Reavivados por Sua Palavra


ESTER 1 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
13 de dezembro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Bebiam sem constrangimento, como estava prescrito, pois o rei havia ordenado a todos os oficiais da sua casa que fizessem segundo a vontade de cada um” (v.8).

Anterior até mesmo ao período de Esdras, o relato de Ester se deu após o decreto de Ciro, autorizando os judeus a regressarem à sua terra. O rei Assuero, ou Xerxes I, era o líder político mundial da época e gostava de contar vantagem de seu poder, riqueza e domínio. No período de incríveis “cento e oitenta dias”, mostrou a todos “as riquezas da glória do seu reino e o esplendor da sua excelente grandeza” (v.4) e promoveu um grande banquete dando a liberdade de que “sem constrangimento” (v.8), cada um agisse por conta própria.

Após dias de embriaguez sem limites, Assuero decidiu encerrar as festividades com a joia de sua vaidade. O desfile da rainha Vasti, que a Bíblia descreve como “em extremo formosa” (v.11), seria a perfeita conclusão da exposição da prosperidade de seu reino. A recusa da rainha, contudo, causou-lhe o constrangimento que arruinou a sua alegre expectativa. Diante dos nobres e príncipes, sentiu-se desmoralizado e não permitiria que aquele ato ficasse sem punição. No que ouvindo o conselho de um de seus sábios, logo o anuiu. E devido à sua recusa pública, Vasti foi deposta de sua posição de rainha.

A atitude de Vasti foi considerada um mau exemplo a ser eliminado. Os sábios consideraram a afronta da rainha como a ameaça de uma revolução feminina. A sua influência e posição lhe concedia uma exposição de figura pública e muitas mulheres a viam como um modelo a ser seguido. O que deixa claro de que a preocupação de Memucã, portanto, fazia todo o sentido. Não estamos aqui considerando o motivo da desobediência de Vasti, pois ela teria até muitas razões para não aceitar aparecer diante de milhares de homens bêbados. Mas a necessidade de Assuero em expor o que tinha aliado à recusa da rainha, por pouco não se tornou em um problema de ordem pública.

Quando o homem dá lugar à dissolução e às obras da carne, “sem constrangimento” (v.8), o resultado não pode ser outro a não ser estado de embriaguez. Entorpecidos pelo pecado, muitos têm resumido suas vidas ao consumo de bens materiais e à exposição destes. Há uma necessidade quase que irresistível de revelar aos outros as coisas que perecem, e isso, à velocidade de um clique. Beleza, riquezas, luxúria e baixas diversões ganham exposição e destaque como amostras de uma prosperidade que, se pudessem ver o desfecho, se recolheriam em grande vergonha. E assim, o nosso mundo vai sendo moldado pelas aclamadas figuras públicas e seus exemplos que em nada edificam.

Qual tem sido a nossa escolha diante dessa realidade? Se os cristãos estudassem mais a vida de Cristo e contemplassem menos as redes sociais, certamente não haveria tanta incoerência no cristianismo. O teor do conselho de Memucã deveria ser o nosso norte frente à quantidade de “Assueros” e “Vastis” modernos. Não estaremos seguros a menos que nos recusemos a participar desse banquete atual de iniquidades. Se almejamos morar onde Cristo mora, precisamos viver como Ele viveu. Lembremos de que “o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente” (1Jo.2:17).

Enquanto a maioria deseja conhecer e contemplar seus ídolos modernos, que o nosso desejo seja conhecer a Jesus para, muito em breve, O contemplarmos face a face. “Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a Sua vinda é certa; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra” (Os.6:3). Vigiemos e oremos!

Bom dia, imitadores de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Ester1 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


3 Comentários so far
Deixe um comentário

A proposta do Rei Assuero em dar um banquete com muitas farras e bebedices sem limites, atraindo praticamente todas as províncias da terra, era simplesmente para “Mostrar as riquezas da glória de seu Reino e o esplendor de sua excelente grandeza, por muitos dias, por cento e oitenta dias” (cf. v 4) pensamentos e ações como essas, nos remetem a Lúcifer, cuja principal objetivo, era ser adorado, reverenciado, quando desejou o trono de Deus conforme descrito por Isaías 13:12-14.
O desejo de ser a celebridade, chamar a atenção para o EU, é contrário aos que professam ser seguidores de Cristo, que “pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre, para que pela sua pobreza fôsseis enriquecidos.” (2 Cor. 8:9).
O Cristão genuíno, não procura ser o centro das atenções, entretanto, e buscar atrair a atenção das pessoas aos pés de Cristo, ele da honra e glórias unicamente a Deus, portanto é de adoradores como esses que Deus procura, que possamos esvaziarmos de nosso orgulho e preenchermos com a humildade de nosso Senhor Jesus Cristo

Comentário por SERGIO ARAUJO MENDES

Que sejamos verdadeiros adoradores do Deus vivo! Bom dia, amado irmão! 🙏🏻

Comentário por Rosana Garcia Barros

Bom dia! Gostaria de pedir oração pela saúde da minha tia Vivalda.

Comentário por Isabelle




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: