Reavivados por Sua Palavra


Judas – Comentários Selecionados by tatianawernenburg

1 Servo de Jesus Cristo. Ou “escravo de Jesus Cristo” (Rm 1:1). Se Judas e Tiago eram irmãos do Senhor, então, ambos mostram grande sutileza em suas epístolas, abstendo-se de mencionar esta relação, preferindo reconhecer a divindade de seu Mestre e proclamar sua submissão total, como Seus servos obedientes (Tg 1:1). Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 778.

4 Introduziram com dissimulação. Do gr. pareisduõ, “entrar secretamente”, “infiltrar-se furtivamente”. Os falsos mestres não eram honestos. Por ensinarem doutrinas subversivas, eles se esforçavam na dissimulação e entravam na igreja sem revelar seu verdadeiro caráter. CBASD, vol. 7, p. 779.


6 Algemas eternas. As “correntes” ou “amarras” são eternas no sentido de que os anjos rebeldes não podem escapar delas. CBASD, vol. 7, p. 780.


9 Miguel. Este Comentário apoia o ponto de vista de que “Miguel” é um dos nomes de Cristo (Dn 10:13; ITs 4:16; Ap 12:7), não como o anjo-chefe, mas como o governante dos anjos. CBASD, vol. 7, p. 781.


Corpo de Moisés. Além do relato de Judas, a única referência bíblica ao sepultamento de Moisés está em Deuteronômio 34:5 e 6, em que há registro de que o Senhor sepultou Seu servo fiel e que o local de seu túmulo é desconhecido aos homens. Judas, então, revela que o corpo foi objeto de disputa entre Cristo e Satanás. O fato de Moisés ter aparecido com Elias no monte da transfiguração leva à conclusão de que o Senhor triunfou na disputa com o diabo e ressuscitou Moisés de sua sepultura, fazendo dele a primeira pessoa conhecida a provar o poder vivificador de Cristo. CBASD, vol. 7, p. 781.


Não se atreveu. Do gr. tolmaõ, “ousar”, “presumir”, “fazer algo por conta própria”. Não estava de acordo com o caráter divino caluniar alguém, nem mesmo o diabo, e Cristo não Se atreveria a fazer qualquer coisa contrária à Sua própria natureza e ao caráter perfeito de Deus. Cristo não traria contra ele [o diabo] um “juízo infamatório” como acusação de mentira ou roubo. Satanás é o grande “acusador” (Ap 12:10), o grande caluniador (Zc 3:1, 2), e Cristo jamais usaria as mesmas armas de guerra do diabo. CBASD, vol. 7, p. 781.


15 Juízo. Do gr. krisis (2Pe 2:4). Cristo vem para pronunciar juízo sobre todos os homens, alguns dos quais serão salvos, e outros, perdidos (Jo 3:17; 5:22, 27). CBASD, vol. 7, p. 783.


17 Lembrai-vos. O esquecimento do que os apóstolos tinham dito tornaria os crentes suscetíveis aos ensinamentos sedutores do inimigo e prepararia o caminho para a apostasia. CBASD, vol. 7, p. 784.


20 Orando no Espírito Santo. Ou seja, orando de acordo com as orientações do Espírito Santo e com o auxílio do EspíritoCBASD, vol. 7, p. 785.


21 Guardai-vos. Embora os cristãos sejam “guardados pelo poder de Deus” (IPe 1:5; Jo 17:11), eles também têm de se guardar de todo o mal e permanecer na esfera das boas influências. CBASD, vol. 7, p. 785.


24 Apresentar. O clímax da proteção de Deus virá quando o crente se apresentar sem medo na presença divina, no dia do julgamento. Pela graça capacitadora de Cristo, o cristão pode viver uma fé confiante no poder de Deus que o impedirá de cair em pecado e permitirá que ele finalmente permaneça sem mancha ou vergonha na presença divina. CBASD, vol. 7, p. 786.


25 Amém! Do gr. amên (Mt 5:18). Pelo uso da palavra aqui, Judas pode concordar com a atribuição de tal louvor a Deus, ou pode expressar seu desejo para que seus leitores se guardem de cair em pecado que, por sua vez, também pode se unir ao do hino de louvor ao Pai. É provável que o escritor pretenda que o “Amém” se aplique a ambos os sentidos. Sua carta, breve como é, certamente deve ter trazido estabilidade espiritual para a vida de quem a estudou. CBASD, vol. 7, p. 787.



Judas by jquimelli

Comentário Devocional:

O capítulo de hoje vem com outra saudação surpreendente. O pastor Judas afirma claramente seu laço familiar com Tiago (seu irmão), mas humildemente refere-se a si mesmo como um “servo de Jesus Cristo” (v. 1 NVI). Muitos estudiosos acreditam que Judas foi um dos meio-irmãos de Jesus! Quão inspirador é testemunhar uma verdadeira liderança-serviço.

A parte realmente cativante da saudação é a descrição dos santos (você e eu): “aos que foram chamados, amados por Deus Pai e guardados por Jesus Cristo: Misericórdia, paz e amor lhes sejam multiplicados”(v. 1b-2 NVI). Ser capaz de cumprimentar com tal carinho extravagante e inclusão requer uma conexão viva com Jesus. A saudação de Judas resume a sua carta.

Com a preocupação e a paixão do coração do pastor amoroso, Judas, em seguida, adverte os leitores para os perigos daqueles que gostariam de tirar nossos olhos de Jesus e anular a Sua graça. A cautela inclui lembrar daqueles que foram libertos da escravidão do Egito, mas foram destruídos por causa de sua incredulidade. A exortação é ampliada com um lembrete das razões da destruição de Sodoma e Gomorra. Poderia isso acontecer conosco? Não deveríamos tomar cuidado para não cairmos? Caim, Balaão e Coré caíram – que garantia temos de que também não cairemos?

Graças ao Senhor, esperança e encorajamento emergem no convite a perseverar! Não desista, mesmo que hajam escarnecedores ao nosso redor. Espere pacientemente, edifique-se na fé, orando no Espírito Santo. Ousamos nós sair, neste ou qualquer outro dia, sem estas atitudes? E que em nossa caminhada – estejamos à procura de qualquer um que possa ser salvo, mesmo “… arrebatando-os do fogo” (v 23 NVI).

Para finalizar, vem a doxologia que coroa a saudação de abertura: A promessa de que Deus é capaz de nos impedir de cair, “… e para apresentá-los diante da sua gloriosa presença sem mácula e com grande alegria, ao único Deus, nosso Salvador, sejam glória, majestade, poder e autoridade, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor, antes de todos os tempos, agora e para todo o sempre!” (vs. 24-25 NVI). Amém! A doxologia completa o círculo iniciado na saudação: Jesus é capaz de nos salvar, e o fará – se O permitirmos!

Peter Landless
Diretor mundial dos Ministérios de Saúde
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jud/1/
Traduzido por JAQ/GASQ/IB
Texto bíblico: Judas 
Comentário em áudio 



Hebreus 10 – Comentários Selecionados by tatianawernenburg

1 Sombra. Uma sombra mostra apenas as linhas gerais do original. Assim, não se deve esperar completa semelhança entre a sombra e o objeto que a molda. A palavra é aqui contrastada com “imagem” (eikõn), que indica uma representação mais próxima (Ap 3:14). Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 498.

5 Sacrifício e oferta. A afirmação de que Deus não desejava isso é referente ao oferecimento desses sacrifícios apenas como cumprimento de um ritual, sem a verdadeira devoção. Foi Cristo que instituiu o sistema sacrificial. Usado corretamente, era uma bênção ao adorador. Mas Deus não tinha prazer nos sacrifícios do adorador formal (Os 6:6). CBASD, vol. 7, p. 498.

14 Aperfeiçoou. O sacrifício único de Cristo realizou o que os sacrifícios contínuos dos sacerdotes não podiam realizar, pois estes não poderiam purificar a consciência. Quando o pecador aceita pela fé os benefícios desse único sacrifício, ele é aceito no Amado, sendo considerado perfeito, porque Cristo, o substituto, assume seu lugar (Rm 5:1). CBASD, vol. 7, p. 500.

22 Plena certeza. Aqueles que “se aproximam” devem fazê-lo com fé no poder de Cristo em purificar do pecado e conceder graça para viver acima do pecado. A dúvida e a incredulidade restringem a capacidade de se apropriar dos méritos do Salvador. CBASD, vol. 7, p. 502.

25 O Dia. A referência é ao dia de “juízo e fogo vingador” (v. 27), o dia em que “Aquele que vem virá” (v. 37). A expressão “vedes que o dia se aproxima” aponta para a antiga admoestação do Senhor, em resposta à indagação dos discípulos: “Dize-nos quando sucederão estas coisas e que sinal haverá da Tua vinda e da consumação do século” (Mt 24:3). A indagação e a resposta abrangem igualmente tanto a destruição de Jerusalém, no ano 70 d.C., quanto o fim do mundo. CBASD, vol. 7, p. 503.

26 Já não resta sacrifício. A lei mosaica prescrevia a morte, não sacrifícios, para os apóstatas obstinados (v. 28). Foi assim com Nadabe e Abiú (Lv 10:1-5), Coré, Datã, Abirão e seus 250 apoiadores (Nm 16:1-35). Sacrifícios por essas pessoas teriam sido inaceitáveis ao Senhor, pois tinham valor apenas como representação de corações arrependidos. CBASD, vol. 7, p. 504.

37 Aquele que vem. Ou seja, aquele que prometeu voltar (Jo 14:1-3). CBASD, vol. 7, p. 507.

Tardará. Do gr. chronizõ, “passar o tempo”, “atrasar”. As promessas de Deus podem parecer demoradas, mas, a seu tempo, se cumprirão. CBASD, vol. 7, p. 507.

39 Somos dos que. Diplomaticamente, o autor inclui todos os leitores no grupo que “viverá pela fé” (v. 38). A admoestação dos v. 23 a 36 sugere que alguns deles estavam em perigo de retornar “para a perdição”. Mas o escritor afasta o pensamento de que qualquer deles pudesse fazê-lo. CBASD, vol. 7, p. 507.




%d blogueiros gostam disto: