Reavivados por Sua Palavra


Ezequiel 23 – comentários selecionados by Jeferson Quimelli
20 de julho de 2014, 0:12
Filed under: Bíblia, Estudo devocional da Bíblia | Tags: , ,

Comentários selecionados:

O cap. 23 apresenta uma extensa alegoria cujo propósito é mostrar a pecaminosidade de Judá. A alegoria é semelhante à do cap. 16, embora haja algumas diferenças. O tema principal desta principal alegoria são as alianças políticas com nações estrangeiras. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 723.

Este capítulo é uma das mais violentas acusações que já foi lançada contra uma nação. Qualquer busca de alianças internacionais com a Assíria, ou Egito, ou Babilônia (vv 3, 5 e 15), nas quais os israelitas receberiam vantagens carnais em troca da aceitação da idolatria dessas nações, era adultério contra a fidelidade de Deus. … A linguagem aqui é a mais brutal na Bíblia inteira: é necessário compreender que uma vida humana sem fé em Deus, sem fidelidade à Sua Palavra, é mais horrenda perante Deus do que as mais terríveis brutalidades perante a sociedade humana. Bíblia Shedd.

2. Uma só mãe. As duas cidades, Samaria e Jerusalém, tinham a mesma mãe, o povo hebreu. Possuíam ancestrais comuns. CBASD, vol. 4, p. 723.

4 Oolá. Heb haolah, significa “tenda dela”. A tenda é o tabernáculo erguido nos altos para adorar os ídolos e praticar adultério, que fazia parte deste culto; que é “dela” própria, significando que, desde a separação das dez tribos, Israel deliberadamente escolhera sua própria religião (1Rs 12.25-33) que, aliás, logo se entregou ao paganismo de Tiro. Bíblia Shedd.

Oolibá. Heb aholibah, significa “minha tenda está nela”. É Jerusalém, a cidade onde o tabernáculo de Deus, seguindo as instruções dadas para a tenda no deserto, foi erguido em forma de um templo permanente, o lugar aonde os israelitas fluíram para dirigir suas súplicas à presença divina (1Rs 8.22-53). Há uma grande diferença entre a religião inventada pelo homem e a revelada pela presença do Senhor. Mas ai de quem, tendo aprendido a verdadeira religião, torna-se infiel (Hb 10.28-29); ficará como Oolibá, tida como pior que Oolá (16.52). Bíblia Shedd.

foram minhas. Ambas professavam lealdade ao verdadeiro Deus. CBASD, vol. 4, p. 723.

5 prostituição. Aqui representa as alianças políticas com potências pagãs. … A linguagem explícita no capítulo ressalta a repulsa que Deus e Ezequiel sentiam por Israel por causa de ele fazer o jogo mundano da política internacional em vez de confiar no Senhor para obter segurança. V 2Rs 15.19. Bíblia de Estudo NVI Vida.

9 por isso, a entreguei. Ver 2Rs 17:5, 6. A historia de Samaria é brevemente recapitulada, porque a nação não mais existia, e é usada como base de comparação para a descrição mais detalhada da loucura de Judá. CBASD, vol. 4, p. 723.

10 eles lhe arrancaram a roupa, deixando-a nua. Referência à queda de Samaria diante dos assírios em 722-721 a.C. Bíblia de Estudo NVI Vida.

17 enojada, os deixou. Judá se enfadou da aliança com Babilônia e foi buscar a ajuda do Egito. Os v. 17 a 19 descrevem essa política vacilante. CBASD, vol. 4, p. 723.

18 a Minha alma se alienou. O Senhor Se cansou de Judá e Se afastou dela com repugnância. CBASD, vol. 4, p. 723.

25 o nariz e as orelhas. Os egípcios e os assírios puniam as mulheres adúlteras desta maneira bárbara. Bíblia Shedd.

28 deixaste. A referência imediata é a rebelião do rei Zedequias contra os caldeus que, segundo v 29 e 2Cr 36.10-21, não hesitaram em lhe aplicar uma punição à altura da traição. Bíblia Shedd.

32 o copo da tua irmã. Beber o copo é uma expressão bíblica que quer dizer “participar plenamente da sorte”. Aqui significa sofrer o mesmo fim trágico que coube a Samaria (2Rs 17.3-6). Bíblia Shedd.

34. e lhe roerás os cacos. Uma figura enfática que expressa o desespero dos judeus no dia do sofrimento. CBASD, vol. 4, p. 724.

36. Disse-me ainda. Ver Ez 20:4; 22:2. Aqui se inicia uma nova seção. O profeta resume os pecados de Oolá e Oolibá, mas de um ponto de vista diferente dos v. 1 a 22. Ele menciona três elementos característicos: o culto a Moloque (v. 37), a profanação do templo (v. 38) e a transgressão do sábado (v. 38) CBASD, vol. 4, p. 724.

39. no mesmo dia. Os judeus eram tão audaciosos na idolatria que, no mesmo dia em que queimavam os filhos a Moloque, no vale de Hinom, hipocritamente se apresentavam como adoradores do templo de Yahweh (ver Jr 79, 10). CBASD, vol. 4, p. 724.

41 num suntuoso leito. Ou, “num suntuoso divã”, usado para o indivíduo se reclinar numa festa. CBASD, vol. 4, p. 724.

42 bêbados. O profeta parece enfatizar a degradação progressiva da cidade prostituída: homens de classe baixa e bêbados do deserto são abraçados por ela. CBASD, vol. 4, p. 724.

45. culpa de sangue. Pecado passível de morte (Lv 20.10-17).

48. Todas as mulheres. As nações ao derredor, que haveriam de aprender uma lição de retidão, ao contemplar a punição sofrida pelos judeus. Já que os descendentes de Abraão se recusavam a ser uma bênção para as nações (Gn 112.2-3) por meio da pregação da Palavra de Deus e da sua vida exemplar, então sua punição era exemplo que redundava em bênçãos. Bíblia Shedd.




<span>%d</span> blogueiros gostam disto: