Reavivados por Sua Palavra


O Evangelho de João – objetivos e características by jquimelli
8 de janeiro de 2015, 17:52
Filed under: Bíblia, Estudo devocional da Bíblia, Evangelho, Jesus, milagres | Tags: ,

Caríssimos,

Embora um tanto extenso, compartilho aqui parte do excelente material apresentado no Comentário Bíblico Adventista sobre o Evangelho de João, no qual se expõem 1) o objetivo do livro, 2) principais diferenças entre João e os outros evangelhos; 3) a palavra-chave do livro (Logos) e 4) correlação com o AT.

Após sua leitura, você terá uma outra visão sobre o Evangelho de João. Um excelente e abençoado estudo nos próximos 21 dias!

Pela Equipe Reavivados.

***

Quando o evangelho de João foi escrito, próximo ao fim do primeiro século, três principais perigos ameaçavam a vida e a pureza da igreja cristã. O mais sério deles era a decadência da piedade; além disso, havia perseguição e heresias, particularmente o gnosticismo, que negava a encarnação e fomentava a libertinagem.

Depois de cerca de 30 anos desde que os sinóticos foram escritos (ver p. 163-167), o idoso João era o único sobrevivente dos doze discípulos (AA, 542). Então, foi impressionado pelo Espírito a apresentar novamente a vida de Cristo, de maneira a enfrentar as tendências que ameaçavam a igreja. Os crentes precisavam de um quadro vívido do Salvador que lhes fortalecesse a fé nas grandes verdades do evangelho: encarnação, divindade, humanidade, vida perfeita, morte expiatória, a gloriosa ressurreição e o prometido retorno de Jesus. E João pregava que “a si mesmo se purifica todo o que nEle tem esta esperança, assim como Ele [Cristo] é puro” (1Jo 3:3). Somente quando a vida e a missão do Salvador são preservadas como uma realidade viva na mente e
no coração é que o poder transformador de Sua graça se torna eficaz na vida. Em harmonia com isso, João anuncia que seu relato foi escrito “para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em Seu nome” (Jo 20:31). Ele admite que poderia ter registrado muito mais (v. 30), mas que relatou apenas os incidentes que considerou mais necessários para confirmar as verdades fundamentais do evangelho. Agiu segundo a convicção de que o que lhe convencera também convenceria a outros (cf. 1Jo 1:1-3).
 
… O pensamento cristão gnóstico girava em torno do conceito de que, em essência, o bem e o mal devem ser identificados com o espírito e a matéria, respectivamente. Ensinava que aqueles em quem residia uma centelha da luz celestial eram prisioneiros neste mundo material. A salvação
consistiria no conhecimento de como escapar da esfera material para a espiritual. O gnosticismo negava a encarnação de Cristo ao afirmar que a forma humana vista pelos olhos físicos era apenas uma aparência. Supunha que o Cristo divino havia entrado no Jesus humano, em Seu batismo e havia partido antes da morte na cruz.
 
Sem dúvida, João enfrentou esses falsos conceitos de pecado e salvação, em parte, com seu relato da vida de Jesus. Mais ou menos 30 anos antes, Paulo havia escrito à igreja de Colossos acerca dos perigos ocultos naquilo que, na época, era uma nova e intrigante crença: o gnosticismo (Cl 2:8;
cf. At 20:29, 30). Então, o apóstolo João combateu a mesma filosofia, já vigorosa e mais popular e que ameaçava à própria vida da igreja.
 
Com bom senso inspirado, João evita atacar diretamente o gnosticismo e se atém a uma declaração positiva da verdade. É digno de nota que, aparentemente de maneira deliberada, ele evita o uso de certos termos gregos como gnosis, pistis e sophia (“conhecimento”, “fé” e “sabedoria”), que eram palavras-chave no vocabulário gnóstico. Ele começa declarando em linguagem inequívoca a verdadeira divindade de Cristo e a realidade de Sua encarnação. Parece que sua seleção de incidentes foi guiada pelo desejo de apresentar os aspectos da vida e do ministério de Cristo que mais claramente revelam essas verdades fundamentais.
 
Com poucas exceções dignas de nota, como as bodas de Caná, a visita a Sicar, a cura do filho do oficial do rei, a alimentação dos 5 mil e o sermão sobre o Pão da Vida, João trata exclusivamente e, muitas vezes de maneira detalhada, de incidentes que ocorreram na Judeia e envolveram líderes da nação judaica. Nesse aspecto, seu evangelho complementa os sinóticos, que tratam  extensivamente do ministério na Galileia e passam por alto, em relativo silêncio, a maioria dos incidentes ocorridos na Judeia.
 
João também difere dos sinóticos de outras maneiras. Extensas seções de seu evangelho consistem de longos e controversos discursos proferidos no templo em Jerusalém. Além disso, vários capítulos são devotados a conselhos comunicados aos discípulos na noite da crucifixão. Por outro lado, João não diz nada sobre incidentes importantes como o batismo, a transfiguração
e a experiência no Getsêmani, e também não relata nenhum caso de cura de endemoniados. Os milagres que relata são especificamente apresentados como evidências do poder divino e contribuem para seu assumido propósito de provar que Jesus é o Filho de Deus. Não relata nenhuma das parábolas dos sinóticos. Seu objetivo é mais teológico do que biográfico ou histórico, mesmo assim ele emprega bastante material biográfico e histórico. Ao passo que os sinóticos
apresentam a messianidade de Jesus de maneira indutiva, João a anuncia ousadamente já no primeiro capítulo e, depois, passa a apresentar evidências para comprová-la. Outras diferenças significativas se encontram na cronologia joanina da vida de Cristo, em comparação com a sinótica. Se tivéssemos só as narrativas dos sinóticos, provavelmente concluiríamos que o ministério de
Cristo se estendeu por um período de pouco mais de um ano, enquanto que João requer pelo menos dois anos e meio e sugere um período de três anos e meio. João e os sinóticos também diferem em sua correlação da última Páscoa com a crucifixão (ver Nota Adicional 1 a Mateus 26).
 
A palavra-chave deste evangelho é “Verbo”, do gr. logos (Jo 1:1), que, contudo, é usado em seu sentido técnico apenas no capítulo introdutório. Logos, como termo técnico, parece ter-se
originado com os [filósofos] 
estoicos, que o usavam para denotar a sabedoria divina como a força integradora do universo. O filósofo judeu Filo usa logos 1.300 vezes em sua exposição do AT. Alguns afirmam que João usa o termo logos nesse sentido filosófico, mas o Logos de João é
estritamente cristão. Ele apresenta Jesus como a expressão encarnada da sabedoria divina que tornou possível a salvação, como a expressão encarnada da vontade e do caráter divinos, bem como do poder divino que atua na transformação da vida humana. João se refere vez após vez ao fato de que Jesus veio ao mundo como a expressão viva da mente, da vontade e do caráter do Pai. Isso pode ser visto nas 26 vezes em que ele diz que Cristo Se referia ao Pai através da expressão
“Aquele que Me enviou” ou outra equivalente, ou quando ele usa um verbo sinônimo para se referir à missão que Cristo recebera do Pai.
João apresenta o Salvador da humanidade como o Criador de todas as coisas, a Fonte da luz e da vida. Enfatiza também a importância de se crer na verdade sobre Jesus, usando a palavra “crer” ou seu equivalente mais de 100 vezes. Embora o evangelho segundo João seja novo e distintamente cristão em seus conceitos, estima-se que 427 de seus 879 reflitam o AT, quer por citação direta quer por alusão.
Fonte: CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia. vol. 5, p. 984-986.

4 Comentários so far
Deixe um comentário

Muito agradeço os comentários sobre o Evangelho de São João. Para mim sempre foi uma situação estranha para entender que a mesma pessoa escreveu Apocalipse e esse tão espiritualizado Evangelho. Na plenitude do tempo haverei de entender. Principalmente me deixou “mais à vontade” quando fui informado que o Evangelho foi escrito após o Apocalipse. Muito obrigado por todos os comentários. Funcionam como “lupas” nas releituras dos textos bíblicos.

Comentário por José Nemar

Na verdade, caro José Nemar, não há incoerência entre os textos (Evangelho de João e Apocalipse) porque eles foram escritos para públicos-alvo diferentes. O Evangelho tem alcance universal (mas visava atender também a um problema específico da época, pregar sobre Jesus quando não mais haviam testemunhas oculares de Seu ministério) enquanto o Apocalipse é um livro que visa fortalecer os crentes perseguidos e do tempo do fim.
Além do mais, a Bíblia estaria incompleta sem o Apocalipse: o AT fala do Messias que viria. Os evangelhos mostram o Messias com mais clareza e as características do reino de Deus, seus cidadãos e condições de cidadania. O Apocalipse revela o Messias em Sua glória e a concretização do reino.
Veja o que escreveu Daniel Belvedere, no Seminário “As Revelações do Apocalipse”: “O Antigo Testamento profetizou acerca do Messias e os Evangelhos nos falam de Sua encarnação. Mas a não ser que conheçamos a revelação que Cristo faz de Si mesmo no Apocalipse, nossa compreensão da majestosa e sublime pessoa de Jesus será incompleta.” SRA/EP – p. 13. Não é a toa que “Apocalipse” quer dizer “Revelação”. Revelação de Cristo a respeito de Si próprio.
Você pode ler mais sobre este assunto em: http://www.sermoes.com.br/tsermoes193.htm e também mais extensivamente em: http://sermoes.com.br/lib/ApocalipseFull.zip.
Um abraço e obrigado pelo seu comentário. É muito bom saber que estamos sendo úteis.

Comentário por jquimelli

Obrigada Irmão pelos post maravilhosos e verdadeiros , amém .

Comentário por Janai padilha Pessoa .

Achei muito interessante o comentário.
Maravilhoso
Parabéns

Comentário por Marizan Alves Pereira




Deixe uma resposta para Janai padilha Pessoa . Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: