Reavivados por Sua Palavra


II Pedro 3 by Jeferson Quimelli

Comentário devocional:

A profecia de Pedro contida neste capítulo se cumpre em nossos dias. Escarnecedores zombam da ideia do retorno literal de Jesus em glória. Até mesmo alguns cristãos abandonaram a ideia de Seu retorno, ignorando o claro ensino de Jesus: “voltarei e os levarei para Mim” (João 14:3 NVI).

Apesar dos escarnecedores e céticos, Pedro nos lembra: “O dia do Senhor … virá.” (v. 10 NVI). Seu retorno glorioso é certo. Jesus prometeu: “Porque assim como o relâmpago sai do Oriente e se mostra no Ocidente, assim será a vinda do Filho do Homem” (Mateus 24:27 NVI).

Ao invés de interpretarmos Seu aparente atraso como uma razão para duvidar, nós reconhecemos que “O Senhor não demora em cumprir a Sua promessa … Ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento” (v. 9 NVI).

Como, então, devemos viver ao esperarmos o retorno glorioso de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo? Pedro nos admoesta com estas palavras: “esperando o dia de Deus e apressando a Sua vinda” (v. 12 NVI). Precisamos manter o foco em Jesus, autor e consumador da nossa fé, e nos unirmos a Ele em Sua missão. Ouça estas palavras de Jesus aos Seus discípulos e também a nós: “Assim como o Pai Me enviou, eu vos envio” (Jo 20:21 NVI). 

Outros precisam ouvir as Boas Novas. Ao você sair como um mensageiro, em nome de Jesus, lembre-se sempre desta promessa de Jesus: “Eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” (Mt 28:20 NVI).

Derek Morris, DMin
Secretário Ministerial IASD
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/2pe/3/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: II Pedro 3 
Comentário em áudio 



I Pedro 4 by Jeferson Quimelli

Comentário devocional:

Continuando seu discurso dos versos 18-22 do cap. 3, Pedro lembra aos seus leitores dos sofrimentos de Cristo como motivação para que eles modelem suas vidas, tanto pensamentos quanto ações, a exemplo d’Aquele que morreu em nosso lugar. Nós ainda podemos cometer erros (ver Mensagens aos Jovens, p. 338), mas escolhemos firmemente nos desviar da vida anterior de rebelião contra Deus.

Antigos amigos ou pessoas seculares podem expressar raiva e ódio contra cristãos que não participam com eles em suas más práticas, entretanto a única opinião que importa é a de Jesus Cristo. O evangelho não foi pregado às almas dos mortos; foi pregado às pessoas enquanto estavam vivas mas que agora estão mortas. Aqueles que morreram (v. 6) serão julgados com base em como viveram após terem conhecido a Cristo. Eles não terão uma “segunda oportunidade” de ouvir o evangelho.

Como “o fim de todas as coisas está próximo” (v. 7), Pedro aconselha os crentes a serem sóbrios (auto-controlados), vigilantes, e acima de tudo, caridosos. Ao invés de magnificar as faltas e falhas de cada um, Pedro incentiva um espírito de perdão e amor fraternal (v. 8). Seguindo este pensamento, muito provavelmente o incentivo de Pedro à hospitalidade no versículo seguinte (v.9) seja um estímulo para que os membros da igreja atinjam um doce espírito de comunhão, tanto para com os irmãos da igreja como para com os visitantes e desconhecidos! 

Depois de um último apelo para permanecermos fiéis a Jesus em meio a perseguição e julgamento, Pedro lembra-nos que a nossa segurança eterna está em nosso fiel  Criador, o “Pastor das nossas almas” (I Ped 2:25).

Cindy Tutsch, DMin
Estados Unidos

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1pe/4/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: I Pedro 4 
Comentário em áudio 



Ezequiel 47 by Jeferson Quimelli
13 de agosto de 2014, 0:00
Filed under: profecias, restauração, segurança | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Ezequiel 47 continua a tratar do templo restaurado, da cidade e da terra de Israel. Em um país seco como Israel, a água é uma necessidade da vida em todos os seus aspectos. Ezequiel recebe um retrato vívido da solução de Deus para a questão da água. No Israel restaurado, a presença de Deus é real e supre todas as necessidades, incluindo a de água. O que começa como um fio de água a partir do portão leste do templo começa a fluir em direção ao deserto. No espaço de pouco mais de um quilômetro, o pequeno córrego se transforma num rio caudaloso, renovando as águas do salgado mar Morto. Esta água dada por Deus traz vida. Graças a ela, as árvores crescem e produzem frutos em todos os meses. Os peixes tornam-se tão abundantes que os pescadores prosperam. Toda a terra é abençoada por esta água que flui da presença de Deus.

Embora esta imagem literal nunca tenha acontecido para Israel, ela é uma imagem tão poderosa que posteriores escritores da Bíblia também usaram esta imagem da água para retratar as bênçãos espirituais que Deus dá. Jesus a menciona em João 7:37-39. Ele diz que a água se refere ao Espírito Santo, que será dado aos crentes. Este quadro também é utilizado por João em Apocalipse 22:1, 2, em sua descrição da nova terra. Que imagem poderosa das bênçãos que fluem a partir da presença de Deus!

Este capítulo também trata da divisão da terra entre as 12 tribos. As fronteiras estão bem próximas daquelas dadas originalmente em Números 34:1-12, mas uma grande diferença se destaca. Enquanto no livro de Números apenas israelitas literais recebem a terra, na nação restaurada de Ezequiel, estranhos ou estrangeiros que têm filhos na terra, também recebem uma propriedade. O fato de não israelitas receberem  tratamento semelhante aos dos israelitas, recebendo terras, é mais um exemplo da graça de Deus. Em nosso trato com outros devemos ser tão graciosos quanto Deus é.

Jon Dybdahl

Universidade Walla Walla, EUA

 

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/47/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Ezequiel 47 

Comentário em áudio 



Ezequiel 27 by Jeferson Quimelli
24 de julho de 2014, 0:00
Filed under: paz, Queda de babilônia, segurança | Tags:

Ezequiel 27 – Comentário Devocional:

Observe o seguinte texto, retirado de uma página do Facebook: “O seu Volkswagen é alemão. Sua vodka é russa. Sua pizza é italiana. O kebab é turco. Sua democracia é grega. Seu café é brasileiro. Seus filmes são americanos. Seu chá é tamil. Sua camisa é indiana. Sua gasolina é da Arábia Saudita. Seus aparelhos eletrônicos são chineses. Seus números árabes, suas letras latinas. E você ainda se queixa de que seu vizinho é um imigrante? Controle-se! (postado na página “The True Activist”  em 13 de junho de 2014).

Nem todos podem pagar por um carro alemão. A maioria abrirá mão da vodka. Alguns preferem não beber o café. Outros não vivem em democracias. Mas todos compreendemos o significado da afirmação acima.

Pensamos no mundo de hoje como uma aldeia global. No entanto, nenhum lugar hoje é mais cosmopolita do que a antiga Tiro. Mas isto iria acabar. No dia da ruína de Tiro todos os reis e mercadores que a amavam se manteriam à parte, com medo de serem envolvidos no meio da destruição provocada pela Babilônia. 

Eles lamentariam a queda de Tiro, raspando seus cabelos como Jó, vestindo peles de cabra, chorando e lamentando amargamente. Impressionante, de fato. No entanto, não é por Tiro que eles lamentam. É pela riqueza que esta cidade os ajudou a adquirir e pelo sonho de sua própria segurança que eles estão perdendo. 

A globalização de hoje pode nos fazer sentir que estamos seguros. Porque se alguém ataca um lugar, todos os outros lugares sofrem. Esperamos que o interesse próprio de todos vá prevalecer e a paz seja restaurada. Pois qualquer violência, em menor ou maior escala nos faz sentirmos vulneráveis. No entanto, João, o Revelador toma emprestado a linguagem de Ezequiel para falar do colapso final de Babilônia, quando os comerciantes e reis voltarão a lamentar, um lamento egoísta e desesperado (Apoc 18:9-24). 

A queda de Tiro nos ensina que embora as pessoas do mundo estejam acostumadas com a troca de favores e com o comércio que beneficia aos poderosos, a paz e a segurança não podem ser encontradas na prosperidade material.

Há apenas um caminho para a paz verdadeira, apenas um verdadeiro Príncipe da paz. Que o brilho do mundo nunca nos leve a crer o contrário.

Ross Cole
Avondale College, Austrália

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/27/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Ezequiel 27 

Comentário em áudio  



Isaías 21 by Jeferson Quimelli
17 de março de 2014, 0:00
Filed under: segurança | Tags:

Comentário devocional:

No capítulo anterior, Isaías mencionou que as pessoas fugiram do rei da Assíria quando ele invadiu o Egito, na época governado pelos etíopes. Assim, houve deportações em massa tanto de egípcios quanto de etíopes. Quando os assírios tomaram Samaria também deportaram israelitas. Esta é a razão porque Isaías questionava no capítulo anterior a busca das pessoas por segurança e por um lugar seguro.

Neste capítulo três visões são apresentadas: uma contra a Media e Elão [Pérsia], a outra contra Edom e a última contra a Arábia. Isaías recebeu essas visões quando Acaz morreu e Ezequias se tornou rei de Judá.

Em seu tempo, Isaías era um especialista em assuntos mundiais, mas a sua capacidade vinha de cima. Os termos que utilizava eram: “Deus sabe”, “Deus diz:”; isto é, “a segurança está somente em Deus”. Nós sabemos que Satanás está em um “Grande Conflito” contra Deus. É por isso que Isaías diz: “Eu tive uma visão terrível”. O “traidor fora traído, o saqueador, saqueado” (v. 2), refere-se às ações de Satanás, quando um destruidor era saqueado por outro destruidor. É Satanás que leva as nações a atacarem e destruírem umas às outras. 

A reação de Isaías a esta visão foi de choque (v. 3). O horror tomou conta dele e ele ficou tremendo (v. 4). Ele viu os medos e os persas  a colocar a mesa, comer e beber e, em seguida, os capitães e os seus homens lustrarem seus escudos (v. 5). Isaías viu a guerra. A visão assume proporções comparáveis ao “tempo do fim”: o Senhor pede ao guarda para que fique alerta nas torres e relate o que vê (v. 6-7). O vigia enfatiza que está fazendo o seu trabalho fielmente (v. 8). A vigilância aqui descrita é uma tarefa dada por Deus e não apenas mais uma tarefa militar de seres humanos.

O vigia vê cavaleiros montados e diz: “Caiu! A Babilônia caiu!” (v. 9 NVI). Isaías está vendo os medos e persas vindo tomar Babilônia, no tempo de Ciro. Há um tema relacionado com a “queda das cidades” em Isaías que é ligado à queda de Satanás, mencionada em 14:12-14, e também à futura queda da Babilônia mística que terá lugar no “tempo do fim”, que é mencionada em Apocalipse 18.

Nos dias de Isaías havia pessoas aflitas. Muitos israelitas foram deportados de Samaria pelos assírios alguns anos antes, sob permissão do Deus de Israel (v. 10). Em outra visão, o foco de Isaías voltou-se para Edom. A visão é de curta duração e Isaías ouve alguém gritando: “Guarda, quanto ainda falta para acabar a noite?” A questão real aqui é: Quanto tempo temos ainda que esperar antes da Vinda de Jesus? O vigia responde que a manhã está chegando e também a noite, o que significa que o fato esperado ainda não está no horizonte imediato, mas certamente acontecerá (v. 11-12) .

Neste capítulo Isaías teve mais uma visão, sobre a Arábia (v. 13-16). Os assaltos causados por tribos árabes na “Estrada Real” levaram a invasões assírias contra as terras árabes do sul. Além disso, o último rei do império babilônico se mudou para Temá para melhor controlar as tribos árabes. Então muitos fugitivos fiéis correram para Temá (v. 14) fugindo das espadas e arcos e do estresse da batalha (v. 15). Isaías exorta os habitantes de Temá para cuidar dos refugiados que fugiram da guerra (vv. 13-15). O Senhor disse que, em um ano, “o restante do número dos… valentes dos filhos de Quedar (as tribos árabes) será diminuto” (v. 16), o que de fato aconteceu.

Querido Deus,
Ajude-nos a fazer tudo que estiver ao nosso alcance para ajudar os refugiados e migrantes de guerra onde estiverem, em especial onde vivemos. Pedimos em nome de Jesus. Amém.

Koot Van Wick
Coreia do Sul

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/21/

Traduzido por JAQ/GASQ/JDS

Texto bíblico: Isaías 21 



Isaías 20 by Jeferson Quimelli
16 de março de 2014, 0:00
Filed under: segurança | Tags: , , ,

Comentário devocional

Nos dias de Isaías, os etíopes e os egípcios eram nações vizinhas poderosas, apesar de seus altos e baixos. Naqueles dias Ezequias se tornou rei de Judá. Então o Senhor deu uma mensagem a Isaías: “Tire o pano de saco do corpo e as sandálias dos pés” (v. 2 NVI). Sabemos que Isaías se despiu a quase nada e assim ficou, praticamente nu, por três anos.

O Senhor falou novamente, e disse que Isaías se “despiu” como um “sinal e advertência contra o Egito e contra a Etiópia” (v. 3 NVI). Não sabemos se Isaías teve que ir e voltar deste modo até o Egito como ilustração. O mais importante é que Isaías era um símbolo do que estava para acontecer com os judeus quando a Assíria viesse e levasse muitos egípcios como cativos. A Assíria iria levar como escravos “tanto moços como velhos, despidos e descalços e com as nádegas descobertas, para vergonha do Egito” (v. 4 ARA).

Muitas pessoas fiéis haviam migrado de Judá para áreas fora do conflito. Eles contavam com a proteção e segurança dos etíopes no Egito. Entretanto, o Senhor advertiu que “os que confiavam na Etiópia e se vangloriavam no Egito terão medo e ficarão decepcionados” (v. 5 NVI).

De acordo com a vívida ilustração do Senhor através de Isaías, o Egito não lhes proporcionaria a segurança de que precisavam e eles diriam: “vejam o que aconteceu com aqueles em quem confiávamos, a quem recorremos para nos ajudar e nos livrar do rei da Assíria!” E com a má notícia da vitória da Assíria, eles perguntariam: “E agora, como escaparemos?”(v. 6 NVI).

A mensagem do Senhor apresentada por Isaías é clara: Não construa sua esperança nos poderes deste mundo. Construa a sua esperança no Senhor. Os poderes do mundo não podem oferecer qualquer segurança e paz duradoura. Isto vem somente do Senhor. 

Querido Deus,
Sabemos como é fácil confiar em nossos próprios sistemas de segurança para nos proteger. Senhor, precisamos ser sempre lembrados de mantermos ligação vital conTigo. És a nossa segurança, a sombra que nos protege da aflição dos últimos dias. Precisamos de Ti, Senhor. Ajuda-nos. Amém.

Koot van Wyk
Coreia do Sul

 

http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/20/

Traduzido por JAQ/GASQ/JDS

http://biblia.com.br/novaversaointernacional/isaias/is-capitulo-20/




%d blogueiros gostam disto: