Reavivados por Sua Palavra


ATOS 05 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
31 de julho de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Ide e, apresentando-vos no templo, dizei ao povo todas as palavras desta Vida” (v.20).

Com um só coração e alma, os apóstolos e demais membros da igreja primitiva estavam vivendo, na prática, o evangelho do reino. Vendendo suas propriedades, os valores eram entregues “aos pés dos apóstolos” (v.2), que distribuíam aos que tinham necessidade. Aquela obra era prova da mudança efetuada na vida dos novos conversos. Estava enraizado como doutrina entre os judeus que a prosperidade em todos os sentidos era sinal da aprovação de Deus, considerando os doentes e os pobres alvos da ira divina contra os seus pecados. A igreja cristã, porém, cheia do poder do Espírito Santo, compreendeu o cerne do evangelho, que não se trata de uma próspera aparência, mas de ter Jesus Cristo e Suas palavras atuando na vida de forma que esta se torne tão-somente uma manifestação da vontade de Deus.

Ananias e Safira representam uma classe de professos cristãos que não entregaram o coração aos cuidados do Espírito Santo, de forma que, “levando o restante” (v.2), buscam aparentar aquilo que não possuem. Deus não exigiu dos novos conversos a venda de suas propriedades. Houve, contudo, uma obra do Espírito nos corações. Ao reter parte do valor da propriedade, Ananias “em acordo com sua mulher” (v.2) impediram a obra do Espírito Santo e permitiram que Satanás lhes enchesse o coração. Atitudes como esta não são tomadas da noite para o dia. Antes, são o resultado da rejeição aos apelos divinos e apego ao que é terreno e perecível. Aquele era um momento crucial na história da igreja cristã e o Senhor provou estar à frente de Seu povo lançando fora de Suas fileiras os impenitentes.

A sequência do capítulo toma um rumo completamente diferente de seu início. O contraste entre a covarde infidelidade do obstinado casal e a corajosa fidelidade dos apóstolos aponta para o grande conflito que se avoluma à medida em que nos aproximamos do fim. A generosidade dos novos conversos não visava promover a si mesmos, e sim a felicidade e bem-estar do outro. Sua bondade e discrição eram sinais evidentes da obra do Espírito Santo no coração. Não precisamos acender luzes em nossa direção. Precisamos permitir que o Espírito Santo acenda a luz de Cristo em nosso coração, santificando nossas intenções, palavras e ações. Então, tudo o que fizermos será uma clara manifestação de “todas as palavras desta Vida” (v.20).

É impossível silenciar aqueles que são guiados pelo Espírito Santo. “Deus outorgou” o dom de Seu Espírito “aos que Lhe obedecem” (v.32). E ainda que perseguidos e severamente provados, são estes que se alegram “por terem sido considerados dignos de sofrer afrontas” (v.41) por causa do nome de Jesus. Como foi com os apóstolos na prisão e no Sinédrio, Deus cuidará de Sua última igreja concedendo-lhe firmeza de caráter e fé inabalável. Neste tempo de oportunidade, enquanto os ventos são retidos pela longanimidade de um Deus de amor, cada dia representa um avanço na vida dos que amam a Deus e buscam a Sua aprovação. Seu lema de vida tem sido: “Antes importa obedecer a Deus do que aos homens” (v.29). E seus passos são guardados e firmados no áureo Caminho seguro.

O Senhor nos diz hoje: “Eu amo os que Me amam, e os que de madrugada Me buscam Me acharão” (Pv.8:17). Muito se fala em pregar o evangelho, e devemos fazê-lo, pois esta é a nossa missão. Mas precisamos lembrar que a primitiva pregação do evangelho não aconteceu até que o poder do Espírito Santo fosse derramado; poder que foi antecedido por um maravilhoso movimento de oração. Se queremos receber a promessa da chuva serôdia, precisamos, a cada dia, ser receptáculos da chuva temporã. Os primeiros raios do sol precisam nos encontrar em nosso lugar de oração a clamar pelo Espírito Santo. A obra do Senhor há de ser finalizada pelo remanescente que sai de seus refúgios de comunhão, “todos os dias”, na igreja “e de casa em casa”, e não cessam “de ensinar e de pregar Jesus, o Cristo” (v.42). Uma obra que abalará o mundo, pois que não é humana, mas divina. Pois se “esta obra vem de homens, perecerá; mas, se é de Deus”, ninguém poderá destruí-la (v.38-39).

Jesus foi exaltado “a Príncipe e Salvador, a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados” (v.31). Como o Israel espiritual de Deus, estamos dispostos a permitir que essa obra aconteça em nós? Estamos dispostos a renunciar tudo aquilo que nos afasta de Deus e dos propósitos que Ele tem em nossa vida? Aqueles homens e mulheres da primitiva piedade entregaram tudo no altar do Senhor, inclusive a própria vida. Que não sejamos achados mentindo “ao Espírito Santo” (v.3) nem tampouco “lutando contra Deus” (v.39). Mas que, cheios do Espírito, façamos parte dos restantes que dirão ao mundo, por preceito e por exemplo, “todas as palavras desta Vida” (v.20), ainda que caiam os céus. Vigiemos e oremos!

Feliz sábado, restantes do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Atos5 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: