Reavivados por Sua Palavra


Ezequiel 26 by jquimelli
23 de julho de 2014, 0:00
Filed under: consequências, profecias | Tags: ,

Comentário devocional:

Hiram, rei de Tiro, havia sido como um irmão para Salomão e tinha fornecido madeira de cedro do Líbano para a construção do Templo. Mas aqueles dias ficaram no passado. A perversa Jezebel veio de Tiro e os seus habitantes se alegraram com a queda de Jerusalém.

Os cedros deram a Tiro os recursos de que precisava para explorar seu status como uma influente cidade portuária e tornar-se um estado mercantil poderoso, não inferior ao que é hoje a moderna Cingapura. Não tão encantadora, com certeza, mas igualmente próspera. 

No entanto, esta prosperidade não iria durar. Os babilônios que haviam destruído a Jerusalém também haveriam de destruir a Tiro. A cidade ficaria sufocada com a poeira que os cavalos da Babilônia iriam levantar. Os exércitos iria invadir a cidade como uma onda crescente. E grandes ondas eram algo que Tiro compreendia muito bem.

Babilônia sitiou e tomou a cidade. Alguns elementos da previsão levaram algum tempo para se concretizar. A cidade foi reduzida ao pó, e até mesmo o pó foi varrido para o mar pelos soldados de Alexandre a fim de que uma ponte fosse construída para permitir aos exércitos inimigos a vitória sobre a parte da cidade que ficava numa ilha. Com o tempo todas as palavras do Senhor contra Tiro se cumpriram.

O esplendor da cultura e da civilização de Tiro nunca mais não seriam os mesmos e o império jamais seria revivido. De Deus não se zomba. 

Aqueles que ferem o Seu povo ferem a Ele também e receberão o castigo divino. Se hoje ou no futuro, é uma mera questão de tempo. 

Caso você se encontre perseguido por pessoas sem Deus no coração não tenha medo. A sua vitória já está prometida e garantida pelo sangue de Jesus. É apenas uma questão de tempo.

Ross Cole
Avondale College, Austrália

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/26/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Ezequiel 26 

Comentário em áudio



Ezequiel 25 by jquimelli
22 de julho de 2014, 0:00
Filed under: perdão, restauração | Tags: , ,

Comentário Devocional:

Quando alguém tem problemas de visão, necessita de textos escritos em letras grandes para poder ler. Judá apresentou tanta dificuldade para ouvir Jeremias em Jerusalém e Ezequiel na Babilônia, que estes profetas tiveram que gritar (Ez 1 a 23). 

Mas agora o inacreditável aconteceu e Jerusalém caiu. A noiva do Senhor está morta. Agora é o momento de mensagens de apoio e conforto para os sobreviventes (Ez 33 a 48).

Mas antes da restauração, a raiva e a revolta geralmente se manifestam. Raiva por todos aqueles que causaram sofrimento e dor (Ez 25 a 32). 

Os inimigos opositores de longa data são abordados em primeiro lugar. Amom e Moabe são parentes dos israelitas, descendentes de Ló. Edom e Seir também o são, da linhagem de Esaú. No entanto, muitas vezes, a animosidade entre parentes pode ser muito mais profunda do que entre meros conhecidos. E temos ainda, neste capítulo, os filisteus, que sempre foram inimigos.

Devo confessar minha sensação de desconforto com a intensidade deste capítulo. Não parece correto exigir tal derramamento de sangue. No entanto, certamente existe um lugar para sentir raiva daqueles que nos ferem e até mesmo para sentir alegria pela sua derrota. Nenhuma emoção é ruim em si mesma. Como você usa essas emoções é que conta.

“E o perdão?” Sim, o perdão é importante. Mas primeiro você tem que sentir a intensidade da ofensa recebida; não diga apenas que perdoa. O perdão não deve ser apenas desculpar o erro, sem encarar e superar a dor do que foi feito. O verdadeiro perdão  encara a mágoa indesculpável, mas apesar da dor sentida; perdoa. O Calvário demonstra o quanto custou caro o oferecimento do perdão divino. A doação da graça custou a sentença de morte. 

Muitas vezes temos pressa de que as pessoas cheguem a uma conclusão rapidamente. Ao abusado, ao quebrantado, deve ser permitido compreender a realidade da perda. O caminho da restauração não é ignorar a dor para, então, perdoar. É sentir a dor, reconhecer a dor e então perdoar e deixar a dor ir embora.

Neste capítulo, Ezequiel também retrata belas imagens de restauração, mas primeiro ele sente e expressa raiva das nações, com muita razão, aliás. Você não pode curar o que você não sente.

Senhor, conceda-nos, como parte de nossa cura, sentirmos a plenitude de nossa dor, assim  como nos mostrastes a autenticidade da Sua.

Ross Cole
Avondale College, Austrália

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/25/

Traduzido por JAQ/GASQ/JDS

Texto bíblico: Ezequiel 25 

Comentário em áudio 



Ezequiel 24 by jquimelli
21 de julho de 2014, 0:00
Filed under: caráter de Deus, crescimento espiritual, Deus, restauração, vitória | Tags:

Comentário devocional:

Oh, Senhor, como podem ser difíceis os Teus caminhos! Ezequiel foi Seu profeta fiel, mas ele não foi  poupado de nenhuma dor. 

A sua esposa, o deleite de seus olhos, morreu no mesmo dia que Jerusalém, a Sua esposa, Senhor, morreu. Como Oséias, antes dele, Ezequiel não apenas falou as palavras de Deus, ele experimentou pessoalmente os sentimentos que Deus estava sentindo. 

Senhor, erram aqueles que vêem o Seu caminho como uma forma de escapar da tristeza e da dor. Tu nunca prometeste aos teus seguidores uma vida fácil ou próspera. Quando nos tornamos íntimos de Ti, Senhor, sentimos a dor que Tu sentes pelo pecado. Essa realidade é pesada, quase nos esmaga. Ao nos aproximarmos de Ti, a dor pelo pecado, Sua própria tristeza, se torna também nossa. O seu peso nos esmaga e nos quebranta. 

No entanto, não recebemos somente Tua dor e sofrimento. Tu nos dás a Si mesmo. Essa é a essência do Calvário. Quem tem a Ti, tem tudo.

Senhor, sabemos que nenhum de nós é chamado por Ti para a auto-punição. Mas o caminho a que Tu nos chama às vezes é um caminho íngreme e rochoso, com muitos espinhos. No entanto, posso dar testemunho neste dia que Tu és suficiente, pois na minha fraqueza Eu vejo a Tua força perfeita!

Ross Cole
Avondale College, Austrália

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/24/

Traduzido por JAQ/GASQ/JDS

Texto bíblico: Ezequiel 24 

Comentário em áudio



Ezequiel 23 – comentários selecionados by jquimelli
20 de julho de 2014, 0:12
Filed under: Bíblia, Estudo devocional da Bíblia | Tags: , ,

Comentários selecionados:

O cap. 23 apresenta uma extensa alegoria cujo propósito é mostrar a pecaminosidade de Judá. A alegoria é semelhante à do cap. 16, embora haja algumas diferenças. O tema principal desta principal alegoria são as alianças políticas com nações estrangeiras. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 723.

Este capítulo é uma das mais violentas acusações que já foi lançada contra uma nação. Qualquer busca de alianças internacionais com a Assíria, ou Egito, ou Babilônia (vv 3, 5 e 15), nas quais os israelitas receberiam vantagens carnais em troca da aceitação da idolatria dessas nações, era adultério contra a fidelidade de Deus. … A linguagem aqui é a mais brutal na Bíblia inteira: é necessário compreender que uma vida humana sem fé em Deus, sem fidelidade à Sua Palavra, é mais horrenda perante Deus do que as mais terríveis brutalidades perante a sociedade humana. Bíblia Shedd.

2. Uma só mãe. As duas cidades, Samaria e Jerusalém, tinham a mesma mãe, o povo hebreu. Possuíam ancestrais comuns. CBASD, vol. 4, p. 723.

4 Oolá. Heb haolah, significa “tenda dela”. A tenda é o tabernáculo erguido nos altos para adorar os ídolos e praticar adultério, que fazia parte deste culto; que é “dela” própria, significando que, desde a separação das dez tribos, Israel deliberadamente escolhera sua própria religião (1Rs 12.25-33) que, aliás, logo se entregou ao paganismo de Tiro. Bíblia Shedd.

Oolibá. Heb aholibah, significa “minha tenda está nela”. É Jerusalém, a cidade onde o tabernáculo de Deus, seguindo as instruções dadas para a tenda no deserto, foi erguido em forma de um templo permanente, o lugar aonde os israelitas fluíram para dirigir suas súplicas à presença divina (1Rs 8.22-53). Há uma grande diferença entre a religião inventada pelo homem e a revelada pela presença do Senhor. Mas ai de quem, tendo aprendido a verdadeira religião, torna-se infiel (Hb 10.28-29); ficará como Oolibá, tida como pior que Oolá (16.52). Bíblia Shedd.

foram minhas. Ambas professavam lealdade ao verdadeiro Deus. CBASD, vol. 4, p. 723.

5 prostituição. Aqui representa as alianças políticas com potências pagãs. … A linguagem explícita no capítulo ressalta a repulsa que Deus e Ezequiel sentiam por Israel por causa de ele fazer o jogo mundano da política internacional em vez de confiar no Senhor para obter segurança. V 2Rs 15.19. Bíblia de Estudo NVI Vida.

9 por isso, a entreguei. Ver 2Rs 17:5, 6. A historia de Samaria é brevemente recapitulada, porque a nação não mais existia, e é usada como base de comparação para a descrição mais detalhada da loucura de Judá. CBASD, vol. 4, p. 723.

10 eles lhe arrancaram a roupa, deixando-a nua. Referência à queda de Samaria diante dos assírios em 722-721 a.C. Bíblia de Estudo NVI Vida.

17 enojada, os deixou. Judá se enfadou da aliança com Babilônia e foi buscar a ajuda do Egito. Os v. 17 a 19 descrevem essa política vacilante. CBASD, vol. 4, p. 723.

18 a Minha alma se alienou. O Senhor Se cansou de Judá e Se afastou dela com repugnância. CBASD, vol. 4, p. 723.

25 o nariz e as orelhas. Os egípcios e os assírios puniam as mulheres adúlteras desta maneira bárbara. Bíblia Shedd.

28 deixaste. A referência imediata é a rebelião do rei Zedequias contra os caldeus que, segundo v 29 e 2Cr 36.10-21, não hesitaram em lhe aplicar uma punição à altura da traição. Bíblia Shedd.

32 o copo da tua irmã. Beber o copo é uma expressão bíblica que quer dizer “participar plenamente da sorte”. Aqui significa sofrer o mesmo fim trágico que coube a Samaria (2Rs 17.3-6). Bíblia Shedd.

34. e lhe roerás os cacos. Uma figura enfática que expressa o desespero dos judeus no dia do sofrimento. CBASD, vol. 4, p. 724.

36. Disse-me ainda. Ver Ez 20:4; 22:2. Aqui se inicia uma nova seção. O profeta resume os pecados de Oolá e Oolibá, mas de um ponto de vista diferente dos v. 1 a 22. Ele menciona três elementos característicos: o culto a Moloque (v. 37), a profanação do templo (v. 38) e a transgressão do sábado (v. 38) CBASD, vol. 4, p. 724.

39. no mesmo dia. Os judeus eram tão audaciosos na idolatria que, no mesmo dia em que queimavam os filhos a Moloque, no vale de Hinom, hipocritamente se apresentavam como adoradores do templo de Yahweh (ver Jr 79, 10). CBASD, vol. 4, p. 724.

41 num suntuoso leito. Ou, “num suntuoso divã”, usado para o indivíduo se reclinar numa festa. CBASD, vol. 4, p. 724.

42 bêbados. O profeta parece enfatizar a degradação progressiva da cidade prostituída: homens de classe baixa e bêbados do deserto são abraçados por ela. CBASD, vol. 4, p. 724.

45. culpa de sangue. Pecado passível de morte (Lv 20.10-17).

48. Todas as mulheres. As nações ao derredor, que haveriam de aprender uma lição de retidão, ao contemplar a punição sofrida pelos judeus. Já que os descendentes de Abraão se recusavam a ser uma bênção para as nações (Gn 112.2-3) por meio da pregação da Palavra de Deus e da sua vida exemplar, então sua punição era exemplo que redundava em bênçãos. Bíblia Shedd.



Ezequiel 23 by jquimelli

Comentário devocional:

Como? Jerusalém, uma prostituta? Isso é difícil de acreditar. Qual marido de respeito não ficaria incomodado com a ideia de que sua esposa se vende para estranhos? No entanto, esta não é a primeira vez que Ezequiel falou desta forma a respeito de Jerusalém (ver Ez 16).

O quadro é ainda mais sombrio porque esta também é a história de sua irmã, Samaria. E descobrimos que a prostituição dessas duas irmãs não é coisa nova. Ela remonta ao tempo em que elas moravam no Egito.

Cobiça, a destruidora da vida e da família. Os assírios pareciam tão bonitos em seus belos uniformes, assim como os babilônios. Qual mulher casada não cairia de amores por eles? Por que se resguardar e investir em um relacionamento quando uma solução rápida sedutora está à disposição? Mesmo quando o desejo não é sexual, o desejo pela segurança que esse exército pode fornecer é sedutor. Mesmo países cristãos sucumbiram à sua cobiça por poder militar.

A história de Amnon e Tamar nos lembra como o sexo ilícito pode levar da cobiça à repulsa e até mesmo ao ódio (2 Sam 13:15). Coloque a sua confiança no mundo e um dia ele se voltará contra você e o devorará. Mas, se no dia da batalha – e contra o pecado, todo o dia é dia da batalha – você estiver ao lado do Senhor, você nunca será derrotado ou exposto.

Se, no entanto, você cair, saiba que o fundo do poço não é o fim. Ali é onde o pecador vê que somente Deus o pode levantar. E o pecador que clama a Ele por ajuda nunca será rejeitado! 

Ross Cole
Avondale College, Austrália

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/23/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Ezequiel 23 

Comentário em áudio



Ezequiel 22 by jquimelli

Comentário devocional:

A lista de pecados entre o povo de Deus é chocante: idolatria, assassinato, sacrifício de crianças, adultério, incesto, extorsão e suborno nos tribunais, roubo, opressão dos pobres pelos ricos e a negação do direito aos estrangeiros. A lista é extensa (v. 7-12) E o pior: a podridão começa de cima para baixo. Príncipes, sacerdotes e profetas são igualmente violentamente corruptos (v. 6).

Sem dúvida alguma Deus intervirá e aqueles que agora parecem tão valentes entrarão em colapso. Como o metalúrgico lança o metal impuro na fornalha de purificação, assim Deus reunirá o povo em Jerusalém e soprará fogo sobre ele e eles irão derreter (v. 18-22). Deste modo eles verão o tamanho do Seu desagrado. Não existe como eles possam ser poupados do julgamento divino,

No entanto, Jerusalém não é a própria cidade do Senhor? Não foi o próprio Deus quem estabeleceu os seus muros para manter o inimigo fora? Sim, mas não se deixe enganar. Aqueles muros, aparentemente firmes e fortes, na verdade já estavam comprometidos.

É necessário encontrar rapidamente alguém para reconstruir os muros enquanto ainda há tempo. E se os muros não estiverem ainda completos no momento em que eles forem necessários, então temos que encontrar alguém que se interponha na brecha, evitando, assim, que o desprazer de Deus seja derramado (v. 30).

Aparentemente, não há ninguém capaz de defender o caso de Israel. Não há ninguém qualificado. O que então pode acontecer, senão a desgraça?

No entanto, existe Alguém qualificado que aceitou ficar na brecha. Alguém cujo perfil foi vislumbrado pelos profetas. Ele é ao mesmo tempo Filho de Deus e Filho do Homem, o Único qualificado. Ele se posiciona na brecha, pondo fim ao desagrado de Deus e salvando a Israel.

Jesus ocupou o lugar em que o muro estava quebrado, recebendo sobre Si a ira de Deus sobre o pecado do mundo, dando uma oportunidade não só a Jerusalém, mas a todos que nEle crerem, de sobreviver à justiça que Deus aplicará a toda a terra (Gn. 18:25). 

Mas eu também sou chamado para estar com Ele na brecha, orando por minha comunidade, por meu pais e pelo mundo. Não é esta uma honra e uma oportunidade maravilhosa?

Ross Cole
Avondale College, Australia

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/22/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Ezequiel 22 

Comentário em áudio 



Ezequiel 21 by jquimelli
18 de julho de 2014, 0:00
Filed under: confiança em Deus, escolhas, Israel | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Jerusalém e o santuário serão punidos. Não haverá escapatória para justos ou ímpios. O terror alcançará a todos. A espada está fora de sua bainha e não será colocada de volta até que os caldeus retornem para a Mesopotâmia, lugar de onde Abraão viera.

Ezequiel geme pelas ruas e quando as pessoas perguntam: “Por quê?”, ele explica que todos os corações se derreterão de medo, toda força de vontade se esvairá, e todos os joelhos se tornarão fracos quando esse dia chegar. A espada é afiada e ceifa em todas as direções. Não há nenhuma maneira de escapar. Os sinais e as previsões podem fazê-los se sentir seguros, continua Ezequiel, mas os sinais são mentirosos e as previsões falsas. É você, Jerusalém, que o rei de Babilônia vai atacar primeiro. E depois, os amonitas.

“Mas a coroa”, a multidão grita, “a coroa [ou o cetro, v. 13] certamente nos salvará. O Senhor não prometeu que um filho de Davi governará Israel para sempre?” E Ezequiel responde: “Você acha que os príncipes escaparão da espada? O cetro é apenas um pedaço de pau que a espada cortará. A coroa será removida e não será recolocada, até que Aquele a quem ela realmente pertence venha.

Sim, a coroa permanecerá para sempre, mas somente na cabeça de Jesus, o verdadeiro Filho de Davi, o único que é perfeito. 

A mensagem de Deus para nós, hoje, através de Ezequiel, é: não confie no poder dos homens porque ele é ilusório e passageiro. Mas confie no Messias, o Filho perfeito. Aquele que Se achega de forma suave, pedindo entrada em nosso coração, é o Único que tem poder e méritos para salvar. 

Que a nossa oração hoje, e em todos os nossos dias neste mundo seja: “Filho de Davi, tem misericórdia de nós!” (Mt 9:27 NVI).

Ross Cole
Avondale College, Austrália

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/21/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Ezequiel 21 

Comentário em áudio 




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 898 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: