Reavivados por Sua Palavra


II TESSALONICENSES 1 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
2 de novembro de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO II TESSALONICENSES 1 – Primeiro leia a Bíblia

II TESSALONICENSES 1 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

II TESSALONICENSES 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



II TESSALONICENSES 1 by Jobson Santos
2 de novembro de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/2ts/1

Um simples telefonema poderia ter esclarecido a grande maioria dos problemas enfrentados pelas igrejas de Paulo. Mas não havia telefones no mundo antigo. Assim os crentes tinham que descobrir onde Paulo estava para enviar a ele uma carta contendo suas perguntas. O apóstolo, então, ditava uma resposta e a remetia de volta para a igreja. O processo costumava levar meses. Enquanto isso, falsas crenças e mal-entendidos tinham tempo para se desenvolver e se espalhar. Isso parece ter acontecido em Tessalônica.

No primeiro capítulo de II Tessalonicenses, Paulo novamente aguarda com otimismo o resultado do seu trabalho a favor daquela cidade. Na Segunda Vinda, os crentes serão resgatados de seus perseguidores pela intervenção espetacular de Deus em Cristo (vs. 5-10). O objetivo de Paulo nessa passagem não é se regozijar com a vingança (vs. 8-9), mas encorajar os oprimidos e vítimas de abuso (vs. 5-7).

Este julgamento, na verdade, é a contrapartida de I Tessalonicenses 4. Lá a Segunda Vinda permite que os Tessalonicenses estejam “com o Senhor.” Aqui os perseguidores dos fiéis são afastados da face do Senhor, não porque Ele os odeia, mas porque o caráter deles não suporta a gloriosa presença de Deus.

Jon Paulien
Universidade de Loma Linda, EUA.

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1363
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



II TESSALONICENSES 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
2 de novembro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

268 palavras

É justo para com Deus. Isto é, justo do ponto de vista de Deus, que não vê como o ser humano e é capaz de tomar decisões completamente justas, já que conhece todos os fatos e discerne os motivos no coração. CBASD, vol. 7, p. 269 [Nota: 2Ts 1:6 na NVI: “É justo da parte de Deus retribuir com tribulação aos que lhes causam tribulação”].

Dê em paga. Os princípios de justiça exigem que os homens sejam recompensados segundo suas obras. Os que desprezam a expiação do Salvador estão desprotegidos e se expõem à justa retribuição (ver com. de Rm 2:6; Gl 6:7; Ap 22:2). CBASD, vol. 7, p. 269.

Tribulação. Aqueles que afligem os tessalonicenses não são identificados aqui, mas a partir da narrativa em Atos 17:5 a 9, é evidente que os judeus foram os instigadores da perseguição. CBASD, vol. 7, p. 269.

10 Glorificado nos Seus santos. Cristo será glorificado diante da multidão celestial pelas obras de Suas mãos: os milagres de Sua graça (ver Mt 13:43; TM, 18, 45, 50). Por toda a eternidade, o Salvador receberá glória à medida que Seus santos tornarem mais plenamente conhecida a sabedoria de Deus em Seu maravilhoso plano d salvação, o qual ˜estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Ef 3:10, 11). CBASD, vol. 7, p. 271.

Admirado. Os santos têm aguardado o Libertador, mas a concretização de suas expectativas supera as esperanças mais otimistas. Eles nunca pensaram que o Senhor seria tão glorioso. Quando a beleza de Sua presença irromper sobre eles, ao fascínio será acrescentada uma admiração reverente (ver Is 25:9). CBASD, vol. 7, p. 271.

12 Glorificado. Exaltamos o nome de Cristo quando revelamos o poder salvífico de Sua graça em nossa vida. Esta glorificação é mútua: para que O glorifiquemos Ele nos concede Sua glória para aperfeiçoar em nós o Seu caráter (ver Jo 17:10, 22). CBASD, vol. 7, p. 2712.



2TESSALONICENSES 1 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
2 de novembro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Irmãos, cumpre-nos dar sempre graças a Deus no tocante a vós outros, como é justo, pois a vossa fé cresce sobremaneira, e o vosso mútuo amor de uns para com os outros vai aumentando” (v.3).

Hoje estamos dando início ao estudo do livro de número cinquenta e três das Escrituras Sagradas. E as palavras ditas por Paulo no verso acima, a esta altura do campeonato, deveriam ser uma realidade na minha e na sua vida. Homens e mulheres cuja fé só cresce e cujo amor só aumenta, ainda que nas “perseguições e nas tribulações” (v.4); que não tomam por mérito o sofrer por Cristo, pois desconfiam de si mesmos e confiam apenas no poder divino; que sofrem pelo desejo ardente de serem “considerados dignos do reino de Deus” (v.5), pelos méritos de seu Salvador; que entendem que a vida de Jesus é o único modelo a ser seguido. Como escreveu Phillips Brooks: “Não estou enganado quando digo que todos os exércitos que já marcharam, todas as marinhas de guerra que já navegaram, todos os parlamentos que já se reuniram, todos os reis que já reinaram, em conjunto, não afetaram tanto a vida do Homem nesta Terra como aquela vida solitária – a vida de Jesus Cristo”.

Estamos diante de uma ação de graças diferente de todas as demais. Pois além de apresentar a fé e o amor como as primas virtudes do verdadeiro cristianismo, também apresenta o “reto juízo de Deus” (v.5) como “penalidade de eterna destruição” (v.9) contra os ímpios, e glória eterna para os salvos. A visão humana acerca do juízo divino tem sido equivocada e distorcida. Filmes, séries e livros de ficção têm confundido gerações e amortizado as mentes para o conhecimento da verdade. Hollywood transformou o grande conflito entre Cristo e Satanás em uma batalha épica que nada tem a ver com o real conflito que envolve o meu e o seu destino eterno. E mesmo no meio cristão, milhares têm sido influenciados por esta mídia demoníaca que tem o objetivo de tão somente desvirtuar a nossa mente das “coisas lá do alto” (Cl.3:2).

O povo de Deus passou por um terrível estado de apostasia no período do profeta Amós. Era um momento em que desfrutava de paz e tranquilidade. Na abundância e no sossego, esqueceram-se do Senhor. Sua religião era impecável em ritos e cerimônias, mas nauseante quanto à verdadeira adoração e prática de boas obras. Como uma Laodiceia do passado, confiavam em si mesmos, tornando-se independentes do Deus a quem diziam servir. E sobre o Dia do Senhor, que tanto professavam aguardar, foi-lhes dito: “Ai de vós que desejais o Dia do Senhor! Para que desejais vós o Dia do Senhor? É dia de trevas e não de luz” (Am.5:18). E este recado sobremodo assustador foi dado não aos gentios, mas ao professo povo de Deus. Um recado que se estende aos nossos dias, à igreja de Laodiceia: “Aborreço, desprezo as vossas festas e com as vossas assembleias solenes não tenho nenhum prazer” (Am.5:21).

O apelo do Senhor para o antigo Israel é o mesmo que faz hoje para o “Israel de Deus” (Gl.6:16). “Pois assim diz o Senhor à casa de Israel: Buscai-Me e vivei” (Am.5:4). O Dia do Senhor revelará as verdadeiras intenções e nada ficará oculto. “Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más” (Ec.12:14). Jesus virá “para ser glorificado nos Seus santos e ser admirado em todos os que creram” (v.10). O Seu advento será o dia em que Ele contemplará “o fruto do penoso trabalho de Sua alma e ficará satisfeito” (Is.53:11). Mas também será o dia em que Ele virá “em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus, e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus” (v.8). Porque “aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor” (1Jo.4:8). E Deus virá buscar os que, de fato, amaram, e porque amaram, perseveraram em obediência: “Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Ap.14:12).

Amados, não cessemos de orar uns pelos outros, “para que o nosso Deus [nos] torne dignos da Sua vocação e cumpra com poder todo propósito de bondade e obra de fé, a fim de que o nome de nosso Senhor Jesus seja glorificado em [nós], e [nós], nEle, segundo a graça do nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo” (v.12). Precisamos buscar ao Senhor de todo o coração. O Espírito Santo está prestes a concluir a Sua obra. “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (Jl.2:32). “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (1Jo.2:1). Seja Jesus o seu Advogado hoje, e você não precisará temê-Lo quando Ele vier como Juiz. Vigiemos e oremos!

Bom dia, santos de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Tessalonicenses1 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



II TESSALONICENSES 1 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
2 de novembro de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

II TESSALONICENSES 1 – Você já fez alguma coisa boa que teve um resultado negativo? Você acha que Deus pode tentar corrigir um erro e Sua solução causar mais problemas?

Leia atentamente!

A primeira carta aos tessalonicenses não foi um erro, mas obteve resposta negativa. Não que as pessoas eram incrédulas, mas porque deram ênfase exagerada em doutrinas verdadeiras. A primeira carta abordou o dia da volta de Jesus e os crentes que a receberam precisaram de correção em uma segunda carta devido ao exagero na preparação para a volta de Jesus.

Leia várias vezes as duas cartas, perceba a diferença nas ênfases de Paulo. Uma parece que ele pisa no acelerador, na outra, ele pisa no freio. Uma foi escrita para corrigir um erro, a outra foi escrita para resolver outro erro, erro este produzido pela interpretação errônea da primeira carta inspirada por Deus.

Certamente que nós, como os crentes tessalonicenses, precisamos das duas cartas para vivermos o cristianismo coerente e equilibradamente.

Na segunda carta, “a ênfase é em como manter uma igreja saudável com um testemunho efetivo em resposta adequada à sã escatologia e à obediência à verdade”, diz John MacArthur.

Nesta carta, Paulo…
• …Elogia aos crentes. Não os critica pela incompreensão da primeira carta (vs. 1-4);
• …Consola aos crentes perseguidos. Não os ataca por adulterar o significado de sua mensagem anterior (vs. 5-10);
• …Intercede pela igreja para que Deus graciosamente aceite a vida de seus membros (vs. 11-12).

Percebeu que Paulo não ataca diretamente ao problema? Seria ele frouxo? Estaria ele negligenciando a busca por solucionar o mal entendido?

William Kelly auxilia-nos a encontrar respostas: “Como na primeira epístola, o apóstolo não ataca o erro de imediato, mas prepara o coração dos santos de modo gradual e completo a fim de sedimentar a verdade e excluir o erro quando for exposto. Assim operam a graça e a sabedoria divinas: Não apenas tratam do erro e do mal, mas colocam o coração em ordem”.

Reflita:
1. Não são as personalidades enérgicas dentro da igreja que resolvem os problemas, mas as pessoas dependentes da sabedoria do Espírito.
2. Nem sempre o método certo resolverá o problema, pior ainda é quando for avaliado pelo resultado que o método certo estava errado.

“Senhor, coloque em ordem nosso coração ainda hoje…” – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: