Reavivados por Sua Palavra


ISAÍAS 64 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
24 de outubro de 2020, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO ISAÍAS 64 – Primeiro leia a Bíblia

ISAÍAS 64 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

ISAÍAS 64 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COMENTÁRIO ALETA BAINBRIDGE (Associação Geral – rodada anterior)

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)

VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)



ISAÍAS 64 by Jobson Santos
24 de outubro de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/Is/64

Você já pensou: “Vou tomar a decisão de ser bom o tempo todo. Deus ficará feliz com isso”? Então você trabalha duro e tenta ser bom, e pode ter algum sucesso até tropeçar e cair de cara no chão. Isso pode ser muito desanimador.

O problema é que, sem Deus, nossos “atos de justiça” ainda estão enraizados no egoísmo do nosso coração. Nosso orgulho está emaranhado em tudo o que fazemos, e não há verdadeira bondade nisso! As coisas que fazemos com boas intenções tornam-se como trapos de imundícia para Deus, e o pecado que nos rodeia nos arrastará para o mal. Se dependermos de nós mesmos para fazer o bem, estaremos condenados!

Felizmente, esse não é o plano de Deus para nós.
Contudo, Senhor, tu és o nosso Pai.
Nós somos o barro; Tu és o oleiro.
Todos nós somos obra das tuas mãos.”
Isaías 64:8, NVI

Deus quer um relacionamento pessoal conosco. Não podemos ser bons sozinhos, mas Ele é nosso Pai, o nosso Oleiro, moldando-nos no bem que nunca poderíamos criar por conta própria. Dediquemos nossas vidas a Deus novamente hoje. Seu plano é melhor do que tudo que possamos imaginar!

Lisa Ward
Escriturária da Igreja Adventista do Sétimo Dia Country Life, Cleburne, Texas, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=989
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



ISAÍAS 64 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
24 de outubro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

507 palavras

1 Se fendesses os céus. Este capítulo dá continuidade à oração iniciada em Isaías 63:5. … Em nome do povo, Isaías pede ao senhor para Se manifestar em favor deles (ver com. de Is 63:19). O contexto da oração é apresentado anteriormente. O santuário está desolado, e o povo, em terra estranha (ver com. de Is 63:18). CBASD – Comentário Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 348.

Como quando o fogo inflama. A metáfora parece indicar que os montes não poderiam resistir à descida de Yahweh assim como os gravetos secos não podem evitar ser inflamados quando em contato com o fogo, ou como a água é incapaz de evitar a ebulição quando aquecida. CBASD, vol. 4, p. 348.

Coisas terríveis. Israel roga a Deus que repita os maravilhosos feitos do passado. CBASD, vol. 4, p. 348.

desde a antiguidade não se ouviu. Enfatiza-se a disposição de Deus para interferir em crises. CBASD, vol. 4, p. 348.

Sais ao encontro. Os céus não estão distantes da Terra. Deus sai ao encontro dos que estão dispostos a encontrá-Lo. … Ele mantém íntima comunhão somente com aqueles que buscam a retidão. CBASD, vol. 4, p. 349.

Que se lembram. Eles não s[o mantém Deus na memória, mas agem conforme o conhecimento de Deus e da vontade divina. CBASD, vol. 4, p. 349.

Imundo. Por si só, o ser humano não pode lavar a impureza do pecado. Assim, permanece imundo. CBASD, vol. 4, p. 349.

Trapo da imundícia. Literalmente, “veste de menstruação”. CBASD, vol. 4, p. 349.

Murchamos como a folha. Uma folha separada da árvore logo murcha e morre. O mesmo se dá com o ser humano sem Cristo. CBASD, vol. 4, p. 349.

Como um vento. O pecado leva o ser humano para longe de Deus e o conduz para a morte e destruição. CBASD, vol. 4, p. 349.

7 E nos consomes. Com respeito ao tempo, o profeta se refere ao cativeiro babilônico (ver v. 10; cf Is 63:18; ver com. de Is 40:1). CBASD, vol. 4, p. 349.

8 Mas agora, ó SENHOR. Este é um clamor fervoroso por misericórdia. Apesar da prevalecente indiferença para com a religião (v. 7) e o estado desesperador a que chegou a nação, Deus ainda era o Pai de Seu povo e podia ajudá-lo.  CBASD, vol. 4, p. 349.

Somos o barro. Essa oração de Isaías em favor do povo indica penitência e entrega. CBASD, vol. 4, p. 349.

9 Não Te enfureças. O penitente reconhece a transgressão e o direito do Senhor de punir, mas roga que o castigo de Deus não dure tanto e que não seja severo demais (ver Sl 79:8; 103:8-10). CBASD, vol. 4, p. 350.

10 Sião, em ermo. Os vs. 10 e 11 dão mais detalhes da desolação prestes a cair sobre Judá e Jerusalém, na época das invasões babilônicas (ver 2Rs 25:2-10). Nos dias de Isaías, esse evento ainda estava no futuro, mas o profeta o descreveu como se já tivesse acontecido  (ver vol. 1, p. 3; para mais informações, ver com. de Is 40:1). CBASD, vol. 4, p. 350.

12 Conter-Te-ias …? O profeta na verdade estava dizendo: “Não Te preocupas com Teu templo e com Teu povo? nenhuma dessas coisas O comove? Nossos (e Teus) inimigos prevalecerão? A justiça prevalecerá e a iniquidade triunfará? As forças do mal serão vitoriosas sobre a causa de Deus? CBASD, vol. 4, p. 350.



ISAÍAS 64 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
24 de outubro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Mas agora, Senhor, Tu és o nosso Pai, nós somos o barro, e Tu, o nosso oleiro; e todos nós, obra das Tuas mãos” (v.8).

A conclusão da oração de Isaías reflete duas vertentes: a natureza humana e a natureza divina. A nossa natureza revela a nossa condição, que “todos nós somos como o imundo” (v.6); sem esquecer da nossa origem, pois que “nós somos o barro”, obra das mãos de Deus (v.8); e o sublime objetivo do plano da salvação na afirmação do profeta: “todos nós somos o Teu povo” (v.9). Oh, amados, se todos nos submetêssemos ao perfeito plano de Deus e confiássemos sem reservas em Seu poder salvador! Se cada manhã nosso coração fosse aberto aos oráculos do Céu e nossa vida depositada nos lugares celestiais! Então, como Isaías, nossos lábios se abririam para exclamar com profundo e real desejo: “Oh! Se fendesses os céus e descesses!” (v.1).

No último dia 22 de outubro, completaram-se 176 anos do desapontamento daqueles que doaram tudo o que eram e tinham para proclamar com alegria celeste o que acreditavam ser o dia da volta de Jesus. Seus corações estavam repletos de amor a Deus e uns pelos outros. Ainda que perseguidos e zombados pelos céticos e descrentes, e severamente provados pela apatia e ira daqueles que não souberam lidar com a decepção e tiveram seus corações endurecidos pela resistência à obra do Espírito Santo, os fiéis servos de Deus perseveraram em oração e no estudo das Escrituras a fim de obter resposta divina à sua frustração.

O livro de Daniel foi aberto e reveladas as verdades que haviam sido seladas “até ao tempo do fim” (Dn.12:4). Aquela geração de cristãos foi iluminada pela esperança que na “boca, era doce como mel” (Ap.10:10). O retorno do Salvador se tornou o tema de suas mais fervorosas orações e de seus estudos mais diligentes. Tudo foi empregado na obra de anunciar tão doce e maravilhosa notícia. Mas o findar do dia tão aguardado revelou mui amarga decepção. O Senhor, porém, saiu “ao encontro daquele que com alegria” (v.5) buscou a prática da justiça independente das circunstâncias adversas e iluminou a mente dos pioneiros com a luz de verdades que ainda precisavam profetizar “a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis” (Ap.10:11).

Temos a necessidade ainda maior de firmar a nossa vida no fundamento que é eterno e todo-suficiente. Tão perto como estamos do segundo advento do nosso Senhor e Salvador, mais do que nunca precisamos reconhecer a nossa real condição, “todas as nossas justiças, como trapo da imundícia” (v.6), e confiar na justiça de Deus, “que trabalha para aquele que nEle espera” (v.4). Como adventistas do sétimo dia, há mais de 170 anos anunciamos que Jesus vai voltar. Semelhante a Noé, que aparelhou uma arca e alertou o mundo antigo por 120 anos acerca da destruição da Terra pelo dilúvio, devemos trabalhar com vistas ao que declarou o apóstolo Paulo: “Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns” (1Co.9:22).

Como o profeta, podemos indagar: “por muito tempo temos pecado e havemos de ser salvos?” (v.5). Mas, se, de fato, nos colocarmos nas mãos do Pai como barro, para que Ele seja o nosso Oleiro (v.8), somos alcançados pela consoladora e fiel promessa: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1Jo.1:9). Louvado seja o Senhor Jesus Cristo que nos ama com amor eterno e que tem preparado para nós o que “nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu” (v.4)! Não sabemos o dia e nem a hora de nossa redenção, mas esta data está marcada no calendário do Céu com a precisão de um Deus que “é longânimo… não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2Pe.3:9). Que nossas orações, nossa vida e nossa pregação revelem o maior desejo de nosso coração: estar para sempre com Jesus! Vigiemos e oremos!

Feliz sábado, barro nas mãos do Oleiro!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Isaías64 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



ISAÍAS 64 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
24 de outubro de 2020, 0:40
Filed under: Sem categoria

ISAÍAS 64 – Nossa vida, família, igreja, bairro, cidade, país e mundo carecem muitíssimo de reavivamento espiritual. Quão bom seria caso todos tivessem tal consciência e o buscasse com toda perseverança.

Observe com oração estes pontos:
• Baseando-nos na revelação de Deus nas Escrituras, devemos clamar por Sua manifestação (vs. 1,2; Êxodo 19:16-18; Salmo 18:7-15; Isaías 10:17; 31:9).
• Os atos de salvação divinos excedem às expectativas humanas, Deus age extraordinariamente na vida dos que se rendem a Ele (vs. 3-6).
• Devemos clamar por misericórdia e interceder pelo povo perceber o caráter de Deus (vs. 7-9).
• Todos devem clamar a Deus em toda situação, não reclamar da situação (vs. 10-12).

Neste capítulo, “Isaías estava sedento da presença manifesta de Deus. Isaías estava plenamente consciente de que nenhum poder terreno e nenhum recurso humano poderia trazer alento para o seu povo, a não ser a presença de Deus. Esta é também a necessidade da igreja hoje. Não nos contentamos com templos bonitos. Não nos satisfaz um bom orçamento financeiro. Não nos contentamos com pessoas influentes na sociedade frequentando a igreja. Somente a presença manifesta de Deu pode levantar-nos para uma vida maiúscula e superlativa. Somente a presença de Deus pode encher-nos de entusiasmo espiritual. Precisamos desesperadamente de uma visitação extraordinária de Deus em nossa vida, em nossa família, em nossa igreja”.

Após despertar-nos com estas palavras, Hernandes Dias Lopes acrescenta três verdades sobre a presença de Deus: O clamor pela presença de Deus…
• …só pode partir de corações sedentos por Deus. Ah, que Deus desperte nosso coração desta letargia espiritual! Que Deus nos acorde desse sono da morte! É tempo de buscarmos o Senhor! É tempo de voltarmo-nos para Deus de todo o nosso coração!
• …tem o propósito de sermos inflamados pelo fogo divino. O profeta Isaías clama pela presença de Deus porque tem consciência da necessidade de ser aquecido pela presença manifesta de Deus como gravetos são inflamados pelo fogo.
• …tem como propósito a vindicação da própria glória de Deus. Isaías ora para que os céus se fendam e clama pela presença manifesta de Deus, não apenas para que o povo de Deus seja despertado, mas também para que as nações reconheçam a glória de Deus e temam o seu nome.

Sinceramente, precisamos buscar mais a Deus! – Heber Toth Armí.



ISAÍAS 64 – COMENTÁRIO ALETA BAINBRIDGE (rodada anterior/Associação Geral) by Jeferson Quimelli
24 de outubro de 2020, 0:30
Filed under: Sem categoria

O profeta Isaías, na seção compreendida entre 63:11 a 64:7 do seu livro, lança um olhar retrospectivo para a história de Israel lembrando como Deus fielmente tem guiado o Seu povo (63:13,14) e como, de bom grado, Ele ajuda aqueles que alegremente fazem o certo e obedecem aos Seus caminhos (64:5). O profeta está cheio de admiração pelo caráter de Deus. “Desde os tempos antigos ninguém ouviu, nenhum ouvido percebeu, e olho nenhum viu outro Deus, além de ti, que trabalha para aqueles que nele esperam” (v. 4 NVI; ver tb 1Co 2:9).

Isaías lembra, também, quão teimoso Israel tem sido e se sente mortificado pelo modo como esta nação tem agido para com o seu terno e paciente Deus. “Em Seu amor e em Sua misericórdia Ele os resgatou; foi Ele que sempre os levantou e os conduziu nos dias passados. Apesar disso, eles se revoltaram e entristeceram o Seu Espírito Santo. Por isso Ele Se tornou inimigo deles e lutou pessoalmente contra eles.” (Is 63:9,10 NVI).

A experiência de Israel ilustra a condição moral da humanidade como um todo. “Somos como o impuro [leproso] – todos nós! Todos os nossos atos de justiça são como trapo imundo [trapos que cobriam o corpo em decomposição do leproso]. Murchamos como folhas, e como o vento as nossas iniquidades nos levam para longe. Não há ninguém que clame pelo teu nome, que se anime a apegar-se a ti…” (Is 64:6-7, NVI).

Então ocorre uma mudança no discurso. O profeta, de repente, intercede em nosso favor. Ele pede para Deus Se lembrar! “Lembre-se, Senhor”, diz ele, “Tu és o nosso Pai. Nós somos o barro; Tu és o oleiro” (v.8 NVI), somos mortais frágeis e mesmo nossos melhores atos não são nada além de “trapo imundo” (v.6 NVI). Por três vezes ele lembra o Senhor: “Tu és nosso Pai” (63:16 a, b; 64:8); lembra também que Ele é nosso criador (v.8) e que Seu nome, desde o início, é “Redentor” (63:16).

Como Moisés, Isaías implora a Deus para não desistir de seu povo, para não esconder Seu rosto deles (v.7), mesmo que seja só por causa do Seu nome e reputação (63:14; 64:10,11).

Quando nos sentimos distantes de Deus, podemos clamar como Isaías: “Não te ires demais, ó Senhor! Não te lembres constantemente das nossas maldades. Olha para nós! Somos o teu povo! … Ficarás calado e nos castigarás além da conta?” (v. 9,12 NVI). Em resposta às nossas humildes súplicas já conhecemos de antemão a promessa de Deus: “Antes de clamarem, eu responderei; enquanto ainda estiverem falando eu os ouvirei” (65:24 NIV). Que conforto e segurança nos traz o amoroso, justo e misericordioso Deus a quem servimos em Sua Palavra!

Aleta Bainbridge
Sydney, Austrália

 

 

Publicado originalmente em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/04/29

 




%d blogueiros gostam disto: