Reavivados por Sua Palavra


I Pedro 4 by jquimelli

Comentário devocional:

Continuando seu discurso dos versos 18-22 do cap. 3, Pedro lembra aos seus leitores dos sofrimentos de Cristo como motivação para que eles modelem suas vidas, tanto pensamentos quanto ações, a exemplo d’Aquele que morreu em nosso lugar. Nós ainda podemos cometer erros (ver Mensagens aos Jovens, p. 338), mas escolhemos firmemente nos desviar da vida anterior de rebelião contra Deus.

Antigos amigos ou pessoas seculares podem expressar raiva e ódio contra cristãos que não participam com eles em suas más práticas, entretanto a única opinião que importa é a de Jesus Cristo. O evangelho não foi pregado às almas dos mortos; foi pregado às pessoas enquanto estavam vivas mas que agora estão mortas. Aqueles que morreram (v. 6) serão julgados com base em como viveram após terem conhecido a Cristo. Eles não terão uma “segunda oportunidade” de ouvir o evangelho.

Como “o fim de todas as coisas está próximo” (v. 7), Pedro aconselha os crentes a serem sóbrios (auto-controlados), vigilantes, e acima de tudo, caridosos. Ao invés de magnificar as faltas e falhas de cada um, Pedro incentiva um espírito de perdão e amor fraternal (v. 8). Seguindo este pensamento, muito provavelmente o incentivo de Pedro à hospitalidade no versículo seguinte (v.9) seja um estímulo para que os membros da igreja atinjam um doce espírito de comunhão, tanto para com os irmãos da igreja como para com os visitantes e desconhecidos! 

Depois de um último apelo para permanecermos fiéis a Jesus em meio a perseguição e julgamento, Pedro lembra-nos que a nossa segurança eterna está em nosso fiel  Criador, o “Pastor das nossas almas” (I Ped 2:25).

Cindy Tutsch, DMin
Estados Unidos

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1pe/4/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: I Pedro 4 
Comentário em áudio 



I Pedro 4 – Comentários Selecionados by tatianawernenburg

1 Deixou o pecado. Isto é, abandonou o pecado como estilo de vida (Rm 6:7, 12-17). Pedro não quer dizer que a pessoa deixou de ser pecadora, mas que voltou as costas para o mundo, a carne e o diabo, e que, pela graça de Deus, tomou a resolução de seguir os passos do Mestre. “Quando estivermos revestidos da justiça de Cristo, não teremos nenhum prazer no pecado: pois Ele estará trabalhando conosco. Poderemos cometer erros, mas havemos de aborrecer o pecado que causou os sofrimentos do Filho de Deus” (MJ, 338). O pecado não mais reina na pessoa dirigida por Cristo (Gl 2:20). Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 633.

2 Vontade de Deus. A vida da pessoa que “deixou o pecado” (v. 1) segue um novo rumo. Sua vontade é submissa à vontade de Deus assim como a bússola ao polo magnético. Ele anda “não […] segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Rm 8:4). A comunhão eterna com Deus é prometida a todos que fazem “a vontade de Deus”. CBASD, vol. 7, p. 633.

6 Segundo Deus. Isto pode significar “assim como Deus vive”, ou seja, eles se tornarão imortais ou “conforme Deus quiser”, isto é, de acordo com a vontade de Deus para a vida deles, segundo a decisão do julgamento. CBASD, vol. 7, p. 634.

7 Sóbrios. Do gr. ngphõ, “ser sóbrio”, isto é, abster-se de intoxicantes (ITs 5:6). Pedro adverte seus leitores a ser vigilantes, diante dos acontecimentos iminentes. CBASD, vol. 7, p. 635.

9 Sem murmuração. Literalmente, “sem reclamar”. A hospitalidade é quebrada quando o anfitrião dá indícios de estar incomodado. A verdadeira hospitalidade inclui simpatia, pois o presente, sem aquele que o dá é vazio. Em tempos de perseguição (v. 12), seria grande o número de cristãos refugiados que necessitariam do apoio de seus irmãos de fé, e a pessoa em condição de atender às necessidades de outro tinha o dever, diante de Deus, de fazer isso com alegria. CBASD, vol. 7, p. 635.

11 Glorificado. Literalmente, “continua a ser glorificado”. O verdadeiro propósito das atividades da vida é honrar e exaltar a Deus. O cristão nunca está isento de representar ao Senhor e demonstrar a eficácia de Seu poder para salvar. CBASD, vol. 7, p. 636.

12 Não estranheis. Literalmente, “não continueis a se pasmar”. Enquanto o grande conflito entre Cristo e Satanás prosseguir, o cristão deve esperar uma série de provas e problemas planejados por Satanás para destruir a fé em Deus. CBASD, vol. 7, p. 636.

Fogo ardente. Do gr. purõsis, “queimadura”, “ardência”. A ferrenha perseguição de Nero logo assolaria a igreja; as perturbações crescentes entre judeus e romanos era um prelúdio do holocausto iminente. Satanás tentou todas as estratégias que conseguiu imaginar para destruir a infante igreja. Levando em conta que a hora do juízo se aproxima, os cristãos atuais fariam bem em dar ouvidos às palavras de Pedro à igreja de sua época. CBASD, vol. 7, p. 636.

17 Começar. Literalmente, “começa”. A primeira frase deste versículo pode ser traduzida como: “porque é o tempo apropriado para que o julgamento comece na casa de Deus”. Tendo em vista a brevidade do tempo e o “fogo ardente” que se aproximava, Pedro conclama seus irmãos de fé a se lembrarem de suas solenes responsabilidades como cristãos (Ez 9:6; os mensageiros do juízo começam no santuário, por aqueles, que ali oficiavam). No “fogo ardente” e na hora do “juízo”, Deus espera mais daqueles que professam o nome de Cristo. CBASD, vol. 7, p. 638.

19 Encomendem. A segurança do cristão está na certeza de que Deus nunca abandona Seus filhos. Como pastor, Pedro guia seus irmãos de fé ao único porto seguro diante da tempestuosa perseguição. CBASD, vol. 7, p. 638.




%d blogueiros gostam disto: