Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 12 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
25 de janeiro de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

1071 palavras

1 Sai. O chamado de Deus exigiu que Abraão rompesse completamente com o passado. Ele não só teve de sair da terra dos dois rios (a Mesopotâmia), onde estavam situadas tanto Ur quanto Harã, mas também teve de renunciar aos laços familiares e até à casa de seu pai, para nunca mais voltar ás pessoas de seu próprio sangue. Foi um severo teste. Harã e Ur pertenciam à mesma civilização e tinham os mesmos padrões de vida. Tudo isso mudaria imediatamente quando ele saísse da terra dos dois rios e passasse à Síria e à Palestina. Em vez de férteis pastagens, ele encontraria uma terra cheia de florestas e montanhas. Em vez de viver entre povos de sua mesma origem e altamente civilizados, ele estaria jornadeando entre tribos com valores inferiores e com uma religião degradada. Certamente não deve ter sido fácil para Abraão cortar os laços com sua terra natal, onde havia passado toda a vida e possuía muitas ternas associações. Um jovem pode deixar seu país de origem sem pesares, mas para um homem de 75 anos essa decisão é dura. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 287, 288.

A terra que te mostrarei. Gênesis 11:31 indica que o destino original de Abrão tinha sido Canaã. Obviamente, Deus deve ter especificado Canaã como a terra em cuja direção ele devia se dirigir. CBASD, vol. 1, p. 288.

3 Todas as famílias da Terra. A palavra heb. aqui traduzida ´por “terra”, ‘adamah, significa essencialmente “solo”. Estão incluídas nela todas as nações de todas as épocas. É o solo que foi amaldiçoado após a queda (Gn 3:17), o mesmo solo do qual o homem havia originalmente sido criado.CBASD, vol. 1, p. 288.

5 Todos os bens que haviam adquirido. A riqueza de Abraão e de Ló consistia principalmente de grandes rebanhos de gado e ovelhas. Abraão era próspero (Gn 13:2), mas sua prosperidade de forma alguma demonstrou ser um empecilho à sua vida religiosa. Embora seja verdade que a riqueza em geral dificulta a seus possuidores qualificarem-se para o reino de Deus, não é de maneira alguma desvantagem fatal (ver Mt 19:23-26). Quando uma pessoa de posses se considera mordomo de Deus e usa sua riqueza para honra de Deus e o avanço de seu reino, a riqueza é uma bênção e não uma maldição. CBASD, vol. 1, p. 289.

As pessoas. Heb nefesh. A ARC usa a palavra “almas”, enquanto que a ARA usa “pessoas”

6 O carvalho de Moré. Heb ‘elon, literalmente ” uma grande árvore”. A palavra é presumivelmente usada aqui em sentido genérico e coletivo e pode ou não se referir a uma árvore em particular. Tem sido sugerido que ela significa um bosque de carvalhos. CBASD, vol. 1, p. 290.

7 tua descendência.Embora esta seja uma das mais curtas revelações divinas, no entanto, foi de grande importância para Abrão, então um estrangeiro num país distante. Sua brevidade não era de maneira alguma proporcional a sua importância e valor. Era preciso fé para acreditar que os cananeus, em cidades altamente fortificadas, seriam desapossados e que a terra seria dada a um homem idoso e sem filhos. O cumprimento aparentemente improvável da promessa a tornava um grande teste para a fé do patriarca. CBASD, vol. 1, p. 290, 291.

Literalmente, “tua semente” (singular). Faz referência à “semente” em 3:13. Andrews Study Bible.

9 Indo sempre para o  Neguebe. Betel ainda não seria o lar permanente de Abraão. Ele prosseguiu em direção ao “sul” (ARC), heb. Negeb, nome que a região conserva até hoje. O Neguebe era e ainda é um território semiárido que fica ao sul e sudoeste das montanhas  e que, posteriormente, passou a pertencer a Judá. CBASD, vol. 1, p. 291.

10 Desceu, pois, Abrão, ao Egito. Embora o Egito ocasionalmente sofresse com a fome quando o Nilo não transbordava, era conhecido entre os países vizinhos como um porto de refúgio em tempos de necessidade. Antigos registros egípcios mencionam repetidamente o fato de que os asiáticos entravam no país para alimentar seus rebanhos famintos. Às vezes, esses visitantes permaneciam no país e se tornavam uma ameaça para a população nativa. CBASD, vol. 1, p. 292.

12 É a mulher dele. Abraão descobriria, no Egito, que a astúcia humana é inútil e que o livramento do medo e da perplexidade só vem do Senhor (Sl 105:14, 15). CBASD, vol. 1, p. 292.

13 minha irmã. A meia verdade de Abrão é tacitamente aceita por Sara. Tanto Abrão quanto Sara tinham o mesmo pai (20:12) […] O leitor é lembrado que mesmo sendo Abrão o pai da fé (Heb. 11:8-11, 17-19), ele ainda é um ser humano, com medos e falhas de caráter e é resgatado por Deus e pelas esposas/mães da fé, Como se verá, seus medos eram bem fundados. Andrews Study Bible.

14 Era sobremaneira formosa. Com 65 anos, como Sara podia ser tão atraente quanto este incidente sugere? Deve-se lembrar que no tempo de Abraão a média de vida era o dobro do que é hoje. Portanto, Sara, que morreu com 127 anos (Gn 23:1), estava ainda na meia-idade. CBASD, vol. 1, p. 294.

17-20 Apesar de Abrão não parecer considerar a honra e integridade de Sara, Deus considera. Em resposta a pragas, o Faraó devolve Sara a Abrão e os manda de volta a Canaã. Note a importante ligação desta história com a posterior narrativa do Êxodo: tanto Abrão quanto Israel são benvindos no Egito; eles sofrem e Deus intervém enviando pragas (o mesmo termo em Êx. 11.1); eles retornam carregando riquezas do Egito para Canaã. Andrews Study Bible.

17 O SENHOR puniu Faraó … com grandes pragas. Essa experiência devia ter ensinado Abraão a confiar em Deus e não em suas próprias manobras. Parede estranho, contudo, que ele, pouco tempo depois, repetisse o mesmo erro, e ainda mais estranho que seu filho Isaque tentasse o mesmo artifício (ver Gn 20:2; 26:7). … O Senhor continua sendo fiel para com Seus filhos mesmo nos momentos de infidelidade deles (ver 2Tm 2:13). Contudo, agir deliberadamente na expectativa de que Deus nos salvará dos resultados adversos é presunção. Foi a uma tentação dessa natureza que Cristo respondeu: “Não tentarás o Senhor, teu Deus” (Mt 4:7). CBASD, vol. 1, p. 294.

19 Toma-a, e vai. Reconhecendo que as pragas vieram sobre ele por causa do desagrado de Deus, o monarca não ousou tratar mal a Abraão. Ao contrário, porém, ele procurou mitigar a ira de Deus proporcionando-lhe um salvo-conduto para sair do país. A benignidade do faraó e a misericórdia de Deus humilharam Abraão, e em silêncio ele reconheceu sua culpa. Que desonra sobrevém à causa de Deus quando Seus representantes, como resultado de procedimentos irrefletidos e vergonhosos, trazem sobre si mesmos merecida reprovação de homens do mundo! CBASD, vol. 1, p. 295.


1 Comentário so far
Deixe um comentário

👏🏼 Muito bom!!

Comentário por Cristão em Ação




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: