Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 17, Comentado por Rosana Barros
11 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” (v. 9).


A ilustração acerca do “pecado de Judá” (v. 1) revela a dimensão da rebelião daquele povo. E a diferença entre os versos 5 e 7, o motivo de sua destruição. Escolheram a maldição (v. 5) e rejeitaram a bênção (v. 7). Atentem para os resultados da maldição contidos no verso 6 e para os resultados da bênção no verso 8. O conteúdo deste último verso como uma continuação do verso 7, é praticamente uma repetição do Salmo inaugural: “Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios… Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido” (Salmo 1:1 e 3).

Deixar de confiar em Deus para confiar em palavras humanas não é somente uma escolha errada, mas uma maldição. Deixar de seguir a voz de Deus para seguir a voz de nosso enganoso coração é, no mínimo, “insensato” (v. 11). “Ouça a voz do seu coração” tornou-se uma frase ovacionada em um mundo cada vez mais destituído de princípios. E a vida é transformada em uma “roleta-russa” cujo desfecho termina em tragédia, trocando o vital pelo fatal.

Amados, três princípios fundamentais estão contidos neste capítulo. Primeiro deles: “Bendito o homem que confia no SENHOR” (v. 7). Esta bem-aventurança é a garantia da vitória sobre o mal: “e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (I João 5:4). A confiança nos leva a ter um relacionamento pessoal com o nosso Salvador e, por meio dEle, somos justificados.

O segundo princípio está contido no verso 10: “Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, Eu provo os pensamentos”. Deus sonda cada coração humano. Jesus revelou a importância deste princípio ao colocar uma “lupa” sobre os mandamentos no sermão da montanha. Ele ampliou a observância da lei ao deixar bem claro as obras que o SENHOR leva em conta: “Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com INTENÇÃO IMPURA NO CORAÇÃO, já adulterou com ela” (Mateus 5:28). Quando Ele voltar, todos “conhecerão”, diz Jesus, “que Eu sou Aquele que sonda mentes e corações, e vos darei a cada um segundo as vossas obras” (Apocalipse 2:23). Ou seja, Deus não olha para o que fazemos, mas com que intenção fazemos.

E o terceiro e último princípio que gostaria de destacar é o que “Assim diz o SENHOR: Guardai-vos por amor da vossa alma” (v. 21). A santificação do sábado, quarto mandamento do Decálogo, faz parte não apenas de um conjunto de regras impostas por Deus, mas da “lei da liberdade” (Tiago 2:12) que nos guarda pelo amor de um Pai que o criou para o nosso próprio bem (Marcos 2:27). A obediência aos mandamentos do SENHOR não consiste em uma fé cega, mas em uma confiança pré-estabelecida através de um relacionamento de amor com o SENHOR dos mandamentos. Bem observa George Knight: “É normal para o cristão guardar a lei, pois o próprio princípio da lei, que é amor a Deus e ao próximo, se acha escrito nas ‘tábuas de carne’ do coração (2 Co. 3:3). Assim, o cristão está mais próximo da lei de Deus do que o legalista, pois os verdadeiros cristãos ‘nasceram do alto’ (João 3:3, 7) e tiveram a mente e o coração transformados (Rm. 8:4-7)” (Pecado e Salvação, p. 70-71).

“Ouvi a palavra do SENHOR” (v. 20)! Ele nos chama com grande urgência para uma entrega completa e genuína do nosso coração. Os sinais mostram o cumprimento das profecias para o tempo do fim, e a nossa maior necessidade hoje é do poder dobrado do Espírito Santo a nos conduzir “a toda a verdade” (João 16:13). Que como Jeremias, possamos clamar a cada dia: “Cura-me, SENHOR, e serei curado, salva-me, e serei salvo; porque Tu és o meu louvor” (v. 14)!

Bom dia, benditos do SENHOR!

Desafio do dia: Você já fez a sua assinatura da lição da escola sabatina? Faça já a sua. Não fique sem o seu maná diário. Acesse o site: https://projetomana.cpb.com.br

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias17
#RPSP



JEREMIAS 16, Comentado por Rosana Barros
10 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Portanto, eis que lhes farei conhecer, desta vez lhes farei conhecer a Minha força e o Meu poder; e saberão que o Meu nome é SENHOR” (v. 21).


De todos os profetas, Jeremias recebeu de Deus ordens inusitadas e singulares. Uma delas foi o celibato. Semelhante ao início da maioria dos mandamentos de Deus, a ordem expressa uma negativa: “NÃO tomarás mulher, NÃO terás filhos nem filhas neste lugar” (v. 2). Por mais que soe como algo ruim, o NÃO de Deus representava um livramento para o sensível profeta. Por mais que a solidão lhe fosse um desafio emocional, certamente lhe seria uma prova acima de suas forças a perda de sua família. Além do mais, o SENHOR tinha um recado para dar ao Seu povo através de sua vida solitária.

Os profetas de Deus não apenas pregavam com palavras, mas com a vida. Suas ações, motivadas pelo ASSIM DIZ O SENHOR, eram recados vivos para o povo. Deus Se fazia conhecer através de Seus profetas e Seus desígnios eram de admoestar para salvar. Porém, não foi o que aconteceu com os contemporâneos de Jeremias. Pior do que seus pais, aquela geração escolheu andar “segundo a dureza do seu coração maligno” (v. 12) e não deram ouvidos à voz do SENHOR. Não encontrariam misericórdia (v. 13) simplesmente porque a rejeitaram!

O que os olhos do homem não podem enxergar, Deus vê: “… ninguém se esconde diante de Mim, nem se encobre a sua iniquidade aos Meus olhos” (v. 17). E, ao contrário do que somos ensinados a pensar, Deus não olha para dentro de nós como um investigador criminal pronto para nos condenar, mas como um Pai de amor pronto a nos perdoar. O Seu maior desejo é nos levar de volta para casa (v. 15): “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em Mim. Na casa de Meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, Eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando Eu for e vos preparar lugar VOLTAREI e vos receberei para Mim mesmo, para que, onde Eu estou, estejais vós também” (João 14:1-3).

Deus tem enviado os Seus “pescadores” (v. 16) de homens a todos os cantos deste mundo para reunir o Seu povo de volta. Mas desta vez não chamará os Seus para que tomem posse de uma terra perecível, mas da Terra linda e eternal! O povo de Judá rejeitou conhecer a Deus e teria de conhecer a Sua força e poder por meio das consequências que eles mesmos provocaram.  Jeremias podia não ter família e amigos, mas ele tinha infinitamente mais: “Ó SENHOR, força minha, e fortaleza minha, e refúgio meu no dia da angústia” (v. 19). É este relacionamento que o SENHOR deseja ter comigo e com você. Que O busquemos hoje. Que O conheçamos hoje. Então, no Dia do SENHOR, não nos esconderemos “nas fendas das rochas”, mas de lá sairemos e diremos: “Eis que este é o nosso Deus, em Quem esperávamos, e Ele nos salvará” (Isaías 25:9).

Bom dia, benditos do Pai!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias16
#RPSP



JEREMIAS 15, Comentado por Rosana Barros
9 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Achadas as Tuas palavras, logo as comi; as Tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo Teu nome sou chamado, ó SENHOR, Deus dos Exércitos” (v. 16).


Após negar-lhe a intercessão pela terceira vez, Deus dá conforto e alento ao Seu profeta. Jeremias enfrentou uma grande angústia depois de receber a revelação das “quatro sortes de castigo” (v. 3) com as quais Deus puniria o Seu povo. Ele reconheceu a sua natureza pecaminosa, mas ao mesmo tempo expôs a sua vida íntegra diante de Deus enquanto era duramente perseguido e afrontado por seus inimigos. A longanimidade de Deus era uma prova de amor para com a rebeldia do povo, entretanto, aos olhos do profeta, também era um risco de morte para ele (v. 15). Pois quanto mais falava as palavras do SENHOR, mais era perseguido e mais era ameaçado.

Levantar a bandeira da causa de Deus nunca foi tarefa fácil. Milhares de homens e mulheres já deram a vida em defesa da verdade. E quanto mais a luta entre o bem e o mal avança para o fim, maior se torna a necessidade de clamarmos pelo auxílio divino. Desde que o pecado entrou no mundo, o medo passou a fazer parte de nossa essência. E uma de nossas maiores necessidades passou a ser segurança.

Deus tornou a repetir ao profeta a mesma promessa que havia feito no início de seu ministério: “Eu te porei contra este povo como forte muro de bronze; eles pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti; porque Eu sou contigo para te salvar, para te livrar deles, diz o SENHOR” (v. 20). As ameaças dos inimigos não teriam poder algum sobre Jeremias, pois o SENHOR do universo estava com ele.

O que fez a diferença na vida do profeta, continua sendo a fórmula contra o medo e contra a dúvida: o amor pela Palavra de Deus. Da mesma forma com que Cristo iniciou a vitória no deserto, Jeremias experimentou ao “comer” o maná do Céu. Ele achou nas palavras do SENHOR “gozo e alegria para o coração” (v. 16), mas ainda passava por duras aflições. Como entender tamanha contradição? Jesus nos explica: “No mundo passais por aflições; mas tende bom ânimo; Eu venci o mundo” (João 16:33).

Por mais angustiante que seja a nossa situação aqui. Por mais que a nossa dor não encontre alívio. Por mais que a solidão nos maltrate. Há um Deus que já venceu o mundo e que deseja nos blindar como muros de bronze e nos fortalecer “para o bem” (v. 11). Que a Bíblia seja sempre a sua principal “refeição” diária e, então, no lugar do medo haverá amor e no lugar da dúvida, fé.

Bom dia, fortalecidos pelo SENHOR!

Desafio do dia: A oração é a “argamassa” da vida espiritual para que os muros permaneçam firmes. Estabeleça horários e propósitos de oração diários.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias15
#RPSP



JEREMIAS 14, Comentado por Rosana Barros
8 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Disse-me o SENHOR: Os profetas profetizam mentiras e em Meu nome, nunca os enviei, nem lhes dei ordem, nem lhes falei; visão falsa, adivinhação, vaidade e o engano do seu íntimo são o que eles vos profetizam” (v. 14).


Jeremias passou pela terrível experiência que profeta algum havia passado. Por três vezes consecutivas, teve suas preces rejeitadas em favor do povo pelo qual intercedia. Já não bastasse a solidão do profeta, suas orações também não seriam respondidas. A primeira intercessão do profeta contém palavras de rogo em apelo a um povo que não correspondia à santidade do nome do Deus pelo qual eram chamados. Na segunda, o profeta acusa os falsos profetas e o poder de persuasão deles de fazer com que o povo acreditasse em uma falsa paz. Já a terceira, é uma súplica pela ação divina em resposta à incapacidade dos ídolos dos gentios de realizar qualquer obra. Porém, todas as três orações FORAM REJEITADAS.

Fico imaginando o que Jeremias sentiu. Afinal, ele não estava pedindo somente por ele, mas pelo povo. Ele poderia ter desistido na primeira negativa de Deus, mas continuou insistindo. De todas as formas possíveis tentou colocar diante de Deus tudo o que estava destruindo o povo, apelando por Suas misericórdias não por amor do próprio povo, mas por amor do Seu nome que estava sendo profanado. Só que a conexão de Jeremias com o SENHOR, não era a mesma dos habitantes de Jerusalém. As pessoas haviam se tornado completamente indiferentes aos apelos divinos e, enquanto o profeta de Deus erguia suas súplicas, elas davam ouvidos às palavras dos falsos profetas porque eles falavam exatamente o que elas desejavam ouvir.

A seca que Judá enfrentou não se tratava apenas de falta de água, ia muito além disso, a escassez era espiritual. Não havia quem buscasse o SENHOR. À semelhança dos líderes judeus que dependurariam o Messias na cruz do Calvário, aquela geração tornou-se totalmente seca e desprovida de qualquer chance de mudança. “[Voltavam] com seus cântaros vazios e, decepcionados e confusos, [cobriam] a cabeça” (v. 4). Choravam, se curvavam e clamavam, mas não ao Deus do Céu. Não para um lavar regenerador da Água da vida. Não estavam dispostos a se entregar a Deus em detrimento do próprio “eu”. Era mais agradável ouvir as “doces” palavras dos falsos profetas do que as “amargas” palavras de Jeremias.

Meus irmãos, será que estamos diferentes daquela seca espiritual? Não é muito mais fácil dar ouvidos àqueles que pregam palavras bonitas do que àqueles que pregam tão-somente o ASSIM DIZ O SENHOR? Não é confortável permanecer no lugar onde o nosso ego é amaciado e onde não somos desafiados a passar por um doloroso processo de mudança? Todos querem a Cristo como Salvador, mas quase todos O rejeitam como SENHOR. É fácil ser um cristão de aparência. É muito fácil fingir ser o que não é. Difícil é ser o que Deus pede que sejamos: “Sede santos, porque Eu sou santo” (I Pedro 1:16). A jornada é difícil, mas é simples. É tão simples que muitos têm confundido o papel da graça. Ora, o que é de graça é gratuito. Você e eu não precisamos fazer nada para obtê-la. Ela nos é dada como um presente. Um presente que já foi pago por Cristo na cruz. Basta aceitá-la! Mas, quando a aceitamos, consequentemente, vivemos por ela. E é esse viver que devemos buscar seguindo o nosso único Exemplo: “Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos EXEMPLO PARA SEGUIRDES OS SEUS PASSOS” (I Pedro 2:21).

Muito em breve cessarão as intercessões. Como aquela geração de Judá, estamos diante de uma geração que prefere ouvir mentiras a aceitar a verdade. E a situação é tão agravante, que esta realidade tem sido vista inclusive no meio daqueles que se chamam pelo nome de Deus. Como Cristo mesmo nos advertiu, muitos falsos profetas têm se levantado para confundir e enganar, “se possível, os próprios eleitos” (Mateus 24:24). E o que nós temos feito? O projeto Reavivados Por Sua Palavra não surgiu ao acaso, mas do coração do nosso Sumo Sacerdote que tem derramado as Suas últimas lágrimas por amor a mim e a você. Na verdade, creio que não foram as orações de Jeremias que foram rejeitadas, mas o coração endurecido de um povo que não mais conhecia o seu Deus. Não permita que isto aconteça com você! Há uma batalha muito grande acontecendo e é a sua vida que está em jogo. Permita, HOJE, que a Água da Vida opere um lavar regenerador em seu coração. Não rejeite o chamado da salvação!

Bom dia, encharcados pela Água da Vida!

Desafio do dia: Um dos remédios naturais deixados pelo Criador para nós foi a água. Se você ainda não faz bom uso desta dádiva de Deus, comece a beber pelo menos 08 copos de água por dia. Você perceberá que terá mais disposição física, mental, e terá mais saúde. E, consequentemente, ouvirá melhor a voz de Deus.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias14
#RPSP



JEREMIAS 13, Comentado por Rosana Barros
7 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

 “Pode, acaso, o etíope mudar a sua pele ou o leopardo, as suas manchas? Então, poderíeis fazer o bem, estando acostumados a fazer o mal” (v. 23).


Os pedidos incomuns feitos por Deus ao profeta ilustravam a terrível situação de Jerusalém: “povo maligno… que para nada presta” (v. 10). Recusaram se esvaziar do vinho de sua devassidão e por meio dele tornaram-se ébrios para a própria destruição. A fidelidade de Jeremias era totalmente contrastante com a dureza de coração daquele povo. Mas enquanto prosseguiam alegrando-se com suas luxúrias e adultérios (v. 27), Jeremias chorava copiosamente por eles:

“Mas, se isto não ouvirdes, a Minha alma chorará em segredo por causa da vossa soberba; chorarão os Meus olhos amargamente e se desfarão em lágrimas, porquanto o rebanho do SENHOR foi levado cativo” (v. 17).

Apesar de todas as afrontas e perseguições, o profeta de Deus conservava amor por seus compatriotas. Não poderia deixar de se compadecer de um povo que insistia em permanecer surdo aos reclamos divinos. Jeremias sabia que ou se arrependiam, ou teriam de sofrer os resultados da multidão de suas maldades (v. 22).

Dotados de um coração enganoso (Jeremias 17:9), como Davi, precisamos nos derramar aos pés do Único que pode criar em nós “um coração puro” (Salmo 51:10). E como Paulo, admitirmos: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum” (Romanos 7:18). As nossas “boas” intenções sem a aprovação de Deus não passam de um cinto podre (v. 7) e de um jarro quebrado (v. 14).

“Até quando ainda não te purificarás?” (v. 27) tem sido a pergunta do SENHOR a cada geração. A pureza requerida por Deus implica em, todos os dias, estarmos imersos na Água da vida. Somente mediante o lavar regenerador do sangue de Jesus podemos ser libertos “do corpo desta morte” (Romanos 7:24).

Assim como Deus pacientemente esperou pelo Seu povo, e insistentemente lhe apresentou o caminho da salvação, Ele tem estendido a Sua destra e oferecido a todos a oportunidade de aceitar o Seu chamado de amor. Ele nos chama para que nos revistamos de Sua armadura, cingindo-nos com o cinto da verdade (Efésios 6:14). Só assim seremos libertos do mal que nos assola: “e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8:32). Como barro, devemos nos colocar nas mãos do Oleiro para que sejamos Seus vasos de honra. Mas a decisão é nossa: “Ora, numa grande casa, não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra.” (II Timóteo 2:20).

Bom dia, vasos nas mãos do Oleiro!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias13
#RPSP



JEREMIAS 12, Comentado por Rosana Barros
6 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Plantaste-os, e eles deitaram raízes; crescem, dão fruto; têm-Te nos lábios, mas longe do coração” (v. 2).


Um dos maiores desafios na vida do cristão é a perseverança. Não foi sem razão que Cristo afirmou: “Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo” (Mateus 24:13). O caminho da salvação requer uma fé confiante que prevaleça ainda que tudo ao redor pareça desmoronar.

Jeremias dirige a sua primeira queixa ao SENHOR. Inconformado com a prosperidade dos ímpios, reclamou a justiça divina. A vida tranquila dos perversos era um contraste com a sua, que procurava viver segundo a vontade de Deus. Enquanto o povo prosseguia em sua falsa adoração e em seus negócios prósperos, o profeta era perseguido até pela própria família (v. 6). Com “sede” de justiça, Jeremias expõe perante o SENHOR o seu coração e num impulso de angústia, pede castigo para os perversos de seu povo.

As vicissitudes da vida costumam nos fazer questionar muitas coisas. E ao contemplarmos as injustiças deste mundo, corremos o risco de questionar o próprio Deus. O salmista Asafe também fez o mesmo questionamento, quando disse: “Pois eu invejava os arrogantes, ao ver a prosperidade dos perversos. Para eles não há preocupações, o seu corpo é sadio e nédio. Não partilham das canseiras dos mortais, nem são afligidos como os outros homens” (Salmo 73:3-5). Mas a sua conclusão é a resposta chave da questão: “Em só refletir para compreender isso, achei mui pesada tarefa para mim; até que entrei no santuário de Deus e atinei com o fim deles” (Salmo 73:16-17). Asafe entendeu que A CONCLUSÃO É A RESPOSTA!

Confiança é a mola propulsora da perseverança. Por mais que os filhos de Deus sejam perseguidos e tenham que passar por muitas provações aqui, o fim que lhes aguarda é a salvação. Já os ímpios,“o fim deles” será a morte eterna. A prosperidade dos perversos tem prazo de validade. O salmista já havia compreendido a mensagem do santuário como uma ilustração do plano da redenção, e da justiça de Deus. Jesus, nosso Sumo Sacerdote, hoje está no santuário celeste tanto intercedendo por cada ser humano que já pisou nesta terra, quanto decidindo o caso de cada um (Hebreus 8:1-2).

A resposta do SENHOR a Jeremias foi de advertência, mas também de amor. Piores coisas estavam por vir, e se em terra de paz ele já estava tão aflito, como conseguiria resistir quando a paz não mais existisse? Estamos, como Jeremias, em provisório “tempo de paz”. A confiança que Jeremias deveria ter, muito mais precisaremos quando os quatro ventos desta terra forem soltos (Ap. 7:1). Este é o tempo que temos à nossa disposição para que, como Asafe, nos apeguemos firmemente à promessa do SENHOR e mantenhamos os nossos olhos fixos no santuário de Deus. É no lugar Santíssimo (Ap. 11:19) que está a nossa esperança e a nossa salvação, “tão certo como vive o SENHOR” (v. 16)!

Bom dia, justificados por Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias12
#RPSP

Deixe seu comentário:



JEREMIAS 11, Comentado por Rosana Barros
5 de agosto de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“O SENHOR te chamou de oliveira verde, formosa por seus deliciosos frutos; mas agora, à voz de grande tumulto, acendeu fogo ao redor dela e consumiu os seus ramos” (v. 16).


Há algumas semanas presenciei de minha janela uma triste cena: um frondoso jambeiro sendo podado. Cortaram tantos galhos que pensei que a árvore toda seria cortada. Mas, felizmente, aquela árvore que me dá tanta alegria todas as manhãs, só passou por um processo que a deixará ainda melhor e mais forte. O excesso de galhos lhe dava uma aparência deslumbrante, mas o sobrepeso poderia comprometer toda a sua estrutura.

A mensagem profética era para um povo que qual árvore frondosa precisava ser podado. Porém, cada um andava “segundo a dureza do seu coração maligno” (v. 08) e se recusavam em cumprir as palavras da aliança do SENHOR. Recusaram a poda e o resultado de suas próprias obras os levaria ao destino de total destruição: “E não haverá deles resto nenhum” (v. 23).

Além de idólatras, as pessoas tornaram-se totalmente corrompidas pelo governo do próprio coração. Não deixavam de ir ao templo do SENHOR para cumprir com seus rituais (v. 15), mas continuavam fazendo o mal “para si mesmas” (v. 17). Enquanto “cultuavam a Deus”, tramavam conspirações contra o profeta de Deus. Jeremias tornou-se inimigo do estado porque tudo o que dizia da parte do SENHOR contrariava o estilo de vida maligno daquele povo.

O profeta se viu encurralado porque nem com seu pai e com seus irmãos podia contar. Armavam ciladas contra ele, dizendo: Vamos matá-lo e ficaremos livres de suas palavras estúpidas (v. 19). Contudo, o “justo Juiz, que [prova] o mais íntimo do coração” (v. 20), defenderia a causa do Seu fiel servo e puniria os seus algozes.

Se há uma coisa que tenho visto vez após outra na Palavra do SENHOR é que Ele não permite que fique impune todo aquele que se levanta contra um de Seus filhinhos. No tempo certo a Sua justiça se manifesta (v. 12). Jeremias foi extremamente perseguido por sua fé no ASSIM DIZ O SENHOR. Apesar de demonstrar profunda compaixão por todos, suas palavras lhes soavam qual som repugnante e suas lágrimas não conseguiam penetrar naqueles corações petrificados.

O que faz uma árvore frondosa e com frutos deliciosos chegar àquela situação? O completo afastamento da Fonte de toda vida. Assim como uma planta precisa de água, terra (alimento) e luz solar, Jesus é a Água da vida, o Pão da vida e o Sol da justiça. “Não atenderam, nem inclinaram” (v. 08) o ouvido para as Suas palavras, mas “tornaram às maldades de seus primeiros pais” (v. 10). Trocaram o solo fértil da justiça de Deus para tornarem-se como seus deuses, apenas pedaços de madeira que para mais nada servem a não ser para serem consumidos pelo fogo (v. 16).

“Como manso Cordeiro, que é levado ao matadouro” (v. 19), Cristo assumiu a nossa culpa e Se entregou no maior ato de compaixão de todos os tempos. Mas o triste é que quem O matou não foi o império romano apenas, mas este, aliado e instigado pela nação que se chamava pelo nome de Deus.

Como cristãos, não estamos livres da apostasia e precisamos seguir o conselho do apóstolo Paulo: “Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não reconheceis que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados” (II Coríntios 13:5). Não são palavras brandas. Como as palavras de Jeremias, estas também são palavras duras de se ouvir, mas são palavras de um homem de Deus, inspirado por Deus, e para o nosso próprio bem.

Que a Palavra do SENHOR não lhe seja uma afronta, mas a doce voz de Jesus a lhe dizer: “dai ouvidos à Minha voz” (v. 7).

Feliz sábado, ramos da Videira verdadeira (João 15:5)!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jeremias11
#RPSP




%d blogueiros gostam disto: