Reavivados por Sua Palavra


Jó 5 by jquimelli
30 de junho de 2013, 23:12
Filed under: Sem categoria

Resumo: "Quem te responderá? O homem nasce para enfrentar problemas. Quanto a mim, eu buscaria a Deus. Não despreze Sua disciplina. Ele fere, mas te cura."

Comentário devocional:

Elifaz acha que o que acontece na vida de uma pessoa é consequência imediata dos seus atos. Portanto, o problema de Jó, na opinião de Elifaz, é ele mesmo. O seu discurso principal é que o homem colhe o que semeia. Jó não deve pedir a ajuda dos céus (v. 1), pois isto é tolice e desonestidade (v. 2). Os bens das pessoas tolas são destruídos, elas morrem na guerra (v. 3,4) e sua colheita é saqueada (v. 5).

As dificuldades do homem “não nascem do chão”, mas, sim, do próprio homem, que “nasce para as dificuldades como as fagulhas voam para cima” (v. 6 e 7, NVI). Por esta razão, deve-se buscar a Deus (v. 8), que é um Deus Soberano (vv. 11-12) e faz o que Lhe agrada, mesmo em detrimento da vontade de suas criaturas, reduzindo-as a meros brinquedos. Se Ele quiser quebrar Seus brinquedos, quem poderá impedi-Lo? Este ponto de vista da soberania de Deus exposto por Elifaz não é bíblico e omite a revelação de Seu amor.

De acordo com Elifaz, Deus escolhe aleatoriamente os caídos e os que choram (v. 11). Ele destrói ativamente as ações mentais dos homens, os impede de consertar as coisas (v. 12) e sua sabedoria e conselhos são dissipados (v. 13). Quando Deus age, os homens encontram apenas escuridão todos os dias. É escolha arbitrária de Deus querer salvar o carente e desesperado (v. 15). Mas há esperança para os pobres (v. 16). Portanto, tudo o que acontece a uma pessoa é disciplina de Deus e não deve ser rejeitado (v. 17).

Elifaz pensava que Deus inflige dor nas pessoas quando Ele acha necessário, e depois os cura quando quer (v. 18). Indiferente se houverem um ou sete problemas, Ele pode proteger o homem contra o mal (v. 19). Na fome e na guerra Ele protege o indivíduo de morte (v.20). Ele protege a pessoa contra falatórios e nada precisa ser temido (v. 21). Pode-se rir da destruição e não ter medo de animais selvagens (v. 22, 23). Isso em virtude da paz que Deus nos dá neste mundo. Neste pensamento de Elifaz, a paz circunda a pessoa e os recursos do céu estão disponíveis para ela agora.

Falta a Elifaz o correto entendimento das coisas, do ponto de vista bíblico. A diferença entre o pensamento de Jó e o de Elifaz, ambos equivocados, é que o primeiro traz a ideia filosófica do auto sacrifício e o segundo tem o pensamento "comamos e bebamos, porque amanhã morreremos" (Is. 22:13).

Querido Deus,

voltamo-nos para Ti para suprir todas as nossas necessidades, não porque queiramos criar o nosso próprio paraíso na terra, mas porque colocamos em Ti a nossa esperança que o criará para nós ao final. Queremos viver no presente com esta esperança futura em nós. Amém.

Koot van Wyk

Universidade Nacional Kyungpook

Sangju, Coreia do Sul

Trad/Adap JAQ/GASQ

Texto bíblico: Jó 5



Jó 4 – comentários by jquimelli
30 de junho de 2013, 21:19
Filed under: Sem categoria

1. Elifaz. Suas declarações são mais profundas que as de seus companheiros. […] Ele resume, com grande clareza, a atitude geral que prevalecia em seus dias acerca da relação entre sofrimento e pecado. Há certa dose de verdade no discurso de Elifaz. Ele revela um discernimento perspicaz, mas lhe falta calor humano e simpatia, e erra completamente ao avaliar a situação de Jó. Elifaz é um exemplo de como pessoas sinceras, que deixam de compreender a Deus e Sua atitude para com o ser humano, podem lidar de maneira ineficiente com verdades profundas (CBASD, vol. 3, p. 567).
Elifaz afirmava que recebera conhecimento secreto através de uma revelação especial de Deus (v.12-16) e que ele tinha aprendido muito de sua experiência pessoal (v.8). Ele argumentou que o sofrimento é resultado direto do pecado e que, portanto, se Jó confessasse seu pecado seu sofrimento teria fim. Elifaz via o sofrimento como punição de Deus, que devia ser bem recebido a fim de trazer de volta a pessoa a Deus. Em alguns casos, certamente, isto é verdade (Gál. 6:7,8), mas este não era o caso de Jó. Embora Elifaz fizesse comentários bons e verdadeiros, ele fez três suposições equivocadas: (1) uma pessoa boa e inocente nunca sofre; (2) aqueles que sofrrem estão sendo punido por seus pecados; e (3) Jó, por estar sofrendo, havia feito algo de errado aos olhos de Deus (Life Application Study Bible).

Elifaz […] e os outros dois acreditavam que aquele excessivo sofrimento era uma consequência do seu [de Jó] pecado e evidência dele. […] De acordo com essa filosofia, bastava que ele confessasse o seu pecado, e tudo voltaria ao normal e o sol tornaria a brilhar no seu caminho (Comentário Devocional VT – FBMeyer).

O problema dos amigos não se achava tanto no que sabiam, mas, sim, no que não sabiam (Bíblia de Estudo NVI Vida).

Temã era uma cidade comercial, conhecida como um lugar de sabedoria (ver Jer 49:7) (Life Application Study Bible).

2 Elifaz supõe que sua palestra vá ofender a Jó, e, portanto, pede desculpas de antemão (Bíblia Shedd).

5 Elifaz acha que Jó não tinha gabarito de viver à altura das lições que havia dado a outras pessoas que tinham caído na desgraça (Bíblia Shedd).

7,8 O que Elifaz disse era em parte verdadeiro e em parte falso. É verdadeiro que aqueles que promovem pecado e confusão eventualmente serão punidos; é falso que qualquer um que for bom e inocente nunca irá sofrer. Todo o material registrado e citado na Bíblia está alí por escolha de Deus. Parte dele é registro do que as pessoas disseram e fizeram mas não é um exemplo a se seguir. Os pecados, os defeitos, os maus pensamentos e concepções errôneas acerca de Deus são parte da Palavra inspirada de Deus, mas não devemos seguir estes exemplos errôneos somente porque estão na Bíblia. A Bíblia nos traz ensinamentos e exemplos que deveremos fazer assim como aquilo que não deveremos fazer. Os comentários de Elifaz são um exemplo do que devemos evitar – fazer suposições falsas sobre outros baseado em nossa própria experiência (Life Application Study Bible).

12,13 Apesar de Elifaz declarar que sua visão tinha inspiração divina, é questionável se ela realmente viera de Deus porque mais tarde Deus mesmo criticou Elifaz por representá-Lo erradamente (42.7). Seja qual for a origem da visão, ela é resumida em 4:17. Aparentemente, a declaração é completamente verdadeira – um mero mortal não pode tentar questionar os motivos e atos de Deus. Elifaz, contudo, tomou este pensamento e o expandiu, expressando suas próprias opiniões. Sua conclusão (5:8) revela seu entendimento superficial de Jó e de seu soffrimento. É facil que professores, conselheiros e amigos bem intencionados comecem com uma porção da verdade de Deus e, então, errem o alvo (orig: go off on a tangent). Não limite Deus à sua perspectiva e entendimento finito da vida (Life Application Study Bible).

12-21 Aqui, notamos que Elifaz é um místico. No seu debate, depende muito da sua experiência pessoal; fala do que aprendeu em visões e sonhos (Bíblia Shedd).

18, 19 Os anjos realmente cometem erros? Lembre-se de que foi Elifaz quem disse isso e não Deus. Portanto deveríamos ser cuidadosos em construir conhecimento a respeito do mundo espiritual a partir das opiniões de Elifaz (Life Application Study Bible).[NT: Note que o comentarista não está afirmando nem que a frase é correta nem que não é. Apenas que a palavra de Eifaz não é suficiente para construirmos teologias sobre ela ].



Áudio do capítulo do dia em inglês by jquimelli
30 de junho de 2013, 6:43
Filed under: Sem categoria
Amigos,
uma novidade que pode interessar:
Você pode escutar o capítulo do dia em inglês, através do links enviado pelo boletim diário do blog mundial. Ótimo para quem praticar seu inglês.

Listen  
T
Aqueles que se interessarem em receber este boletim diário, podem fazer sua inscrição na página de abertura do blog, em: http://www.revivedbyhisword.org.
Tenha um ótimo e abençoado dia.
Jeferson.
—– Mensagem encaminhada —–

De: Revived by His Word <revivedbyhisword@ministerialassociation.org>
Enviadas: Domingo, 30 de Junho de 2013 3:59
Assunto: Job 4 – Revived by His Word

Job 4 – Revived by His Word

Good morning, Jeferson, Job 4 is here for you to read!
View this email in your browser
Share
Tweet
+1
Forward to Friend
 

Job 4

Read in the NIV or NKJV

Listen  
Then Eliphaz the Temanite answered and said,
If we assay to commune with thee, wilt thou be grieved? but who can withhold himself from speaking?
Behold, thou hast instructed many, and thou hast strengthened the weak hands.
Thy words have upholden him that was falling, and thou hast strengthened the feeble knees.
But now it is come upon thee, and thou faintest; it toucheth thee, and thou art troubled.
Is not this thy fear, thy confidence, thy hope, and the uprightness of thy ways?
Remember, I pray thee, who ever perished, being innocent? or where were the righteous cut off?
Even as I have seen, they that plow iniquity, and sow wickedness, reap the same.
By the blast of God they perish, and by the breath of his nostrils are they consumed.
10 The roaring of the lion, and the voice of the fierce lion, and the teeth of the young lions, are broken.
11 The old lion perisheth for lack of prey, and the stout lion’s whelps are scattered abroad.
12 Now a thing was secretly brought to me, and mine ear received a little thereof.
13 In thoughts from the visions of the night, when deep sleep falleth on men,
14 Fear came upon me, and trembling, which made all my bones to shake.
15 Then a spirit passed before my face; the hair of my flesh stood up:
16 It stood still, but I could not discern the form thereof: an image was before mine eyes, there was silence, and I heard a voice, saying,
17 Shall mortal man be more just than God? shall a man be more pure than his maker?
18 Behold, he put no trust in his servants; and his angels he charged with folly:
19 How much less in them that dwell in houses of clay, whose foundation is in the dust, which are crushed before the moth?
20 They are destroyed from morning to evening: they perish for ever without any regarding it.
21 Doth not their excellency which is in them go away? they die, even without wisdom.
Read blog entry and respond

Subscribe to our audio podcast on iTunes!

Join us in prayer

Join the 777 global prayer chain at 7 a.m. and 7 p.m., seven days a week, for the Holy Spirit’s presence in our families, leaders, churches, and communities.

 

Facebook
Facebook
Twitter
Twitter
Website
Website
YouTube
YouTube
Copyright © 2013 General Conference Ministerial Association, All rights reserved.

You are receiving this message because you signed up for the daily Bible reading plan at http://www.revivedbyhisword.org. If you no longer want to reveive email from us, please use the “unsubscribe” link below.

Seventh-day Adventist Church

Ministerial Association · 12501 Old Columbia Pike · Silver Spring, Maryland 20904 USA

 



Jó 4 by jquimelli
30 de junho de 2013, 0:09
Filed under: caráter de Deus

Resumo: Elifaz diz: “Você vai ficar impaciente? Alguma vez você viu o inocente perecer? Ouvi uma voz: ‘Pode um homem ser mais justo do que Deus?’ ”

Comentário devocional:

Elifaz é o primeiro amigo de Jó a responder ao seu lamento. Esses amigos de Jó não tinham conhecimento da história da rebelião no Céu e da prolongada discussão entre Satanás e Deus, a respeito da fidelidade de Jó. A questão era muito maior do que eles poderiam imaginar.

Alguns estudiosos querem ver o lado bom de Elifaz e tentar desculpá-lo por ele estar expondo, em sua fala, o pensamento dominante de sua época. Ele está dizendo que Jó costumava ser um conselheiro e ajudava a muitos (v. 3 e 4), mas agora que a tragédia surgiu em seu caminho, ele se tornou impaciente e agora é ele quem necessita de um conselheiro (v. 5). No verso 7 Elifaz explica o seu ponto de vista, “segundo o que eu tenho visto ” (v. 8). A fonte do seu conhecimento é a sua experiência e seus sentidos. Ele tem a idéia de que é no presente que Deus castiga os ímpios e recompensa os fiéis. Aqueles que semeiam problemas, isso mesmo colherão (cf. v. 8). É pela ira de Deus que o ímpio chega ao seu fim, mesmo agora (cf v. 9).

Durante uma noite, quando Elifaz tentava dormir, um espírito passou diante de seu rosto (v. 15). Ele ficou com muito medo e tremendo (v. 14). Seu cabelo se arrepiou e ele pulou para fora da cama (v. 16). Ele não podia discernir o vulto corretamente, apesar de estar na frente de seu rosto. A voz culpou os atos de Deus de uma maneira que somos lembrados dos papéis desempenhados por Lúcifer na rebelião no céu. Sua intenção é lançar dúvidas sobre a justiça de Deus. “Seria, porventura, o mortal justo diante do seu criador? Seria, acaso, o homem puro diante do seu Criador?” (v. 17).

Estas perguntas feitas com objetivo de gerar dúvidas pedem um não como resposta, o que reforça mais uma acusação a Deus: “Eis que Deus não confia nos seus servos” (v. 18). Esta acusação de culpa de Deus na Terra é ligada à culpa de Deus no Céu, pois Ele “aos Seus próprios anjos atribui imperfeições” (v. 18), tendo, por isso, os expulsado do Céu.

Satanás está usando aqui a mesma estratégia que ele usou com Eva em Gênesis 3. Se os próprios anjos não são poupados, os seres humanos não podem esperar nada melhor. Entre a manhã e a noite é Deus quem quebra os seres humanos em pedaços (“Nascem de manhã e à tarde são destruídos”, v. 20a). O espírito de atribuição de culpa continua, e Elifaz repete: (v. 20b). “Eles perecerão pela retenção”, o que significa que Deus retém as bênçãos dos céus dessas pessoas. Eles são desconectados de suas vidas, são deixados a morrer sem ter conhecimento do porquê.

Querido Deus, nós também nos deparamos com tragédias. Pessoas e a nossa consciência querem nos acusar de maldade que merece punição imediata de Deus. Mas nós sabemos que irás recompensar a todos no futuro não pela nossa (inexistente)
justiça, mas pela justiça de Jesus Cristo. Mantenha-nos na palma da sua mão. Amém.

Koot van Wyk

Universidade Nacional Kyungpook

Sangju, Coreia do Sul

Trad/Adap JAQ/GASQ

Texto bíblico: Jó 4




%d blogueiros gostam disto: