Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 17 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
30 de janeiro de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

1932 palavras

Deus Todo Poderoso. heb. El Shaddai. (Bíblia Shedd).

Este nome de Deus ‘El-Shaddai, se encontra apenas nos livros de Gênesis e Jó: seis vezes no primeiro e 31 vezes no último. Este é um dos muitos indicativos de que o autor de ambos os livros foi a mesma pessoa. … Desde o nascimento de Ismael não há registro do recebimento de nenhuma outra revelação divina, e Abraão parece ter pensado que Ismael era o cumprimento das promessa de Deus (ver v. 17, 18). Estando agora pronto para renovar Sua promessa a Abraão, Deus o encontrou um pouco cético. Por esta razão Deus Se apresentou como “o Deus Todo-Poderoso”, para quem nada, por mais difícil que parecesse aos homens, seria impossível. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 322.

Sê perfeito [sem defeito]. O mesmo termo em hebraico é usado para descrever a qualidade dos animais sacrificais (Lev 1:3,10) a ressalta um compromisso de todo o coração para com Deus, não perfeição moral (Jó 1:1,8) (Andrews Study Bible).

Assim como a justiça recebida em fé (justificação) era necessária para o estabelecimento da aliança, um andar irrepreensível diante de Deus (santificação) era necessário para sua continuidade. … Deus desejava que Abraão compreendesse que a realização completa da promessa divina exigia que ele estivesse à altura do exaltado padrão divino de pureza e santidade (ver Mt 5:8, 48). Abraão foi chamado a uma experiência mais elevada do que havia conhecido até então. CBASD, vol. 1, p. 322.

4 pai de numerosas nações. Abraão foi o pai físico de muitas nações – o Israel étnico através do filho prometido, Isaque; os ismaelitas (v 20; 21.13; 25.12-18); os edomitas (25.23; 36.1-43); e seus descendentes através de Quetura (25.1-4). Porém esta promessa encontra seu cumprimento final na multidão de cada tribo, língua e nação que compartilha com Abraão a mesma fé e são batizados em Jesus Cristo (Rm 4.16-17, 15.8-12; Gl 3.29; Ap 7.9) (Bíblia de Genebra).

Num sentido mais amplo … esta promessa apontava para os inúmeros descendentes espirituais que reivindicariam Abraão como pai (Gl 3:29). CBASD, vol. 1, p. 322, 323.

Abrão… Abraão. Reconhecendo a grandeza de Deus, Abrão (cujo nome significa “pai exaltado”) se prostra diante de Deus que muda o seu nome para Abraão, “o pai de muitos” [Bíblia de Genebra: “pai de uma multidão”]. Novamente, este é um ato antes de um fato (Andrews Study Bible).

Os nomes eram muito mais importantes para os antigos do que o são para nós. Todos os nomes semitas têm um significado e geralmente consistem de uma frase ou sentença que expressa um desejo ou talvez gratidão, por parte do progenitor. Em vista que as próprias pessoas atribuíam aos nomes, Deus mudou o nome de certos homens para fazer com que este se harmonizasse com a experiência deles no passado ou no futuro. CBASD, vol. 1, p. 323.

O antigo nome representava seu passado aristocrático; o novo representa sua grande descendência […] A mudança de nome do patriarca e da matriarca mostram que eles estão sob o governo de Deus (1.5) e são chamados a um novo destino e missão (Bíblia de Genebra).

7 A aliança (concerto) da graça de Deus é repetidamente chamada de uma “aliança eterna” (veja também vv. 13, 19). Para outros exemplos de aliança eterna, veja 9:16, 2 Sam. 23:5; 1 Cron. 16:17; Is. 55:3; 61:8; Jer. 43:40; Ez. 37:26; Heb. 13:20) (Andrews Study Bible).

A promessa aqui feita a Abraão se refere especificamente a Cristo (Gl 3:16; At 2:30), e através dEle, segundo Paulo, todos os cristãos partilham dela (Gl 3:29; At 16:31). Uma compreensão correta dos termos dessa aliança muito fará para manter um relacionamento correto entre Deus e o crente moderno. CBASD, vol. 1, p. 323.

perpétua. A natureza unilateral e graciosa da aliança de Deus com Abraão é enfatizada pelo seu caráter eterno (v.2). A aliança de Deus dura para sempre porque Ele não muda e porque Jesus Cristo cumpre cada condição dela (2Co 1.20; Ef 2.12-13) (Bíblia de Genebra).

A palavra traduzida como “perpétua” não indica, de forma alguma, um período sem fim (ver com. de Êx 21:6). “Perpétuo”, conforme o uso bíblico, geralmente denota circunstâncias ou condições que devem persistir enquanto o objeto ao qual elas se aplicam possa, em virtude de sua natureza inerente, ser afetado por elas. Isso fica claro a partir de expressões como o desejo de que o rei viva “para sempre”(1Rs 1:31; Ne 2:3; etc.), que simplesmente manifesta os votos de que o rei desfrute longa vida. Uma vez que todos os seguidores de Cristo – os descendentes de Cristo – os descendentes espirituais de Abraão – são herdeiros das gloriosas promessas da aliança (Gl 3:7, 27-29), a “aliança perpétua”precisa continuar em vigor enquanto estiver em andamento o plano da salvação. Assim, as provisões da aliança de Deus com Abraão continuam válidas ao longo de todas as gerações. CBASD, vol. 1, p. 323.

para ser o teu Deus. Embora exista uma dimensão jurídica da aliança (v.2), o relacionamento pactual de Deus com o Seu povo é primeira e principalmente de comunhão (Êx 6.7; Dt 29.13). Deus graciosamente habita com seu povo e este, agradecidamente, responde com fé, amor e obediência (Bíblia de Genebra).

Aqui vemos, em síntese, a essência da aliança que Deus fez com Abraão e sua descendência. Essa essência é pessoal, comparável com a nova relação que o crente tem com Deus, depois de aceitar a Jesus Cristo como seu Salvador pessoal (cf Jo 1.12) (Bíblia Shedd).

10 A circuncisão de todo macho é o sinal da aliança. Textos bíblicos posteriores ligam a circuncisão com obediência e enfatizam a circuncisão do coração (Lev. 26:41; Deut. 10:16; 30:6; Jer. 4:4). A circuncisão também não era limitada somente aos membros da família mas também aos servos (que eram também considerados parte dos moradores da casa, de modo diferente ao conceito ocidental de “empregado”). Falhar quanto a circuncisão resultava em exclusão da comunidade (Gen. 17.14) (Andrews Study Bible).

Por meio deste ritual, o órgão de procriação era consagrado a Deus (cf Lev 19.23). Mais ainda, Deus queria o coração e ouvidos consagrados a Ele (Dt 10.16, 30.6; Jr 4.4, 6.10; Ez 44.7,9). A simples circuncisão da carne é inadequada para agradar a Deus (17.11-14; Jr 9-25-26) (Bíblia de Genebra).

11 Ela [a circuncisão] se destinava: (1) a fazer distinção entre os descendentes de Abraão e os gentios (Ef 2:11), (2) a perpetuar a memória da aliança de Yahweh (Gn 17:11), (3) a promover o cultivo da pureza moral (Dt 10:16), (4) a representar a justiça pela fé (Rm 4:11), (5) a simbolizar a circuncisão do coração (Rm 2:29), e (6) a prefigurar o rito cristão do batismo (Cl 2:11, 12). Os hebreus não eram exclusivos na Antiguidade com respeito à prática da circuncisão. Há registros desse costume, por exemplo, entre os egípcios primitivos e entre vários povos semitas. CBASD, vol. 1, p. 324.

Será isso por sinal. Deus estabeleceu sinais e memoriais de vários eventos significativos. O sábado foi instituído como um memorial da criação; a circuncisão, como sinal da aliança abraâmica; o batismo, como memorial da morte e ressurreição de Cristo; e a Ceia do Senhor, como memorial de Seu sacrifício vicário [substitutivo]. Sinais exteriores podem ensinar verdades espirituais, tornando-se assim canais apontados por Deus para abençoar espiritualmente os praticantes. Assim, podem servir como lembretes perpétuos da graça de Deus e de nosso próprio dever e responsabilidade. CBASD, vol. 1, p. 324.

12 oito dias. Ver Lc 1.59, 2.21; Fp 3.5. Algumas culturas do antigo Oriente Próximo circuncidavam seus filhos  na puberdade como um rito de passagem da infância para a idade adulta. Deus empregou este sinal para crianças para mostrar que os filhos de pais crentes são “santos” (são separados do mundo profano e pertencem à comunidade da aliança. Rm 11.16; 1Co 7.14). Deus continua a usar a instituição da família (At 16.31). O rito de iniciação para entrada na comunidade da aliança hoje é o batismo. Em Cristo, não há mais homem ou mulher, judeu ou gentio, de forma que todos podem participar (Gl 3.26-29; Cl 2:11-12) (Bíblia de Genebra).

14 Será eliminada. A experiência pessoal de Moisés indica a solene importância que Deus atribuía à realização desse rito (Êx 4:24-26). CBASD, vol. 1, p. 325.

15 Sarai… SaraSarai significa “minha princesa”; Sara significa “princesa” [Nota: o sufixo “i”, ao final do nome significando “minha” tem relação com o final do pronome pessoal “ani”, que que dizer “eu”: lit. “princesa de eu/de mim”, ou “minha princesa” ]. Tal mudança de nome servia para que se fizesse mais explícita a promessa de que o descendente viria através de Sara e não de outra qualquer, como Abraão havia sugerido no v 17 (cf Hb 11.11,12) (Bíblia Shedd).

Outrora ela tinha sido a princesa de Abraão, mas daí em diante devia ser reconhecida como a princesa e progenitora de toda uma nação. Pertenceria não só a Abraão, mas a todos os seus descendentes. CBASD, vol. 1, p. 325.

O seu nome de nascimento pretendia, provavelmente, lembrar sua nobreza de família, enquanto o nome pactual tinha em vista a sua nobre descendência  (Bíblia de Genebra).

Dando a ela um novo nome, Deus confirma o fim de sua infertilidade (Andrews Study Bible).

Reis de povos procederão dela. Isto se refere primariamente a Davi e seus sucessores no trono de Judá, mas inclui também a casa real de Edom [descendentes de Esaú, filho de Isaque]. CBASD, vol. 1, p. 325.

18 Tomara que viva Ismael diante de Ti. Este rogo sugere que desde o nascimento de Ismael, Abraão havia se apegado tenazmente à esperança de que esse filho poderia ser o herdeiro prometido. Cego para a possibilidade de Sara, em sua idade avançada, dar-lhe um filho, Abraão intercede em favor de Ismael. Abraão ficaria contente em aceitar o filho que ele próprio arranjara, até mesmo em lugar do que nasceria de Sara. Além do mais, isso o pouparia do embaraço de renunciar ao plano que ele próprio anunciara publicamente de que Ismael seria seu herdeiro (ver PP, 146). CBASD, vol. 1, p. 325, 326.

19 Isaque significa riso, visto que tanto Abraão, como Sara, riram-se admitindo que se tratava de uma promessa irrealizável. Por ocasião do nascimento de Isaque, porém, eles riram-se por motivo diferente (21.6) (Bíblia Shedd).

“De fato”, inquestionavelmente Sara se tornaria mãe; não haveria razão para duvidar disso. … Tanto o nome de Isaque quanto o de Ismael foram escolhidos antes do nascimento, e o nome de Abraão e Sara foram mudados por causa de uma nova experiência que os aguardava. CBASD, vol. 1, p. 326.

20 Quanto a Ismael … gerará 12 príncipes. O nome dos 12 filhos de Ismael são dados em Gênesis 25:12-16. Como os 12 filhos de Jacó, cada um deles se tornou pai de uma tribo (ver com. de Gn 25:13-16). CBASD, vol. 1, p. 326.

21 Com Isaque. Repetindo a declaração do v. 19, Deus assegurou a Abraão que Isaque, não Ismael, devia ser o filho da aliança. Embora Ismael devesse partilhar, de maneira geral, das bênçãos prometidas a Abraão, a descendência de Isaque se tornaria numerosa suficiente para possuir a terra de Canaã. Especificamente, a aliança, com todas as suas bênçãos materiais e espirituais, era para o filho de Sara, Isaque, e para sua posteridade. A história posterior dos dois filhos justifica plenamente a escolha que Deus fez de um e a rejeição do outro. Embora Agar tivesse vindo a crer no Deus verdadeiro, a influência de sua educação egípcia anterior se demonstrou decisiva na vida de Ismael e seus filhos, pois os descendentes dele se tornaram pagãos. CBASD, vol. 1, p. 326.

Neste mesmo tempo. Um limite de tempo [“daqui a um ano”] é agora anexado à promessa de um filho. Não poderia mais haver lugar para incerteza. Após esperar quase 25 anos desde a primeira promessa e de ter demonstrado tanto fé quanto dúvida no passado, Abraão ficou sabendo que o tempo de espera devia logo terminar. CBASD, vol. 1, p. 326.

22 Deus Se retirou dele, elevando-Se. Esta declaração indica que a revelação de Deus havia sido uma revelação visível. Não temos ideia da forma em que Abraão viu a Deus. CBASD, vol. 1, p. 326.

23 Tomou, pois , Abraão a seu filho Ismael … circuncidou. Pelo fato de Ismael estar com 13 anos quando foi circuncidado (v. 25), os árabes até hoje adiam esse rito até um período muito posterior ao dos judeus [8 dias], geralmente da idade de cinco a 13 anos, e muitas vezes não antes dos 13 anos. CBASD, vol. 1, p. 326.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: