Reavivados por Sua Palavra


O Evangelho de Lucas by Jeferson Quimelli
16 de dezembro de 2014, 21:12
Filed under: Evangelho, salvação | Tags: ,

Autor
O consenso antigo e unânime da tradição cristã aponta Lucas como o autor do evangelho que leva seu nome. … Tertuliano (c. 160 – c. 220 d.C.) mencionou Paulo como o “iluminador” de Lucas, isto é, aquele que o encorajou e lhe forneceu grande parte da informação contida nos seus escritos. … Não há evidência que aponte a qualquer outro autor, a não ser Lucas. … O contexto de Colossenses 4:11 a 14 parece indicar que Lucas não era judeu, mas gentio, porque ele não é alistado entre os homens da circuncisão, mas com outros que eram conhecidos como gentios. … Eusébio [História Eclesiástica iii. 4.6] descreve Lucas como “antioquiano por raça e médico por profissão”. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 727.

Data
Provavelmente [Lucas] escreveu seu evangelho entre os anos de 64 e 70 d.C. Pouco depois, também escreveu o livro de Atos. Bíblia Shedd.

Estudiosos conservadores geralmente datam o evangelho de Lucas não muito depois de 63 d.C, pelas seguintes razões: O livro, aparentemente, foi escrito antes de Atos (ver At 1:1). O final abrupto de Atos geralmente é considerado uma evidência que este livro foi escrito durante a época do aprisionamento de Paulo em Roma, em aproximadamente 61-63 d.C., possivelmente logo depois de sua chegada naquela cidade. A explicação mais simples para o fim abrupto é que Lucas não escreveu mais porque, na época, não havia mais nada a dizer. É improvável que o julgamento, libertação, nova detenção, condenação e execução de aulo teriam sido omitidos do registro de Atos se esses eventos já tivessem ocorrido na época da composição do livro. CBASD, vol. 5, p. 728.

Análise
O grande tema do Evangelho de Lucas é: Jesus Cristo é o Salvador Divino. … no primeiro anúncio público que Jesus fez referente á Sua missão, ensinou explicitamente que Ele é o Salvador divino de quem falam as Escrituras do Antigo Testamento (4.17-21). … As palavras de Jesus, em 19.10, “o Filho do homem veio buscar e salvar o perdido”, cristalizam a maravilhosa mensagem do evangelho de Lucas. Bíblia Shedd.

Lucas e Atos podem ser considerados como os volumes 1 e 2 de uma obra que apropriadamente poderia ser intitulada “A origem e o desenvolvimento inicial do cristianismo”. CBASD, vol. 5, p. 727.

A história da vida de Jesus na terra é o primeiro volume de uma obra de dois volumes. O segundo volume, Atos dos Apóstolos, continua a impressionante história ao contar a continuação da obra de Jesus pelos Seus seguidores nos anos após Sua ascensão. Andrews Study Bible.

Mateus apresenta Jesus como o grande Mestre, o intérprete da verdade divina. Marcos O apresenta como o Homem de ação e enfatiza Seus milagres como manifestação do poder divino atestando Sua Messianidade. Lucas mostra Jesus em íntimo contato com as necessidades das pessoas, enfatizando o aspecto humano de Sua natureza, e O apresenta como o amigo da humanidade. João apresenta Jesus como o Filho do Deus. CBASD, vol. 5, p. 728.



Lucas 1 by Jeferson Quimelli
16 de dezembro de 2014, 1:00
Filed under: confiança em Deus, , testemunho | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Lucas escreve o seu Evangelho para um novo cristão chamado Teófilo, com o objetivo de que ele tivesse certeza das coisas que lhe haviam sido ensinadas (Lc 1:4). Tente ler o Evangelho de Lucas como se você fosse Teófilo, abrindo a carta de Lucas pela primeira vez. Pergunte a si mesmo como cada história contada por Lucas lhe traz argumentos “para que tenhas a certeza” que Jesus é o seu Salvador. Lucas chama seu Evangelho “um relato ordenado” (Lucas 1:3 NVI) da vida de Jesus. Sua ordem é um pouco diferente de Mateus ou Marcos, mas, no geral, ainda é cronológica. 

Ela começa com o justo e velho sacerdote chamado Zacarias, que duvida da boa notícia do arcanjo Gabriel de que sua esposa Isabel, que já havia passado da idade fértil, dará à luz um filho, a quem eles devem chamar João, que vai anunciar a vinda de um Salvador (Lucas 1:5-25). Em seguida, Lucas contrasta a dúvida de Zacarias com a fé de uma jovem virgem, Maria, que crê quando Gabriel, seis meses depois, diz a ela que ela vai conceber através do Espírito Santo e dar à luz o Salvador, Jesus (versos 26-39 ). 

Zacarias tinha todos os motivos para acreditar e Maria tinha todas as razões para duvidar das palavras de Gabriel. Gabriel apareceu a Zacarias, no lado direito do altar do incenso, o lado que indicava favor. Como sacerdote, Zacarias conhecia a história de Sara dando a Abraão um filho, mesmo sabendo que ela tinha passado da idade fértil. Mas, como Abraão, o sacerdote Zacarias duvidou da promessa de Deus, perguntando a Gabriel, “Como posso ter certeza disso?” (Lc 1:18 NVI). 

A nossa facilidade ou dificuldade para acreditar tende a influenciar a nossa fé na capacidade de Deus. Gabriel aconselhou Zacarias a não se demorar nas impossibilidades, mas, sim, na promessa de Deus: “Sou Gabriel, o que está sempre na presença de Deus. Fui enviado para lhe transmitir estas boas novas” (Lc 1:19 NVI) . 

Por outro lado, quando Gabriel veio atá Maria, ele lhe pediu para acreditar em algo que nunca tinha acontecido antes, um nascimento virginal. Maria simplesmente perguntou: “Como acontecerá isso, se sou virgem?” (Lc 1:34 NVI). Após a explicação de Gabriel, Maria respondeu: “que aconteça comigo conforme a tua palavra” (Lc 1:38 NVI). 

Ao ler Lucas 1, pergunte-se se você realmente acredita que “nada é impossível para Deus” (verso 37 NVI). Se, como Zacarias, você é tentado a duvidar das promessas de Deus, se algumas coisas parecem impossíveis de acreditar, procure por áreas em sua vida em que o poder de Deus já trabalhando. 

Na circuncisão de seu filho, Zacarias obteve toda a prova que precisava. Então, quando eles lhe pediram para dar nome a seu filho, ele escreveu com confiança o nome que Gabriel já tinha dado antes: “O nome dele é João” (verso 63 NVI). 

Ore para que Deus lhe dê fé para também acreditar nas Suas promessas e na  promessa da Segunda Vinda de Jesus. 

Douglas Jacobs
Professor de Ministério e Homilética
Universidade Adventista do Sul

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/luk/1/ 

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Marcos 10 

Comentário em áudio 



Lucas 1 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
16 de dezembro de 2014, 0:00
Filed under: adoração, Espírito Santo, Evangelho | Tags: , , , , ,

1 muitos. Não se sabe quem são; provavelmente um deles seria Marcos. Outras fontes se perderam. A inspiração dos autores bíblicos não nega o uso de fontes informativas, o que ele garante é a infalibilidade e a veracidade da narrativa. Bíblia Shedd.

Muitos escritos da igreja se perderam. Bíblia de Genebra.

2 transmitidos. Termo técnico que significa passar adiante informações como tradição autorizada. Bíblia de Estudo NVI Vida.

testemunhas oculares. Refere-se aos apóstolos (cf Jo 21.24; At 10.39; 1Jo 1.1-3). Lucas, humilde e honestamente, admite que não foi um deles. Mesmo assim, ele trata de fatos realizados entre nós, i. e., dos quais tinha perfeita certeza por contato pessoal. Bíblia Shedd.

3 investiguei tudo cuidadosamente. O relato de Lucas era exato nos pormenores históricos, tendo sido averiguado em todos os aspectos. A inspiração pelo Espírito Santo não excluiu o esforço humano. O relato é completo e remonta até o próprio começo da vida terrestre de Jesus. A disposição do material é ordeira e significante, sendo na maior parte cronológica. Bíblia de Estudo NVI Vida.

refere-se à cuidadosa pesquisa de Lucas nos eventos da vida de Jesus. Andrews Study Bible.

desde sua origem. Ele foi às raízes, ao começo do movimento cristão, aos eventos que cercaram o nascimento do próprio Jesus. Bíblia de Genebra.

4 foste instruído. Do gr katecheo, “instruir” ou “ensinar oralmente”; literalmente, “parecer sobre”. Katecheo é a origem da palavra portuguesa “catequese”. É traduzido como “informado” (At 21:21) e “instruído” (At 18:25; Gl 6:6). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 734.

5 ZacariasIsabel. Ambos eram de descendência sacerdotal, da linhagem de Arão. Bíblia de Estudo NVI Vida.

grupo sacerdotal de Abias. Desde os tempos de Davi, os sacerdotes estavam organizados em 24 divisões, e Abias era um dos “líderes das famílias dos sacerdotes” (Ne 12.12; v 1Cr 24.10). Bíblia de Estudo NVI Vida.

O turno de Abias era o oitavo dos vinte e quatro turnos (1Cr 24.10). Bíblia de Genebra.

9 um dos deveres do sumo sacerdote era manter o incenso queimando no alter diante do Santo dos Santos. Colocava ali incenso novo antes do sacrifício da manhã, e mais uma vez depois do sacrifício da tarde (Êx 30.6-8). Em geral, seria muito raro um sacerdote ter este privilégio, e talvez até mesmo nunca o tivesse, pois a determinação das tarefas se fazia por lançamento de sortes. Bíblia de Estudo NVI Vida.

13 João. Significa “o Senhor é gracioso”. Bíblia de Genebra.

15 vinho. O fato de ele não ingerir bebidas alcoólicas leva muitos a pensar que ele seria nazireu, porém Lucas não diz isto e não há referência aos cabelos que não deveriam ser cortados. É mais provável que João tivesse uma posição única, não sendo sacerdote nem nazireu. Ele é a única pessoa, no Novo Testamento, de quem se diz ter sido cheio do Espírito Santo, desde o nascimento. Bíblia de Genebra.

17 para converter os corações dos pais aos filhos. Ele restaurará a unidade das famílias rompidas, desagregadas pelo efeito do pecado. (Êx 34.7). Bíblia de Genebra.

18 Como posso ter certeza disso? Zacarias pediu um sinal. Bíblia de Estudo NVI Vida.

21 o povo esperava por Zacarias. Todos esperavam que ele saísse do Lugar Santo  proferisse a bênção arônica (Nm 6.24-26). Bíblia de Estudo NVI Vida.

25 opróbrio [“desonra”, “infâmia”]. A esterilidade, para os judeus, era sinal de desfavor por parte de Deus e um opróbrio aos olhos dos homens (Gn 16.2; 30.23). Bíblia Shedd.

27 Desposada significava uma promessa inviolável. A infidelidade era punida com a morte (cf Dt 22.23, 24).  Bíblia Shedd.

28 Alegre-se! (NVI).Na Vulgata latina, essa palavra é Ave (de onde provém “Ave Maria”). Bíblia de Estudo NVI Vida.

muito favorecida! (ARA). Literalmente, “dotada com graça”. Esta expressão designa Maria como quem recebia o favor divino ou a graça, não a despenseira dela. … A exaltação católica de Maria não tem base na Escritura. Está fundada completamente em lendas fantásticas dos evangelhos apócrifos, aos quais até os católicos negam um lugar no cânon sagrado. Nos primeiros séculos cristãos, essas lendas foram combinadas com mitos pagãos a respeito da Rainha dos Céus oriental (ver Jr 7:18; 44:17, 18, etc.), consorte dos deuses e da Magna Mater ou Grande Mãe, da Ásia Menor. O conceito católico de Maria como a “mãe de Deus” é basicamente pouco mais que esta divindade pagã vestida na terminologia cristã, transformada em dogma no Concílio de Éfeso, em 431 d.C. Éfeso foi o lar de Diana, do gr. Artemis; … uma deusa mãe asiática algumas vezes identificada com a “Grande Mãe”. CBASD, vol. 5, p. 746.

Maria era humilde e ficou perplexa, porque o anjo lhe disse que ela era “muito favorecida” (tradução correta da palavra às vezes traduzida por “cheia de graça”). A expressão indica que Maria recebeu graça e não que ela era fonte de graça para outros. Bíblia de Genebra.

31 Jesus. O nome significa “Javé é Salvação”. Bíblia de Genebra.

33 para sempre. V. Sl 45.6; Ap 11.15. Seu reino jamais terá fim. Embora o papel de Cristo como mediador chegue ao fim (v. 1Co 15.24-28), o reino unificado do Pai e do Filho nunca terá fim. Bíblia de Estudo NVI Vida.

34 Como será isto? Maria não duvida como Zacarias; só deseja saber como acontecerá. Bíblia Shedd.

34 não tenho relação com homem. Isto é, relação sexual. … O modo dela de expressar esse fato é o idiomatismo hebraico comum para a castidade pré-marital (ver Gn 19:8; Jz 11:39; etc.). … A tentativa de ler um voto de virgindade perpétua nessas palavras de Maria é completamente injustificada … Permanecer virgem perpetuamente era considerado pelos judeus como uma reprovação, não uma virtude. … (ver Gn 30:1; 1Sm 1:4-7; etc.). A ideia de que ela permaneceu sempre virgem surgiu nos séculos posteriores, possivelmente de um sentido pervertido do que constitui a virtude. Acreditar dessa forma indica que o lar, uma instituição divinamente ordenada, não representa o ideal supremo da vida social. CBASD, vol. 5, p. 749.

Maria percebeu … que o anjo queria significar algo miraculoso – uma gravidez sem pai humano. A concepção virginal é uma ideia distintivamente cristã. Paralelos gregos, às vezes citados, relatam estórias de deuses que tiveram relação sexual com mulheres. Bíblia de Genebra.

Como será isto? Maria não duvida como Zacarias; só deseja saber como acontecerá. Bíblia Shedd.

36 tua parenta. Isabel – e portanto, Maria também – era descendente de Arão (v. 5). A referência a “Davi, seu pai” (v. 32) mostra que Maria também era de descendência davídica. Bíblia de Genebra.

37 nada será impossível (NKJV). Como Deus havia mostrado, há muito tempo, para Sara, outra mulher sem filhos. Andrews Study Bible.

41 possuída do Espírito Santo. A ênfase de Lucas sobre o Espírito é notável, não só no evangelho mas também em Atos (53 vezes nos dois livros). Bíblia Shedd.

A obra do Espírito Santo é destacada do começo ao fim dos escrito de Lucas (v. 15; At 28.25). Andrews Study Bible.

46 engrandece. Donde vem o nome deste cântico de Maria, o Magnificat, (46-55) da versão latina. Bíblia Shedd.

46-55 Um dos quatro hinos preservados em Lc 1 e 2 (cf. v. 68-79; 2.1-4; 2.29-32 e notas). Esse hino de louvor é conhecido como Magnificat, porque na tradução em latim, a Vulgata, a primeira palavra é Magnificat, que significa “engrandece”. Esse cântico é semelhante a um salmo e deve também ser comparado ao cântico de Ana (1Sm 2.1-10; v. nota em 1Sm 2.1). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Este cântico de louvor … é revolucionário em sua preocupação com os pobres e desprezados deste mundo e em sua rejeição do rico e orgulhoso. Bíblia de Genebra.

48 humildade. Do gr tapeinoses, “baixeza”, “baixa condição” ou “humilhação”. A palavra se refere à modesta condição social de Maria e não ao seu espírito de humildade. CBASD, vol. 5, p. 753.

Humildadeé uma referência à posição humilde que ela ocupava na sociedade. Bíblia Shedd.

bem-aventurada. Gr makariousin, “reconhecer felicidade”. Isabel fez uma felicitação a Maria (42), porém é pecaminoso o louvor dado a Maria, pois este pertence somente a Deus (cf 11.27, 28). Bíblia Shedd.

50 aos que O temem. Os que reverenciam a Deus e vivem em harmonia com a Sua vontade. Bíblia de Estudo NVI Vida.

temem. Palavra que descreve a piedade no AT (cf Sl 111.10). Bíblia Shedd.

53 famintos. Tanto física quanto espiritualmente (Mt 5.6; Jo 6.35). A vinda do reino de Deus produzirá mudanças em todas as áreas da vida. Bíblia de Estudo NVI Vida.

59 oitavo dia. A circuncisão judaica ocorrida no oitavo dia (Gn 17.12); porém esta é a primeira evidência do costume de dar nome à criança naquele dia. Bíblia de Genebra.

63 tabuinha. Nos tempos antigos usava-se um pedacinho de madeira coberta de cera e um buril [instrumento de metal de ponta cortante] para escrever notas. Bíblia Shedd.

65 possuídos de temor. Não terror, mas profundo temor e reverência religiosos. CBASD, vol. 5, p. 757.

por toda a região montanhosa da Judeia foram divulgadas. isto é, a região ao redor do lar de Zacarias e Isabel. CBASD, vol. 5, p. 757.

67 Zacarias, … cheio do Espírito Santo. O cântico de Zacarias é sacerdotal no teor e apropriado a um filho de Arão, assim como o cântico de Maria é régio e apropriado a uma filha de Davi. As frases sugerem que Zacarias passou o tempo anterior ao nascimento de João em estudo diligente do que os profetas escreveram sobre o Messias e sobre a obra de Seu predecessor. CBASD, vol. 5, p. 757.

cheio do Espírito Santo. Indica a natureza profética do cântico. Bíblia Shedd.

68-79 Esse hino é chamado Benedictus (“Louvado seja”), porque a primeira palavra na Vulgata latina é Benedictus. Enquanto o Magnificat … se assemelha a um salmo, o Benedictus é mais semelhante a uma profecia. Bíblia de Estudo NVI Vida.

69 poderosa [salvação]. Lit. “chifre”. Era um símbolo de força. Bíblia de Genebra.

“Ele erigiu um chifre de salvação”. Nota textual NVI.

Denota a força tipificada no chifre de um animal (Dt 33.17; Sl 22.21; Mq 4.3). Jesus, o Messias da casa de Davi, tem poder para salvar. Bíblia de Estudo NVI Vida.

78 entranhável misericórdia. Ver Fp 2:1; Cl 3:12. Os gregos acreditavam as “entranhas” (o abdômen) como o centro das emoções: ira, ansiedade, compaixão e amor. CBASD, vol. 5, p. 760.

80 até o dia em que havia de manifestar-se. João era de descendência sacerdotal e como estipulado pela lei de Moisés, um sacerdote deveria iniciar seu ministério na idade aproximada de 30 anos (ver com. de Nm 4:3). É possível que João tenha se “manifestado” quando tinha 30 anos, assim como Jesus quando iniciou Seu ministério (ver com. de Lc 3:23). CBASD, vol. 5, p. 762.




%d blogueiros gostam disto: