Reavivados por Sua Palavra


II Coríntios 2 by jefersonquimelli
1 de abril de 2015, 8:59
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Paulo começa recordando os crentes de Corinto acerca do “grande amor” que ele tem por eles (v. 4). Ele se refere a uma “carta de lágrimas” que ele aparentemente escreveu entre as duas cartas aos Coríntios que temos em nossas Bíblias. Em meio às suas provações e conflitos Paulo, que é um pastor de coração, encoraja-os a demostrar amor para com os que caíram em pecado e tiveram de ser corrigidos para que não se entristeçam demais e desanimem (v. 8).

O apóstolo também expressa sua preocupação com Tito, a quem ele esperava ver antes de sair para a Macedónia (v. 13). Mas minha parte favorita deste capítulo é a descrição de ação de graças de Paulo. Tudo o que fazemos, diz ele, está centralizado em Cristo, e como crentes procuramos exaltar o Seu nome, como se estivéssemos em um desfile. Cristo é aquele que libera a fragrância do conhecimento que temos dele em todos os lugares que vamos. Paulo lembra-lhes que exalamos o perfume de Cristo à medida que trabalhamos – tanto por aqueles que estão sendo salvos como por aqueles que estão perecendo (vs.14-15).

Uma das coisas que mais amo, como missionário nas Filipinas, são os aromas maravilhosos daqui. Imediatamente atrás de nossa casa existem bananeiras exuberantes e meus filhos particularmente adoram o fato da nossa casa estar sob uma grande mangueira. Por toda parte ao redor existem flores e frutas tropicais. A cada dia temos a oportunidade de agradecer ao Senhor por tanta beleza e fragrâncias agradáveis.

É muito bom estar ao lado de uma pessoa cuja personalidade agradável perfuma o ambiente onde está. Mas, por mais estranho que possa parecer, tal pessoa pode ao mesmo tempo ser um perfume de morte (v. 16). Isto porque, segundo o pensamento de Paulo, quando testemunhamos de forma vívida o amor de Deus as pessoas tem a liberdade de aceitar o não o amor de Deus. Se alguém endurece o seu coração a esta influência do Espírito Santo, isto pode significar uma passo a mais na sua escolha de rejeição a Deus e à vida que Ele oferece.

Peçamos a Deus que nos ajude a exalar o bom perfume de Cristo por onde quer que andarmos. Que sejamos fonte de vida aos que acreditam e para aqueles que estão sendo salvos.

Michael W. Campbell, Ph.D.

Professor Assistente, Estudos Históricos / Teológicos
Instituto Adventista Internacional de Estudos Avançados
Filipinas

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/2co/2/

Traduzido/adaptado por JDS/JAQ

Texto bíblico: II Coríntios 2

Comentários em áudio



II Corintios 2 – Comentários Selecionados by tatianawernenburg
1 de abril de 2015, 1:00
Filed under: Cartas de Paulo | Tags: ,

1 Voltar. De acordo com esta interpretação, Paulo não esteve em Corinto desde a primeira visita. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 918.

2 Se eu vos entristeço. Do gr. lupeõ.”deixar triste”, “causar sofrimento”. Paulo estava entristecido pelas maldades desenfreadas na igreja, e a carta anterior de reprovação entristeceu os membros sinceros da igreja, bem como enfureceu outros (2Co 10:9, 10). Em tais circunstâncias, uma segunda visita teria sido dolorosa tanto a Paulo como aos coríntios. Essa situação agravaria a tristeza para todos os envolvidos. No entanto, se a carta alcançasse o resultado esperado, outra visita demonstraria alegria recíproca. CBASD, vol. 6, p. 919.

4 Muitas lágrimas. Paulo aplicou severa reprovação e disciplina, não com ira, mas com tristeza. Cristo chorou devido ao anelo que mantinha por Seu povo (Mt 23:37, 38). A reprovação que deveria reconquistar o errante nunca deveria ser feita em aspereza ou com atitude dominadora, mas com ternura e compaixão. Paulo dispunha de coragem ilimitada diante do perigo, da perseguição e da morte, mas ele chorou quando forçado a censurar seu irmão em Cristo. CBASD, vol. 6, p. 919.

7 Pelo contrário. Feita a incisão e alcançado o objetivo, o cirurgião sutura a ferida e tenta restaurar a saúde do paciente. O transgressor em Corinto foi privado do relacionamento cristão com a maioria dos membros da igreja. No entanto, após ter se arrependido, qualquer disciplina adicional seria vingativa e punitiva e o desencorajaria a ser leal a sua nova resolução. CBASD, vol. 6, p. 921.

9 Ter prova. Outro motivo para a instrução de Paulo a respeito do transgressor da igreja na epístola anterior era o desejo de verificar a obediência e lealdade deles. Os fatos confirmaram a lealdade deles. Os coríntios corresponderam à análise ao lidar fielmente com o pecado na igreja. CBASD, vol. 6, p. 921.

10 A quem perdoais. Porque a igreja de Corinto deu prova cabal de lealdade ao princípio, Paulo se une aos membros no sugerido voto de confiança. Ele reconhece a autoridade da igreja, sob Cristo, para lidar com seus problemas. Cristo delegou autoridade à igreja como uma corporação, agindo sob a direção e presidência do Espírito Santo. Vários eruditos observaram que este foi o único caso específico no registro neotestamentário do exercício da autoridade eclesiástica para reter e transferir pecados, e que, neste caso, foi exercido por Paulo, e não por Pedro. Este poder foi dado por Cristo aos apóstolos coletivamente e como representantes da igreja cristã. CBASD, vol. 6, p. 922.

13 Não tive […] tranquilidade. A ansiedade de Paulo perdurou até que finalmente encontrou Tito na Macedônia. A ansiedade era tamanha, que ele não conseguiu permanecer em Trôade, ainda que as perspectivas fossem favoráveis. Este versículo evidencia o intenso interesse pessoal de Paulo em seus conversos. Não há outro relato de Paulo se afastando de uma “porta aberta”. O obreiro de Deus mais bem-sucedido nem sempre está acima de fortes emoções que o abalam e o impedem de continuar a obra por um período. Enquanto a crise confrontou a obra de Cristo em Corinto, Paulo não teve tranquilidade nem concentrou seus talentos em outras atividades. CBASD, vol. 6, p. 923.

14 A fragrância. Isto é, a fragrância espalhada pelos portadores de incenso ao longo da procissão. Nuvens de incenso se erguiam dos altares à beira do caminho e eram sopradas dos incensários e dos templos abertos. Toda a cidade estava repleta com a fumaça dos sacrifícios e a fragrância de flores e incenso. Paulo pensa em si como um portador de incenso na procissão triunfal de Cristo. CBASD, vol. 6, p. 924.

15 Bom perfume. O termo euõdia é originado de duas palavras que significam “bom” e “perfume”. A palavra euõdia é aplicada a pessoas ou coisas agradáveis a Deus. CBASD, vol. 6, p. 925.

16 Para estes. Cristo é vida ou morte para as pessoas conforme elas O aceitam ou rejeitam. Isso é inevitável, porque Ele é a única fonte de vida. Uma vez confrontada pela verdade como ela é em Cristo, nenhuma pessoa pode evitar tomar uma decisão. CBASD, vol. 6, p. 925.

17 Mercadejando. Literalmente, “vendedores”, “mascates”, “mercenários”, “negociantes”. A palavra assim traduzida sempre é usada no sentido pouco lisonjeiro. Foi utilizada, por exemplo, para o distribuidor de vinho, ou vinicultor, que adulterava o vinho, adicionando água ou outra mistura inferior, para lucrar mais. Também era usada no sentido intelectual. Platão assim se referia aos filósofos que, segundo seu modo de pensar, adulteravam a verdadeira filosofia. Paulo fala então daqueles que adulteram ou lidam enganosamente com a Palavra de Deus. O ser humano corrompe a Palavra de Deus quando a considera principalmente como um meio de ganhar a vida, quando atenua a bondade ou a severidade de seus requisitos, quando diminui as altas exigências que ela faz aos cristãos, ou quando prega a si mesmo, a sua habilidade ou aprendizado. Assim, transforma a Palavra num ministro para ele, ao invés de ser ministro da Palavra. CBASD, vol. 6, p. 926.




%d blogueiros gostam disto: