Reavivados por Sua Palavra


EZEQUIEL 33, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
23 de outubro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Eles vêm a ti, como o povo costuma vir, e se assentam diante de ti como Meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra; pois, com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro” (v.31).


Amados, o texto de hoje exige cuidadosa reflexão e um profundo exame de coração. O chamado profético na vida de Ezequiel foi feito com palavras nada fáceis de se ouvir e, quem dirá, de se executar. O SENHOR foi bem claro ao dizer ao profeta que se ele não falasse as Suas palavras seria culpado não apenas pela desobediência, mas pela morte de todo aquele que deixou de ouvi-las (Ez 3:18). Ainda atônito diante de seu comissionamento profético, Ezequiel foi levantado pelo Espírito Santo como atalaia de Israel. Ou seja, ele seria um porta-voz do SENHOR para seu próprio povo e teria de adverti-lo quando este era “casa rebelde” (Ez 3:27).

A presunção e o orgulho são os maiores “vilões” na vida do povo de Deus. Ezequiel teve de enfrentar a hostilidade de Israel, que andava “confiando na sua justiça” (v.13). O pecado é como uma doença terminal. Ninguém fica curado de um câncer, por exemplo, porque tomou o medicamento necessário apenas um dia, ou porque o tomou esporadicamente. Mas é preciso seguir e respeitar o tratamento devido. Assim também acontece com o pecado. Se não seguirmos as orientações deixadas por Deus em Sua Palavra, vigiando e orando, diariamente, e não as praticarmos como Ele deseja que as pratiquemos, os nossos atos de justiça de nada valerão. Afinal, eles são “como trapo da imundícia” (Is 64:6).

O discurso de Ezequiel não era nada maleável e nem deixava margem a aliviar a deplorável situação do povo. Porém, é impressionante observar qual foi a reação dos filhos de Israel. Em todos os lugares de Jerusalém, uns falavam aos outros a respeito do profeta, dizendo: “Vinde, peço-vos, e ouvi qual é a palavra que procede do SENHOR” (v.30). Em linguagem atual, era como se dissessem:

Fulano, você precisa ouvir o irmão Cicrano! Só pode ser o Espírito Santo na vida dele!

Vocês entenderam? É preciso que isto fique bem claro em nossa mente.

Só que a conclusão dada por Deus, logo após, é uma triste realidade que não foi exclusividade do antigo Israel. Eis o que o SENHOR revelou ao Seu atalaia no verso trinta e um:

“Eles vêm a ti, como o povo costuma vir”. Iam ouvir o profeta guiados pelo costume e não por um coração humilde disposto a se arrepender.

“… e se assentam diante de ti como Meu povo”. Aparentemente, o profeta tinha uma linda visão de uma plateia de filhos de Deus.
“… e ouvem as tuas palavras”. O seu público estava atento ao que era dito.
“… mas não põem por obra”. Mas não estava disposto a praticar o que ouvia.
“… professam muito amor”. Era um povo que jurava amores com os lábios.
“… mas o coração só ambiciona lucro”. Mas que, na prática, só visava agradar o próprio “eu”. Como afirmou Jesus: “Este povo honra-Me com os lábios, mas o seu coração está longe de Mim” (Mt 15:8).

Preste atenção! Será que isto ficou no passado? Não! Estamos diante de um mundo doente e em  processo de metástase. E as pessoas trocam a cura por paliativos que apenas retardam o fatídico fim. Me dói o coração ao pensar na possibilidade de que muitos que acompanham este projeto de estudo da Bíblia têm só lido os comentários, mas não têm se debruçado sobre a Palavra viva para dela extrair a cura! E prosseguem em sua vida religiosa medíocre, comendo o pecado com farinha e achando que desta forma haverão “de possuir a terra” (v.25) que o SENHOR tem preparado para os Seus santos (Ap 14:12).

“Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos” (v.11), diz o SENHOR Deus. “Porque haveis de morrer”, meu irmão, se Jesus nos oferece a cura para nosso estado terminal, de graça? Semelhante ao tempo em que o SENHOR ordenou que Ezequiel guardasse silêncio, Deus também Se manteve em silêncio por um tempo. Até que levantou um povo para chamar de Seu e lhe convocou como Seu atalaia dos últimos dias, dando-lhe uma profetisa, uma atalaia. Então, o silêncio acabou! É tempo não apenas de falar, mas de “tocar a trombeta e avisar o povo” (v.3) de que, ou ele se converte, ou “ele morrerá” (v.13).

Não é tempo de ouvir as solenes advertências do SENHOR como quem ouve “canções de amor” (v.32). É tempo de aceitarmos ser confrontados pela Palavra de Deus e incomodados pelo Espírito Santo por causa dos pecados que ainda acariciamos. É tempo de intenso clamor pelo derramamento do poder dobrado do Espírito Santo. É tempo de permitir que Deus nos torne exatamente aquilo que Ele deseja que sejamos. É tempo de proclamar o amor de Deus tal qual ele é, e não como o mundo diz ser. Amar ao próximo não tem nada a ver com deixar que ele viva do jeito que quiser, mas tem tudo a ver com conduzi-lo a viver do jeito que Deus quer. Porque Ele julgará “cada um segundo os seus caminhos” (v.20).

Muito em breve, o SENHOR tornará “a terra em desolação e espanto” (v.29). Mas Ele não nos deixou ignorantes quanto a isto, e revelou Seus propósitos à Sua serva Ellen G. White, cuja boca, “uma vez aberta” (v.22) não guardou silêncio e, inspirada pelo Espírito Santo, deixou escrito mais de cem mil páginas de palavras que nos levam a amar a Bíblia e a praticar os seus ensinos. Portanto, não espere que venha o pior para reconhecer “que houve no meio deles um profeta” (v.33). Mas vá direto à fonte e escute, com atenção e humildade, a voz de uma atalaia de Deus que aceitou “tocar a trombeta” (v.3) que nos guiará para Casa.

Bom dia, “Israel de Deus” (Gl 6:16)!

Jornada espiritual “Chuva Serôdia. Chegou a hora!“, 8° dia: Acesse o site http://www.amigosdejesus.org.br/, do Manassés Queiroz, autor do livro-texto de nossa jornada, busque um artigo em uma área de seu interesse ou necessidade e use-o como ferramenta para auxiliar no exame das Escrituras e melhor entendê-las.

 Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Ezequiel33
#RPSP

Deixe seu comentário:



EZEQUIEL 33 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
23 de outubro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria



EZEQUIEL 32 by jquimelli
22 de outubro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

O povo da Austrália costumava caçar baleias em busca de carne e óleo. Mas isto já não se faz mais. Hoje os turistas lotam barcos que percorrem o litoral a fim de observarem as baleias em sua migração.

Ocasionalmente, uma baleia inesperadamente encalha em uma das praias da costa. Multidões de cidadãos voluntariamente então se reúnem para mantê-la molhada e tentar conduzi-la de volta ao mar. Se o esforço falhar, o fedor que se segue pode ser insuportável.

A imagem que domina a representação do Egito por Ezequiel (v. 2-16) é a do mau cheiro do cadáver de um grande animal, como uma baleia, exalando em terra firme.

O Egito já havia sido comparado por Ezequiel com uma grande árvore. Agora é comparado com um grande animal que morre e sua carne se espalha pelas montanhas e vales e seu sangue encharca a terra.

Como uma árvore, a função de uma nação é fornecer lugar para os ninhos das aves e abrigo para os animais. Agora que o Egito é como uma baleia morta, ela alimenta as aves de rapina e os animais, servindo aqueles que sempre deveria ter servido, mas de uma forma muito diferente.

Para todos os governantes de outros reinos a mensagem (v. 18-32) é de terror. A espada do Senhor irá conduzir o Egito e seus exércitos para a morada dos mortos. Exércitos de diversas nações são representados como a estar lá, como se trouxessem ao Egito a consolação de que não está sozinho.

Esta descrição não está, de modo nenhum, ensinando que os mortos tem consciência. A linguagem aqui é a de uma alegoria, do mesmo modo que Abimeleque descreve em Juízes 9:7-21 árvores que falam. No entanto, a mensagem é clara. A morte é o grande nivelador. Ela não faz nenhuma distinção. Aqueles que exploram o próximo terão um triste fim.

Evitemos o pecado da auto-exaltação e lembremos-nos que nossos dias nesta terra são limitados. Permanece só o que é feito para Deus.

Ross Cole
Avondale College, Austrália

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/eze/32 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1080
Também disponível no blog mundial RPSP/BHP da IASD, em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/eze/32
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/07/29/
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Ezequiel 32 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/

 



EZEQUIEL 32– PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
22 de outubro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria


EZEQUIEL 32 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
22 de outubro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

EZEQUIEL 32 – Pior que começar mal é terminar numa tragédia. É triste ver que as pessoas poderiam, devido à graça de Deus, ter um fim glorioso, mas preferiram um fim vergonhoso. É certo que,

• Quem se exalta será humilhado; quem se humilha será exaltado.
• Nenhum poder é confiável,  a não o poder de Deus.
• Nenhuma grandeza deve ser louvada, a não ser a grandeza de Deus.
• Qualquer pecador, mesmo merecedor da morte, poderia esperar no Senhor para reverter a sua sorte.

Este foi o caso do Egito, que preferiu confiar em sua força, não no Deus que criou o ser humano e ainda lhe deu força, habilidade e inteligência. Tal indiferença atrai terríveis consequências. A negligência a Deus é o cúmulo da arrogância. Portanto, Deus precisa julgar e dar a sentença.

Nobreza, destreza e riquezas não protegeram os egípcios da desgraça do pecado. A tristeza do profeta Ezequiel é um reflexo da tristeza de Deus por causa da dureza do coração egípcio. A alteza da arrogância egípcia produziu a baixeza moral em seus habitantes.

1. Ser grande e poderoso mas só fazer barulho e bagunça, significa perder tempo e oportunidade de fazer o que é certo (vs. 1-2).
2. A desgraça do Egito impactará as nações, servindo de exemplo do que o pecado faz com suas vítimas mesmo depois de tantas oportunidades oferecidas por Deus. Se Deus é contra nós, quem será por nós? Só terão segurança os que estiverem a favor de Deus (vs. 3-10).
3. Deus usará um instrumento para realizar Seus intentos contra o Egito. A Babilônia seria a espada divina, mas Deus não estaria feliz com isso – como se nota no pedido a Ezequiel sobre o lamento ao Egito; contudo, isso Deus tornaria conhecido no mundo (vs. 11-16).
4. Grandes orgulhosos, valentes guerreiros, povos jactanciosos, todos vão para o mesmo buraco: O mundo dos mortos (vs. 17-32).

“Quem está neste lugar? E quem não está? Encontram-se nesse as nações do passado que desafiaram a Deus… Não estão ali nenhum dos fieis a Deus. Uma grande separação ocorreu entre os justos e os injustos. Os que espalham terror agora habitarão juntos (32:32)”, diz Paul R. House.

Deus quer salvar! Por isso, lamenta o fato dos pecadores não aceitarem Seu plano de salvação! Qual decisão tomaremos? – Heber Toth Armí.



EZEQUIEL 32, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
22 de outubro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Quando Eu te extinguir, cobrirei os céus e farei enegrecer as suas estrelas; encobrirei o sol com uma nuvem, e a lua não resplandecerá a sua luz” (v.7).


Encerrando os juízos proferidos contra o Egito, o SENHOR declara a Ezequiel palavras de lamentação contra Faraó. Destronado e incapaz, o rei do Egito seria humilhado à vista de “muitos povos” (v.10), a ponto dos reis da terra temerem pela própria vida. A soberania do monarca não mais seria reconhecida e por suas obras receberia a devida paga.

Então, o profeta é chamado a prantear “sobre a multidão do Egito” (v.18) e, de forma simbólica, a “cova”, o “além” e as “profundezas da terra”, são expressões utilizadas para se referir ao destino final das nações transgressoras. Toda a beleza (v.19) e todo o poder “dos valentes” (v.21) foram desbaratados e, “Ali”, devido às suas iniquidades e “porquanto causaram terror na terra dos viventes” (v.26), receberiam o desfecho reservado para os ímpios: “Ali haverá choro e ranger de dentes” (Mt 25:30).

Perante a humanidade, o SENHOR apresenta dois caminhos: “Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal” (Dt 30:15). “Até quando coxeareis entre dois senhores? Se o SENHOR é Deus, segui-O; se é Baal, segui-o” (1Rs 18:21). “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela” (Mt 7:13-14). O salário do pecado (Rm 6:23) é o resultado final de nossa condição pecaminosa. Não fosse a oferta gratuita do plano da salvação em Cristo Jesus, e todos estaríamos condenados ao mesmo fim do Egito e de todos os povos que se rebelaram contra o SENHOR Deus.

Os sinais que evidenciam a segunda vinda de Jesus e o juízo final foram claramente descritos por Ele mesmo. Os avisos de Deus no mundo social e religioso também são acompanhados pelos avisos no mundo físico, onde as coisas criadas manifestam fenômenos que contrariam a sua função original. No sermão profético de Jesus, encontramos uma descrição bem semelhante a do verso sete do capítulo de hoje: “Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados” (Mt 24:29).

As expressões “Quando Eu te extinguir” (v.7) e “Logo em seguida à tribulação”, indicam que aqueles sinais dão sequência, ou confirmam, eventos que os antecedem, e o sublime evento que ocorrerá imediatamente após. Tais intercorrências, portanto, são evidências de que é só uma questão de tempo, e veremos “no céu o sinal do Filho do Homem” (Mt 24:30). O SENHOR não tem “prazer na morte de ninguém”, mas deseja que o perverso “se converta dos seus caminhos e viva” (Ez 18:32 e 23). Capítulo após capítulo, as Escrituras têm nos mostrado um Deus que não desiste de salvar. Um Deus que sobrepuja a nossa capacidade de compreender tamanho amor e misericórdia. E que declara ao meu e ao teu coração em cada página sagrada: “Com amor eterno Eu te amei; por isso, com benignidade te atraí” (Jr 31:3).

Aquelas nações ímpias buscaram o próprio infortúnio, por isso foram condenadas ao castigo que foi “preparado para o diabo e seus anjos” (Mt 25:41). Tais registros devem ser para nós, hoje, solenes advertências de que nem tudo o que aparenta ser belo e forte é sinônimo de vida. E que precisamos estar atentos diante de um tempo em que somos testemunhas oculares dos últimos sinais e do último chamado de Deus a um mundo que “jaz no Maligno” (1Jo 5:19).

Eis que Cristo vem e NÃO tardará! Portanto, aceite, AGORA, a oferta da graça divina: “escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência” (Dt 30:19).

Feliz semana, herdeiros da vida eterna!

Jornada espiritualChuva Serôdia. Chegou a hora!“, 7° dia: “Marque hoje mesmo um novo encontro com seus amigos para orar pela chuva serôdia do Espírito Santo. Pode ser num monte, num sítio, num parque ou numa casa mesmo. Se possível, torne esse encontro semanal” (Chuva Serôdia. Chegou a hora, p. 48).

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Ezequiel32
#RPSP

Deixe seu comentário:



EZEQUIEL 32 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
22 de outubro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: