Reavivados por Sua Palavra


Juízes 20 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
1 de setembro de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Tornaremos a sair ainda a pelejar contra os filhos de Benjamim, nosso irmão, ou desistiremos? Respondeu o Senhor: Subi, que amanhã Eu os entregarei nas vossas mãos” (v.28).

Ao espalhar entre as tribos de Israel as partes do corpo de sua concubina, o levita provocou grande revolta. De maneira que “todo o povo se levantou como um só homem” (v.8). De início, foi pedido que os filhos de Benjamim entregassem apenas os “filhos de Belial” para que estes fossem mortos, mas “Benjamim não quis ouvir a voz de seus irmãos, os filhos de Israel” (v.13). Estava, portanto, instalado o cenário de guerra entre irmãos. Tudo por causa de um levita que foi conivente com a brutalidade cometida contra a sua concubina e que omitiu de seus irmãos tudo que não lhe fosse favorável. Como chefe de família e líder espiritual, seria sua obrigação defender a mulher com a própria vida (Ef.5:25), o que não aconteceu.

A sequência foi a seguinte: primeiro Israel se reuniu como um só homem, ou seja, com um só propósito: vingar a atrocidade cometida pelos benjamitas, confiando apenas na palavra do levita. Antes de consultarem a Deus, consultaram ao homem. Logo após, novamente sem consultar ao Senhor, enviaram mensageiros à Benjamim. Prosseguindo em seus desígnios, declararam guerra. E adivinhem só? De novo, Deus não foi consultado. Apenas quando prontos para a batalha, decidiram ir à presença de Deus. Era como se dissessem mais ou menos assim: “Senhor, já decidimos que vamos para a guerra, só queremos que nos diga quem vai à frente”. Era só isso que eles queriam saber. Então, Deus deu exatamente a resposta que eles desejavam.

Ao voltarem com menos vinte e dois mil homens, choraram perante o Senhor e a pergunta então mudou: “Então, Senhor, podemos voltar à guerra?” “Vão”, respondeu o Senhor. Resultado: mais dezoito mil mortos dos exércitos de Israel. Apenas na terceira vez, Israel fez o que deveria ter feito desde o início: “Então, todos os filhos de Israel, todo o povo, subiram, e vieram a Betel, e choraram, e estiveram ali perante o Senhor, e jejuaram aquele dia até à tarde; e, perante o Senhor, ofereceram holocaustos e ofertas pacíficas” (v.26). E, finalmente, fizeram a pergunta certa: “Tornaremos a sair ainda a pelejar contra os filhos de Benjamim, nosso irmão, ou desistiremos?” E para uma pergunta certa, Deus tem a resposta certa: “Subi, que amanhã Eu os entregarei nas vossas mãos” (v.28).

O mesmo orgulho e espírito competitivo que percebemos naquelas doze tribos, também foi perceptível na vida dos doze discípulos de Jesus. Por vezes indagavam entre si quem seria o maior no Reino dos Céus. Não haviam compreendido a real missão de Cristo na Terra. Mas quando em atitude de humilhação, oraram juntos e ofereceram a Deus a oferta pacífica de um coração entregue à Sua vontade, que, cheios do Espírito Santo, passaram a viver a verdadeira piedade: “Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos” (At.2:46-47).

Unanimidade na oração, eis o segredo da vitória! Foi quando Israel compreendeu isso, que o Senhor venceu por eles. Não permita que seus impulsos o dominem. A vingança, o orgulho e o rancor são armas que matam o próprio agressor. O amor, a paz e a bondade proporcionam cura e libertação. Mas tanto o livramento do que é mau quanto a recepção do que é bom, deve ser resultado de uma vida consagrada a Deus em oração. Foi quando o povo orou que veio a vitória. Foi quando os discípulos oraram que veio o Espírito Santo. Os benjamitas olharam para Israel e viram a face da vitória. As pessoas olharam para os discípulos e viram neles o poder do Espírito de Deus. Se estivermos unidos a Cristo, num mesmo propósito, Ele trará a nossa justiça à luz (Jr.51:10) e seremos Suas testemunhas (At.1:8), anunciando entre as nações a Sua glória (Is.66:19). Assim, “será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim” (Mt.24:14). Vigiemos e oremos!

Bom dia, meus amados irmãos em Cristo!

Rosana Garcia Barros

#Juízes20 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: