, amados! Despertai, igreja do Deus vivo! Que a Lei do Senhor esteja escrita em nossos corações (2Co.3:3). “Levantai os olhos para os céus” (v.6)! “Eis que o Senhor fez ouvir até às extremidades da Terra estas palavras…: Eis que vem o teu Salvador; vem com Ele a sua recompensa, e diante dEle, o seu galardão. Chamar-vos-ão Povo Santo, Remidos-Do-Senhor” (Is.62:11-12). Vigiemos e oremos!

Bom dia, resgatados do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Isaías51 #RPSP


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: