Reavivados por Sua Palavra


SALMO 118 – Comentado por Rosana Barros
30 de maio de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Digam, pois, os que temem ao Senhor: Sim, a Sua misericórdia dura para sempre” (v.4).

Com a entrada do pecado no mundo, foi-nos dada a necessária provisão para sairmos vitoriosos do conflito hostil. Diante da expectativa de colher de imediato a consequência inevitável da desobediência, Adão e Eva receberam a prova de que o Senhor “é bom” e de que “a Sua misericórdia dura para sempre” (v.1). Escondidos dAquele que julgaram os açoitaria mediante severo castigo, foram surpreendidos pelo Amor que os vestiu e, fitando o inimigo que os enganou, lhes proveu plano de resgate: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu Lhe ferirás o calcanhar” (Gn.3:15).

Desde então, cada geração dos “que temem ao Senhor” (v.4) aguardava a concretização do perfeito plano da salvação. E Ele veio! Nascido de uma virgem, anunciado entre os simples da Terra, louvado pelos anjos: “Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na Terra entre os homens, a quem Ele quer bem” (Lc.2:14). Jesus veio, trazendo Consigo todo o amor e a bondade do Céu para com a raça caída. Seu coração, cheio de compaixão, era machucado diante da miséria humana, mas transbordava de alegria ao estender as mãos para ensinar, curar e salvar. Mesmo os casos mais graves eram para Ele objeto de Sua terna misericórdia. O mundo estava diante da única porta de acesso ao Céu.

Esta é a porta do Senhor” (v.20): Jesus Cristo. Ao declarar: “Eu sou a porta” (Jo.10:9), deu-nos a mesma esperança que no Éden concedeu a nossos primeiros pais; o mesmo Caminho, a mesma Verdade e a mesma Vida (Jo.14:6). O nosso Salvador é a porta da salvação e “por ela entrarão os justos” (v.20). “A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular; isto procede do Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos” (v.23). “Oh! Salva-nos, Senhor, nós Te pedimos” (v.25)! Que entremos por Tuas “portas da justiça” (v.19) com ações de graças, revelando-Te em nossa vida!

Aproxima-se o dia de nosso resgate; “regozijemo-nos e alegremo-nos nele” (v.24)! “Vem o nosso Deus e não guarda silêncio” (Sl.50:3). Ele virá, não mais como um bebê indefeso ou humilde servo, mas como “Rei dos Reis e Senhor dos Senhores” (Ap.19:16). “O Senhor é Deus, Ele é a nossa luz; adornai a festa com ramos” (v.27). Nós somos os ramos (Jo.15:5) que o Senhor deseja ver a adornar o Dia de Seu triunfo. Ele vem buscar a todos os que, como o salmista, O conheceram pessoalmente, e por experiência viveram na presença de Deus (v.28). Busque ao Senhor e Salvador Jesus Cristo enquanto O pode achar, “invocai-O enquanto está perto” (Is.55:6). “Prepara-te… para te encontrares com o teu Deus” (Am.4:12). Vigiemos e oremos!

Feliz sábado, justos a caminho do Lar!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo118 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 117 – Comentado por Rosana Barros
29 de maio de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Louvai ao Senhor, vós todos os gentios, louvai-O, todos os povos” (v.1).

Com apenas dois versículos, este é o menor Salmo e o menor capítulo da Bíblia. Contudo, sua mensagem é uma das mais abrangentes das Escrituras. De uma forma muito clara, o salmista conclama que “todos os gentios… todos os povos” (v.1) louvem ao Senhor. Todos são convocados a louvar Aquele que os criou e que os salvou: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira, que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo.3:16).

Grande é a misericórdia do Senhor “para conosco” e a Sua fidelidade é eterna (v.2). Estes atributos de Deus são oferecidos à humanidade como presentes de Sua infinita graça. Não há uma explicação melhor diante de um Deus santo que aceita a adoração de seres corruptíveis. Ele deseja celebrar a vitória da redenção com todas as Suas preciosas criaturas, e com elas manter um relacionamento pessoal e eterno.

Há estudiosos que afirmam que este Salmo tenha sido o que Jesus cantou com Seus discípulos logo após a ceia: “E, tendo cantado um hino, saíram para o monte das Oliveiras” (Mt.26:30). Sobre isto, escreveu o teólogo adventista Jael Eneas: “Todos olham para Jesus. Ele se levanta e canta. Mesmo diante da expectativa de morte, Sua voz não era de lamento, mas, de júbilo. Timidamente, os discípulos foram se unindo a Cristo, e, todos passam a entoar o Salmo 117”.

Creio que faz todo o sentido Jesus ter cantado este Salmo. No fim da celebração da Páscoa, os judeus cantavam os Salmos 113 a 118, conhecidos como “Hallel”, que no hebraico significa “louvor”. O Cordeiro de Deus estava prestes a entregar a Sua vida em favor de “todos os gentios” (v.1), de todas as nações. O Seu louvor declarou diante do Universo a oferta de amor que estava prestes a dar. Por Sua morte e ressurreição, Cristo Jesus garantiu a “todo aquele que nEle crê” participar do coral da eternidade.

Precisamos aceitar diariamente o convite de louvar ao Senhor aqui, para que então, muito em breve, tenhamos o inigualável privilégio de entoar um “novo cântico diante do trono” (Ap.14:3); um cântico que ninguém mais poderá aprender, a não ser “os seguidores do Cordeiro por onde quer que vá… os que foram redimidos dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro” (Ap.14:4). Para onde quer que você for e onde você estiver, que a sua vida seja um louvor ao Cordeiro de Deus! Vigiemos e oremos!

Bom dia, coral de verdadeiros adoradores!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo117 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 116 – Comentado por Rosana Barros
28 de maio de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Compassivo e justo é o Senhor; o nosso Deus é misericordioso” (v.5).

Em tempos de crise, onde uma doença tornou-se a principal notícia e preocupação em todo o mundo, desencadearam-se, ou melhor, tornaram-se aparentes, problemas que estavam apenas sob o manto da negligência. A frieza entre casais e dificuldade de relacionamento entre pais e filhos têm revelado que o afastamento social já existia dentro da própria casa. E, mediante as extremas medidas de confinamento, dois resultados têm sido colhidos: famílias que, reconhecendo o problema, buscaram auxílio e fortaleceram os laços; e, por outro lado, aquelas que jogaram a toalha e entraram na triste estatística de famílias desfeitas e sacudidas pelos ventos da indiferença.

A guerra contra o vírus ainda não acabou. Mas uma guerra bem mais antiga, com dimensões e resultados ainda mais devastadores, se apressa para o fim. Reconhecendo os riscos desse conflito cósmico em que estava envolvido e prestes a sucumbir, o salmista caiu “em tribulação e tristeza” (v.3) e esteve “sobremodo aflito” (v.10). Consciente de sua terrível condição, não obstante, confiante no auxílio divino, ergueu a sua voz em súplica: “ó Senhor, livra-me a alma” (v.4). O resultado foi o encontro com o Senhor, nosso Deus, que é justo e compassivo, que é misericordioso e que “vela pelos simples” (v.6), que salva e é generoso, que quebra as cadeias do mal e ouve as orações dos que O invocam.

Estávamos todos perdidos e condenados à morte eterna. Fomos sequestrados pelo inimigo e lançados no cativeiro do pecado. Mas o Senhor, que é justo e compassivo, nos proveu libertação. Na cruz do Calvário, a guerra foi decidida e pago o alto preço de nosso resgate. Por isso que “preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos Seus santos” (v.15). É apenas uma questão de tempo para que, concluída a Sua obra de intercessão, Jesus rasgue os céus com a Sua glória e, com potente voz, dê a ordem de Sua vitória sobre a morte: “Porquanto o Senhor mesmo, dada a Sua palavra de ordem, ouvida a voz do Arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro” (1Ts.4:16).

Encare este momento como o tempo da oportunidade às famílias para viverem o cumprimento da profecia em seus lares, “antes que venha o grande e terrível Dia do Senhor”: “ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais” (Ml.4:5 e 6). Como o último Elias, Deus chama o Seu povo para em uníssono proclamar: “Tomarei o cálice da salvação e invocarei o nome do Senhor” (v.13). No juízo, Deus não pedirá contas de nossas conquistas laborais ou acadêmicas, mas perguntará: “Onde estão os filhos que Eu vos dei para educar para Mim? Porque não estão à Minha mão direita?” (Orientação da Criança, p.561).

Como povo do advento e Elias atual, que possamos declarar com inteireza de coração: “Amo o Senhor… Cumprirei os meus votos ao Senhor, na presença de todo o Seu povo” (v.1 e 14). Vigiemos e oremos!

Bom dia, simples de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo116 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 115 – Comentado por Rosana Barros
27 de maio de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Confiam no Senhor os que temem o Senhor; Ele é o seu amparo e o seu escudo” (v.11).

Em humilde súplica, o salmista aponta para o “Senhor, que fez os céus e a terra” (v.15) como o único digno de glória e louvor. A aparente manifestação da misericórdia e da fidelidade de Deus para com o Seu povo é reclamada como prova de Sua existência e da inutilidade dos ídolos pagãos. Este Salmo reforça a autoridade dos dois primeiros mandamentos do decálogo: “Não terás outros deuses diante de Mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque Eu sou o Senhor, teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que Me aborrecem e faço misericórdia até mil gerações daqueles que Me amam e guardam os Meus mandamentos” (Êx.20:3-6).

O primeiro ídolo rejeitado pelo salmista encontra-se no versículo um, quando diz: “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Teu nome dá glória”. O próprio homem tem se tornado um dos piores objetos de culto espúrio. Pela vaidade, pelo orgulho ou pela insanidade de erguer um monumento de adoração aos “que descem à região do silêncio” (v.17), a criatura se coloca em lugar do Criador, seguindo o princípio diabólico do originador do mal: “subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo” (Is.14:14). E multidões são atraídas pelo afã de ver ou tocar em ídolos de carne e osso, ou pela falsa segurança de ter em casa objetos que “têm boca e não falam; têm olhos e não veem; têm ouvidos e não ouvem; têm nariz e não cheiram. Suas mãos não apalpam; som nenhum lhes sai da garganta” (v.5-7).

Satanás tem urdido através das eras sua trama de afastar as pessoas da Palavra de Deus. Pela violência, feriu os reformadores com a vara da perseguição religiosa escurecendo a Idade que foi marcada pela gloriosa manifestação dos corajosos e irrepreensíveis servos de Cristo. Em um conflito marcado claramente pelo contraditório de leis arbitrárias estabelecidas pelos que se diziam representantes de Deus, os verdadeiros filhos de Deus foram perseguidos, inúmeros torturados e até mortos por escolher viver o princípio apostólico: “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (At.5:29).

O cenário atual tem sido preparado para que um tempo ainda mais escuro cubra toda a Terra. Desde que “a ferida mortal foi curada” (Ap.13:3), percebendo que sua antiga estratégia em derramar o sangue dos santos tornou ainda mais poderoso e numeroso o movimento de reforma, o adversário tem velado a sua maligna atuação através da sutil estratégia em misturar aos poucos a verdade com o engano, fazendo com que “tanto pequenos como grandes” quebrem um por um os mandamentos “do Senhor, que fez os céus e a terra” (v.15; Leia Êx.20:8-11). Pela letargia e falsa piedade de um cristianismo supostamente ativo, Satanás exulta ao ver o seu exército de homens e mulheres que “mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador” (Rm.1:25).

Mas, à meia-noite” (Mt.25:6), em meio às trevas morais e espirituais que cobrem a Terra, o Senhor está despertando um povo que se está levantando com suas lâmpadas acesas em caminho “para as bodas” (Mt.25:10). Homens e mulheres, jovens e crianças, como Ellen White escreveu, “com o rosto iluminado e a resplandecer de santa consagração, apressar-se-ão de um lugar para outro para proclamar a mensagem do Céu. Por milhares de vozes em toda a extensão da Terra, será dada a advertência” (O Grande Conflito, p.611). Eis que a vinda do Senhor se aproxima! “Sede benditos do Senhor, que fez os céus e a terra” (v.15). Confiem no Senhor, “os que temem o Senhor” (v.11), de que Ele mesmo, “que em Cristo vos chamou à Sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, Ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar. A Ele seja o domínio, pelos séculos dos séculos. Amém!” (1Pe.5:10-11). Vigiemos e oremos!

Bom dia, tementes a Deus!

* Deixe nos comentários o seu pedido de oração. #EuOroPorVocê

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo115 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 114 – Comentado por Rosana Barros
26 de maio de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Estremece, ó Terra, na presença do Senhor, na presença do Deus de Jacó” (v.7).

Através de extraordinários feitos, o Senhor libertou o Seu povo do Egito e o fez passar “pelo meio do mar em seco” (Êx.14:16). Sob a liderança de Moisés, os filhos de Israel iniciaram uma santa peregrinação. Ainda que no deserto, o Senhor lhes proveu pão do Céu e água da rocha; deu-lhes o frescor de Sua sombra de dia, e os aqueceu à noite. Diante dos inimigos pelo caminho, fez de simples escravos guerreiros poderosos, erguendo no meio do Seu povo a Bandeira da vitória (Êx.17:15). Desceu sobre o monte Sinai, de modo que “todo o monte tremia grandemente” (Êx.19:18), e deu a Israel os mandamentos da aliança do Senhor com o Seu povo.

Olhemos, agora, para o relato de tão sublime livramento e cuidado como uma ilustração da providência divina nos últimos dias. Bem à nossa frente está o tempo determinado por Deus para o derramamento das sete últimas pragas; tempo em que Ele livrará “a todos quantos amam a Sua vinda” (2Tm.4:8). Desde 1844, não há mais profecia de períodos ou tempos específicos, senão aquele que Cristo afirmou que “a respeito daquele dia e hora ninguém sabe” (Mt.24:36). E diante do risco de Seus discípulos perderem o foco no que realmente importa que busquemos, Ele também nos deixou a áurea advertência: “Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela Sua exclusiva autoridade; mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis Minhas testemunhas… até aos confins da Terra” (At.1:7-8).

A preparação para que estejamos prontos para receber o nosso Senhor e Salvador deve ser diária e constante. Foi por sua rebeldia e falta de consagração que os filhos de Israel acrescentaram quarenta anos à sua jornada no deserto. Não era propósito de Deus que fosse assim. Canaã estava às portas daquela geração, mas não souberam aproveitar o “tempo da oportunidade” (2Co.6:2). E tudo o que puderam ver da terra prometida foram alguns frutos como prova da promessa divina (Nm.13:23). Oxalá não façamos parte de uma geração de cristãos incrédulos que adiam a vinda do Senhor. Mas que, “guiados pelo Espírito de Deus” (Rm.8:14), como Josué e Calebe, lideremos a geração que está pronta para a concretização da gloriosa promessa.

É tempo, amados, de abandonarmos a síndrome de um Pedro não convertido olhando para a agitação do mar deste mundo (Mt.14:30), e declararmos e vivermos como um Pedro convertido: “Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações” (1Pe.4:7). É tempo de perguntarmos a nós mesmos: “Estou eu suficientemente ativo, testificando de Cristo, de modo que Deus me possa usar em breve durante as maravilhosas manifestações dos milagres pentecostais dos dias finais, e na iluminação da Terra inteira com a última e gloriosa mensagem de admoestação?” (Fernando Chaij, A Vitória da Igreja na Crise Final, p.17).

Estremece, ó Terra, na presença do Senhor, na presença do Deus de Jacó” (v.7). “Tocai a trombeta em Sião e dai voz de rebate no Meu santo monte; perturbem-se todos os moradores da Terra, porque o Dia do Senhor vem, já está próximo” (Jl.2:1). Vigiemos e oremos!

Bom dia, atalaias do Senhor!

Desafio da semana: Como anda a sua comunhão diária? O Senhor nos chama para encontrá-Lo no silêncio das primeiras horas da manhã. Aceitaremos o Seu convite de graça?

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo114 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 113 – Comentado por Rosana Barros
25 de maio de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Do nascimento do sol até ao ocaso, louvado seja o nome do Senhor” (v.3).

Aleluia!” (v.1).

Quando paro para pensar em minha vida, no quanto o Senhor me esperou e no quanto Ele tem sido paciente e misericordioso comigo, só posso dizer: “Bendito seja o nome do Senhor, agora e para sempre” (v.2). O estudo de Sua Palavra tem sido o meu alimento todos os dias, e a oração, o fôlego de minha alma. Não tenho como explicar a bendita esperança que inunda o meu coração, é algo que excede todo entendimento; que precisa ser vivido para ser compreendido. E quanto mais eu busco ao Senhor, mais percebo o quanto dependo dEle e mais desejo desfrutar de Sua companhia, porque ninguém “há semelhante ao Senhor, nosso Deus” (v.5), que “ergue do pó o desvalido e do monturo, o necessitado, para o assentar ao lado dos príncipes” (v.7-8). Que faz com “que a mulher estéril viva em família e seja alegre mãe de filhos” (v.9). “Do nascimento do sol até ao ocaso, louvado seja o nome do Senhor” (v.3)!

A nossa vida é feita de altos e baixos. Infelizmente, ainda estamos sujeitos ao pecado e às suas consequências. Enquanto aqui estivermos, jamais poderemos dizer que alcançamos a plenitude da santidade em Cristo. Em um mundo onde cada dia traz “o seu próprio mal” (Mt.6:34), precisamos seguir a ordem de Jesus: “buscai, pois, em primeiro lugar, o Seu reino e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt.6:33). Oh, amados, não é qualquer desvalido ou necessitado que Deus eleva à posição de príncipe! Também não é qualquer mulher estéril que Ele torna fértil a madre. Mas os que O buscam em primeiro lugar, Ele mesmo os honra, tornando estas coisas um acréscimo, e não o principal. Pois todo aquele que oferece a Deus a posição de excelência em sua vida, louvando-O acima de todas as coisas (v.4), ainda que tenha que aqui experimentar a queda ao pó e ao monturo (v.7), vive na certeza de que há um Reino futuro onde será recebido como príncipe e vencedor (v.8).

A nossa busca deve ser diária e constante. Somente a intimidade com Deus nos faz galgar os degraus de uma vida santa e agradável a Ele. Nossos pensamentos tornam-se elevados, e nobres os nossos anseios. Passamos a odiar o pecado e amar o pecador e nossas maiores “ambições” não têm a ver com conquistas terrenas, mas com bênçãos espirituais e salvação de pessoas. Nossa luta contra a carne é acentuada e o Espírito Santo nos desperta à necessidade de buscá-Lo cada vez mais. Nossos clamores se intensificam, nossa fé é provada e sentimos a firme certeza de que o nosso Deus estará ao nosso lado, “todos os dias até à consumação do século” (Mt.28:20).

Creio que a nossa maior batalha tem sido contra o nosso eu, tão dessemelhante do caráter de Cristo. Mas Ele mesmo já venceu esta luta por mim e por você. Precisamos tão somente entregar-Lhe o controle de nossa vida e confiar que Ele nos guiará em segurança para as moradas do Pai. Que assim como na vida do salmista, Deus seja o nosso maior e mais digno objeto de louvor do nascer do sol ao seu ocaso. Louvemos ao Senhor, nosso Deus, do início (v.1) ao fim (v.9) de nossa vida!

Aleluia!” (v.9).

Bom dia, servos do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo113 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 112 – Comentado por Rosana Barros
24 de maio de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“A sua descendência será poderosa na terra; será abençoada a geração dos justos” (v.2).

No sermão do monte, no início de Seu ministério terrestre, Jesus nos deixou escrito nos capítulos cinco a sete de Mateus a descrição de uma vida cristã piedosa. Diante de uma “geração má e adúltera” (Mt.12:39), Jesus apresentou o verdadeiro caráter do evangelho prático, e o fez mediante as seguintes palavras inaugurais: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt.5:3), encerrando com a seguinte conclusão: “Todo aquele, pois, que ouve estas Minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha” (Mt.7:24).

O Salmo de hoje apresenta o cristão piedoso como aquele “que teme ao Senhor e se compraz nos Seus mandamentos” (v.1). Nele encontramos um pequeno resumo do sermão de Cristo e completa harmonia com as palavras do sábio Salomão: “De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os Seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem” (Ec.12:13), e uma ligação direta com as palavras dos mensageiros dos últimos dias: “Temei a Deus e dai-Lhe glória”. “Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Ap.14:7 e 12).

As promessas apontadas pelo salmista incluem uma descendência poderosa, uma geração abençoada (v.2), “prosperidade e riqueza” (v.3), uma vida iluminada (v.4), memória eterna (v.6), conforto em meio às “más notícias” (v.7) e justiça eterna (v.9). Percebam que a promessa principal aponta para uma vida futura e não exime o justo de ser surpreendido por tribulações aqui e ser alvo da perseguição e ódio do perverso. O próprio Jesus nos preveniu: “No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; Eu venci o mundo” (Jo.16:33). “Sereis odiados de todos por causa do Meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo” (Mt.10:22).

A piedade cristã é aquela vivida por meio do poder que “se exaltará em glória” (v.9): “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis Minhas testemunhas… até aos confins da Terra” (At.1:8). O Espírito Santo na vida faz nascer “luz nas trevas” (v.4), motivando o justo a manifestar as obras de Cristo. Não, porém, mediante exposição, mas, em conformidade com as palavras de seu Senhor e Mestre: “Guardai-vos de exercer a vossa justiça diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles; doutra sorte, não tereis galardão junto de vosso Pai celeste” (Mt.6:1).

Ainda que uma vida piedosa desperte a ira dos ímpios, a certeza da constante companhia de Jesus e a fé na bendita esperança de Seu breve retorno apaga “todos os dardos inflamados do Maligno” (Ef.6:16) e fortalece o coração na confiança de que “não será jamais abalado”, pois “será tido em memória eterna” (v.6). Abracemos com firmeza estas maravilhosas e fiéis promessas, e prossigamos olhando para Jesus, como “a geração dos justos” (v.2) que, muito em breve, O contemplará “vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória” (Mt.24:30). Vigiemos e oremos!

Feliz semana, geração dos justos!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo112 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100




%d blogueiros gostam disto: