Reavivados por Sua Palavra


1Coríntios 04 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
12 de setembro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores” (v.16).

Após sua conversão, Paulo empenhou-se com maior convicção e lealdade a pregar a Palavra de Cristo do que quando a perseguia. O que sabemos sobre o seu encontro com Jesus na estrada de Damasco certamente não pode discernir a experiência pessoal de Paulo com o Salvador. Aquela visão, o impedimento de sua visão por três dias e a cura realizada por Ananias foram experiências tão marcantes e reais que, dali para frente, em nenhum momento encontramos algum registro em que Paulo tenha duvidado de seu chamado. Muito pelo contrário. Percebemos um crescente desenvolvimento da recriação promovida por Cristo em sua vida. Percebemos um Paulo cada vez mais íntimo de Jesus e completamente comprometido em fazer discípulos sempre falando a verdade ainda que isto lhe custasse não obter o favor e a simpatia de todos.

Ao falar sobre julgamento, o apóstolo demonstrou cautela quanto ao trato pessoal. Sua consciência foi colocada como testemunha de sua inocência, ainda que não considerasse a si mesmo justificado, pois o seu caso foi entregue nas mãos de Deus, o verdadeiro juiz. O juízo temerário tem causado uma grande confusão no sentido de inverter os papéis. Fomos chamados para sermos testemunhas, e não juízes. Contudo, a testemunha tem por obrigação falar a verdade. E nesse conflito de interesses, em que cada um se coloca na defensiva de proteger seus próprios gostos e opiniões, ignoramos ou até condenamos conselhos e repreensões dos lábios de testemunhas que estão simplesmente querendo nos dizer: “É por te amar que eu preciso abrir os seus olhos”.

Paulo precisou ficar cego para perceber que sempre esteve na escuridão. Seu escrito de dívida foi pago por Cristo e mais do que qualquer outra pessoa, ele compreendeu que o seu chamado não consistia em uma barganha com Deus, mas em uma contínua entrega do coração. Suas censuras e reprovações não visavam acusar, e sim reconduzir a igreja no caminho em que deveria andar. Quanto a isto, estamos vivendo em tempos angustiosos, amados, quando qualquer advertência é considerada como julgamento arbitrário. Imaginem se Paulo vivesse em nossos dias e entregasse esta epístola em nossa igreja. O que pensaríamos de alguém que declara: “Sejam meus imitadores”? Ou pior: “O que vocês preferem? Que eu vá até vocês com vara ou com amor e espírito de mansidão?” No mínimo, muitos diriam: “Quem você pensa que é?”

O apóstolo Paulo, porém, utilizou a linguagem da experiência pessoal. Seu relacionamento com Cristo era o seu passaporte de entrada para onde quer que o Espírito Santo o levasse e o seu visto de autorização, para corrigir, repreender e exortar (2Tm.4:2), sem ultrapassar o limite divino do “que está escrito” (v.6). Paulo preparava seus sucessores na obra, como Timóteo, considerado “filho amado e fiel no Senhor” (v.17), na escola da comunhão. As pessoas podem aprender técnicas de evangelismo, participar de inúmeros treinamentos e ouvir boas palestras, mas se tudo isso não corresponder a uma vida de comunhão com Deus, de buscá-Lo de todo o coração a cada dia, qualquer esforço não passará de mera formalidade. “Porque o reino de Deus consiste não em palavra, mas em poder” (v.20).

Paulo falava e escrevia com autoridade não porque havia deixado de ser pecador, mas porque conhecia Aquele que jamais pecou. Meus irmãos, o Senhor apela à nossa geração para que voltemos o nosso olhar para as Escrituras a fim de sabermos fazer diferença entre julgamento e exortação. Como testemunhas de Jesus, é nosso dever exortarmos uns aos outros. Exortar significa “estimular, mostrar coragem para algo, incentivar”. É segurar pela mão e dizer: “Eu estou aqui para lhe ajudar”. É falar a verdade com brandura, mas também com convicção. Na linguagem do Mestre dos mestres, é replicar: “vai e não peques mais” (Jo.8:11). Que pelo poder do Espírito Santo sejamos testemunhas de Jesus. Só assim seremos encontrados como despenseiros fiéis dos mistérios de Deus. Vigiemos e oremos!

Feliz semana, ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #1Coríntios4 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: