Reavivados por Sua Palavra


NEEMIAS 5 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
4 de dezembro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Lembra-te de mim, para meu bem, ó meu Deus, e de tudo quanto fiz a este povo” (v.19).

O avanço da obra e os constantes ajuntamentos começaram a encorajar a parcela do povo que, pelas necessidades pós-exílio, tornou-se economicamente refém de seus irmãos mais abastados. Vendo em Neemias um líder justo e temente a Deus, os judeus injustiçados ergueram um grande clamor contra seus irmãos opressores. Suas terras, suas vinhas e suas casas foram empenhadas a fim de prover o sustento da família. Mas a situação agravou-se de tal maneira que até seus filhos foram entregues como escravos.

Neemias ficou indignado ao ouvir tamanho descaso e extorsão para com os pobres do povo. Mas a sua indignação não foi desculpa para agir com imprudência. Não tomou as rédeas da situação no impulso de sua ira. Como líder sábio e prudente, buscou avaliar o problema considerando a melhor maneira de resolver a questão. Como se tratava de algo que havia se tornado publicamente conhecido, Neemias pelejou com os nobres e magistrados, convocando “contra eles uma grande assembleia” (v.7).

Diante do discurso acalorado e verdadeiro de Neemias, “se calaram, e não acharam que responder” (v.8). Como flechas, as palavras do sábio líder atingiu-lhes diretamente a consciência. Não foi a prática de empréstimo em si que foi condenada, mas a forma como era realizada, oprimindo a seus irmãos com altos juros. O próprio Neemias não justificou a si mesmo, pois que também emprestava a seus irmãos, ainda que sem prejudicá-los. Além disso, abdicava de seu salário de governador, “porquanto a servidão deste povo era grande” (v.18).

Como se tivesse um vislumbre dos últimos tempos, o apóstolo Paulo descreveu a miséria humana em nossos dias difíceis, a começar pelo egoísmo (2Tm.3:1-5). O egoísmo ou a ausência de altruísmo tem corrompido o coração da humanidade e encaminhado o mundo para o cumprimento da profecia dada por Cristo: “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos” (Mt.24:12). Costumamos ter muita facilidade em destacar os erros do antigo Israel e muita dificuldade em aplicá-los à nossa realidade. Temos nós agido com compaixão e altruísmo diante das necessidades de nossos semelhantes?

Paulo também apresenta, em nosso contexto de igreja, um importante princípio: “Por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé” (Gl.6:10). Irmãos, estamos vivendo a realidade descrita pelo apóstolo dos gentios. São tempos muito difíceis. Há um inimigo feroz querendo nos destruir, e será que não estamos mais preocupados com coisas temporais quando existem tantos ao nosso redor perecendo? Será que podemos sinceramente dizer: “Lembra-te de mim, ó meu Deus, e de tudo quanto fiz a este povo”?

Com dedicação desinteressada e trabalho voluntário, Neemias praticamente financiou boa parte da reconstrução dos muros. Deu tudo de si para uma causa que sabia ter a assinatura da aprovação divina. Todos nós fomos criados para um propósito maior. O Senhor nos incluiu em Seu plano não que precise de nós, mas em que nós precisamos dEle. Quando a criatura entrega o curso da vida nas mãos do Criador, Ele sempre a conduz na direção de seus semelhantes, formando uma corrente do bem, ligada elo a elo.

Que nossa vida, nas mãos de Deus, seja um elo inabalável nesta corrente, como obreiros fiéis e altruístas na última grande obra. Vigiemos e oremos!

Bom dia, amados irmãos!

*Deixe nos comentários o seu pedido de oração. #euoroporvocê

Por favor, amados, orem por mim e por minha família. Agradeço muito!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Neemias5 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



NEEMIAS 5 – COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
4 de dezembro de 2019, 0:10
Filed under: Sem categoria



NEEMIAS 5 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
4 de dezembro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

980 palavras

É incerto determinar quando ocorreram os eventos descritos neste capítulo. […] Não há sugestão ou narrativa de que a aflição estivesse ligada com a obra de reconstrução. As injustiças eram mais profundas e foram desenvolvidas durante um longo período (CBASD-Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 3, p. 452).

somos muitos. A queixa vinha principalmente de famílias grandes. A descendência numerosa não demonstrava ser uma bênção, como normalmente era considerada pelos orientais, mas um fardo e a razão de profunda perplexidade (CBASD, vol. 3, p. 452).

o tributo do rei. Como de outras províncias persas, da Judeia era requerido anualmente o pagamento de um tributo ao tesouro persa, parte em dinheiro e parte em gêneros alimentícios. Nos primeiros anos essa obrigação não pareceu opressora, mas nos anos improdutivos a aparição do cobrador de impostos geralmente prenunciava grande miséria. Os pobres contraíram dívidas para atender às taxas, sem esperança de reembolso (CBASD, vol. 3, p. 452).

mesma carne. Um grupo reclamava que suas famílias eram muito grandes e isso lhes impedia de conseguir alimento, outro grupo reclamava de ter hipotecado sua propriedade por causa da fome; outra parte recorreu aos agiotas, a fim de pagar as taxas e um quarto grupo caiu nas mãos de agiotas usurários. Essas pessoas sofriam não pela opressão de tiranos estrangeiros, mas pela extorsão de seus irmãos. […] Muitos dos antigos exilados escaparam do cativeiro babilônico para se encontrar em escravidão nas mãos de seus irmãos, e o último estado parecia pior do que o primeiro. Em Babilônia, as famílias permaneciam unidas; mas, em Jerusalém, os filhos eram tirados dos pais, para se tornar escravos de compatriotas judeus (CBASD, vol. 3, p. 453).

6-13 Neemias ouviu a reclamação e agiu após um período de reflexão (v. 7; ver tb 1:4; 2:11-15). Observe que a ira de Neemias não é uma reação emocional a uma crise, mas o resultado da contemplação e raciocínio (Andrews Study Bible).

muito me aborreci. Parece que a letra da lei não era violada, exceto na questão de se tirar vantagem (v. 11), algo que o povo não se queixou. […] No entanto, era o espírito e não a letra da lei que os ricos transgrediram. Em épocas de dificuldades econômicas, era dever deles auxiliar os irmãos mais pobres, não oprimi-los (v. 14, 17) (CBASD, vol. 3, p. 453).

9-11 “A preocupação de Deus para com os pobres é revelada em quase todos os livros da Bíblia. Neemias enfatizou que tratar os pobres e oprimidos com justiça era fundamental para seguirem a Deus. Os livros de Moisés claramente enunciavam aos israelitas a responsabilidade de cuidar dos pobres (Êx 22:22-27; Lev 25:35-37; Dt 14:28,29; 15:7-11). A maneira como ajudamos os necessitados reflete o amor e preocupação de Deus” (Life Application Study Bible).

9 o opróbio dos gentios. Era, portanto, um grande pecado oprimir os pobres. Era uma reprovação à sua profissão de fé. “Lembrem a censura de nossos inimigos. Eles dirão: ‘Esses judeus professam tanta devoção a Deus, mas vejam como tratam a si mesmos de maneira bárbara”. Nada expõe a religião a uma maior censura de seus inimigos do que a vida mundana e o coração duro daqueles que a professam. Bíblia de Estudo Mathew Henry.

10 dinheiro emprestado. Nota-se que não se condena o empréstimo de dinheiro, mas sim, a usura no caso de pessoas necessitadas. Isto não se estende a investimento em empresas (Ex 22.25; Lv 25.35-37; Dt 33.19-20) (Bíblia Shedd).

Não há nada aqui condenando hipotecas ou juros em si mesmos. Eles constituem um legítimo método de comércio, exceto quando são usados para se tirar proveito indevido das necessidade de um irmão (Comentário Bíblico Devocional VT – FBMeyer).

Aqueles que emprestaram dinheiro aos judeus, tirando proveito de sua necessidade, eram muito severos com eles. Eles exigiam juros de 12% e a centésima parte mensalmente. Neemias urgiu para que não apenas não se realizassem negócios daquele tipo com seus vizinhos, mas que devolvessem tudo que haviam tomado deles. Bíblia de Estudo Mathew Henry.

Deixemos este ganho.Neemias se dirige aos aproveitadores, sem preparo, de maneira improvisada: “Deixemos este ganho”, incluindo-se na consideração, reprovando a si mesmo, ainda que de nenhuma maneira fosse culpado desse pecado. Não obstante sua autoridade para ordenar, ele prefere suplicar aos irmãos, em benefício do amor. Bíblia de Estudo Mathew Henry.

13 sacudi o meu regaço. Neemias realizou um ato simbólico, que constituiu em juntar a veste como se fosse carregar algo nela e então sacudi-la. […] Entre as nações da antiguidade, poucas coisas eram tão temidas como cair em maldição [ver Dt 28:16 a 44] (CBASD, vol. 3, p. 453).

14 fui nomeado. Pela primeira vez, Neemias declara abertamente que a autorização para ele retornar e reedificar os muros de Jerusalém era acompanhada da nomeação para ser governador da Judeia (CBASD, vol. 3, p. 453).

o pão devido ao governador. Durante todo o tempo em que esteve no cargo, ele não reivindicou a renda habitual à qual um governador tinha direito de receber de seus súditos, mas pagou ele mesmo suas despesas pessoais (CBASD, vol. 3, p. 453).

15 quarenta siclos de prata. Neemias indica qual fora a maneira de governar de seus predecessores. Ele não cita nomes, porque o que ele tinha a dizer a respeito deles não era memorável; ademais, em casos como esses, é melhor evitar nomes. Bíblia de Estudo Mathew Henry.

15,16 “Neemias liderou todo o projeto de construção, mas ele também trabalhou nos muros junto com os outros. Ele não era um burocrata num escritório confortável e seguro, mas um líder que se envolveu no trabalho do dia a dia. Ele não usou sua posição para dominar seu povo. Um bom líder se mantém em contato com o trabalho a ser feito. Os melhores líderes são os que lideram através do exemplo e do falar” (Life Application Study Bible).

19 Neemias menciona o que fizera por seu povo com a intenção de envergonhar os governantes e interromper a sua opressão. Ele faz essa menção a Deus em oração mas não a faz por pensar que merecesse algum favor dele, e, sim, para mostrar que não esperava dos homens nenhuma recompensa por sua generosidade. Bíblia de Estudo Mathew Henry.



NEEMIAS 4 by jquimelli
3 de dezembro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/ne/4

“O nosso Deus pelejará por nós”, era a convicção de Neemias em meio aos ataques dos inimigos. E essa mesma crença é que sustentará o povo de Deus em tempos de dificuldade.

Quanto mais o povo de Deus se esforçar para fazer a vontade de Deus, mais o inimigo multiplicará seus esforços para frustrar o seu trabalho. Satanás não ataca aqueles que não fazem nada que perturbe o reino das trevas, mas ataca aqueles que fazem a vontade de Deus.

Alguém poderia pensar que por Neemias ter orado a Deus e confiado nEle, nem ele nem o povo teriam que fazer nada diante da situação. Mas não foi assim que aconteceu. Neemias colocou pessoas em todo o perímetro do muro segurando lanças em uma mão e construindo com a outra. É importante saber que Deus espera que Seu povo faça a sua parte enquanto olha para Ele e nEle confia para sua proteção. Foi fazendo assim que Deus lutou por eles e venceu seus inimigos.
Palavras de encorajamento de líderes são poderosas em tempos de angústia. Neemias encorajou as pessoas com estas palavras: “Não tenham medo deles, lembrem-se do Senhor ….” (v. 14).

Pardon Mwanza
Ex Vice-Presidente Geral Da Conferência Geral da IASD
Vice Reitor da Universidade Rusangu, Zambia

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=663
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



NEEMIAS 4 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
3 de dezembro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



Neemias 4 – Comentário Heber Toth Armí by jquimelli
3 de dezembro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

NEEMIAS 4 – Precisamos fazer de nosso talento, nosso ministério. Precisamos transformar nossa empresa em nossa igreja.

Para alcançar o alvo acima, é preciso consagração constante por meio de oração. Observe: o capítulo em apreço está pautado pela oração.
1. Enquanto a obra de Deus avança, inimigos se levantam para insultar e ameaçar visando paralisar o povo de Deus (vs. 1-3). Sambalate, irado e indignado, conspirou contra os judeus. Suas palavras foram de humilhação e desprezo.
2. Não se deve rebaixar ao nível dos inimigos e trocar impropérios com eles, pelo contrário, é necessário elevar-se a Deus em busca de intervenção contra o inimigo (vs. 4-5). As orações imprecatórias são bíblicas e tem o seu lugar, é melhor fazê-las do que tentar aliança ou discutir com provocadores inveteradas.
3. A oração fortalece o corpo, anima a alma e revitaliza a disposição frente à provocação, humilhação e ameaças (v. 6). A reedificação do muro avançou rapidamente após a oração.
4. Oposições que não surtem efeitos procuram ajuda, engrossam a fileira de opositores e investem mais acirradamente contra o povo de Deus. Entretanto, este ora mais intensamente buscando forças, direção e capacitação em Deus (vs. 7-9). Enquanto o povo do mal (Sambalate, Tobias, os árabes, amonitas e adoditas) causa confusão, o povo do bem investe na oração.
5. Após orar, o povo de Deus sabe o quê fazer; em vez de atacar os inimigos, concentra-se na obra que tem de fazer (vs. 10-23). Neemias organizou uma defesa civil a fim de que os trabalhadores continuassem a executar a obra.

Nossa vida deve ser totalmente dedicada a Deus, desde os nossos talentos até nossos negócios. Tudo o que temos e somos deve ser consagrado. A teologia deste capítulo revela a importância do conhecimento correto de quem é Deus para avançarmos com fé:
1. Deus é grande e temível (v. 14);
2. Deus pode facilmente frustrar inimigos (v. 15);
3. Deus tem poder de batalhar contra os inimigos e vencê-los (v. 20).
Quando o povo de Deus se levanta para trabalhar, sempre alguém se erguerá para atrapalhar; contudo, Deus, certamente, intervirá para ajudar.

Quando crises nos sufocam tentando fazer-nos esquecer de Deus, é o momento de exercitar nossa mente para lembrar do Seu superpoder.

Ore, e vencerás! – Heber Toth Armí.



NEEMIAS 4 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
3 de dezembro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porém nós oramos ao nosso Deus e, como proteção, pusemos guarda contra eles, de dia e de noite” (v.9).

A reconstrução seguia o seu curso com bom êxito, de forma que “todo o muro se fechou até a metade de sua altura; porque o povo tinha ânimo para trabalhar” (v.6). Tendo ouvido sobre a bem-sucedida obra, seus adversários ficaram furiosos e reuniram forças para “atacar Jerusalém e suscitar confusão ali” (v.8). Diante de comprovada ameaça, Neemias e o povo se uniram em oração e organizando-os “por famílias… com as suas espadas, e as suas lanças, e os seus arcos” (v.13), “cada um com uma das mãos fazia a obra e com a outra segurava a arma” (v.17).

A atmosfera tornou-se de constante vigilância. Cada qual permanecia em sua função de edificar, mas atento e preparado para proteger sua família e seu povo. Tomando ciência de que os judeus estavam organizados como um exército, os inimigos perceberam “que Deus tinha frustrado o desígnio deles” (v.15). Mesmo que parecesse ter sido dada uma trégua, as armas não foram depostas, e o povo seguiu firme na edificação dos muros e na vigilância “por detrás de toda a casa de Judá” (v.16).

Apesar de ter sido um trabalho coletivo e unificado, a longa extensão dos muros os separava uns dos outros. Em momento de tensão e de ameaças inimigas, havia a necessidade de um ajuntamento solene de tempos em tempos. Ao som do instrumento sacerdotal, todo o povo deveria entender que chegada era a hora de se reunir. Aquele momento era como um bálsamo aos cansados e corajosos obreiros e soldados. Ali eles oravam, adoravam e louvavam juntos, sendo fortalecidos por Deus e pela comunhão uns com os outros.

Quanto mais se aproxima o grande Dia de Deus, mais o coração dos fiéis servos do Senhor se anima para o findar da seara. Em contrapartida, o diabo e seus anjos, ardendo em ira, tentam de todas as formas fazer “cessar a obra” (v.11). Mas, como Neemias, precisamos erguer a voz a nossos irmãos e fortalecer-nos uns aos outros com as animadoras palavras: “não os temais; lembrai-vos do Senhor, grande e temível, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas filhas, vossa mulher e vossa casa” (v.14).

Hoje, em nossos locais de culto, quer seja num grande templo, ou num modesto espaço; quer seja embaixo de uma árvore ou no culto doméstico, temos o privilégio de nos reunir e juntos buscar o poder do alto para “resistir no dia mau… [e] permanecer inabaláveis” (Ef.6:13). Portanto, “não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima” (Hb.10:25).

Quando Jesus declarar: “Feito está!” (Ap.16:17), todos já estarão com seu destino eterno selado. Enquanto há oportunidade, Sua doce voz insiste ao coração de cada ser humano: “Vinde a Mim” (Mt.11:28). Jesus é o nosso Sumo Sacerdote que toca a Sua trombeta de graça a fim de reunir-nos para junto dEle. Com Cristo como o nosso General, todas as brechas do pecado serão fechadas e qual muro intransponível, Ele nos protege e guarda para o ajuntamento solene da eternidade. Quer, você, estar pronto para a reunião dos santos de todos os tempos? Então, sigamos o exemplo de Neemias e dos fiéis obreiros, e a ordem de Jesus: Vigiemos e oremos!

Bom dia, obreiros do Senhor!

Desafio da semana: Você conhece alguém que está desanimado na fé? Ore por ele essa semana e, se possível, faça-lhe uma visita e ore com ele.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Neemias4 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100




%d blogueiros gostam disto: