Reavivados por Sua Palavra


1 SAMUEL 16 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
22 de setembro de 2022, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO 1 SAMUEL 16 – Primeiro leia a Bíblia

1 SAMUEL 16 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL

1 SAMUEL 16 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



1 SAMUEL 16 by Luís Uehara
22 de setembro de 2022, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/1sm/16
Leituras auxiliares recomendadas: A Unção de Davi  e Davi e Golias

Samuel ficou com muita pena de Saul. Deus também se entristeceu por Saul ter sido uma vez ungido rei sobre o seu povo. Mas agora que Saul se fizera rebelde, não havia nada a fazer a não ser ungir outro rei – como Deus disse, “um vizinho seu, melhor do que você”.
Mas quem? Samuel não sabia. Então Deus o enviou a Belém para conhecer os filhos de Jessé. Eles desfilaram diante do profeta.

“Ohhh! – esse parece bom! Alto, bonito … ele seria um ótimo substituto para Saul!” Mas Deus sussurrou no coração de Samuel: “Não preste atenção ao exterior. Este não é o homem. Eu estou observando mais fundo do que você pode ver. O coração, o ser interior, é o que mais importa. Continue procurando!”

Mais seis filhos se apresentaram diante do homem de Deus. Com cada um deles, Deus disse a Samuel: “Não, não é este… ou este… ou o próximo. Vejo elementos faltando no caráter.”

Por fim, Samuel disse a Jessé: “Por acaso você tem mais filhos?” “Bem, sim … há o pequeno Davi, o mais novo, que está cuidando das ovelhas. Mas se esses rapazes robustos não te agradaram, eu não sei o que você veria em Davi para se agradar dele”.

“Mande chamá-lo!”

E Deus viu em Davi um homem segundo o seu próprio coração.

Virginia Davidson
Artista (projetista e construtora de vitrais)
Igreja Adventista do Sétimo Dia de Spokane Valley
Washington, EUA.

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/1sa/16
Tradução: Pr. Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



I SAMUEL 16 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
22 de setembro de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

680 palavras

2 Saul […] me matará. A estrada entre Ramá (onde Samuel estava, 15.34) e Belém passava por Gibeá de Saul. Saul já sabia que o Senhor escolhera alguém para substituí-lo como rei (15.28). Samuel teme que os ciúmes incitem Saul à violência. Incidentes posteriores (18.10,11; 19.10; 20.33) demonstram que os temores de Samuel eram bem fundamentados (Bíblia de Estudo NVI Vida).

Santificai-vos. Consistia em mudar de roupa, lavar os corpos e preparar as mentes para a meditação e oração (Êx 19.14-15). Bíblia Shedd.

14 O Espírito do Senhor se retirou de Saul. Ver Jz 16.20. Quando o Espírito se retirou de Saul e se apoderou de Davi (v.13), as respectivas carreiras contrastantes dos dois foram determinadas (Bíblia de Estudo NVI Vida).

Saul rejeitou o Espírito de Deus – cometeu o pecado imperdoável – e não havia nada mais que Deus pudesse fazer por ele. O Espírito do Senhor não se retirou de Saul de maneira arbitrária. Em vez disso, Saul se rebelou contra a orientação divina e, por vontade própria, se afastou da influência do Espírito. É preciso compreender isso em harmonia com o Salmo 139:7 e com o princípio fundamental do livre arbítrio. Se Deus, por meio do Espírito Santo, forçasse Sua presença na vida de Saul, a despeito dos desejos do monarca, estaria transformando-o numa mera máquina (CBASD-Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, Vol. 2, p. 569).

um espírito maligno, vindo da parte do Senhor. Enquanto o Espírito de Deus estava com Davi, Saul começava a experimentar sérias desordens mentais. Espíritos malignos estão sujeitos ao controle de Deus (1Rs 22:19-23) (Andrews Study Bible).

Às vezes, as Escrituras representam Deus fazendo algo que, na verdade, Ele não impediu. Ao dar a Satanás oportunidade de demonstrar seus princípios, na verdade, o Senhor estaria restringindo Seu próprio poder. É claro que há limites que o inimigo não pode ultrapassar (ver Jó 1:12) (CBASD, Vol. 2, p. 569).

o atormentava. As crescentes tendências de Saul à depressão, aos ciúmes e à violência eram ocasionadas, por certo, pelo conhecimento que tinha da sua rejeição como rei (13.13,14; 15.22-26; 18.9; 20.30-33; 22.16-18) e por sua consciência da crescente popularidade de Davi, mas um espírito maligno também estava em jogo nessas aberrações psicológicas (ver 18.10-12; 19.9,10) (Bíblia de Estudo NVI Vida).

Josefo descreve o mal da seguinte maneira: “E quanto a Saul, algumas desordens estranhas e demoníacas lhe sobrevieram, provocando-lhe a sensação de sufocamento, como se estivesse pronto a estrangulá-lo” (Antiguidades, vi8.2). Com certeza, uma grave melancolia se desenvolveu à medida que ele se preocupava com o anúncio do profeta de que a coroa fora dada a um homem “melhor” do que ele (1Sm 15:28). A possessão intermitente por um espírito maligno levou Saul a se sentir e agir como uma pessoa demente (CBASD, Vol. 2, p. 569).

16 tu te sentirás melhor. Reconhece-se geralmente o efeito calmante de certos tipos de música sobre o espírito perturbado (ver 2 Rs 3.15). Além desse efeito natural da música, no entanto, parece no presente caso que o Espírito do Senhor estava ativo na música de Davi para suprimir temporariamente o espírito maligno (cf v. 23) (Bíblia de Estudo NVI Vida).

A musicoterapia tinha um efeito calmante sobre Saul. Mais tarde na Bíblia, Davi é descrito como um doce cantor em Israel que compunha salmos (2Sm 23:1) (Andrews Study Bible).

harpa. Ou melhor, “lira”. Saul foi aconselhado a procurar alívio na musicoterapia. O som da lira de Davi e o canto de hinos consagrados proporcionavam a Saul libertação temporária do espírito mau que o atormentava […] Por rejeitar continuamente a orientação divina, ele se tornou como o homem da parábola que Jesus contou sobre a possessão demoníaca (Lc 11:24-26) na qual o “último estado” da alma acabou sendo muito “pior do que o primeiro” (CBASD, Vol. 2, p. 569).

21 Esteve perante ele. Esta declaração não se refere à postura de Davi na presença de Saul, mas que ele entrou no serviço do rei (ver Gn 41:46; Dn 1:19) (CBASD, Vol. 2, p. 570).

23 Saul sentia alívio. Literalmente, “”Saul respirava”. O termo ruach significa “respirar”, “soprar”. O uso do verbo sugere um exalar forte e pronunciado do fôlego, como o que costuma acompanhar o relaxamento após um período de tensão, seguido de respiração normal. Os ataques de possessão demoníaca eram, ao que parece, acompanhados de tensão física e nervosa (CBASD, Vol. 2, p. 570).



1Samuel 16 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
22 de setembro de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração” (v.7).

Ao contrário do procedimento de Saul, “Fez, pois, Samuel o que dissera o Senhor” (v.4). Ao chegar em Belém, logo foi recepcionado por um grupo de anciãos em pânico por sua visita surpresa. Samuel possuía tamanha autoridade espiritual, que sua presença infundia terror aos impenitentes. Com a justificativa de estar ali “para sacrificar ao Senhor” (v.2), a sua declaração de paz foi seguida por um momento de santificação dos anciãos, de Jessé e de seus filhos.

Na companhia de seus sete filhos, Jessé iniciou o desfile de belos homens, a começar pelo mais velho, o que aparentemente mais se assemelhava a Saul. Pensando estar diante do futuro rei, Samuel teve sua concepção interrompida pelo princípio que rege a eleição divina: “O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração” (v.7). E o mais jovem e preterido entre os irmãos foi indicado pelo próprio Deus com as palavras: “este é ele” (v.12).

O livre arbítrio é a chave de acesso ou de restrição à atuação divina. Pela desobediência às ordens de Deus, Saul se tornou mais e mais obstinado. A sua perda maior não foi a do trono de Israel, mas em ter destronado o Senhor de seu coração, de forma que “um espírito maligno o atormentava” (v.14). O seu lenitivo seria justamente aquele que ocuparia a sua função e Saul “amou muito” a Davi “e o fez seu escudeiro” (v.21).

A genuína conversão não é obra de um momento apenas, mas deve ser confirmada pela santificação diária. O crescimento na graça de Cristo consiste em seguir os Seus passos, buscando uma vida de integridade diante do Senhor e diante dos homens. Enquanto a fama de Saul era de um rei atormentado, Davi era conhecido como: “que sabe tocar e é forte e valente, homem de guerra, sisudo em palavras e de boa aparência; e o Senhor é com ele” (v.18). Deus permitiu que um espírito maligno atormentasse Saul não para destruí-lo, mas para que Saul se humilhasse e se voltasse para o Senhor em busca de socorro e livramento. O que, infelizmente, não aconteceu por causa da dureza do seu coração.

Deus nos chama para sermos Seus fiéis representantes. Mas antes da obra exterior, deve haver uma mudança interior. Primeiro vem o reavivamento, depois a reforma. Quando esta ordem não é seguida, não há crescimento espiritual e corremos o sério risco de apenas aparentar um cristianismo que não tem essência. Mais do que os olhos humanos podem enxergar, seja a nossa vida um vaso escolhido para a glória de Deus, de modo que, pela fé, ouçamos as palavras de aprovação divina a nos dizer: “este é ele” (v.12), “esta é ela”. Para tanto, vigiemos e oremos!

Bom dia, escolhidos do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#1Samuel16 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



I SAMUEL 16 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
22 de setembro de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

I SAMUEL 16 – O exclusivismo não caracteriza o caráter do Deus da Bíblia. A religião bíblica não estreita a mente, pelo contrário, expande-a.

Note que Saul pertencia à tribo de Benjamim, de família nobre e rica (I Samuel 9:1-2); entretanto, a revelação apontava a realeza para a tribo de Judá (Gênesis 49:10). Saul fora escolhido por Deus conforme o perfil apreciado pela visão humana (I Samuel 10:23-24), mas Davi seria escolhido segundo o coração de Deus (I Samuel 13:13-14).

Jessé, pai de Davi, “foi descendente de Judá e neto de Boaz e Rute (Rt 4:18-22; Mt 1:2-5; Lc 3:32). Jessé teve oito filhos, dos quais Davi era o mais jovem (1Sm 17:12-14). A lista em 1 Crônicas 2:13-15 menciona apenas sete, mas o oitavo parece ter sido Eliú, que pode ter morrido sem deixar descendência (1Cr 27:18). Jessé também teve duas filhas, ou, talvez, enteadas (1Cr 2:16; cf. 2Sm 17:25). Jessé e sua família viviam em Belém quando Samuel, por ordem divina, foi ungir Davi como futuro rei de Israel (1Sm 16:1-13)”; assim, o Dicionário Bíblico Adventista amplia nossa compreensão da família do adolescente que fora ungido para ocupar o lugar do indisciplinado rei Saul (I Samuel 16:14-23).

Curiosamente, baseado na genealogia de Cristo, em Mateus 1:5, “é possível que a mãe de Boaz seja Raabe, a prostituta de Jericó (Js 2); isso pode significar que [o avô de Davi teve] tanto uma mãe como uma esposa gentia”, observa Boyd Luter.

Considerando estas peculiaridades, considera-se que o rei ancestral do Messias não era israelita puro. Ironicamente, Davi não sendo puramente israelita foi mais íntegro diante de Deus do que Saul, que era israelita puro.

Isso não é algo novo; pois, Calebe era líder representante da tribo de Judá, sendo seu pai quenezeu (Números 32:12), uma “tribo ou subtribo de Canaã… mencionados, pela primeira vez, entre os possuidores de Canaã no tempo de Abraão (Gn 15:19)… Acredita-se que os quenezeus também estivessem relacionados com os queneus”, (Dicionário Bíblico Adventista), os quais foram preservados por Saul (I Samuel 15:6).

Note que a visão de Deus é bem mais abrangente que a nossa percepção; por isso, precisamos de Sua revelação para reformular nossa cosmovisão da vida, da religião e da salvação.

Deus quer alcançar mais pessoas! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: