Reavivados por Sua Palavra


2 SAMUEL 18 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
25 de outubro de 2022, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO 2 SAMUEL 18 – Primeiro leia a Bíblia

2 SAMUEL 18 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL

2 SAMUEL 18 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



2 SAMUEL 18 by Luís Uehara
25 de outubro de 2022, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/2sm/18/

Em 2 Samuel 11, Davi cometera o erro de ficar em Jerusalém quando seus homens saíram para lutar. Ele deveria os estar liderando, mas, ao permanecer em casa, iniciou um drama pelo seu caso com Betseba. No capítulo 18, ele aprende a lição e dispõe-se a conduzir corajosamente suas tropas à mais difícil batalha de sua vida contra seu amado filho rebelde, Absalão.

Infelizmente, Absalão foi induzido ao caminho da rebeldia por outro erro que Davi cometera quando não se dispôs a punir outro filho seu, Amnom, por ter ele violado sua irmã Tamar. Absalão vingou-se por conta própria, foi apartado de Davi, ganhou um grande número de seguidores entre o povo e, então, voltou-se contra seu pai.

Tendo fugido de Jerusalém, Davi reuniu e organizou suas tropas fiéis, mas foi aconselhado por seu povo de que, neste caso, era melhor que ele ficasse na cidade, protegido dos perigos da batalha. A humildade de Davi em ouvir e abrir mão do controle não forneceu tudo o que ele queria, mas impediu de ocorrer um dano muito maior, caso ele não tivesse escutado os conselhos. Ele estava disposto a aprender com os erros e com a orientação dos outros.

Que erros você tem cometido e que Deus quer libertá-lo através do aprendizado que esses erros proporcionam? De quem você precisa receber conselhos neste momento?

Nick Snell
Pastor Jovem
Igreja Adventista do Sétimo Dia de Azure Hills
Grand Terrace, Califórnia, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/2sa/18
Tradução: Pr. Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



II SAMUEL 18 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
25 de outubro de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

664 palavras

3 não faças isso! Além do motivo citado, Davi estava ficando idoso, e já não era o guerreiro que havia sido. Essa é essencialmente a mesma ideia que Aitofel tinha expressado a Absalão (v. 17.2) (Bíblia de Estudo Vida).

tu vales por dez mil de nós. O conselho de Aitofel era que Davi deveria ser o único alvo, pois sua morte resultaria na vitória rápida e barata de Absalão (Bíblia de Estudo Andrews).

5 tratai com brandura. No momento, Davi sentiu que preferia perder a própria vida e o reino a ver a ruína sobrevir a seu ímpio filho. A preocupação paternal de Davi para com o homem que havia trazido tanto sofrimento e dor à nação apenas intensificou a hostilidade de Joabe e seus homens contra Absalão (CBASD – Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 2, p. 745, 746).

6 Efraim. Mais precisamente, a batalha ocorreu no território de Gileade, a leste do rio Jordão (Bíblia de Estudo Andrews). [O território de Efraim ficava dentro do de Judá, a oeste do Jordão]

8 o bosque … consumiu. Muitos se perderam na floresta. O terreno acidentado e as áreas de floresta significavam vantagem para Davi (Andrews Study Bible).>

9 no seu mulo. Os mulos eram usados pela família real (Bíblia de Estudo Andrews).

ficou pendurado. Pender de uma árvore [madeiro] era o sinal de maldição (Deut. 21.23) (Andrews Study Bible).

11 dez moedas de prata. Cerca de 110 g, equivalente a um ano de pagamento. Joabe violou deliberadamente a clara ordem de Davi para que não ferissem Absalão (Bíblia de Estudo Andrews).

13 E tu mesmo te oporias, ou, “e tu mesmo não me defenderias”. Isto é, matando a Absalão, Joabe não o defenderia perante o rei (Bíblia Shedd).

14 estando ele ainda vivo. Joabe não o matara de todo. Induz a seus moços que o matem, para que a culpa recaia sobre uma coletividade, a fim de que a culpa individual pudesse ser dissimulada (Bíblia Shedd).

16 a trombeta. O chifre de carneiro (shofar), tocado em contextos militares e religiosos (Andrews Study Bible).

17 numa grande cova. O enterro apressado de Absalão é apresentado como um ato de desgraça e menosprezo (Js 7:26; 8:29) (Bíblia de Estudo Andrews).

18 Filho nenhum. Absalão teve três filhos e uma filha (14.27). É possível que tenha dito essas palavras antes do nascimento dos filhos ou depois que todos eles haviam morrido (Bíblia de Estudo Andrews).

19 Zadoque. Um dos sacerdotes a serviço de Davi (Bíblia de Estudo Andrews).

21 etíope. Pessoa originária da região sul do Egito (Bíblia de Estudo Andrews).

23 planície. Provavelmente pelo caminho do vale do Jordão, e não pelo caminho das colinas, que era mais curto, porém mais difícil (CBASD, vol. 2, p. 747).

25 se vem só, traz boas notícias. Caso as notícias fossem más, muitos correriam, e cada um para o seu lado, procurando o escape (Bíblia Shedd).

27 Ele traz boas notícias. Davi tomava por certo que Joabe não teria deixado uma pessoa como Aimaás levar más notícias (Bíblia de Estudo NVI Vida).

29 Vi um grande alvoroço. Aimaás, filho do sacerdote Zadoque, entrega sua mensagem de um modo suave, a não provocar choques emocionais (Bíblia Shedd).

32 Sejam como aquele. O etíope, talvez por ser estrangeiro, entrega a sua mensagem de um modo rude, que causou profundo impacto em Davi (Bíblia Shedd).

33 Absalão, meu filho … ! Uma das expressões mais comoventes de todos os escritos sobre o amor do pai por um filho – a despeito de tudo o que Absalão fizera (Bíblia de Estudo NVI Vida).

Há poucos lugares na Bíblia que retratam uma dor mais profunda. A tristeza de Davi não era meramente a de um pai por seu filho que se fora, embora tal tristeza, para o terno rei, já tivesse sido suficientemente grande. O que tornava a situação mais difícil para Davi era o fato de ele próprio ser o responsável pela cadeia de eventos que culminou nessa terrível tragédia. Absalão matara Amnom depois de este ter violado a irmã, Tamar, e, por sua vez, foi morto em batalha contra o próprio pai. Tudo isso ocorreu como consequência natural do hediondo pecado de Davi (CBASD, vol. 2, p. 748).



2Samuel 18 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
25 de outubro de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Deu ordem o rei a Joabe, a Abisai e a Itai, dizendo: Tratai com brandura o jovem Absalão, por amor de mim. Todo o povo ouviu quando o rei dava ordem a todos os capitães acerca de Absalão” (v.5).

Revigorados pela força dos suprimentos, Davi e seu exército prepararam uma investida contra Absalão e seus homens. O rei sabia que não seria uma batalha fácil, pois seus homens teriam de combater contra seus próprios irmãos. Julgou, então, que sua presença na guerra seria um meio de fortalecê-los e animá-los. Mas o povo sabia que, ao avistarem Davi, este seria o alvo da mais terrível perseguição, o que tornaria o confronto ainda mais difícil. Davi, porém, tinha outro interesse em acompanhar o povo: garantir a vida de Absalão. Ainda que acatando com a vontade do povo, suas últimas palavras antes de partirem foram ditas a todos como uma ordem real e um apelo paterno: “Tratai com brandura o jovem Absalão, por amor de mim” (v.5).

Davi apelou ao coração do povo: “Se vocês me amam, se me consideram, então preservem a vida de meu filho”. “Todo o povo ouviu” (v.5) o comovente apelo do rei e pai que não via a hora daquele pesadelo acabar. Mesmo sendo um homem acostumado à guerra, nunca imaginou ter que dar voz de batalha contra seus próprios irmãos, nem tampouco contra seu próprio filho. Contudo, acima do amor de Davi por Absalão estava o amor do Senhor por Israel. Absalão havia se tornado obstinado em sua ambição de assumir o trono de Israel e, mesmo que não fosse a vontade de Deus que ele tivesse uma morte tão cruel, Absalão teve de colher o que ele mesmo buscou, e jamais poderia assumir o lugar que o Senhor havia destinado ao Seu escolhido. Disso dependia o futuro de Israel e da linhagem da qual descenderia o verdadeiro e divino Rei vindouro.

Há um inimigo ao nosso redor pronto a romper o nosso coração com seus dardos fatais. Aproveitando-se da fragilidade humana, suas tentações têm consumido a vida de muitos que, entrando no bosque encantado de seus enganos, ficam presos pela cabeça através de ideologias e filosofias demoníacas que, se não abandonadas de pronto, tornam-se em ciladas para a morte. Mas assim como os primeiros ferimentos não foram a causa da morte de Absalão, há esperança para os que estão assim gravemente feridos pelo pecado. Antes que Satanás envie mais dez executores, Cristo apela aos corações impenitentes a fim de livrá-los da destruição. Aquele que ficou completamente preso ao madeiro, clama aos filhos dos homens de toda a parte para que se arrependam de seus pecados e preparem-se para o reino de eterna paz que Ele já nos garantiu.

Regadas à lágrimas, as comoventes palavras de Davi puderam ser ouvidas por todos: “Meu filho Absalão, meu filho, meu filho Absalão! Quem me dera que eu morrera por ti, Absalão, meu filho, meu filho!” (v.33). O mundo, porém, não pôde ouvir o choro e o clamor do Pai Celestial quando Seu único Filho foi morto pelos nossos pecados. As trevas daquele dia, o terremoto que sacudiu as estruturas de Jerusalém, o véu do santuário rasgado de alto a baixo, a ferida no corpo do Salvador a verter sangue e água, foram pequenas demonstrações da insuperável dor no coração de Deus. Enquanto dez homens executaram o maligno propósito de matar Absalão, doze legiões de anjos estavam prontas a obedecer a uma só palavra de Cristo e tirar-Lhe da ignomínia da cruz, caso Ele pedisse (Leia Mt.26:53).

A palavra evangelho, amados, significa boas-novas, boas notícias. Como Davi almejou ouvir boas-novas! Como ele desejou ouvir boas notícias! Seu coração de pai não o permitiu entrar na cidade, mas, “assentado entre as duas portas da entrada” (v.24), aguardava com expectativa alguém que lhe declarasse o evangelho. Logo, teve que ouvir: o povo venceu, mas seu filho morreu. Hoje, o evangelho do reino, o evangelho da paz, o evangelho eterno se resume no seguinte fato: porque Cristo morreu, Seu povo venceu. Porque Ele venceu a morte eterna, de graça nos oferece a vida eterna. Nestes últimos dias, em que nos aproximamos com rapidez do Dia de nosso resgate, temos o privilégio e a oportunidade dada por Deus de sermos Seus portadores de boas-novas. Na primeira visitação de Cristo, Deus enviou o Seu anjo a anunciar aos temerosos pastores: “Não temais; eis que trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo” (Lc.2:10).

Com que convicção e alegria não devemos nós, como mensageiros do evangelho eterno, proclamar ao mundo: “Eis o [Noivo]! Saí ao [Seu] encontro!” (Mt.25:6). O Pai chorou naquele fatídico dia para que possamos sorrir no glorioso Dia de Seu Filho. Olhar para Jesus, para a cruz e para o sepulcro vazio é o que torna o evangelho uma notícia sempre viva e eficaz em nossa vida, e o que nos motiva a compartilhá-lo com outros. Estude as Escrituras! Estude o espírito de profecia! Ore fervorosa e insistentemente! Clame pelo Espírito Santo! Pois estamos às portas do evento glorioso que este mundo jamais viu, mas que todo olho verá (Ap.1:7).

Estamos vivendo dias decisivos e não podemos dar ouvidos às insinuações de Satanás, que planeja fazer o mesmo que fez no passado: criar conflitos de irmãos contra irmãos. “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios” (1Tm.4:1). Sabemos que muitos se levantarão em nosso meio pregando um evangelho diferente, mas, como afirmou Paulo, “ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema”, seja maldito (Gl.1:8). Portanto, meus amados irmãos, cumpre-nos, mais do que nunca, atentarmos para o que está escrito: “Não abandoneis, portanto, a vossa confiança; ela tem grande galardão. Com efeito, tendes necessidade de perseverança, para que, havendo feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa. Porque, ainda dentro de pouco tempo, Aquele que vem virá e não tardará” (Hb.10:35-37). Vigiemos e oremos!

Bom dia, portadores de boas-novas!

#2Samuel18 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



II SAMUEL 18 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
25 de outubro de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

II SAMUEL 18 – A Bíblia deve ser nossa regra de fé e prática em tudo. Seus amplos princípios podem ser aplicados em todo lugar e época.

Podemos gostar ou não de política, economia e sociologia, mas Deus preocupou-se em prover-nos princípios gerais sobre tais assuntos visando orientar-nos.

Leia atentamente com oração II Samuel 18. Observe que, raramente a política mundana cria atmosfera agradável mesmo entre o povo de Deus. Geralmente envolve orgulho e vaidade, oposição e rebelião, egoísmo e partidarismo. Consequentemente, pode acarretar assassinatos e suicídios, inclusive no povo escolhido por Deus!

O capítulo inicia apresentando a tensão política entre Absalão e seu pai, Davi (II Samuel 18:1-5). A população sofreu terrivelmente com essa situação. Finalmente, Absalão foi morto e jogado numa cova (II Samuel 18:6-17). Contudo, o causador da rebelião ganhou um monumento e o lamento de seu pai, que chorou copiosamente pela fatídica desgraça do filho (II Samuel 18:18-33). Aitofel, o sábio conselheiro de Absalão, prevendo tal derrota humilhante, já havia suicidado (II Samuel 17:23). Tudo isso deixa evidente como a busca pelo poder promove um clima deprimente!

Observe que “a Bíblia não é um livro sobre política, mas fala bastante sobre o tema e contém muita ação política… Nela há mais de 4 mil referências a conceitos políticos, como rei, reino, reinar, governador, governo, governar, líder, administrador, nações, cidadãos, embaixadores, autoridade, soberano e soberania… Por isso, há quem argumente que o Antigo e o Novo Testamento são documentos políticos”, considera Marcos De Benedicto.

Todavia, considere o Filho de Davi, “o Soberano dos reis da Terra” (Apocalipse 1:5) quando viveu neste mundo:

“O governos sob que Jesus viveu era corrupto e opressivo; clamavam de todos os lados os abusos – extorsões, intolerância e abusiva crueldade. Não obstante, o Salvador não tentou nenhuma reforma civil. Não atacou nenhum abuso nacional, nem condenou os inimigos da nação. Não interferiu com a autoridade nem com a administração dos que se achavam no poder. Aquele que foi o nosso exemplo, conservou-Se afastado dos governos terrestres. Não porque fosse indiferente às misérias do homem, mas porque o remédio não residia em medidas meramente humanas e externas. Para ser eficiente, a cura deve atingir o próprio homem, individualmente, e regenerar o coração” (Ellen White, DTN, 509).

Portanto, reavivemo-nos biblicamente! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: