Reavivados por Sua Palavra


DANIEL 06 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
14 de fevereiro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Disseram, pois, estes homens: Nunca acharemos ocasião alguma para acusar a este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (v.5).

Sob a regência do rei Dario, os medos e os persas tomaram o controle do governo mundial e adaptaram o sistema político, nomeando três presidentes e cento e vinte sátrapas (governadores das satrapias ou províncias). Este sistema garantia um melhor controle nos negócios do reino e evitava possíveis rebeliões. De todos, porém, Daniel logo se destacou, se distinguindo dos demais “porque nele havia um espírito excelente” (v.3). Havia algo em Daniel que o rei não conseguia ver em nenhum de seus subordinados. Como uma luz que se acende e dissipa as trevas, assim era Daniel num meio de intrigas e ambições políticas.

Movidos por inveja, os demais presidentes e os sátrapas se uniram com o propósito maligno de “acusar a Daniel a respeito do reino”. O que eles conseguiram, porém, foi perceber que Daniel era fiel em tudo, de modo que “não se achava nele nenhum erro nem culpa” (v.4). Liderados pelo mentor de toda a iniquidade, aqueles homens não desistiram, só mudaram de estratégia: “Nunca acharemos ocasião alguma para acusar a Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (v.5). Desta vez não foi difícil encontrar um motivo para eliminar aquele cujo caráter lhes era uma constante repreensão. E mentindo a respeito do consentimento do próprio Daniel, conseguiram o aval de Dario em um interdito irrevogável.

Maior do que um decreto de morte era o relacionamento vivo entre Daniel e o Senhor. Daniel sabia que, como Sadraque, Mesaque e Abede-Nego no campo de Dura, não se tratava de orar ou não orar, mas, novamente, era uma questão de adoração. Todos conheciam a devoção de Daniel ao seu Deus e suas orações diárias haviam se tornado um testemunho público disso. Se Daniel houvesse fechado as janelas e orado em secreto, ele teria tomado uma posição diferente de seus três amigos quando ficar em pé era o sinal distintivo entre os falsos e os verdadeiros adoradores. Seu costume diário não foi apenas o que definiu a sua sentença de morte, mas também o que definiu diante de todo o reino, a Quem ele servia.

Profundamente consternado e sentindo-se enganado, Dario “determinou consigo mesmo livrar a Daniel” (v.14). Mas logo perceberia que não se tratava de um livramento por mãos humanas, e sim, divinas. Enquanto Daniel dormia numa cova de leões, o rei não conseguia dormir em seu palácio. O ambiente não deve definir o nosso estado de espírito. Daniel sabia que não havia entrado sozinho naquela cova. Dario, contudo, mesmo cercado de pessoas que estavam a postos para servi-lo, nunca se sentiu tão só. Andar com Deus é uma dádiva que não pode ser comparada a nenhuma regalia desta terra. A Bíblia não diz o que o profeta sentiu ao entrar naquele lugar, mas, certamente, o que Dario reconheceu em Daniel, Deus confirmou e honrou: “Daniel, servo do Deus vivo!” (v.20).

Vejamos o que Ellen White escreveu a respeito deste episódio de estrita fidelidade: “Deus não impediu os inimigos de Daniel de lançarem-no na cova dos leões; Ele permitiu que anjos maus e homens ímpios chegassem a realizar o seu propósito; mas isto foi para que pudesse tornar o livramento do Seu servo mais marcante e mais completa a derrota dos inimigos da verdade e da justiça. ‘A cólera do homem redundará em Teu louvor’ (Sl.76:10), o salmista testificou. Graças à coragem deste único homem que escolheu seguir o direito antes que a astúcia, Satanás devia ser derrotado e o nome de Deus exaltado e honrado” (Profetas e Reis, CPB, p.277).

Às vésperas do tempo em que os filhos do reino serão perseguidos por serem fiéis à “lei do seu Deus” (v.5), estes devem ser reconhecidos em tempos de guerra pelo que costumavam fazer em tempos de paz. Notem que, na bonança, Daniel se destacou no meio de um grupo de mais de 120 líderes políticos, e, na tribulação, sua fé se tornou conhecida por todo o reino. Amados, Deus nos chamou para fazermos a diferença aonde quer que estivermos. Mas logo, a fé genuína não conhecerá fronteiras, e então, será conhecido de todos “a diferença entre o justo e o perverso, entre o que serve a Deus e o que não O serve” (Ml.3:18). Logo o inimigo de nossas almas receberá o castigo que ele faz de tudo para nos impor (v.24). Portanto, já é chegada a hora de despertar, servos do Deus vivo! Então, quando vier a última grande prova, como Daniel, sairemos de lá sem nenhum dano, pois confiamos no Senhor nosso Deus (v.23). E, com Ele, prosperaremos em Seu reino eterno (v.28). Vigiemos e oremos!

Feliz semana, servos e servas do Deus vivo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Daniel6 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


1 Comentário so far
Deixe um comentário

Realmente esse episódio da vida de Daniel é inspirador, O caráter genuíno, a certeza dada por Deus de que sua Vida Estava segura nas mãos do criador do Universo, tudo o que envolvia As decisões de Daniel já fora antes confirmado por Deus!
Que Relato Maravilhoso, Obg por vcs nos inspirarem cada vez mais..
Peço Oração pior Minha Vida estou passando por algo que preciso do resgate de Deus.

Comentário por Misael da Silva Ferreira




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: