Reavivados por Sua Palavra


Apocalipse 10 by jquimelli

Comentário devocional:

Enquanto Apocalipse 9 termina com a sexta trombeta em 1840, como previsto por Josias Litch, o associado de Guilherme Miller, este capítulo começa com um interlúdio antes do soar da sétima trombeta com o terceiro ai. João vê o próprio Jesus descer e ficar em pé com autoridade sobre a terra e o mar. Em uma das mãos ele segura um pequeno livro aberto (v. 2), e levanta a outra mão para declarar que as profecias “de tempo” de Daniel e Apocalipse terminaram.

Em seguida, João ouviu sete trovões descreverem os eventos relativos à primeira e segunda mensagens angélicas, mas não lhe foi permitido anotá-los. Os primeiros crentes do Advento não seriam capazes de lidar com antecedência com o conhecimento dessas probantes horas. 

Encontramos no versículo 7 desse capítulo uma lacuna entre o final da sexta trombeta e o começo da sétima trombeta que está prestes a soar. É durante a sétima trombeta que o “mistério de Deus” será concluído. Isso mostra que a sétima trombeta é um período de tempo, não apenas um ponto no tempo.

O que é esse “mistério de Deus (v. 7)?” Alguns pensam que é o Evangelho alcançando o mundo todo, seguido pela Segunda Vinda. Porém é muito mais do que isso. Abrange todo o plano da Salvação pela Divindade para salvar-nos e Jesus sendo recebido na glória (1 Tm 3:16). Esse “mistério de Deus”, juntamente com o Juízo Investigativo e a fase final da expiação, será concluído por Jesus ao final do soar da sétima trombeta, quando se fechará a porta da graça.

João, representando o povo de Deus do tempo do fim, recebe a ordem para tomar o pequeno livro das mãos de Jesus e comê-lo. O livro teria um sabor doce na boca, mas seria amargo no estômago (v. 9-10). Isso representou a experiência do povo de Deus durante o Movimento do Segundo Advento, quando da proclamação da maravilhosa notícia do retorno de Jesus em 1844, de acordo com a profecia dos 2300 dias. Foi uma experiência doce, porém acompanhada de um amargo desapontamento quando o esperado retornou de Cristo não aconteceu naquela época. Continuando a estudar a Bíblia, eles reconheceram a própria experiência nesses versos. Foi muito animador para eles quando entenderam que, em vez de Jesus vir à terra naquele momento, Ele havia se mudado do lugar Santo no santuário celestial, para o lugar Santíssimo a fim de começar Seu trabalho final de julgamento.

Esses remanescentes que passaram pelo “grande desapontamento” de 22 de Outubro de 1844, foram orientados a profetizar (pregar) novamente. Eles deveriam proclamar ao mundo uma mensagem a respeito do sacrifício de Cristo, Seu ministério sumo-sacerdotal e exortar o mundo para se preparar para o julgamento final. Você deseja estar entre aqueles que proclamarão essa mensagem “perante muitos povos, nações, línguas e reis?”

Kenneth Mathews, Jr. M. D.
Greeneville, TN, EUA

 
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/rev/10/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Apocalipse 10 
Comentário em áudio 



Hebreus 12 by jquimelli
5 de junho de 2015, 1:00
Filed under: , Jesus | Tags: , , , , ,

Comentário devocional:

Hebreus 12 traz o argumento do capítulo 11 a um fechamento poderoso. Os heróis da história são uma multidão de testemunhas que aplaudem e reconhecem o maior modelo de fé: Jesus. Ele é o fundador e consumador da nossa fé, porque a Sua vida e sacrifício tornaram a nossa fé possível e significativa. 

Os versos 3-11 nos convidam a considerar cuidadosamente o exemplo de Jesus e saber que a vitória da fé vem somente como o resultado de disciplina e paciência. Esta é uma lição difícil de aprender para aqueles que acreditam que a fé é uma coisa mágica, rápida. 

Os versos 12-16 nos advertem contra o perigo da “raiz de amargura” que pode crescer e pode nos impedir de obter a graça de Deus, como aconteceu com a geração Israelita do deserto (Heb 3:12-13). 

Os versos 18-24 contrastam a experiência da geração israelita do deserto no monte Sinai e a nossa no monte Sião. Hebreus sugere que nós, por meio da fé, somos capacitados a experimentar a entronização de Jesus, Sua consagração como sacerdote e a inauguração da nova aliança na Jerusalém celeste, representada como o monte Sião. Assim, enquanto os israelitas ficaram com medo diante do monte Sinai, podemos nos alegrar com a exaltação de nosso Senhor no céu.

Os versos 25-29 fecham o argumento da carta exortando-nos a prestar atenção ao que Deus nos tem dito por meio do Filho. Os israelitas falharam em obedecer a Deus que lhes falou no Monte Sinai e não entraram em Canaã. Quanto mais nós não devemos desconsiderar a Jesus que nos fala da Jerusalém celeste! Quando Deus falou no Sinai a montanha tremeu. Desta vez, quando Deus fala novamente do santuário celestial, todo o universo será abalado e somente os justos serão capazes de ficar de pé e herdar o reino de Deus (Salmos 15:5; 16:8; 21:7; 62:2; 112:6).

Felix H. Cortez
Andrews University Theological Seminary 
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/heb/12/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Hebreus 12 
Comentário em áudio 



Hebreus 9 by jquimelli
2 de junho de 2015, 1:00
Filed under: Aliança, Jesus, salvação | Tags: , ,

Comentário devocional:

O autor argumenta neste capítulo que Jesus proveu para nós a bênção do acesso direto a Deus, a mais cobiçada de todas as bênçãos.

Nos versos 1-10, os leitores são lembrados de que no primeiro santuário e seus regulamentos de adoração, as pessoas não tinham acesso a Deus. Só uma pessoa podia entrar no Santo dos Santos, onde estava o trono de Deus, e apenas uma vez por ano. O problema era que os sacrifícios oferecidos naquele tabernáculo não podiam purificar a consciência do adorador.

Os versos 11-14 afirmam, porém, que Jesus entrou uma vez por todas no santuário celestial e ofereceu um sacrifício perfeito que purifica nossas consciências. Os versos 15-23 afirmam que esse sacrifício cumpriu dois propósitos. O primeiro foi nos redimir da transgressão cometida sob a primeira aliança e o segundo foi inaugurar a nova aliança com o Seu novo santuário, o celestial. 

Então, os versos 24-29 culminam o argumento, tornando clara a importância daquilo que foi feito por Jesus. Enquanto os sacerdotes só podiam entrar uma vez por ano na presença de Deus no Lugar Santíssimo, Jesus entrou uma vez por todas no santuário celestial para dar início ao seu ministério eterno (Hb 7:25) em nosso favor. Não só isso, ele afastou o pecado pelo Seu sacrifício, o que nos recorda a profecia de Daniel 9:24 de que o Messias viria “acabar com a transgressão, dar fim ao pecado, expiar as culpas, trazer justiça eterna” (NVI). No verso 27, o autor menciona que há uma segunda fase no ministério de Jesus relacionada com o julgamento, mas o objetivo deste julgamento será trazer a salvação ao Seu povo.

Eu amo a maneira como Hebreus 9:24 descreve o sacrifício e a ascensão de Jesus “para … se apresentar diante de Deus em nosso favor” (NVI). A expressão hebraica “se apresentar diante de Deus” significa pedir ajuda a Deus. A esperança era que ao estar diante de Deus o Seu rosto brilhasse com alegria (Nm 6:25). Isto é certamente o que aconteceu quando Jesus apareceu perante o Pai em nosso benefício.

Que o rosto de Deus brilhe sobre você hoje!

Felix H. Cortez
Andrews University Theological Seminary 
Estados Unidos

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/heb/9/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Hebreus 9
Comentário em áudio 



Hebreus 8 by jquimelli
1 de junho de 2015, 1:00
Filed under: Aliança | Tags: , , ,

Comentário devocional:

O autor de Hebreus já demonstrou nos capítulos anteriores que Jesus é superior aos maiores personagens do Antigo Testamento. Ele é maior do que os anjos, os quais, se cria que governavam as nações (Hb 1). Como governante Jesus é o maior, porque derrotou o diabo – que tinha o poder da morte – e nos libertou (Hb 2). Jesus também é mais fiel do que Moisés (Hebreus 3), nos leva a um descanso melhor do que Josué levou o povo israelita (Hb 4) e Seu sacerdócio é melhor do que o dos sacerdotes levitas (Hb 5-7). O argumento mais importante da carta, porém, é que Jesus é um mediador superior a Moisés, porque tem mediado uma melhor aliança (Hebreus 8-10).

Uma aliança (ou concerto) é um meio legal através do qual os benefícios da família se aplicam àqueles que não são da família. Assim, por meio de Jesus, Deus inaugurou uma nova aliança que nos leva de volta a uma relação familiar com Ele. A nova aliança é superior à antiga por conta de duas coisas: ela é baseada em um sacrifício superior e é ministrada no santuário real, o celestial. Em outras palavras, o sacrifício de Jesus nos provê perdão (vs. 8-12) e fornece acesso à própria casa de Deus, o santuário celeste!

Uma palavra é necessária sobre a Antiga Aliança. Ela foi ineficaz, não porque a aliança era falha, mas porque as pessoas falharam (v. 9). O problema era que as pessoas não foram capazes de ver além das cerimônias do santuário para o ministério de Jesus, que traria verdadeiro perdão. Eles abraçaram o símbolo e esqueceram-se da realidade, como o garoto que prefere a caixa em vez do brinquedo!

Isto significa que mesmo a nova aliança pode ser ineficaz para nós. Na nova aliança há cerimônias e práticas (batismo, ceia do Senhor, etc.). Elas também serão ineficazes se perdermos de vista o seu propósito. A oração, por exemplo, é inútil se não entendermos (ou se esquecermos) que é simplesmente o incrível privilégio de entrar na casa de nosso Pai – o santuário celestial – para falarmos com Ele!

Felix H. Cortez
Andrews University Theological Seminary 
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/heb/8/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Hebreus 8
Comentário em áudio 




%d blogueiros gostam disto: