Reavivados por Sua Palavra


II REIS 15 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
7 de dezembro de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

II REIS 15 – A bênção de um Deus gracioso e misericordioso nem sempre é positiva para um povo que está alheio aos Seus nobres princípios.

O grande sucesso militar e econômico tanto de Israel quanto de Judá não foi reconhecido como a poderosa e graciosa mão de Deus. Por isso, não houveram resultados positivos no quesito espiritual.

“Esse período de prosperidade não foi acompanhado de fidelidade à aliança, um fato que o [texto] deixa claro (II Reis 14:24; 15:4), e profetas canônicos daquela era, como Amós e Oséias, enfatizam. Sem renovação espiritual, a prosperidade é apenas uma bênção antes de consequências terríveis, pois, conforme observado por Noth, ‘o grande poder da Assíria pairava sinistramente ao fundo’. Um impressionante instrumento de destruição logo estaria pronto para castigar o povo desobediente. Após a morte de Jeroboão II… Israel experimenta uma série de monarcas que reinaram por pouco tempo. Intriga e engano provocaram o caos em Samaria exatamente quando Tiglate-Pileser III (c. 745-717 c.C.) transforma a Assíria numa potência mundial aventureira, conquistadora, ocupadora, exiladora e assassina. Em vinte anos cinco reis governaram Israel, mas nenhum deles faz qualquer coisa para investigar a derrocada moral da nação (II Reis 15:8-31). Nesse ínterim, a situação é ligeiramente melhor em Judá basicamente devido à liderança moral de Uzias e Amazias (15:1-7). Assim mesmo, como os lugares altos não foram removidos de Judá, as sementes da destruição existem para ambos os reinos”, analisa Paul House.

Nem Azarias nem Jotão de Judá eliminaram os “altos”, consequentemente o povo permanecia sacrificando e queimando incenso nos altos (II Reis 15:4, 35). Ali se sacrificavam aos ídolos e às vezes ao Deus verdadeiro. Fazer o bem, sem eliminar completamente o mal não agrada totalmente a Deus!

Sempre há consequências quando não priorizamos Deus (II Reis 15:5). A lepra de Amazias era advertência ao povo de Deus, e também a nós:
• Quase fiel, não é fiel;
• Quase íntegro, não é íntegro;
• Quase consagrado, não é consagração;
• Quase puro, ainda é impuro;
• Quase salvo, é totalmente perdido.

Se líderes do povo de Deus não agem para eliminar o erro radicalmente, o povo fica confuso, perdido… despencando para a ruína!

Nossa entrega a Deus precisa ser total para que nossa espiritualidade não seja meramente parcial.

Então, precisamos reavivarmo-nos! – Heber Toth Armí.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: