Reavivados por Sua Palavra


Atos 4 by Jeferson Quimelli
2 de fevereiro de 2015, 0:00
Filed under: coragem, cura, Espírito Santo, milagres | Tags: , , , , ,

Comentário devocional:

Infelizmente, quando milagres estão acontecendo, o diabo trabalha procurando parar as bênçãos. Por essa razão não demorou muito até Pedro e João serem presos pelos líderes religiosos da época e rudemente questionados, “Com que poder ou em nome de quem vocês fizeram isso?” (v. 7, NVI). Eles poderiam ter ficado com medo e respondido de forma a contornar a questão ou tirar o foco de Jesus. Afinal de contas, eles sabiam o que havia acontecido com Jesus. Ele fora crucificado! Mas eles não tentaram encobrir a verdade. Em vez disso, Pedro, com ousadia, respondeu: “saibam os senhores e todo o povo de Israel que por meio do nome de Jesus Cristo, o Nazareno, a quem os senhores crucificaram, mas a quem Deus ressuscitou dos mortos, este homem está aí curado diante dos senhores” (v. 10).

Se tivéssemos estado no lugar de Pedro, o que teríamos feito? Creio que a resposta a essa pergunta está na forma como lidamos com as pequenas provas hoje. Quando alguém questiona nossas crenças, nosso estilo de vida, ou nossa fé, tentamos esconder o fato de que somos cristãos adventistas do sétimo dia, ou aproveitamos a oportunidade para compartilhar com ousadia a respeito do nosso Senhor e Salvador e as verdades de Sua Palavra?

Está chegando a hora em que todos os cristãos fiéis serão levado aos tribunais por causa de sua fé. Na verdade, muitos de nossos irmãos ao redor do mundo já estão experimentando este tipo de provação. Mas a Bíblia nos diz: “Amados, não se surpreendam com o fogo que surge entre vocês para os provar, como se algo estranho lhes estivesse acontecendo. Mas alegrem-se à medida que participam dos sofrimentos de Cristo, para que também, quando a sua glória for revelada, vocês exultem com grande alegria” (1 Pedro 4:12, 13, NVI).

Em Mateus 10:32 somos lembrados das palavras de Jesus: “Quem, pois, me confessar diante dos homens, eu também o confessarei diante do meu Pai que está nos céus” 

O objetivo da nossa vida deve ser esse: obter a aprovação de Deus e não dos homens. Portanto, não importa o que aconteça, seja fiel a Deus hoje!

Melody (Melodious Eco) Mason
Líder do Ministério de Oração ARME

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/4/
Traduzido por JDS/JAQ
Texto bíblico: Atos 4
Comentário em áudio



Atos 4 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
2 de fevereiro de 2015, 0:00
Filed under: cura, testemunho
1 Falavam eles ainda. Nesta época e mesmo depois, as atividades dos apóstolos interessavam profundamente às hostis autoridades judaicas. A notícia da cura do coxo deve ter se espalhado com rapidez pela cidade e, pela primeira vez desde a crucifixão, os líderes do Sinédrio que condenaram o Senhor, entraram em contato novamente com o cristianismo. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 154.
2 Anunciarem, em Jesus, a ressurreição. Os apóstolos pregavam a doutrina da ressurreição “em Jesus”, isto é, falando de Sua ressurreição, a qual servia de prova da ressurreição geral dos mortos, doutrina que os saduceus rejeitavam. CBASD, vol. 6, p. 155.
4 Porém aceitaram. Os novos cristãos não se deixaram deter pela prisão dos apóstolos. Creram em Jesus, a quem Pedro havia anunciado como o profeta predito por Moisés. Cada indivíduo que creu passou a fazer parte do crescente grupo de conversos que aderiu à igreja. CBASD, vol. 6, p. 156.
7 Com que poder[…]? Os líderes admitiam que o coxo fora curado por uma manifestação de poder, era algo óbvio demais para se negar. Mas a pergunta lançava a suspeita de que o milagre fora resultado de poder do mal, uma sugestão semelhante à acusação lançada sobre Jesus. CBASD, vol. 6, p. 157.
8 Autoridades do povo. O cristão deve demonstrar respeito pelas autoridades (Mt 22:21; Rm 13:7; I Pe 2:13-17). CBASD, vol. 6, p. 157.
10 A quem vós crucificastes. Há uma ousadia surpreendente nesta declaração. Pedro não hesita em declarar que, embora Pilatos tenha dado a sentença formal, foram eles, os homens que o interrogavam, é que haviam crucificado Jesus. Ele não se intimidou em confessar que o Nazareno era o Messias. Pedro proclama que Cristo
ressuscitara dos mortos e continuava a curar assim como no período que passou na Terra. 
CBASD, vol. 6, p. 158.
12 Nenhum outro nome. Pedro havia aprendido a ligar ao nome a personalidade e o poder de quem tinha o nome. Para quem o conhecia e aceitava, o nome de Jesus Cristo era a única fonte de livramento e salvação. CBASD, vol. 6, p. 158.
13 Pedro e João. O autor não relata João falando, mas, sem dúvida, por seu porte e influência, ele também revelou coragem. CBASD, vol. 6, p. 159.
16 Não o podemos negar. A estrutura da declaração sugere não só o desejo de negar, mas também a admissão da falta de qualquer poder de fazê-lo. Eles tinham as evidências, mas se recusaram a seguir a conclusão lógica e aceitar o Cristo que demonstrara poder. Tal recusa é pior do que nunca ter ouvido a verdade. CBASD, vol. 6, p. 160.
17. Divulgação. Os líderes temiam que a história do milagre se espalhasse pela cidade e pelo país, resultando na aceitação generalizada de Jesus Cristo como Messias e Filho de Deus. Esta seria a conseqüência lógica e, sem dúvida, muitos foram conduzidos à fé em Cristo dessa maneira. CBASD, vol. 6, p. 160.
20. Nós não podemos deixar de falar. Eles eram apóstolos de Jesus que haviam recebido a ordem expressa de testemunhar dEle. CBASD, vol. 6, p. 161.
24 Levantaram a voz. Depois de ouvir o relato dos apóstolos, os cristãos reunidos ergueram a voz em louvor e adoração ao Deus que interviera de maneira tão marcante. CBASD, vol. 6, p. 162.
31 Tremeu o lugar. Ao se levar em conta outras manifestações da presença do Espírito de Deus, pode-se concluir que este tremor não foi um terremoto, mas um evento sobrenatural. Foi uma renovação da maravilha ocorrida no dia de Pentecostes. CBASD, vol. 6, p. 164.
33 Com grande poder. O testemunho dos apóstolos não era apresentado na forma que eles próprios possuíam, mas num poder que jamais poderiam criar dentro de si. O Espírito divino, doador de energia, estava neles. CBASD, vol. 6, p. 165.

36 Barnabé. Esta é a primeira referência a Barnabé, o homem que viajaria com Paulo na primeira jornada missionária. […] Era parente de João Marcos (Cl 4:10), que habitava em  Jerusalém (At 12:12). CBASD,
vol. 6, p. 166.



Compilado por TatianaW




%d blogueiros gostam disto: