Reavivados por Sua Palavra


2 REIS 24 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
14 de setembro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

1684 palavras

1-20 Este capítulo conta a história da invasão babilônica na região da Síria-Palestina. Durante esta época, Judá foi conquistada pelos inimigos do leste [babilônios], e sua população, levada cativa para Babilônia. Bíblia de Estudo Andrews.

1 Nabucodonosor.  Construtor da capital do novo império babilônico. Foi o rei que governou por mais tempo aquela nação. Ele derrotou o faraó Neco na Síria em 605 a.C. na batalhado Carquemis (Jr 46:1, 2). Joaquim se tornou seu vassalo. A história da conversão de Nabucodonor ao Deus de Israel é narrada em Dn 4. Bíblia de Estudo Andrews.

Significa “Ó (deus) Nabu, protege meu filho!”. Era filho de Nabopolassar e rei [605-562 a.C.] mais poderoso do império Neobabilônico (612-539 a.C.). Bíblia de Estudo NVI Vida.

subiu Nabucodonosor, rei da Babilônia, contra ele [Jeoaquim]. De acordo com Daniel 1:1, Nabucodonosor foi contra Jerusalém no terceiro ano de Jeoaquim. … Jeoaquim se tornou vassalo de Babilônia e entregou reféns a Nabucodonosor, entre eles, Daniel. Três anos depois, ele parece ter se ligado ao Egito novamente. A intenção de renovar as forças parecia bem-sucedida, uma vez que os egípcios infligiram pesadas perdas ao exército de Nabucodonosor em 601 a.C. No entanto, a rebelião de Joaquim exibia falta de visão política, pois os babilônios rapidamente se recuperaram do contratempo e retornaram para punir os vassalos desleais. CBASD, vol. 2, p. 1083. Bíblia de Estudo NVI Vida.

voltou atrás e rebelou-se. Em 601 Nabucodonosor marchou de novo para o oeste, contra o Egito, e foi expulso pela forte resistência egípcia. Esse fato pode ter estimulado Joaquim a rebelar-se, embora Jeremias advertisse contra isso (v. Jr 27.9-11). Bíblia de Estudo NVI Vida.

caldeus. A etnia predominante no império neobabilônio. Os caldeus não eram nativos d Babilônia. Eram originários do extremo sul da Mesopotâmia. Nabucodonosor e seu pai, Nabopolassar, eram caldeus. Bíblia de Estudo Andrews.

tropas babilônicas [caldeus], aramaicas, coabitas e amonitas. A reação contra a rebelião de Joaquim foi rápida. Tropas babilônicas, talvez estacionadas em Arã [Síria], junto com tropas de outros vassalos leais à Babilônia, foram enviadas para esmagar a rebelião na Judéia. Bíblia de Estudo NVI Vida.

3 por causa dos pecados cometidos por Manassés. Repetidamente os pecados de Manassés são notados como a causa primária para a queda de Judá (ver 2Rs 21:11, 12; 23;26; Jr 15:4). CBASD, vol. 2, p. 1083.

4 sangue inocente. Inclusive o de Isaías (PR, 382). Isaías não olhou para as abominações de Manassés em silêncio e complacência, mas ergueu a voz em severa repreensão aos delitos do rei. CBASD, vol. 2, p. 1083.

por isso, o SENHOR não o quis perdoar. As atrocidades de Manassés foram o clímax da longa história de maldade de Judá. … O bom reinado de Josias adiou, mas não revogou a sentença de destruição. Eles chegaram ao limite, e Deus não perdoou a nação culpada, por não haver mudança. No entanto, a culpa nacional sempre deve ser distinguida da culpa pessoal (ver com. De 2Rs 17:20). CBASD, vol. 2, p. 1084.

Jeoaquim foi um dos piores reis de Judá, segundo Jr 22.13-19; 2Cr 36.8. Jeremias predisse que aquele rei seria sepultado como um jumento, sem ninguém a lamentá-lo, e de fato, o v. 6 nada diz sobre seu sepultamento. Bíblia Shedd.

6 descansou com seus antepassados. Joaquim morreu pouco antes de Jerusalém ser vencida pelo cerco dos babilônios (cf. v. 8-12). Não se indica se sua morte  se devia às causas naturais ou à intriga política. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Joaquim, seu filho reinou. Joaquim (tb em 2Cr 36:9), é também chamado por Jeconias (1Cr 3:16, 17; Ester 2:6; Jr 22:24, 28; 24:1; 27:20; 28:4; 29:2) e por Conias (Jr 37:1) …. “Yahweh estabelecerá”. CBASD, vol. 2, p. 1084.

o rei do Egito não mais se atreveu a sair com seu exército de suas próprias fronteiras. Esse fato devia-se à derrota dos egípcios em Carquemis [Síria] (v. Jr 46.2) em 605 a.C., e explica por que Joaquim não recebeu nenhuma ajuda do Egito na sua rebelião contra os babilônios. Bíblia de Estudo NVI Vida.

o ribeiro do Egito. Pequeno rio localizado a leste do Nilo. Delimitava a fronteira sudoeste da terra prometida a Abrão. O autor observa que os babilônios conquistaram a região que havia pertencido ao império de Davi e Salomão. Bíblia de Estudo Andrews.

8 Elnatã. Este [o pai de Neústa, vô de Joaquim] foi um dos mensageiros enviados ao Egito por Jeoaquim [pai de Joaquim], a fim de tomar de volta o profeta Urias (Jr 26:22, 23). Também foi um dos príncipes que insistiram para que Jeoaquim não queimasse o rolo de Jeremias (Jr 36:12, 25) [provavelmente, um dos responsáveis por que tivéssemos em nossos dias o livro bíblico de Jeremias]. CBASD, vol. 2, p. 1085.

10 subiram os servos de Nabucodonosor. Ou seja, os generais. Esse foi o segundo ataque de Nabucodonosor a Jerusalém. CBASD, vol. 2, p. 1084.

Este cerco efetuou-se no ano 597 a.C., e contra o mesmo não houve muita resistência. A capitulação imediata da cidade poupou muitas vidas. Bíblia Shedd.

A rendição de Joaquim aos babilônios em 597 a.C. salvou a cidade e levou segunda deportação de Judá. Bíblia de Estudo Andrews.

12 Então, subiu Joaquim. Desesperado, Joaquim, se rendeu [foi encarcerado e, 37 anos depois, foi libertado e tratado com complacência, 2 Rs 25:27-30]. CBASD, vol. 2, p. 1084.

o levou cativo. Quando Nabucodonosor aceitou a submissão do rei Joaquim (24.1), levou, além dos despojos, alguns dentre os jovens intelectuais judeus (Dn 1.3-7). Esse primeiro cativeiro deu-se no primeiro ano de Nabucodonosor, 605 a.C. Aqui, já no oitavo ano de seu reinado, 597 a.C., o rei da Babilônia impõe um cativeiro mais rigoroso, por outros motivos, não para enriquecimento do seu país, mas sim, para privar a Judá de todas as pessoas responsáveis que poderiam organizar um exército rebelde. Mas o rei desconhecia a coragem do povo: dez anos mais tarde, no ano 587 a.C. viu-se forçado a deportar todo o povo, destruindo a cidade de Jerusalém e deixando apenas alguns camponeses pobres para lavrar a terra; esse foi o terceiro cativeiro. Bíblia Shedd.

13 levou dali todos os tesouros da Casa do SENHOR. Alguns dos utensílios do templo já tinham sido levados para Babilônia em 605 a.C., no primeiro ataque de Nabucodonosor a Jerusalém (Dn 1:2; 2Cr 36:7). [Ver tb 2Rs 25:13-16; Jr 27:18-20, sobre os utensílios que restaram e Ed 1:7-11, sobre a quantidade]. CBASD, vol. 2, p. 1085.

segundo tinha dito o SENHOR. Isaías havia predito isso quando os embaixadores babilônios visitaram Ezequias (2Rs 20:17; Is 39:6). CBASD, vol. 2, p. 1085.

14 transportou. A nação de Judá foi exilada, assim como os habitantes de Israel haviam sido deportados anteriormente pela Assíria. Os babilônios adotavam uma política diferente da praticada pelos assírios; permitiam que os exilados se restabelecessem em comunidades orgânicas. Pessoas influentes e trabalhadores qualificados podiam ser empregados em Babilônia a um baixo custo. Bíblia de Estudo Andrews.

toda a Jerusalém. Isto é, as classes mais elevadas. Com os ”figos bons” (Jr 24:1-7), Jeremias simbolizou os que foram levados naquela ocasião. … Levar de Jerusalém os seus trabalhadores qualificados privaria a cidade conquistada desse tipo de cidadão que seria útil na guerra, e forneceria valiosos auxiliares para amplos empreendimentos de construção dos conquistadores. CBASD, vol. 2, p. 1085.

dez mil. Este número compreende sete mil guerreiros, “valentes”. Mil “artífices” e dois mil “príncipes” (que inclui a corte real, os anciãos da cidade e líderes religiosos). O profeta Ezequiel era um destes últimos e já considerava aquele ano como o fim de Judá. Bíblia Shedd.

15 a mãe do rei. A menção da mãe [ver v. 8] logo depois do rei e antes das esposas dele é um indicativo da importância dela. CBASD, vol. 2, p. 1085.

os homens principais da terra. O chefe civil e os funcionários eclesiásticos: o príncipe, os eunucos, nobres, cortesãos, anciãos, sacerdotes, profetas e levitas (ver Jr 29:2, 2). CBASD, vol. 2, p. 1085.

16 Todos os homens valentes. Os “homens valorosos” (v. 14, ARC), os líderes da aristocracia da região treinados para a guerra e que, como os cavaleiros da Europa medieval, lideravam o povo na batalha. CBASD, vol. 2, p. 1085.

17 Matanias [Zedequias]. Ele era o terceiro filho de Josias e foi o último rei de Judá. Bíblia de Estudo Andrews.

O nome de Matanias (que significa “dádiva de Iavé”) foi mudado mara Zedequias (“justiça de Iavé”). Talvez Nabucodonosor quisesse dar a entender que suas ações contra Jerusalém e Joaquim eram justas. De qualquer maneira, a mudança de nome significava sujeição a Nabucodonosor. Bíblia de Estudo NVI Vida.

597-587 a.C. Este é o rei com o qual o profeta Jeremias manteve mais contato, embora seu ministério houvesse iniciado em 627 a.C., trinta anos antes. Este rei é mencionado muitas vezes, desde o capítulo 21 de Jeremias em diante. Bíblia Shedd.

Zedequias. Literalmente, “justiça de Yahweh” ou “Yahweh é justiça”. [Nome provavelmente dado por seus pais ou parentes] … porque Nabucodonosor dificilmente teria escolhido este nome. CBASD, vol. 2, p. 1085.

19 Fez ele o que era mau. Durante o reinado de Zedequias, práticas idólatras continuavam a aumentar-se em Jerusalém (v. 2Cr 36.14; Ez 8-11). Era um governante fraco e indeciso (v. Jr 38.5, 19), que se recusou a prestar atenção à palavra do Senhor dada por meio de Jeremias (2Cr 36.12). Bíblia de Estudo NVI Vida.

20 Zedequias rebelou-se. Esta frase introduz os eventos do cap. 25 e deveria iniciá-lo. O cap. 24 termina com a palavra “presença”. CBASD, vol. 2, p. 1085.

rebelou-se. Zedequias se aliou à coalisão antibabilônica das nações na Síria-Palestina que planejavam se rebelar (Jr 27). Foi severamente punido por Nabucodonosor em consequência deste ato de traição. Bíblia de Estudo Andrews.

A rebelião de Zedequias contra Babilônia causou a investida de Nabucodonosor contra Judá e arruinou a nação. No início do reinado de Zedequias, houve uma expectativa geral, fomentada pelos falsos profetas, de que haveria um rápido regresso dos exilados de Babilônia com o fim do cativeiro (Jr 27:16; 28:1-4; 10, 11). Por causa dessa expectativa, Zedequias enviou embaixadores a Babilônia (Jr 29:3) e depois ele mesmo foi lá, no quarto ano de seu reinado (Jr 51:59). Constantemente Jeremias tentava corrigir essa impressão e aconselhava que não se revoltassem (Jr 27:5-22; 28:5-17; 29:1-32). Zedequias, no entanto, continuou suas atividade para acabar com o jugo babilônico e buscou auxílio do Egito (Ez 17:15; cf Jr 37:5; 44:30). CBASD, vol. 2, p. 1085, 1087.

Parece, no entanto, ter cedido diante da propaganda sedutora da facção anti-Babilônia e pró-Egito em Jerusalém (v. Jr 37.5; Ez 17.15, 16) num esforço tragicamente mal calculado para tornar-se independente da Babilônia. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Zedequias caiu no tradicional erro de entrar nas tramas políticas do Egito (2 Cr 36.13; Ez 17.11-21). … A rebelião declarada em 589 a.C. contava com o apoio do Faraó Hofra; mas logo que os caldeus (babilônios) interromperam o sítio de Jerusalém para perseguir os egípcios, o povo de Jerusalém evadiu-se deixando a cidade abandonada e sem defesa alguma (Jr 37.5-10). Bíblia Shedd.


2 Comentários so far
Deixe um comentário

Isto muito de estudos expositivos são ótimos para compreensão.

Comentário por Crismacleiton

Glória a Deus . Estudo muito bom. Continuem. Deus os abençoem.

Comentário por Maria Rosangela




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: