Reavivados por Sua Palavra


MATEUS 11 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
9 de maio de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Vinde a Mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei” (v.28).

Após instruir Seus discípulos, Jesus “partiu dali a ensinar e a pregar nas cidades deles” (v.1). O sucesso da formação teológica e do discipulado daqueles homens consistia em uma matéria principal: contemplação. Ao contemplar o seu Mestre, o que Ele falava, como agia e reagia, lhes ensinaria na prática de que “o reino dos céus é tomado por esforço” (v.12) e que “a sabedoria é justificada por Suas obras” (v.19). As obras de Cristo, tudo o que Ele fazia, apontava para a Sua íntima comunhão com o Pai e fiel cumprimento do que a Seu respeito está escrito. Foi ouvindo “falar das obras de Cristo” (v.2), que João Batista enviou seus discípulos a fim de acabar com a sua angústia: Era Ele mesmo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo? A resposta iria até João novamente em forma de obras, segundo o que foi predito pelo profeta Isaías: “os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres está sendo pregado o evangelho” (v.5).

O ministério de João Batista consistiu em preparar o caminho para a chegada do Messias. Como porta-voz do reino dos céus, sua vida foi dedicada ao serviço do Senhor em condições bem difíceis. Seu púlpito? O deserto. Seus ouvintes? “Uma geração má e adúltera” (Mt.16:4). Sua moradia? Precária. Sua comida? Limitada. Pode-se dizer que João foi considerado por muitos como um lunático no deserto. Mas o que importava a opinião da maioria comparada a opinião do próprio Jesus? “Em verdade vos digo: entre os nascidos de mulher, ninguém apareceu maior do que João Batista” (v.11). Pelo poder de Deus, o deserto da Judeia se tornou em manancial, pois que, de João, jorrava uma fonte “para a vida eterna” (Jo.4:14). E, dentre os que creram em Jesus e O seguiram, estavam muitos que aceitaram beber desta fonte e inundar a vida de outros com as boas-novas do evangelho.

As obras de Cristo, porém, nem sempre obtinham o resultado esperado. Jesus citou, por exemplo, algumas “cidades nas quais Ele operara numerosos milagres” (v.20), mas que não se arrependeram de seus pecados. Ou seja, não houve transformação, não houve mudança. Isto significa que o que Jesus opera na vida de alguém requer uma resposta, um resultado. Arrependimento, confissão e conversão são elementos inseparáveis. Muitos são impactados e ficam maravilhados com o que Cristo realiza em suas vidas, mas não passa disso, uma emoção motivada pela necessidade de bênçãos materiais que, quando alcançadas, ao invés de levá-los para mais perto do Senhor, se tornam verdadeiras pedras de tropeço afastando-os cada vez mais da fonte de toda vida. A verdade é que “menos rigor haverá, no Dia do Juízo” (v.24) para com as antigas cidades impenitentes do que para com aqueles que agem desta forma.

O que João pregou no deserto e que Jesus confirmou em Seu ministério (Mt.4:17), é uma mensagem tão clara e simples que “aos pequeninos” foi revelada, ao passo que “aos sábios e instruídos” (v.25) foi ocultada pela dureza de seus corações. Se conhecer o Pai implica em primeiro conhecer o Filho (v.27), ir até Jesus e permanecer contemplando-O é tudo de que precisamos. O convite de Cristo não consiste em somente ir até Ele, mas em ir a Ele e aprender dEle: “Vinde a Mim […] e aprendei de Mim” (v.28, 29). E nem todos estão dispostos a aceitar e aprender as lições da escola cristã através de: renúncias, angústias, sofrimentos e perseguições. Como as multidões na multiplicação dos pães e dos peixes, querem ser alimentadas, e como os convidados nas bodas de Caná, desejam o melhor vinho, mas rejeitam ter de passar pelo deserto da tentação ou ter que carregar a sua cruz.

Quando vamos até Cristo descobrimos que o caminho estreito é difícil, mas que nEle tudo se torna mais suave e mais leve (v.30). Através do Espírito Santo, Jesus nos ensina dia a dia que na mansidão e na humildade de coração entramos em um íntimo relacionamento com Deus, refletido no caráter e nas obras. “Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos céus é tomado por esforço” (v.12); não aquele em que o homem é o próprio autor da vida, mas aquele que, escondido em Cristo, permanece ali até à morte ou até que Ele volte. Semelhante a João e a Jesus, que nossas obras testifiquem da operosidade do Espírito Santo em nós. Então, muito em breve ouviremos o convite definitivo: “Vinde, benditos de Meu Pai!” (Mt.25:34). Vigiemos e oremos!

Feliz semana, pequeninos na escola de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Mateus11 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


2 Comentários so far
Deixe um comentário

Solicito que a partir desta data, não seja mais enviado esse tipo de mensagem para esse e-mail. Quero e desejo, que seja enviado para o Zap (98) 992103838. Fica melhor de acompanhar e fazer a leitura. Obrigada.

Comentário por Rose Pinheiro

Olá Rose, acesse este link para entrar no grupo do WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/1phh3iNgCqq724XmdUVk6m

Comentário por Maria Eduarda




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: