Reavivados por Sua Palavra


1Samuel 13 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
19 de setembro de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Agora, descerão os filisteus contra mim a Gilgal, e ainda não obtive a benevolência do Senhor; e, forçado pelas circunstâncias, ofereci holocausto” (v.12).

Era o início do segundo ano do reinado de Saul, e, desesperado pela dispersão do povo e pela demora de Samuel, decidiu agir por conta própria. Mesmo sendo rei, não tinha autoridade sacerdotal para oferecer holocaustos. Saul agiu por impulso. E, ao invés de reconhecer a sua falta, culpou as circunstâncias. Assim como seu pequeno exército, sua compreensão acerca da vontade de Deus foi ficando cada vez menor. Saul demonstrou que não se manteria fiel a Deus, mas agiria conforme a pressão do povo e segundo as motivações de seu enganoso coração. Como resultado, Samuel proferiu a sentença divina: “Já agora não subsistirá o teu reino. O Senhor buscou para Si um homem que Lhe agrada e já lhe ordenou que seja príncipe sobre o Seu povo, porquanto não guardaste o que o Senhor te ordenou” (v.14).

Diante da ameaça dos filisteus, os filhos de Israel se viram como ratos perante serpentes. Esqueceram-se rapidamente de todos os livramentos que o Senhor lhes tinha dado. Iniciaram uma dispersão sem precedentes causada pelo medo. Contudo, havia um rei. Um rei que por sua beleza e estatura causava admiração e respeito. Onde estava esse belo libertador? Estava ao lado do povo, igualmente aterrorizado. Quem era aquele homem imponente agora? Um dos “ratos” de Israel. Estou sendo muito severa com Saul? Afinal, não faço ideia do que seja estar frente a frente com um exército irado e, tendo a meu favor apenas uns poucos que não fugiram. Na verdade, tanto a atitude do povo, quanto a de Saul, não estão longe de nossa realidade.

Costumamos transformar nossos problemas em monstros e agir movidos por nossos temores, do que entregar nossos problemas ao Deus que é infinitamente maior do que eles e confiar que Ele agirá em nosso favor. Parece que é mais cômodo nos esconder e disfarçar nossas desculpas com o peso das circunstâncias. Foi exatamente isso que Saul fez. Não lhe cabia oferecer sacrifícios, e sim confiar de que o Senhor pelejaria por Israel não importasse a quantidade de guerreiros que o acompanhassem. Porque, quanto menos recursos humanos, maiores são os recursos divinos!

Precisamos, como Paulo, reconhecer as nossas limitações. “Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte” (2Co.12:10). Deus deixa que façamos o que está ao nosso alcance fazer, mas o que foge do nosso controle, só Ele pode realizar, pois “devíeis dizer: Se o Senhor quiser, não só viveremos, como também faremos isto ou aquilo” (Tg.4:15). Viver de acordo com a vontade de Deus requer renúncia do “eu” e confiança em Seu poder para vencer, porque sem Ele nada podemos fazer (Jo.15:5). A desculpa de Saul, que se disse “forçado pelas circunstâncias” (v.12) tem sido frequente desde a criação do mundo. Adão culpou a Eva. Eva culpou a serpente. Moisés culpou a sua língua pesada. Arão culpou a impaciência do povo no Sinai. E nós? Sempre temos desculpas para a desobediência. Saul buscou o benefício de Deus da forma errada e sabia disso. “Aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz nisso está pecando” (Tg.4:17). Seu coração o acusava, e a única saída era uma desculpa esfarrapada.

E o que dizer do povo, que se escondia como insetos na terra? “Está perto o grande Dia do Senhor; está perto, e muito se apressa. Atenção!” (Sf.1:14). E somente os covardes entrarão nas rochas e se esconderão nas cavernas, “ante o terror do Senhor e a glória da Sua Majestade” (Is.2:10). “Meter-se-ão pelas fendas das rochas e pelas cavernas das penhas” (Is.2:21). Porém, “dizei aos justos que bem lhes irá; porque comerão do fruto das suas ações” (Is.3:10). A única Rocha na qual importa que nos escondamos nos diz, hoje: “Há outro Deus além de Mim? Não, não há outra Rocha que Eu conheça” (Is.44:8). Que nossa vida esteja sobre esta Rocha, que é Cristo, e jamais sucumbiremos. Vigiemos e oremos!

Bom dia, firmados sobre a Rocha!

* No verso quatro do capítulo de hoje, vimos que Saul tomou para si os louros da vitória de seu filho Jônatas. Um exemplo digno de ser repudiado! Esta semana separe um dia para fazer uma surpresa a seu(s) filho(s), quem sabe um passeio diferente ou um jantar especial, demonstrando gratidão pelos momentos felizes que ele(s) têm lhe proporcionado.

Rosana Garcia Barros

#1Samuel13 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


1 Comentário so far
Deixe um comentário

Olá…
Gostaria de solicitar, se possível, o retorno do envio dos comentários do reavivados por sua palavra para o meu e-mail, pois leio todos os dias o de Rosana Barros, mas por algum motivo não estou recebendo mais.
Agradeço o empenho de toda a equipe, fiquem com Deus.

Comentário por Jordelina




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: